Blog do Juca Kfouri

Tabelinha com Juca

Segundas-feiras, às 15h

01/10/2005

Falou e disse

"O futebol brasileiro está morto e Ricardo Teixeira faz muito mal para o nosso futebol. A estrutura está falida, os clubes estão falidos. A CBF está rica e os clubes pobres. É verdade que chegaram a este ponto por má administração. A CBF nunca valorizou o Campeonato Brasileiro e os clubes são omissos. Ricardo Teixeira faz contratos de patrocínio milionários, acumula dinheiro e distribui para os clubes com critério político-eleitoral. Dá dinheiro ao Flamengo e tem Márcio Braga na mão".

Quem disse tudo isso?

Um irado jornalista?

Alguém que tenha participado da CPI da CBF?

Um oposicionista no Flamengo?

Nada disso.

Quem disse isso, em Tóquio, para a repórter Suely Caldas, do "Estadão", foi o sr. Arthur Antunes Coimbra, também conhecido como ZICO, o maior ídolo da história do Mengo.

Está na edição deste domingo.

Ruim para Márcio Braga, péssimo para Ricardo Teixeira.

 

Por Juca Kfouri às 22h57

Sábado de fiasco

Sábado terrível para meus palpites.

50% de acerto com o Paraná Clube, o Paysandu e o Cruzeiro, 50% de erro, porque o Santos só empatou (e jogou mal), o Goiás goleou a Ponte Preta e o São Caetano depenou o Galo.

Ou acerto 100% amanhã, com previsões até mais arriscadas, ou corro o risco de pagar Cerveja Só para uma centena de internautas.

Que fase!

Tome Chá de Cadeira, você que quer a renúncia do Ricardo Teixeira.

Por Juca Kfouri às 19h13

30/09/2005

Vamos ver quem acerta mais palpites?

Você dá os seus numa mensagem e depois compara com os meus.

Quem ganhar leva uma caixa da Cerveja Só (Cerveja Só se é possível jornalista fazer "merchan").

 

Aposto no Paraná; no Cruzeiro; no empate entre Goiás e Ponte Preta; no Paysandu; no Santos e no Atlético Mineiro, no sábado.

Domingo dá empate no Beira-Rio; Palmeiras; Corinthians; Atlético Paranaense e São Paulo.

Faça suas apostas. Os dados estão lançados.

 

 

Sábado, 01 de outubro

JOGO ESTÁDIO CIDADE
16h Paraná x Coritiba Pinheirão Curitiba
16h Cruzeiro x Juventude Independência Belo Horizonte
16h Goiás x Ponte Preta Serra Dourada Goiânia
17h Paysandu-PA x Figueirense Mangueirão Belém
18h10 Santos x Fortaleza Vila Belmiro Santos
18h10 São Caetano x Atlético-MG Anacleto Campanella S. Caetano Sul
Domingo, 02 de outubro
JOGO ESTÁDIO CIDADE
16h Internacional x Fluminense Beira-Rio Porto Alegre
16h Vasco x Palmeiras São Januário Rio De Janeiro
16h Corinthians x Brasiliense-DF Pacaembu São Paulo
18h10 Atlético-PR x Flamengo Arena da Baixada Curitiba
18h10 Botafogo-RJ x São Paulo Luso Brasileiro Rio De Janeiro

Por Juca Kfouri às 22h15

Armando Marques caiu: e daí?

A queda de Armando Marques era necessária, mas não muda nada.

Do mesmo modo que não mudou quando ele entrou, em 1997, no lugar de Ivens Mendes, o diretor de árbitros da CBF na época.

Qualquer um que entre no lugar de Marques tenderá a repetir seus erros, mesmo que com estilo diferente.

O problema está na estrutura, não apenas nas pessoas.

Só um departamento de árbitros autônomo, e profissionalizado, poderá dar solução ao que hoje é um dos principais instrumentos para o exercício do poder no futebol.

O problema é que nem a Fifa, nem a CBF, nem as federações pensam em abrir mão desse poder.

Ivens Mendes caiu oito anos atrás e Armando Marques caiu agora.

Quem ficou, tanto então quanto agora?

O presidente da CBF, o responsável pela escolha de um e de outro. 

Por Juca Kfouri às 17h18

"O Futebol sou eu"

O alarme já tocou e anuncia que talvez só uma cabeça dê a sentença para o caso dos 11 jogos contaminados pela arbitragem malandra no Campeonato Brasileiro, a do presidente do STJD, Luiz Zveiter.

Assim, ele repete um de seus xarás, o Rei Sol, Luís XIV, que no auge do Absolutismo na França, no século XVII, dizia que "o Estado sou eu".

Não faz sentido.

Se a solução de anular jogos será sempre imperfeita (que culpa teve o Santos ao ganhar de 4 a 2 do Corinthians numa partida que Edílson Pereira de Carvalho diz que estava preparada para o time de Tevez vencer?), a decisão pela cabeça de um homem só passa a ser inadmissível.

Ao menos, que se reúna todo o tribunal para que a decisão que, repita-se, poderá ser no máximo a menos pior, jamais a ideal, tenha a autoridade de uma sentença coletiva.

Porque se é natural que um Santos esperneie, como o Cruzeiro que terá de jogar de novo dois jogos que venceu (ao contrário do Corinthians que jogará outra vez dois jogos que perdeu), um decisão colegiada ameniza a indignação de quem se sentir prejudicado.

E todos sabemos que cada cartola olha apenas para o próprio umbigo, como o barrigudo Eurico Miranda, que quer anular o jogo que o Vasco perdeu (contra o Botafogo) e manter o que venceu (contra o Figueirense).

E que o tribunal não se limite a decidir sobre a sorte das partidas em questão, mas que trate de resolver também a responsabilidade das direções, tanto da CBF quanto da FPF.

Caso contrário, o melhor mesmo será instalar uma CPI do Apito no Congresso Nacional, porque o mundo da cartolagem não resiste às quebras de sigilos telefônicos e bancários.

 

Por Juca Kfouri às 10h10

O grande jogo do fim de semana

O grande jogo do fim de semana tem hora e local já definidos:

às 4 da tarde, no Beira-Rio, em Porto Alegre, o líder Inter recebe o Flu, empatado com o Corinthians em pontos ganhos, a apenas um ponto do time gaúcho.

Não será fácil para o Flu, é claro, mas também o Inter sabe que sua vida será difícil.

Inter e Flu são, no momento os dois times mais bem organizados do país e têm tudo para oferecer um grande espetáculo.

Talvez tão emocionante como foram os duelos entre ambos, exatamente 30 anos atrás, em 1975, pela semifinal do Campeonato Brasileiro, quando os gaúchos liderados por Falcão bateram os cariocas comandados por Rivelino, 2 a 0, no Maracanã.

Um jogo para não se perder e que vamos acompanhar juntos aqui neste blog.

Por Juca Kfouri às 00h28

Inter também se classifica

Além do Fluminense e do Corinthians, o Inter, ao empatar 1 a 1 com o Rosario Central, também se classificou para as quartas-de-final da Copa Sul-Americana.

Alívio para tricolores e alvinegros.

Afinal, os três líderes do Campeonato Brasileiro estão no mesmo enrosco.

