Blog do Juca Kfouri

Tabelinha com Juca

Segundas-feiras, às 15h

18/03/2006

Furacão abatido

O Atlético Paranaense perdeu o técnico (Matthaüs), perdeu de novo da ADAP, desta vez na Arena da Baixada (1 a 2) e foi eliminado nas quartas-de-final do Campeonato Paranaense.

Prova de que sua invencibilidade e ataque tão positivo eram coisa para alemão ver.

O Furacão teve três gols, ainda  no primeiro tempo, anulados por impedimento.

 

Por Juca Kfouri às 17h10

E dá-lhe Barça!

Ronaldinho Gaúcho lançou duas vezes e o Barça fez dois gols no Real Sociedad.

De feio, nesta sábado pelo Campeonato Espanhol, só a Band, que começou a transmitir o jogo quando já começava o segundo tempo e dizia estar ao vivo.

Na Band o segundo tempo está começando.

Mas o jogo já acabou: 2 a 0.

Por Juca Kfouri às 17h08

Norusca complica o tricolor

O São Paulo fez um belíssimo primeiro tempo no Morumbi e criou quatro chances claríssimas de gol.

Mas Alex Dias estava na tarde mais infeliz da vida dele.

E perdeu as quatro chances, numa delas com uma furada que beirou o ridículo.

E se não fossem Rogério Ceni e a trave, o Noroeste teria feito 1 a 0 no finzinho.

No segundo tempo, Muricy fez o que tinha de fazer: tirou Alex Dias e botou Lima (que acabou indo muito mal), porque Aloísio tem lá seus problemas físicos e é poupado para a Libertadores.

E Thiago fez 1 a 0, o que parecia solucionar os problemas tricolores.

Só parecia, porque Leandrinho recebeu um belo lançamento de Lenílson, chutou na cara de Rogério, o goleiro rebateu em seus pés e ele empatou, resultado que prevaleceu até o fim.

E diga-se que o time de Bauru ainda teve um gol anulado por impedimento duvidoso e mais um lance que em que o pênalti poderia ter sido marcado.

O São Paulo voltou a não depender de si mesmo e revelou que, sem Lugano, falta alguém para liderar e dar calma e confiança ao time. 

É claro que Mineiro também foi uma ausência sentida, mas nada justifica atuação tão desastrosa no segundo tempo.

 

Por Juca Kfouri às 17h00

Disfarce nazista

Você, como eu, já deve ter visto nas transmissões do Campeonato Alemão placas com o número 88.

E, também como este blogueiro, não entendeu por quê.

Pois saiba que a letra H é a oitava do alfabeto e o 88 é uma maneira de dizer HH.

Heil Hitler!, é o que significa.

Aprendi agora há pouco, ao participar de um encontro promovido pela fundação alemã Friedrich Ebert, pela FES Fan-Hearing e pela "FARE" (Football Against Racism in Europe) e que reuniu representantes de torcidas alemãs e brasileiras com a finalidade de discutir o comportamento na próxima Copa.

 

Por Juca Kfouri às 12h50

17/03/2006

Está tudo explicado. Está mesmo?

O Corinthians soltou nota oficial para mostrar por que Alberto Dualib está em Londres há mais de um mês.

A pauta é extensa.

Leia, abaixo, a nota.

Os comentários, em negrito, são do blog.

Nota Oficial


Corinthians e MSI informam sobre as reuniões realizadas em Londres

17/03/2006 - 15h43
Sport Club Corinthians Paulista

O Sport Club Corinthians Paulista e a MSI vêm a público informar sobre as reuniões de trabalho que foram realizadas em Londres nos últimos dias.

Nestas reuniões foram discutidos e aprovados os seguintes temas:

1 – Planejamento 2006 (Em março de 2006! Que organizado!)

2 – Orçamento 2006 (Até aqui, quer dizer, o futebol não tinha orçamento?)

3 – Confronto de contas e pagamentos (Aí, sai morte)

4 - Estruturação de relacionamento entre Corinthians e MSI (De fato, está precisando...)

5 – Reestruturação do Departamento de Futebol Amador (Mas Nesi Curi, o responsável pelo futebol amador, já voltou faz dias.)

6 – Reestruturação administrativa, jurídica e comercial (A neta de Dualib, Carla, deve estar de orelha quente.)

7 – Planejamento futuro de compra de jogadores e novos investimentos (Que tal um goleiro, dois zagueiros e um treinador?)

8 – Estádio, Centro de Treinamento e reformas (Ah, o estádio! Agora vai! E tem de ser em Londres?)

9 – Projetos futuros (Se duvidar, então, Dualib ficará por lá até 2010, ano do centenário do Corinthians)

Faltou, como se vê, um 10o. ponto. Deveria ser: como explicar o inexplicável.


