Blog do Juca Kfouri

Tabelinha com Juca

Segundas-feiras, às 15h

28/01/2006

Ronaldo franga

Aos 28 minutos, depois de linda jogada, de pé pra pé, com a torcida entoando olé, Ricardinho faz 4 a 0, num frango de Ronaldo, devidamente saudado pela galera.

Por Juca Kfouri às 18h50

Edmundo marca

Edmundo faz 2 a 0, aos 15 do segundo tempo.

Pobre Ronaldo, ex-goleiro corintiano, que tanto já sofreu nos pés dele, como em 1993, na decisão do Campeonato Paulista que tirou o Palmeiras da fila de 16 anos.

E Marcinho fez 3 a 0, aos 17.

O Verdão ganha pela sexta vez seguida na temporada, 100% de aproveitamento.

Por Juca Kfouri às 18h38

Palmeiras bem

Há 35 minutos Palmeiras e Portuguesa Santista jogam no Parque Antarctica.

E o Palmeiras faz sua melhor apresentação neste 2006.

Ricardinho acaba de fazer 1 a 0, com uma bomba de fora de área.

Só não está vencendo por mais porque Edmundo foi fominha e não deu um gol para Lúcio, que reagiu com uma bronca no Animal, impensável anos atrás.  

Por Juca Kfouri às 17h48

Aos 40, faltam 50

Na véspera de fazer 40 anos, Romário marcou seu gol de número 950 em sua contagem nada ortodoxa.

Parabéns ao Baixinho pela data e muito, mas muito obrigado mesmo por todas as alegrias que nos deu.

E é tudo o que se tem para comemorar, além de vê-lo caminhar para a artilharia do Campeonato Carioca, assim como aconteceu no Brasileirão.

Porque o Vasco perdeu de novo e, assim como aconteceu diante do Botafogo, foi inferior ao América, que tomou-lhe a vice-liderança da chave com o 2 a 1 aplicado em Édson Passos.

Verdade que Romário só não marcou duas vezes porque, quando estava 1 a 1, Válber impediu com o braço num pênalti não assinalado.

Por Juca Kfouri às 17h43

27/01/2006

Mais um

Vem aí mais um escândalo no Governo Federal.

Envolve uma ONG do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal, o IBAV (Instituto dos Bombeiros Amigos da Vida), e o projeto Segundo Tempo, do ministério do Esporte.

Tem desvio de dinheiro público e maus tratos a menores carentes.

Por Juca Kfouri às 23h26

As gafes de Lula

Certamente por lapso Lula disse, na inauguração do Memorial do Corinthians, que o futebol brasileiro é tetracampeão.

É penta.

Provavelmente por desinformação, Lula disse que o Memorial era um exemplo para todos os demais clubes brasileiros.

Só em São Paulo, o São Paulo, desde 1994, e o Santos, desde 2003, têm belíssimos Memoriais.

E por puro populismo barato, Lula disse que a melhor maneira de não fazer nada é dizer que os cartolas tomam o dinheiro dos clubes.

Ele também pensava assim quando se elegeu.

Tanto que assinou a Lei da Moralização do Esporte.

Mas, de lá para cá, mudou demais.

Ou não?

 

 

Por Juca Kfouri às 23h21

26/01/2006

Aviso aos navegantes

Caro blogueiro, cara blogueira, como diria o Torero.

Você pode estar pensando que voltei de férias preguiçoso, desatento, dispersivo.

Mas não é nada disso.

Voltei de férias, isto sim, atacado por cupins.

Quer dizer, eu não, mas meu escritório, que fica em cima de minha casa.

Um inferno.

Os bichinhos tomaram conta do piso de tacos e das estantes de madeira.

Analfabetos, felizmente, não chegaram aos livros nem aos documentos.

Mas minha vida foi virada de cabeça para baixo.

O escritório, ou parte dele, teve que descer para a sala, para que os tacos fossem retirados.

Os livros estão espalhados pelos corredores, alguns ao ar livre, no terraço, cobertos por lonas neste tempo de chuvas de verão.

A TV maior, com os canais por assinatura e com o "pagar-para-ver", desativada temporariamente e como o computador foi parar na frente da TV da sala de visitas, os canais foram transferidos para o aparelho do quarto, longe do computador.

E a cama não é o melhor lugar para usar o laptop.