Pior, aliás, para Inter e Corinthians.

Porque se o Flu terá o Universidade Católica pela frente, o Corinthians terá a altitude da Cidade do México ou, o que é muito pior, a de La Paz. E o Inter terá o Boca Juniors.

Tudo a feitio de quem parece querer perder o Brasileirão.

Seja como for, no confronto entre brasileiros e argentinos, só o Cruzeiro caiu fora.

Por Juca Kfouri às 00h25

29/09/2005

Nasceu!

Pronto. Pesando quase três quilos e medindo 45 cm, nasceu Fidel Brasileiro de Oliveira, o sexto varão do Doutor Sócrates, que está simplesmente enlouquecido de alegria, em Ribeirão Preto.

E disse que os médicos ainda estão procurando as metralhadoras na barriga da mãe, Adriana.

Por Juca Kfouri às 18h34

Fidel Brasileiro de Oliveira

Está para nascer a qualquer momento, em Ribeirão Preto, o menino Fidel Brasileiro de Oliveira, sexto filho do Doutor Sócrates.

Que nasça com o caráter, e com o calcanhar, do pai, e com espírito mais democrático que o xará famoso.

Por Juca Kfouri às 16h24

Classificação com jogos anulados

Como ficará a classificação do campeonato com os jogos anulados, considerados apenas os pontos ganhos e o número de jogos:

PG Jogos
1 Corinthians 50 26
2 Inter 48 27
3 Flu 47 26
4 Goiás 47 28
5 Palmeiras 45 28
6 Santos 44 27
7 Paraná 42 28
8 Fortaleza 40 28
9 Botafogo 38 26
10 Coritiba 38 27
11 Ponte Preta 38 27
12 São Paulo 37 26
13 Juventude 35 26
14 Cruzeiro 34 26
15 Atlético-PR 33 28
16 São Caetano 33 28
17 Flamengo 31 28
18 Vasco 30 26
19 Atlético-MG 30 28
20 Brasiliense 29 27
21 Figueirense 26 26
22 Paysandu 23 27

Por Juca Kfouri às 11h34

A solução menos pior

Tudo indica que os 11 jogos apitados por Edílson Pereira de Carvalho serão anulados e repetidos.

Não é a solução ideal.

Até porque não existe solução ideal para tamanha lambança.

Apenas, talvez, soluções menos piores. Como a anulação e repetição.

O fato é que não se pode acreditar em ninguém dos envolvidos e solução mesmo seria uma limpeza geral, de cima para baixo.

A palavra de Carvalho não vale nada.

Ele negou que seu diploma fosse falso dois anos atrás. E era.

Ele disse, ao ser preso, que tinha sido ameaçado. Não tinha.

Ora ele diz ter operado um jogo, ora outro.

Seu chefe, Armando Marques, marcado para cair, não foi solução para a queda de Ivens Mendes e também foge da verdade.

Alega que não foi ele quem nomeou Carvalho para a Fifa. Mas foi.

E o chefão, Ricardo Teixeira, jura que é contra quaisquer viradas de mesa. Mas notabilizou-se por virá-las.

Como prometeu não ser candidato à reeleição. E foi.

E se reelegeu, é claro.

O melhor Campeonato Brasileiro dos últimos tempos está irremediavelmente comprometido.

Com a anulação dos jogos o Corinthians assume a liderança.

Mantém seus 50 pontos.

E terá seis para recuperar, diante de Santos e São Paulo.

Mas, segundo Carvalho, o Corinthians perdeu dois jogos que foram armados para que vencesse.

Pode ser outra mentira, é óbvio. Pode até nem ter havido esquema para tais partidas.

Já o Inter fica momentaneamente sem três pontos ganhos contra o Coritiba. E cai para 48.

Ao passo que o Flu perde três que ganhou contra o Brasiliense e ganha a chance de recuperar outros três que perdeu para o Juventude.

Fica com 47.

No rebolo a situação não é menos complicada.

De tudo, duas conclusões: 1. Sem uma limpeza geral um novo escândalo será apenas questão de tempo;

2. Há que se cumprir, ao menos, os ritos legais.

Sem julgamentos antecipados.

Por Juca Kfouri às 10h26

28/09/2005

Altitude implacável

Nas quartas-de-final o Corinthians enfrentará o Pumas ou o Strongest.

No primeiro jogo, em casa, os mexicanos ganharam dos bolivianos por 3 a 1.

Seja como for, em plena reta final do Brasileirão, os corintianos jogarão ou na altitude da Cidade do México (2200m) ou na impossível altitude La Paz (3600m).

 

Por Juca Kfouri às 22h53

Acabou

O placar foi justo.

1 a 1.

E agora que acabou, só resta dizer:

ESTE TIME SÓ DÁ ALEGRIA!

 

Por Juca Kfouri às 22h44

Gol

Sei não.

Acho que o Marinho, ao empatar aos 46, jogou de bandido.

Para alivio de tricolores e colorados.

Ficou tudo igual.

Por Juca Kfouri às 22h42

Lágrimas de crocodilo

Só um gavião (o bueno, para ficarmos no castelhano), que é Mengo, parece arrasado com a iminente desclassificação corintiana.

Porque o corintiano inteligente, como o Márcio Bittencourt, deve ficar feliz.

O Flu está se classificando e o Inter deve se classificar amanhã.

O Corinthians poderá se concentrar só no Brasileiro.

Seus rivais mais diretos no momento, não.

Reclamar, gavião, do quê?

Ou você também está preocupado com a audiência da TV?

Água da Bica, a água que este Blog indica (homenagem a um merchan que morreu porque um esperto registrou a marca no Instituto Nacional de Patentes). É mole?

Por Juca Kfouri às 22h36

75 minutos

Bobô quase faz um golaço, só para eu deixar de bobo.

E o tal do Farias não fez. Nem fará.

Seja cliente do Banco de Sangue. Doe sangue, doe seus orgão. Não dói.

Por Juca Kfouri às 22h29

65 minutos

Jogo difícil e equilibrado.

Difícil de ver.

E equilibrado na ruindade.

Que coisa!

Entre no Mercado de Ações. Faça uma boa ação todos os dias.

Por exemplo, desligue a televisão. E durma com um barulho desses.

Por Juca Kfouri às 22h20

55 minutos

Bobô está em campo há 10 minutos.

Mas ainda não jogou.

Quem sabe se não fará um gol?

Pelo menos, rimou.

Faculdades Mentais, onde o aluno fica maluco por um ensino superior.

Ah, até que o Corinthians melhorou. Ou foi o River que piorou?

Por Juca Kfouri às 22h06

Chama o Hugo, chama o Hugo!

E o homem ainda tira o Hugo, que pelo menos chuta de longe?!

Meu Deus!

Casas Decimais, precisão absoluta em resultados esportivos

Por Juca Kfouri às 21h55

Intervalo

Nilmar não pode jogar porque não está inscrito na Sul-Americana.

O 1 a 0 ficou de bom tamanho e justo por causa da covardia do esquema corintiano.

Agora parece que vem aí o Bobô.

Ninguém merece.

Machados de Assis, para quebrar certas caras de pau.