Enfim, estou tentando sobreviver.

Sei que você, cara blogueira, caro blogueiro, não tem nada com isso.

Mas achei que merecia uma explicação. 

Por Juca Kfouri às 23h21

João Saldanha, o filme

Os cineastas André Siqueira e Beto Macedo começam a rodar, com uma entrevista de Oscar Niemeyer, o longa-metragem "Um homem: João", documentário sobre a lendária figura de João Saldanha.

Jornalista, técnico da Seleção Brasileira nas eliminatórias da Copa de 1970, político, ativista, comunista, passional, engraçado, amigo, leal, sinônimo de coragem, um verdadeiro gênio da raça.

E os dois cineastas já puseram uma página sobre Saldanha na internet, ainda em construção: www.joaosaldanha.com.br.

E têm um endereço para quem quiser ajudar com casos, documentos, fotos: filme@joaosaldanha.com.br .

Mãos à obra. 

Por Juca Kfouri às 23h09

Os 1000 de Romário

Discordo de Romário que disse considerar só Pelé melhor que ele dentro da área.

O próprio Pelé sempre diz que Coutinho lhe era superior na zona do agrião.

E acho Romário melhor que ambos por ali.

E lamento, embora acompanhe, o esforço do Baixinho para chegar aos 1000 gols.

Ele não precisa disso e seus 1000 gols não serão comparáveis aos mais de 1280 do Rei.

Porque Pelé não só chegou aos 1000 com 29 anos como, também, os tentos polêmicos contabilizados na carreira do Atleta do Século são tão poucos -- e todos com ele já profissional -- que em nada alterariam sua fabulosa marca.

Os europeus preferem não contar os gols de Pelé marcados nos Campeonatos Paulistas, uma bobagem deles por ignorar o que eram nossos estaduais quando Pelé começou a jogar.

Já Romário está se valendo de artifícios mais euriquistas (gols dos tempos de juvenil, amistosos-treinos eleitoreiros) do que do craque genial que ele sempre foi.

Por Juca Kfouri às 16h30

25/01/2006

Palmeiras vence sem convencer

O Palmeiras ganhou do Deportivo Táchira -- 2 a 0 --, por menos que se esperava e jogando, também, menos do que seria desejável.

Levará boa vantagem para o jogo de volta, pois poderá perder por 1 a 0.

E terá de melhorar muito para poder ser candidato ao título.

Fez 1 a 0 com Marcinho em impedimento, embora daqueles que o auxiliar tem licença para errar.

E 2 a 0 com Gamarra, depois de um choque (normal?) entre Gioino e o goleiro adversário.

Não foi, de todo modo, uma estréia animadora na Libertadores, embora o Palmeiras tenha merecido o resultado.

Por Juca Kfouri às 22h47

Grafite está errado

A Lei do Passe era um absurdo, pois prendia o atleta ao clube mesmo depois do contrato terminado.

Mas absurdo, também, cometem os atletas que forçam a barra para sair do clube em plena vigência de seus contratos.

É o que Grafite está fazendo com o São Paulo.

É falso dizer que o São Paulo não o respeita nem reconhece, como falsa foi a acusação ao argentino Desábato e a promessa de que a ação na Justiça seria levada adiante.

Grafite está, simplesmente, chantageando o São Paulo.

Por Juca Kfouri às 20h43

24/01/2006

Palmeiras busca um título para Zagallo

O Palmeiras, no Parque Antarctica com lotação já esgotada, começa hoje sua 13o. Libertadores da América.

É o time brasileiro com maior número de participações na mais importante competição das Américas.

E o adversário desta noite é frágil, o Deportivo Táchira, da Venezuela, que voltará para casa com a bagagem repleta de gols.

Treze vezes na Copa, uma conquista em 1999, o bicampeonato é o sonho alviverde que pode fazer a alegria do supersticioso Zagallo, no ano da Copa do Mundo na Alemanha.

Até porque VERDÃO CAMPEÃO também tem 13 letras.

Por Juca Kfouri às 23h12

Enfim, oposição no Corinthians

Um grupo de notáveis corintianos acaba de lançar um manifesto no qual se estabelecem novos métodos para a vida do clube e é lançado um nome em oposição a Alberto Dualib, o de Waldemar Pires, presidente na época da Democracia Corinthiana.