Por Juca Kfouri às 21h37

35 minutos

Mesmo com um bando de volantes, tome bola cruzada na área corintiana.

E cada uma é um deus nos acuda, apesar desse time do River ser quase "orriver" (não resisti, perdão).

Banco da Praça, que pra você trabalha de graça.

Por Juca Kfouri às 21h25

25 minutos

O jogo está ruim e o Corinthians parou de jogar.

Assim, não irá a lugar nenhum.

Lençóis Freáticos, os únicos 100% naturais.

Por Juca Kfouri às 21h14

GOOOOOOL!!!!

A retranca de Antonio Lopes acabou por atrair o River para o campo do Corinthians.

E aos 14 minutos, Santana abriu o placar para os argentinos.

Sem patrocínio.

Por Juca Kfouri às 21h04

5 minutos

Corinthians alugou meio campo do Monumental de Nuñes.

Até bola no travessão o Gustavo Nery já mandou.

Sob o patrocínio do Chá de Cadeira, o chá dos querem a renúncia do Ricardo Teixeira.

Por Juca Kfouri às 20h54

River x Corinthians

Abrem-se as cortinas e começa o espetáculo!

Sob o patrocínio de Cerveja Só (Cerveja Só se é possivel jornalista fazer merchan)

Por Juca Kfouri às 20h48

São Paulo perde na Justiça

Passe de Ricardinho

São Paulo é condenado a pagar empresas parceiras

por Fernando Porfírio

A Justiça paulista condenou o São Paulo Futebol Clube a devolver R$ 3,136 milhões a duas empresas. O valor corresponde a um empréstimo de R$ 2,125 milhões, acrescido de juros, que viabilizou, em 2002, a transferência do jogador Ricardo Luis Pozzi Rodrigues, o Ricardinho, Corinthians para o São Paulo. A decisão é do juiz Clávio Kenji Adati, da 20ª Vara Cível Central da Capital. O clube entrou com recurso no Tribunal de Justiça.

As beneficiadas são as empresas Res Empreendimentos e Participações e Time Traveller Turismo e Empreendimentos. Elas reclamam à Justiça o recebimento de R$ 5.062.613,21, previsto na hipótese de rescisão e transferência do jogador para outro clube.

Ricardinho assinou contratos de trabalho e de direito de imagem com o São Paulo pelo período de dois anos, mas 16 meses depois resolveu rescindi-los. A rescisão é o motivo da briga entre o clube e as duas empresas.

O São Paulo entende que não houve empréstimo e que as autoras assumiram um contrato de risco, devendo, pois, arcar com possíveis insucessos. As empresas contestam declarando que o contrato não é de risco, uma vez que não dependia de evento incerto e ignorado.

“Diferente do sustentado pelo embargante (São Paulo), o contrato entabulado não é de risco tratando-se de cooperação recíproca para a viabilização da transferência do atleta Ricardinho do Corinthians para o São Paulo”, afirma o juiz na sentença.

“Mesmo na parte que prevê a divisão de lucros com eventual transferência do atleta para outro clube, em nenhum momento houve previsão expressa ou sequer tácita de que perderiam as embargadas (empresas) o dinheiro investido”, completa o juiz.

Contrato

A transação, por meio de um Instrumento Particular de Cooperação para Aquisição de Direito Econômico sobre Contrato de Trabalho, aconteceu em agosto de 2002 e previa contrato de trabalho e direito de uso de imagem. Em 12 de janeiro de 2004, no entanto, os dois contratos foram rescindidos a pedido de Ricardinho.

As empresas alegam que, na época, investiram R$ 2,125 milhões no contrato, com o intuito de colaborar com o clube “na manutenção de um elenco de elevado nível técnico no seu departamento de futebol profissional”. Argumentam que têm direito a receber uma multa equivalente a 35% do valor da rescisão do contrato.

O São Paulo contesta alegando que os diretores das empresas se apresentaram como torcedores incondicionais do clube e se propuseram a participar da aquisição dos direitos federativos de jogador. Alega, ainda, que no momento do acordo, concordaram que sua participação visava não só o êxito do empreendimento, mas de uma participação nos lucros ou prejuízos. Alegou, também, que o referido instrumento particular de cooperação nada estabelecia para a hipótese de uma possível rescisão amigável do contrato de trabalho em caso de insucesso do empreendimento.

O pacto determinava que o São Paulo deveria assinar com o atleta contrato de trabalho e de imagem com vencimento para o dia 30 de junho de 2004, prorrogável por um período de mais dois anos. Determinava, ainda, que nas hipóteses de não venda dos direitos federativos a outra agremiação ou de não prorrogação, deveria ser devolvido às duas empresas metade do investimento feito por elas (R$ 1.062.500,00), acrescidos de juros.

“Num primeiro momento, tudo foi festa, pois a expectativa era grande. O São Paulo e as investidoras, segundo imaginavam, haviam celebrado o melhor negócio do mundo, o título de campeão certamente viria ao final do ano, a cessão do atleta a terceiros propiciaria um invejável lucro para os contratantes, mas lamentavelmente ninguém previu o pior, ou seja, o insucesso do atleta com a nova camisa e a conseqüente rescisão de seu contrato de trabalho, atendendo pleito do próprio atleta”, afirmou o advogado Kalil Rocha Addalla, do São Paulo.

Revista Consultor Jurídico, 28 de setembro de 20

Por Juca Kfouri às 20h32

Ricardo Teixeira gostou?

O novo presidente da Câmara do Deputados, Aldo Rebelo (PCdoB-SP), tem um livro censurado por obra e graça do presidente da CBF, que conseguiu na Justiça proibir a venda da obra CBF-Nike, escrita em parceria com o também deputado Silvio Torres (PSDB-SP).

Rebelo presidiu e Torres relatou a CPI da CBF-Nike.

O livro é ótimo, editado pela Casa Amarela, e Ricardo Teixeira, que não leu e não gostou, não há de estar feliz com a volta de Rebelo ao poder.

Se bem que ele tem encontrado ótima recepção no governo Lula, desde o ministro do Esporte até o próprio Palácio do Planalto.

E caberá a Rebelo, agora, comandar o processo de votação (quando? quando?) da Timemania, o mensalão do futebol.

 

Por Juca Kfouri às 19h50

Vamos ver o jogo juntos?

Daqui a pouco, 21h45, vamos ver juntos River Plate 2, Corinthians 0, na estréia de Antonio Lopes.

Comentarei a partida com você durante seu desenvolvimento.

E, agora, me dê licença que vou dar uma descansada e jantar.

E não se esqueça: este blog tem diversos patrocinadores;

Cerveja Só (Cerveja Só se é possível jornalista fazer merchan);

Banco da Praça (O banco que pra você trabalha de graça);

Faculdades Mentais (Onde o aluno fica maluco por um ensino superior);

Casas Decimais (Precisão absoluta em resultados esportivos);

Lençóis Freáticos (Os únicos 100% naturais)

Machados de Assis (Para quebrar certas caras de pau);

Chá de Cadeira (O chá dos que querem a renúncia de Ricardo Teixeira);

Todos do Grupo Banco de Sangue (Doe sangue, doe seus orgãos, doe que não dói)

E lembre-se, há certas coisas que o dinheiro não compra: credibilidade, seriedade, respeito.

Entre no Mercado de Ações. Faça uma boa ação todos os dias.

Por Juca Kfouri às 18h02

Perguntinhas à CBF

Vá ao blog "A coisa aqui tá preta" -- www.crwa.zip.net - e leia lá as duas perguntas que o secretário-geral da ONG Transparência Brasil, Cláudio Weber Abramo, faz à CBF. E tente respondê-las.

Será, ao menos, divertido.

Por Juca Kfouri às 17h21

Só para não ficar com fama de leviano

Abaixo, duas notícias, absolutamente corriqueiras, diga-se, que justificam por que escrevi que Governador Valadares era área de influência do deputado Sérgio Miranda, sobre quem, aliás, tenho as melhores informações.

No morro da Carapina em Valadares, Sérgio conhece o reservatório

Foi uma emenda do deputado Sérgio Miranda ao orçamento da união em 2003 que possibilitou a prefeitura petista de Governador Valadares construir o novo reservatório de água no Morro da Capina, uma comunidade carente da cidade. Com capacidade para 600 mil litros de água, o reservatório reduziu a falta de água na comunidade. Sérgio estava acompanhado de dirigentes do PCdoB da cidade e do secretário de governo, pois o prefeito Fassarela encontra-se recuperando de problemas de saúde.

 

ELEIÇÕES 2004
Sérgio Miranda vê novo ambiente
político em rincões de Minas


Durante uma viagem de quatro dias e 1.600 quilômetros, o deputado federal Sérgio Miranda percorreu diversas cidades mineiras, a maioria situada nas regiões mais pobres do estado, nos vales do Rio Doce, do Mucuri e o Jequitinhonha, para contribuir com a campanha dos candidatos do PCdoB. Sérgio Miranda constatou uma mudança no ambiente político nos rincões do Brasil, após a vitória de Lula.

A primeira visita foi em Governador Valadares, onde o deputado foi recebido por vários membros do governo municipal e pela direção do PCdoB local (o prefeito Fassarela, PT, candidato à reeleição, estava ausente da cidade em tratamento médico). Pela manhã o deputado visitou três obras que foram realizadas com emendas alocadas ao orçamento da união por iniciativa do mandato. Um Centro de Saúde no carente bairro de Turmalina, o novo aterro sanitário da cidade e a caixa d’água que atende a três bairros carentes na região do Carapina. Pela tarde Sérgio reuniu com diversos militantes dos movimentos sociais e filiados ao PT, PCB e PCdoB em um concorrido debate realizado em uma escola.Neste debate o deputado ressaltou a necessidade da mobilização popular para que as mudanças desejadas pela população e prometidas na campanha do presidente Lula sejam, enfim, concretizadas. Parafraseando o assessor especial da presidência da República Frei Beto, Sérgio falou “governo é como feijão, só funciona na panela de pressão”.

 

Por Juca Kfouri às 16h26

Deputado esclarece

Prezado Juca, fiquei surpreso e indignado ao ler este comentário. De onde vem a informação de que Governador Valadares é minha base eleitoral, e de que teria feito alguma ingerência para liberação de verbas? Para seu conhecimento, tive 373 votos em Governador Valadares, dos mais de 78 mil que obtive na última eleição. Não fiz qualquer emenda orçamentária no Ministério dos Esportes para este município ou participei de qualquer ingerência para liberar verbas. Peço, portanto, um mínimo de cuidado ao fazer esse tipo de afirmação sem qualquer base nos fatos, envolvendo o nome de um parlamentar de forma gratuita e leviana. Defendo, em todo o período desses quatro mandatos que exerço, o bom uso do dinheiro público e luto para que qualquer tipo de desvio seja apurado e punido. Espero que também nesse caso isso aconteça. Tenho você em alta conta, admiro seu jornalismo crítico e independente. Por isso, esse tipo de prática me surpreende e me decepciona. Sérgio Miranda - dep. federal

Nota de Juca Kfouri: Em nenhum momento está dito que o deputado Sérgio Miranda teve qualquer tipo de participação na liberação de verbas para a cidade de Governador Valadares ou para qualquer outra.


 

Por Juca Kfouri às 16h16

Galo quer suspensão de Zveiter

""Clube Atlético Mineiro

Belo Horizonte, 28 de setembro de 2005

Ilmo Senhor

Doutor José Murilo Procópio de Carvalho

DD. Vice-Presidente Jurídico do Clube Alético Mineiro

Capital

Senhor Vice-Presidente

Alexandre Kalil e Manuel Bravo Saramago, respectivamente, Presidente e Vice-presidente do Conselho Deliberativo do Clube Alético Mineiro, servem-se do presente para sugerir a essa ilustrada Vice-Presidência Jurídica, sob pena de responsabilidade, por força do disposto no artigo 55 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva, como terceiro juridicamente interessado, na forma de Assistência, suscite a suspensão do Presidente do STJD, o Excelentíssimo Senhor Doutor desembargador Luiz Sweiter, no processo do caso que envolve o árbitro de futebol Edilson Pereira de Carvalho com base no inciso II do artigo 18 do indigitado estatuto, uma vez que já se manifestou sobre a causa em toda imprensa nacional.

Ao ensejo, vimos apresentar a essa Ilustre Vice-Presidência os nossos protestos do maos alto respeito.

Cordialmente,

Alexandre Kalil

Manuel Bravo Saramago""

Por Juca Kfouri às 15h32

Ministério do Esporte em maus lençóis

Reportagem de Adriana Vasconcelos, em "O Globo" de hoje, relata fraudes cometidas por funcionários do ministério do Esporte.

E diz que o ministro Agnelo Queiroz (PCdoB-DF) mandou investigar e demitiu um desses funcionários.

Faz um ano que a denúncia está posta (revelada pelo "Jornal do Brasil") e até hoje o ministério do Esporte não concluiu a investigação, embora acionado pela Advocacia Geral da União e pela Controladoria Geral da União.

As fraudes dizem respeito a cidades que têm prefeitos do PCdoB ou são bases eleitorais de deputados federais do partido, como Olinda (PE), cuja prefeita é do partido, ou Governador Valadares (MG) e Lajedo (BA), áreas de influência do deputado Sérgio Miranda (recentemente filiado ao PDT) e do deputado baiano Daniel Almeida.

Envolvem, também, o estado do Piauí, cujo vice-governador é do PCdoB e que conta com nada menos de quatro secretários estaduais do partido, coisa que não acontece em nenhum outro estado do país.

Dois funcionários são apontados como os responsáveis, Hamilton da Silva e Lincoln Daemon, o primeiro que teria sido demitido e o segundo que pediu exoneração.

Não é bem assim.

Hamilton da Silva, que é funcionário de carreira do ministério do Trabalho e não tem nenhum vínculo com o PCdoB, foi simplesmente devolvido ao ministério do Trabalho. Ele teria apenas sido usado, por meio de sua senha, para liberar verbas tanto para os municípios inadimplentes quanto para a UNE, também ligada ao PCdoB e também inadimplente. Tanto que sua punição foi só para inglês ver, porque poderia revelar a mando de quem cometeu as irregularidades.