Segue, abaixo, o texto integral do manifesto:

"UM CHOQUE DE DEMOCRACIA"

"É hora de mudar. É hora de redemocratizar o Corinthians. É hora de adotarmos providências que tornem mais transparente e mais eficiente a administração do Corinthians.
As parcerias, como todo negócio, podem apresentar bons ou maus resultados. As parcerias do Corinthians, no entanto, não têm sido proveitosas para o clube. Por quê? Porque a nossa administração é exaustivamente centralizada e não obedece a um planejamento cuidadoso.
Por isso, e também por outras razões importantes, os conselheiros abaixo assinados relacionam a seguir alguns itens que consideram essenciais para que o Corinthians reencontre o caminho de um futuro promissor:

1. Transparência:

a) É preciso devolver ao CONSELHO todos os seus poderes estatutários. Para tanto, entre outras medidas, deverão ser previamente submetidos à sua aprovação todas as propostas e contratos, na íntegra, para parceria e patrocínios, assim com acordos que possam gerar expectativas de lucros ou acarretar ônus de qualquer espécie ao clube.  

b) Todas as vice-presidências deverão cumprir plano de trabalho e respeitar os orçamentos previamente aprovados pelo Conselho Fiscal.

c) O orçamento do clube será analisado e comprovado item por item, anualmente pelo CORI e a seguir aprovado ou rejeitado pelo CONSELHO no final de cada ano. Eventuais prorrogações desse prazo poderão ser decididas pelo CONSELHO em casos de comprovada excepcionalidade.

d) Será obrigatória em todos os níveis, a demonstração periódica das contas e respectivos documentos comprobatórios para a apreciação por uma comissão designada pelo CORI.

2. Direitos e Impedimentos:

a) O presidente e os vices, eleitos pelo CONSELHO ou pelos votos diretos poderão pleitear uma, e apenas uma, reeleição.

b) Aos conselheiros e diretores em todos os níveis, será vedada a participação direta ou indireta como sócios consultores ou empregados de empresas que tenham celebrado, ou pretendam celebrar contratos de parceria e patrocínio do clube. Também não será permitido manter vínculos comerciais de qualquer espécie com o clube.

c) Os impedimentos definidos no item anterior estendem-se aos  parentes de conselheiros e diretores até o 3.º grau de consangüinidade.

3. Estatutos:

a) Uma comissão especialmente designada pelo Conselho deverá apresentar em 3 (Três) meses contados a partir da posse da nova direção um anteprojeto de novos Estatutos e Regimento Interno do Clube. Os associados depois de analisado o anteprojeto pelo Conselho, poderão apresentar sugestões que possam aperfeiçoar esse documento cumprindo prazos e outras eventuais exigências do Conselho.

Diante do exposto apresentamos aos nossos companheiros o nome de WALDEMAR PIRES, cuja experiência e probidade são conhecidas, para disputar a presidência do Sport Club Corinthians Paulista, na eleição marcada para o dia 2 de fevereiro de 2006".


SALVE O CORINTHIANS!

 

RUBENS APPROBATO MACHADO
ANTONIO ROQUE CITADINI
EDUARDO DA ROCHA AZEVEDO
MANOEL FELIX CINTRA NETO
LUIZ SERGIO SCARPELLI ESTEBAN
MIGUEL MARQUES E SILVA
ALFREDO JOSÉ TRINDADE
MARIO GOBBI FILHO
JULIO MOURA
NEWTON FERRARI
ANTONIO ALARCON RAMON
TUFFI JUBRAN
MARLENE MATHEUS (CORI)
JOSÉ LUCAS DE OLIVEIRA
FRANCISCO ALFREDO TRINDADE
WILSON CANHEDO JUNIOR
RICARDO JOSÉ GALLUZI ESTEBAN
SIDNEY PIRES
LUIZ SERGIO SCARPELLI ESTEBAN JUNIOR
SERGIO FERREIRA PIRES
ANTONIO CARLOS LOPES


 

Por Juca Kfouri às 15h45

Revelado o "segredo" de Ronaldinho Gaúcho

Lembra do anúncio de Ronaldinho Gaúcho chutando repetidas vezes no travessão?