Já Lincoln Daemon, outro sem ligação com o PCdoB, foi indicado para o ministério do Esporte por Cireno José de Cerqueira, conhecido como Zico, funcionário aposentado por invalidez permanente do Banco do Brasil, que funcionou como braço direito de Agnelo Queiroz, tendo como foco a candidatura do ministro ao governo do Distrito Federal.

Zico, filiado ao PCdoB, exercia influência permanente sobre Hamilton da Silva.

A Controladoria Geral da União desconfia que houve muitas outras irregularidades ainda não reveladas.

Na Nota Técnica 918 da CGU, há um trecho que fala por si só e que revela o pouco caso do ministério do Esporte diante da gravidade dos fatos: "Ocorre, no entanto, que o ministério optou por instaurar, em princípio, comissão apuratória dos fatos, não caracterizada como um processo administrativo disciplinar...".   

Com a palavra, o ministro Agnelo Queiroz.

Por Juca Kfouri às 13h04

Saia justa

Um dos pais da idéia da promoção da Nestlè é o funcionário do ministério do Esporte, Marco Aurélio Klein, que preside a "Comissão pela Paz nos Estádiios".

Ele comunicou tanto ao ministério quanto ao Clube dos 13, cuja cúpula é muito bem relacionada com Dodi Sirena, que faria a interpelação extrajudicial para garantir seus direitos.

Dodi Sirena, repita-se, está indiciado pela Justiça no inquérito que investiga a parceria entre o Grêmio e a ISL, num nebuloso episódio que envolve falsificação de assinaturas e desvio de dinheiro.

Por Juca Kfouri às 12h41

Promoção em apuros

A bem-sucedida promoção da Nestlè no Campeonato Brasileiro corre risco.

A empresa recebeu uma notificação extrajudicial dos donos da idéia que não foram devidamente remunerados por ela.

Com farto material comprovatório, os autores mostram que o projeto "Torcer pelo seu time faz bem" foi apresentado à empresa em setembro/outubro de 2003.

No entanto, outra empresa, a DC Set, de Dodi Sirena, empresário do cantor Roberto Carlos, e indiciado no inquérito que investiga a parceria entre o Grêmio e a ISL, foi usada pela Nestlè para fazer os contatos com os clubes envolvidos na promoção.

Os autores da ação pedem a imediata suspensão da promoção, sob pena de imediato ajuizamento por ordem judicial, e o imediato ressarcirmento a que fazem jus.

Torcer pelo time de coração faz bem. Ser ético, também.

Por Juca Kfouri às 23h01

27/09/2005

E se Pet se machuca? E se o Timão perde Tevez?

Corinthians e Fluminense jogam nesta quarta-feira na Argentina.

O Flu contra o violento time do Banfield, vice-líder do campeonato argentino.

Petkovic já não anda 100% e corre o risco de sair baleado da partida e desfalcar os cariocas contra o Inter, domingo, no Beira-Rio.

O Flu pode perder por um gol de diferença porque ganhou no Rio por 3 a 1.

Já o Corinthians enfrentará o time e a torcida que menos gostam de Tevez no mundo, porque ele jogava no Boca Juniors.

O Inter, por exemplo, perdeu Fernandão por três jogos por tê-lo escalado contra o Rosário Central, pela mesma Copa Sul-Americana, que não leva a nada e nem dá tanto dinheiro.

Corinthians e River empataram sem gols em São Paulo. Qualquer outro empate, com gols, classifica o Corinthians.

Se eu fosse tricolor, ou corintiano, torceria pelos argentinos, para que meu time pudesse se concentrar no que interessa, no título brasileiro.

Aliás, é o que vou fazer.

Sou River desde criancinha

Por Juca Kfouri às 22h12

Cá entre nós

Virou uma necessidade.

Acho que, com o tempo, vou me acostumar.

Mas me sinto obrigado a dar satisfação, a explicar por que, de repente, as notas rareiam.

Tinha um compromisso agendado há tempos, com o pessoal da pós-graduação da Faculdade de História, da USP.

Um grupo ótimo que estuda a História Social do Futebol no Brasil.

Fiquei lá quase a tarde inteira e corri para a CBN.

Amanhã também o meu dia estará cheio.

Mas, à noite, veremos juntos River Plate x Corinthians.

Acho uma bobagem, tanto do Corinthians quanto do Flu, os dois vice-líderes do Brasileirão, se matarem por essa Copa Sul-Americana, mas, enfim...

Mande seu palpite para o resultado do jogo.

Quem acertar ganhará um engradado de cerveja Só.

Sim, não da mexicana Sol. mas da brasileiríssima cerveja Só.

"Cerveja Só se é possível jornalista fazer propaganda!"

Por Juca Kfouri às 21h21

Justiça seja feita





Instituto Gol Brasil entra com representação contra a CBF perante o
Ministério Público diante do escândalo da venda de resultados de jogos
oficiais para apostas ilegais



Na tarde de hoje o Instituto Gol Brasil protocolou perante o Ministério
Público do Estado de São Paulo uma representação contra a Confederação
Brasileira de Futebol - CBF. O objeto da representação foi a indicação do
árbitro Edílson Pereira de Carvalho em partidas cujos resultados que teriam
sido "vendidos" a empresários, como objeto de apostas ilegais.



A representação se baseia no Código de Defesa do Consumidor e no Estatuto do
Torcedor, requerendo que a CBF, na qualidade de fornecedora de serviços,
seja responsabilizada pelas irregularidades que estão sob investigação. A
finalidade da representação é que os torcedores lesados sejam indenizados e
que as penalidades previstas tanto pelo Código de Defesa do Consumidor,
quanto pelo Estatuto do Torcedor, sejam impostas à CBF.


Por Juca Kfouri às 20h25

Pressa ou marketing?

Comissão não se reúne

LEONARDO OLIVEIRA

A pressa do presidente do Supremo Tribunal de Justiça Desportiva, Luiz Zveiter, ficou no domingo. Ontem, o paraguaio Carlos Alarcón revelou a ZH que a atuação dele até agora não passou do convite que lhe foi feito no sábado.

Alarcon, presidente da Comissão de Arbitragem da Conmebol, recebeu um contato no sábado e até agora espera por novo telefonema. Pediu que alguém da CBF ou do STJD entre em contato com urgência. Sua agenda está lotada até meados de outubro e não haverá espaço para vir ao Brasil trabalhar na comissão. Ontem, quando conversou com ZH por telefone, o paraguaio estava no aeroporto  de Assunção.

– Recebi um telefonema pedindo para participar de um tribunal. Mas estou indo para o Peru, assistir ao Mundial Sub-17. Depois, irei ao Uruguai e ao Equador – disse.

O ex-árbitro Valquir Pimentel também foi convidado no sábado, mas ontem foi destituído da função. Em seu lugar, Zveiter indicou o ex-árbitro Leo Feldman.

Pimentel teve seu nome envolvido no escândalo da Loteria Esportiva na década de 80. O terceiro árbitro é Edson Resende, um carioca.

(leonardo.oliveira@zerohora.com.br)

Por Juca Kfouri às 12h21

Suspeição

O presidente do STJD, Luiz Sveiter, anda falando demais e não assume uma postura de magistrado, como deveria no cargo que ocupa. Segundo o item 2 do artigo 18 do Código Brasileiro de Justiça Esportiva, "o auditor fica impedido de intervir no processo quando se houver manifestado, previamente, sobre fato concreto do objeto da causa em julgamento". Significa dizer: ao pé da letra, ou da lei, ele está impedido de julgar o caso da máfia das arbitragens.

Por Juca Kfouri às 11h31

Márcio Braga desiste da virada de mesa

Menos mal: o Flamengo soltou nota oficial num tom bem diferente das primeiras declarações de seu presidente quando estourou o novo escândalo na arbitragem brasileira. Não se fala mais em desonesta virada de mesa.
 
N O T A   O F I C I A L
 
 
Diante do novo escândalo da arbitragem envolvendo a manipulação de resultados de jogos de futebol, o Clube de Regatas do Flamengo pronuncia-se oficialmente da forma seguinte:
 
1. O Flamengo aceita o chamamento à união dos desportistas proferido pelo Desembargador Luiz Zveiter e se dispõe a participar de movimento de fortalecimento das instituições do futebol por acreditar na força moral, na responsabilidade social e na capacidade de realização do Presidente do STJD.
 
2. O Flamengo compreende que a unidade proposta deverá se materializar na investigação ampla, geral e irrestrita dos ilícitos que maculam as arbitragens e colocam sob suspeição os resultados das partidas e com a salvaguarda dos interesses direta e indiretamente ofendidos.
 
3. O Flamengo tem sido sistematicamente prejudicado pelas arbitragens desde o ano passado e já designou o Presidente do Conselho de Administração Dr. Michel Asseff para acompanhar o caso nas esferas desportiva e criminal e nosso Vice-Presidente Jurídico Dr. Adalberto Ribeiro para o fazer na área cível.
 
Marcio Baroukel de Souza Braga
Presidente


Por Juca Kfouri às 11h04

Vade retro!

Ciro Nogueira (PP-PI), candidato de Severino Cavalcanti à presidência da Câmara, é um entusiasmado membro da bancada da bola.

Durante a CPI da CBF/Nike sua atuação dava até vergonha, tamanho o seu interesse em impedir que qualquer coisa fosse investigada.

Por Juca Kfouri às 10h15

Novo blog no ar

Há um novo blog no ar, o do Instituto Gol Brasil, a ONG pela transparência no futebol.

Vale a pena participar.

http://golbrasil.blog.uol.com.br/

Por Juca Kfouri às 08h05

Gallo traído

Sem ter tempo nem de botar, enfim, dois atacantes (Luizão e Cláudio Pitbull) de verdade para jogar, Gallo caiu na Vila Belmiro.

Foi atraiçoado pela contratação de Nelsinho Baptista, que chegou do Japão já como técnico do Santos e dando entrevista como tal.

Gallo, que recusou convite para ir para o Real Madrid como auxiliar, está na rua, apesar da campanha regular do Santos.

Lealdade é coisa que não há no futebol, de parte alguma.

Basta ver o que a MSI fez com Márcio Bittencourt, o que Antônio Lopes fez com o Atlético Paranaense, o que Luizão tem feito por onde passa, o que o Santos fez com Gallo.

 

 

Por Juca Kfouri às 07h43

CBF perde mais uma

Garotas da mansão

Justiça rejeita ação de dano moral da CBF contra Kfouri

por Adriana Aguiar

“Responda rápido: a CBF gasta mais em seu propagandeado auxílio às crianças carentes da Arquidiocese do Rio de Janeiro (alegados 1 milhão) ou no clandestino fornecimento de moças bem-dotadas aos freqüentadores da casa que montou em Brasília”. A provocação do jornalista Juca Kfouri rendeu uma ação por dano moral movida pela CBF — a Confederação Brasileira de Futebol, ou na versão do jornalista, Casa Bandida do Futebol. Mas para a Justiça não houve dano algum. Por considerar “que a situação narrada nos autos decorreu da própria conduta irregular da Autora” o juiz Sérgio Jerônimo Abreu da Silveira, da 4ª Vara Cível do Rio de Janeiro, julgou improcedente a ação.

A CBF entrou com ação afirmando que a nota de Kfouri causou danos à sua imagem social. Juca Kfouri alegou que as informações são absolutamente fundamentadas, “pois é fato público e notório que a Autora mantém uma mansão alugada no luxuoso bairro do lago Sul, em Brasília, para a prática de “lobby”, na qual são promovidas festas para autoridades, onde são contratadas modelos.”

De acordo com o juiz Silveira, os meios de comunicação têm a função de deixar a sociedade informada e de veicular notícias que sejam verdadeiras. Nesse caso, sustenta o juiz, o jornalista teria apenas cumprido com sua função. Para ele, de acordo com as provas, os jornais já noticiavam a presença de garotas de programa na mansão alugada pela CBF e não foi nenhuma surpresa a notícia veiculada por Kfouri. Testemunhas confirmaram em depoimentos à polícia a presença de prostitutas nas festas.

“Assim sendo, a postura adotada pelo Réu se restringiu a repassar aos seus eleitores notícia de grande interesse no meio esportivo, inerentes aos fatos que já circulavam nesse meio, inclusive entre os parlamentares, como restou demonstrado nestes autos.” Conclui Silveira.

Como não houve prova do dano moral sofrido, o juiz não aceitou o pedido de indenização e condenou a CBF ao pagamento das custas do processo e honorários advocatícios fixados em 10% do valor atribuído à causa.

Leia a íntegra da sentença

JUÍZO DE DIREITO DA 4ª VARA CÍVEL DA COMARCA DA CAPITAL

Processo n°1998.001.207850-4

Parte autora: CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL — CBF

Parte ré: JOSÉ CARLOS DO AMARAL KFOURI

SENTENÇA

As provas até então produzidas são suficientes para a formação do convencimento deste Juízo, em prol do deslinde da presente demanda.

Inicialmente, mercê o destaque o fato, de que a finalidade dos meios de comunicação é de deixar a sociedade informada, de maneira correta, sempre em prol do interesse público.

Não resta a menor dúvida, que o acesso à informação e a inviolabilidade da honra e imagem das pessoas estão protegidas pela nossa Constituição.

Entretanto, de uma análise de notícia veiculada no referido periódico, que se encontra às fls. 13, verifica-se que o Réu fez referência aberta ao fornecimento de moças aos freqüentadores da casa alugada pela Autora.

Convêm ser ressaltado, que a referida matéria não é nova, pois de uma análise dos documentos de fls. 160/169, verifica-se que os jornais já noticiavam a presença de garotas de programa no citado imóvel.