Vá ao endereço abaixo e veja como é que se faz.

http://www.youtube.com/w/Ronaldinho-Secret-Unveil?v=XoJD-BCm8tM&eurl

Por Juca Kfouri às 09h25

O comendador Felipão é português desde criancinha

Num evento no estádio do Canindé, da Portuguesa, Luís Felipe Scolari recebeu a comenda Infante Don Henrique.
E garantiu que torcerá pela Seleção Brasileira na Copa da Alemanha em qualquer hipótese, menos uma: se o adversário for o time que ele dirige, a seleção de Portugal.
Aí, ele disse, torcerá mesmo por Portugal, como era de se esperar, ó pá.
Conversei com ele que também admitiu a possibilidade de dirigir a seleção inglesa depois da Copa, não sem acrescentar, bem humorado que anda: "Já imaginou que dureza? Acostumado a receber em euros em Lisboa, ter que ganhar em libras em Londres?".
No futebol globalizado e depois de descobrir Portugal, só falta o comendador Felipão virar súdito da Rainha.

Por Juca Kfouri às 03h19

23/01/2006

Bola marrom

Com todo respeito, e sem baixar o nível que é exigido neste blog, esta bola marrom que invadiu os gramados brasileiros é mesmo uma m...

Por Juca Kfouri às 12h07

Leão e Luxemburgo

Enquanto Leão repete, com sucesso, a mesma estratégia que o levou ao título paulista no ano passado com o São Paulo, Luxemburgo volta a discutir com a arbitragem, como sempre fez por aqui e deixou de fazer na Espanha.

Leão quer garantir uma taça ao Palmeiras logo no começo da temporada, o que aumenta a auto-estima.

Luxemburgo não chegaria nem aos 11 meses que durou na Espanha se fizesse lá o que faz aqui. 

Por Juca Kfouri às 11h51

Nada mais anos 50

Ontem os dois principais campeonatos estaduais do país viveram emoções fortes em dois clássicos:

a Lusa, como era comum nos anos 50, ganhou do Corinthians de virada.

E o Maracanã, reaberto, viu um Botafogo e Vasco típico de 50 anos atrás, com oito gols, bolas nas traves, uma sensação atrás da outra.

Não vi nenhum dos jogos (estava dentro de um avião voltando para São Paulo), vi apenas os melhores momentos, e fiquei com inveja de quem viu.

Por Juca Kfouri às 09h42

Coluna desta segunda-feira. na Folha

A saudade dos Estaduais

JUCA KFOURI
COLUNISTA DA FOLHA

O recomeço da temporada desencadeou uma surpreendente onda de nostalgia. Companheiros da melhor qualidade tecem loas aos Estaduais, esquecidos de que a torcida já os abandonou faz tempo pelo país afora.
Sim, todos nós, quarentões, cinqüentões e sessentões, muito devemos aos Estaduais e muitos de nós nos recusamos a aceitar que o tempo não pára e que o que era doce acabou-se.
Certamente o Campeonato Paulista deste ano colaborou e muito para tantos suspiros saudosos. Afinal, técnicos estelares, mais de uma dezena de novos contratados, os títulos recentes de São Paulo e Corinthians, tudo isso fez com que, apesar da fórmula ridícula que mais parece talhada para desmoralizar a essência dos pontos corridos, se atribuísse ao Estadual um charme já extinto.
Fosse um Rio-São Paulo em seu lugar e a expectativa seria a mesma, com a vantagem de que, com apenas os oito grandes do eixo, seria possível disputá-lo em pontos corridos e dois turnos, como é de lei, em apenas 14 datas -não com as demasiadas 19.
E as rivalidades que interessam estariam mantidas, não só as estaduais. Porque tanto faz como tanto fez aos corintianos ganharem ou perderem do Noroeste (e passo ao largo da infâmia que foi o jogo disputado sob o sol escaldante das 14h30, 15h30 pelo horário de verão, verdadeiro desserviço da TV, que deveria ser a principal interessada em preservá-lo, ao espetáculo do futebol). Assim como nada representa para o torcedor flamenguista vencer ou ser derrotado pelo Madureira. Diferentemente, é claro, do que ocorre quando Flamengo e Corinthians se enfrentam.
Rememorar a importância que os Estaduais já tiveram é bonito, revela sensibilidade e, sobretudo, uma inconsciente vontade de voltar à infância, mais ou menos o mesmo sentimento despertado pelo tocante documentário sobre o poeta Vinicius de Moraes, retrato de um país que não existe mais.
Fato é que os novos torcedores a cada ano mostram com mais nitidez que não estão nem aí para os Estaduais, do mesmo modo que rirão de nós, mais antigos, se dissermos a eles que avião bom era o Electra, que fazia a ponte aérea Rio-São Paulo em 50 minutos e nunca caiu em quase três décadas de bons serviços.
Sim, os modernos jatos de hoje em dia fazem o mesmo percurso em 35 minutos, embora um até já tenha caído.
Inegável que os Estaduais foram responsáveis por momentos inesquecíveis -e que nunca mais serão repetidos. A conquista corintiana de 1977, por exemplo, depois de 22 anos de jejum.
Pois imagine que o Santos chegue ao ano que vem na mesma situação (por coincidência, 1954 havia sido o ano do último título do Corinthians, do mesmo modo que 1984 foi o ano do último título santista). Por mais feliz que venha a ficar o torcedor santista em 2007, nem de longe a festa será a mesma, também porque, diferentemente do rival que não ganhara nada no período, o Santos foi bicampeão brasileiro.