Tal assertiva guarda coerência com os depoimentos das testemunhas KENNEDY ALENCAR DUARTE BRAGA, AMAURI BARNABE SEGALLA e RICARDO CRACHINESKY GOMYDE, conforme termos de fls.536,615 e 698, cujos trechos são abaixo transcritos, a saber, respectivamente:

“...o Deputado, segundo ele próprio me contou, foi acreditando que se tratava de uma reunião para tratar de futebol, mas disse que se espantou quando chegou nesta mansão e percebeu que ali realizava-se uma festa, cheia de ocas bonitas, parecendo modelos, para receber convidados e sentar com eles à mesa para tomar drink...” (sic)

“...Que na época comentava-se que a essas festas compareciam “garotas de programa”

... Que foi o garçom da festa em questão que disse ao depoente que normalmente eram convidadas essas prostitutas” (sic)

“...que se comentava em Brasília que nesta casa era mantida pela CBF e existiam mulheres à disposição dos freqüentadores...” (sic)

Tais documentos e depoimentos demonstram que os rumores de existência de garotas de programa, em dia de festas, no interior da mansão alugada pela CBF, ora Autora, eram reais, o que afasta a surpresa da notícia veiculada pelo Réu, através de uma simples questão.

A matéria já foi alvo de apreciação colegiada deste Tribunal, conforme se vê no acórdão da lavra do eminente Desembargador NAMETALA MACHADO JORGE (Apelação 2004.001.36297);

“RESPONSABILIDADE CIVIL. AÇÃO DE INDENIZAÇÃO. NOTÍCIA VEICULADA EM JORNAL . ANIMUS NARRANDI. AD.220 DA CF. DANO MORAL. PEDIDO GENÉRICO. INÉPCIA DA INICIAL. PEDIDO DE RESPOSTA , COMPETÊNCIA. A teor do art. 286, II, do CPC, o pedido genérico é admissível, sempre que para se aferir a extensão dos eventuais danos experimentados pela parte, for necessária apuração durante a dilação probatória. Tendo o pedido de resposta por fundamento o art.5°, V, da CF, que não remete seu regulamento à lei, a competência é da Justiça Cível . Limitando-se a narrar fatos verdadeiros, o jornal não age contra o direito. Daí que não há ilícito a justificar qualquer reparação.”

(APELAÇÃO CÍVEL –Número de Processo: 2004.001.36297 – Órgão Julgador: DÉCIMA TERCEIRA CÂMARA CÍVEL – DES NAMETALA MACHADO JORGE – Julgado em 27/04/2005).

No tocante aos depoimentos de fls. 895 e 896, estes em nada acrescentam para o deslinde da presente demanda, até porque, trata-se de funcionários da Autora, com a qual estão comprometidos, profissionalmente, o que inviabiliza uma percepção imparcial dos fatos.

Assim sendo, a postura adotada pelo Réu se restringiu a repassar aos seus eleitores notícia de grande interesse no meio esportivo, inerentes aos fatos que já circulavam nesse meio, inclusive entre os parlamentares, como restou demonstrado nestes autos.

Certo é, que o dever de reparação do dano moral exsurge da existência de conduta comissiva ou omissiva, da sua culpa exclusiva e/ou concorrente, do dano suportado pela vítima e, do nexo de causalidade entre os membros e, no caso vertente a Autora não conseguiu demonstrar a existência de tais elementos, o que afasto o dever de indenizar.

Restou convicto, portanto, esse Juízo, da inviabilidade do pleito autoral, até porque a situação narrada nos autos decorreu da própria conduta irregular da Autora.

Ante o exposto, com fundamento no art. 269, I, do CPC, JULGO IMPROCEDENTE o pedido inicial . Condeno a Autora ao pagamento das custas do processo e em honorários advocatícios que fixo em 10% (dez por cento) do valor atribuído à causa.

Publique-se. Registre-se

Intimem-se.

Rio de Janeiro, 08 de agosto de 2005-09-26

SÉRGIO JERÔNIMO ABREU DA SILVEIRA

Juiz de Direito

Revista Consultor Jurídico, 26 de setembro de 2005

 

Por Juca Kfouri às 01h12

Gracias, amigos!

Gracias, amigos!

Foi uma segunda-feira cheia.

 Estréia neste blog, na Folha de S.Paulo, gravação do CBN EC, Cartão Verde, Linha de Passe.

Mas só tenho a agradecer.

A participação do internauta foi muito além do que eu poderia esperar.

Li quase todas as mensagens (quase 1000!) aqui postadas nas primeiras 14 horas de vida do blog, embora seja impossível respondê-las.

Mas agradeço pelo nível e pela quantidade.

Mais de 60 mil visitas, média 7,6 nas notas do blog  -- confesso que entrei umas cinco vezes, para ver a média, e dei, modestamente, 10 em todas elas, o que a distorceu um pouco, embora quem mereça 10 seja você, pelo interesse.

Só me resta dizer muito obrigado e me comprometer a tentar fazer cada dia melhor (acho que vou virar escravo deste blog...).

E já temos algo a comemorar, além da boa estréia: Valquir Pimentel foi destituído da comissão de investigação sobre o escândalo das arbitragens e Léo Feldman, um homem de bem, foi nomeado em seu lugar por Luís Sveiter.

Agora, essa da CPI dos Bingos se meter na máfia da arbitragem parece coisa para desviar o foco.

CPIs que tentam abraçar o mundo acabam por não resolver o tema central da dita cuja. 


Por Juca Kfouri às 00h35

26/09/2005

Lançamento tricolor

Logo mais, às 19h, na Livraria Cultura, no Conjunto Nacional, avenida Paulista 2073, em São Paulo, será lançado, com noite de autógrafos do autor, Conrado Giacomini, o livro SÃO PAULO, ENTRE OS GRANDES ÉS O PRIMEIRO, da coleção Camisa 13, da Ediouro com a Geração Conteúdo.

São 323 páginas que contam a história de 41 grandes jogos do tricolor paulista, do primeiro, em 1930, contra o Ypiranga (3 a 0), até a conquista do tri da Libertadores, 4 a 0 contra o Atlético Paranaense.

O livro custa R$ 39,90 e significa uma boa chance para que os torcedores são paulinos voltem à avenida Paulista, agora em paz para saborear um texto (e fotos) apaixonado, bem humorado e muito bem pesquisado. 

Por Juca Kfouri às 14h13

Manifesto da ONG GOL Brasil

Em face dos últimos acontecimentos denunciados pela imprensa sobre a indevida manipulação de resultados em partidas oficiais de futebol, o Instituto Gol Brasil vem tornar público que:

 

1.   -            compartilha com toda a sociedade o sentimento de perplexidade, frustração e revolta diante dos acontecimentos denunciados pela imprensa;

 

2.   -            reconhece que o maior lesado pelo escândalo noticiado é o torcedor (definição - art. 2º do Estatuto do Torcedor) e, sendo assim, não medirá esforços para defesa dos seus interesses, tanto fiscalizando para que as investigações sejam aprofundadas e concluídas, com a punição dos culpados, quanto atuando, no limite das suas possibilidades, para a tomada de medidas necessárias para o ressarcimento dos danos que torcedores tiverem experimentado em decorrência dos fatos narrados;

 

3.   -     lamenta, nesse momento, que fatos graves como os ora noticiados sirvam para expor à sociedade a insensibilidade do legislador que, quando da aprovação do Estatuto do Torcedor, retirou do texto final o art. 32, previsto no Projeto original. Tal dispositivo assegurava ao torcedor o direito ao ressarcimento de prejuízos causados pela “ausência dolosa de isenção e imparcialidade do árbitro ou de seus auxiliares” (texto original). Foi extirpado sob o argumento de que “qualquer erro de arbitragem implicaria ressarcimento do torcedor”. O simples exame do seu texto deixa claro que o argumento não se sustenta, de modo que o dispositivo seria aplicado somente para as hipóteses de fraude dolosa. Os fatos ora discutidos vieram mostrar que a inclusão de tal dispositivo seria absolutamente aplicável eficaz para proporcionar a melhor solução do caso em favor do maior prejudicado – o torcedor

 

4.   -     reafirma, por fim, que não deixará desamparado o torcedor no contexto dos fatos lamentáveis ora noticiados. O Instituto Gol Brasil foi criado para a defesa dos seus interesses e, para essa finalidade, tomará todas as medidas que estiverem ao seu alcance, utilizando, para tanto, de todos os instrumentos legais disponíveis, nesse momento em que a sociedade assiste incrédula a mais uma demonstração de desrespeito por todos aqueles que, de alguma forma, têm no futebol a expressão mais singela e autêntica da nossa afirmação como nação.

 

São Paulo, 25 de setembro de 2005

 

__________________________

Instituto Gol Brasil "

Por Juca Kfouri às 13h46

Provocação pela culatra

Márcio Braga quis apenas motivar o clássico entre Flamengo e Corinthians ao dizer que não conhecia Carlitos Tevez.

Faz parte do futebol e não tem nada demais.

Só ficou chato constatar que o torcedor rubro-negro não deu a menor bola, tanto que só pouco mais de 8 mil pessoas foram ao jogo.

Já Tevez se apresentou com muito prazer e dois gols.

Por Juca Kfouri às 11h53

Quem anistiou Edílson Pereira de Carvalho na FPF

Foi o vice-presidente da FPF, Reinaldo Carneiro Bastos, quem trouxe Edílson Pereira de Carvalho de volta às arbitragens do Campeonato Paulista.

Por coincidência, ambos são do mesmo Vale do Paraíba.

Por Juca Kfouri às 11h46

Antonio Lopes é vitória da MSI

A direção do Corinthians queria Nelsinho Batista.

A do MSI, que paga, queria Antonio Lopes.

Deu Lopes, é claro.

Márcio Bittencourt era querido pelos jogadores, sabia motivá-los, ganhou muito mais do que perdeu, mas, com um material acima da média geral de nossos times nas mãos, não soube dar padrão à equipe.

E caiu porque a MSI não confiava em que ele pudesse levar o Corinthians ao título.

Antonio Lopes tem muito mais experiência e currículo, embora tenha carisma zero.

E também não era o nome preferido.

Só que como o Corinthians bobeou em relação a Leão e nem Felipão (o predileto) nem Luxemburgo são possíveis agora, o Timão decidiu que já que não tem tu vai tu mesmo.

Por Juca Kfouri às 09h50

25/09/2005

Valquir Pimentel investigador?

Leia, abaixo, o que publicou a revista “Placar”, em outubro de 1982, quando denunciou a existência da chamada Máfia da Loteria esportiva.

 

“Depois de viver quase sete anos intimamente ligado à "Máfia da Loteria'', o radialista Flávio Moreira prestou um longo depoimento a PLACAR. Foram quase nove horas de gravação, durante as quais ele apontou todos os nomes de jogadores, árbitros e técnicos que soube um dia estarem envolvidos com os "zebrões".

 

Entre esses nomes, ele citou o de Valquir Pimentel, que era árbitro à época, hoje é empresário de atletas e acaba de ser indicado pelo STJD para participar da comissão que investigará o mais recente escândalo de arbitragem no Brasil.

Leia o que disse Flávio Moreira sobre Valquir Pimentel - "Sei que foi feito um jogo com ele, mas não era Loteria. Foi CSA x Ferroviária-SP, pela Taça de Prata. Recebeu Cr$ 150 mil e expulsou o zagueiro Samuel, da Ferroviária''.

 

Por Juca Kfouri às 22h33

Agora são só três líderes

Durante diversas rodadas, o Campeonato Brasileiro teve cinco líderes, com diferença de no máximo três pontos entre o primeiro e o quinto colocados.

Ontem, no entanto, a situação mudou.

Com as derrotas do Goiás e do Santos, sobraram três líderes: Inter, com 51 pontos, Corinthians e Fluminense, com 50.

O Goiás e o Santos têm 47 e não podem assumir a liderança na próxima rodada, que terá, como grande atração, o clássico entre Inter e Flu no Beira-Rio.

Pena que o campeonato, que ia tão bem, tem agora a mancha indelével dos resultados manipulados pela arbitragem.

Por Juca Kfouri às 21h51

O torcedor poderia estar protegido

O torcedor brasileiro poderia estar protegido contra fraudes nas arbitragens caso tivesse sido aprovado, no Estatuto do Torcedor, um artigo que foi retirado diante da gritaria dos cartolas, árbitros, ex-árbitros (alguns que comentam futebol na TV).

Agora só resta ao torcedor, que comprovar que esteve nos jogos sob suspeita ou pagou para vê-los na TV, o Código de Proteção ao Consumidor. Leia o que dizia o artigo retirado maldosamente:

Art. 32. É assegurado ao torcedor o ressarcimento dos valores pagos pelo ingresso em face da ausência dolosa de isenção ou imparcialidade do árbitro ou de seus auxiliares. § 1º Respondem solidariamente com o árbitro ou seus auxiliares a entidade e os dirigentes responsáveis por sua escalação. § 2º A responsabilidade de que trata este artigo estende-se aos demais prejuízos causados ao torcedor em virtude da realização do evento esportivo.

O deputado Gilmar Machado (PT-MG) retirou o dispositivo e desamparou o torcedor nesses casos e, o que é pior, com argumento falso, porque omitiu que o artigo só valeria em caso de dolo comprovado. Veja o trecho do relatório do parlamentar, em destaque:

"O torcedor teria de volta o dinheiro que pagou pelo ingresso. Por exemplo: se um árbitro errasse durante o jogo, marcasse um pênalti inexistente e o torcedor se sentisse lesado, poderia entrar com ação na Justiça para reaver seu dinheiro. Isso, na verdade, é impraticável. Sempre ocorrerá erros (sic) no futebol, e para seu controle há necessidade de outros mecanismos".

Por Juca Kfouri às 11h49

Sobre o autor

Formado em Ciências Sociais pela USP. Diretor das revistas Placar (de 1979 a 1995) e da Playboy (1991 a 1994). Comentarista esportivo do SBT (de 1984 a 1987) e da Rede Globo (de 1988 a 1994). Participou do programa Cartão Verde, da Rede Cultura, entre 1995 e 2000 e apresentou o Bola na Rede, na RedeTV, entre 2000 e 2002. Voltou ao Cartão Verde em 2003, onde ficou até 2005. Apresentou o programa de entrevistas na rede CNT, Juca Kfouri ao vivo, entre 1996 e 1999. Atualmente está também na ESPN-Brasil. Colunista de futebol de "O Globo" entre 1989 e 1991 e apresentador, desde 2000, do programa CBN EC, na rede CBN de rádio. Foi colunista da Folha de S.Paulo entre 1995 e 1999, quando foi para o diário Lance!, onde ficou até voltar, em 2005, para a Folha.

Histórico