Visão parcial
E, mesmo que os Estaduais do Rio e de São Paulo fossem mesmo um sucesso de público, é bom lembrar que os outros Estados brasileiros sofrem uma barbaridade com seus campeonatos, fartamente responsáveis, também, pelas crises de um Grêmio, Atlético-MG, Bahia, Vitória, Sport, Náutico etc. Tanto que a fórmula encontrada na disputa de competições regionais foi ceifada pela CBF e pela Globo Esporte, a ponto de a Justiça estar dando ganho de causa aos que se sentiram prejudicados.

Redução
Como cerveja não pode e só o guaraná não compensa, a AmBev negocia para reduzir seu contrato com a CBF. A Nestlé foi procurada para substituí-la, mas recusou.

Por Juca Kfouri às 09h36

O favoritismo que deve virar fumaça

O mundo e o Brasil sabem que a Seleção Brasileira é favorita para ganhar a Copa do Mundo na Alemanha.
Neste primeiro comentário em 2006, no entanto, é necessário dizer que o favoritismo nacional é daqueles feitos para ser desmentidos.
É menos por essa quase superstição de dizer que sempre que a Seleção foi à Copa como favorita não venceu.
Até porque não é verdade.
Em 1962 a Seleção foi ao Chile como favorita e voltou bicampeã.
Agora, no entanto, a história é outra.
Os europeus tudo farão para evitar o hexa.
Porque se o hexa vier na Europa, o hepta será ainda mais possível na África do Sul e o octacampeonato quase inevitável se, de fato, a Copa de 2014 for disputada no Brasil.
E a Copa do Mundo terá ficado monótona, algo terrível para o negócio do futebol.
Se nas últimas Copas, em dúvida, as arbitragens decidiram a favor da Seleção Brasileira, na Alemanha será o contrário.
Ainda mais com Ricardo Teixeira querendo o lugar de Joseph Blatter na Fifa -- Blatter que nem disfarça mais sua contrariedade em relação ao cartola da CBF.
Portanto, para ganhar o hexa, a Seleção não precisará apenas vencer seus adversários.
Terá de ganhar deles e das arbitragens, dos esquemas extra-campo, algo quase impossível.

 

Por Juca Kfouri às 00h02

Sobre o autor

Formado em Ciências Sociais pela USP. Diretor das revistas Placar (de 1979 a 1995) e da Playboy (1991 a 1994). Comentarista esportivo do SBT (de 1984 a 1987) e da Rede Globo (de 1988 a 1994). Participou do programa Cartão Verde, da Rede Cultura, entre 1995 e 2000 e apresentou o Bola na Rede, na RedeTV, entre 2000 e 2002. Voltou ao Cartão Verde em 2003, onde ficou até 2005. Apresentou o programa de entrevistas na rede CNT, Juca Kfouri ao vivo, entre 1996 e 1999. Atualmente está também na ESPN-Brasil. Colunista de futebol de "O Globo" entre 1989 e 1991 e apresentador, desde 2000, do programa CBN EC, na rede CBN de rádio. Foi colunista da Folha de S.Paulo entre 1995 e 1999, quando foi para o diário Lance!, onde ficou até voltar, em 2005, para a Folha.

Histórico