Alberto Dualib
Presidente do Corinthians Paulista

Kia Joorabchian
Presidente da MSI

Por Juca Kfouri às 17h59

O Furacão sem técnico

O Atlético Paranaense já notificou Lottar Matthaüs e deu o prazo de até segunda-feira para que ele se reapresente ao clube.

Em caso contrário, denunciará o contrato e exigirá indenização.

Matthaüs pediu para viajar por três dias, por "motivos pessoais".

Sabe-se que sua mulher pediu o divórcio e uma indenização de US$ 2 milhões.

Nestes dias de ausência do treinador, não foram poucos os nomes oferecidos ao Atlético.

Antonio Lopes, Givanildo, Mano Menezes e Vitor Hugo foram alguns deles.

Até o holandês Rinus Michels, que já morrreu, entrou numa lista.

Por Juca Kfouri às 17h45

Ainda sobre o racismo

Recebi a mensagem abaixo, pedi autorização para publicá-la e recomendo a leitura.

 

REMETENTE: Aidecivaldo (aidecivaldo@uol.com.br)
ASSUNTO: Julgamento do jogador de futebol Antonio Carlos
HORA: 16/3/2006 20:27:24
CIDADE: Itajubá
UF: MG


MENSAGEM: Prezado Juca,

Tive dúvidas se deveria escrever-lhe, jamais gostaria de deixar a impressão de "tiete oportunista" ou outra coisa qualquer que não fosse a de um cidadão preocupado com o legado que é deixado ao meu filho, aos nossos filhos na contemporaneidade.

Mas diante do resultado do julgamento do jogador Antonio Carlos sinto-me obrigado a expressar minha opinião.

O cidadão Antonio Carlos para mim deve ser uma pessoa equivocada com a vida, talvez deslumbrado pelo sucesso e infelizmente convicto de que é superior a outras pessoas no mundo.

Daí sua "coragem" em expressar aquela atitude naquele momento.

Obviamente com a justificativa da "cegueira emocional" que alguns homens menos honestos consigo mesmos teimam em dizer que justifica a expressão do lado escuro da "natureza humana".

Para mim o ser humano é assim: equivocado em seus sentimentos, onipotente nas suas idéias, inseguro nas suas convicções e medroso na sua interpretação da realidade.

Somos animais feridos e enganados pela idéia de sermos superiores aos outros.

Por isso "brincamos" infelizmente com a idéia de sermos melhores que os outros simplesmente por uma única característica qualquer: ou por nascer aqui ou acolá, ou por sermos de uma ou outra religião, ou por termos esta ou aquela opção sexual, ou por termos esta ou aquela cor de pele, ou por termos este ou aquele valor cultural.

De raça, somos todos humanos, mas na prática somos assim divididos e discriminados.

Não gosto de falar mal de argentino, não gosto de falar mal de judeu, não gosto de falar mal de evangélico, não gosto de falar mal de branco, não gosto de falar mal do vizinho porque a cada crítica ou agressão feita, agrido a mim mesmo e minhas fragilidades.

Portanto esta questão do "racismo" doía muito em mim anteriormente por perceber que necessitava primeiro me sentir como igual a todo mundo, não me portar como superior ou inferior a ninguém.

Precisei primeiro ver meu próprio umbigo e ficar triste com minhas próprias discriminações, para depois quem sabe tentar mostrar as outras pessoas como é interessante sermos diferentes e aprendermos com esta diferença.

Mas eu gostaria de dizer aos negros que se sentiram ofendidos que olhem no espelho, olhem dentro de si mesmos e verão como ridículo e míope é a agressão feita deste modo.

Sejam negros e bonitos e assim caminhem na vida.

Antes de tudo como homens dignos.

Se o TJD "negou" a atitude é porque a miopia social é perversa.

A mim não atinge mais está agressão ou dissimulação social.

Pois não sou somente negro...sou humano igual a todos os outros.

Quanto ao jogador que a vida lhe dê a oportunidade de uma dia quem sabe enxergar melhor o outro.

Ah! quem sou para dizer isto?

Sou negro, brasileiro, médico, psiquiatra, com mestrado em educação, atualmente em doutorado...porém tão humano quanto ele e nem um pouco melhor que este indivíduo. Estes títulos são "perfumaria":sinto, ajo, ando, tenho medo, sou frustrado, conquisto, perco etc. E por aí... Sou igualzinho, sendo que inclusive um dia vibrei com ele num estádio de futebol pois também sou corintiano....graças a Deus.

Aidecivaldo

Por Juca Kfouri às 12h40

Sobre o julgamento de Antonio Carlos

Parece claro.

Como a legislação esportiva brasileira ainda não prevê punições para atos racistas (a Fifa hoje determinou até rebaixamento de clubes), o TJD gaúcho acendeu uma vela para deus e outra para o diabo. 

Puniu o zagueiro com rigorosos 120 dias pela cotovelada e brandos quatro jogos por "conduta antiesportiva".

Não agradou Antonio Carlos, o réu, nem Jeovânio, a vítima.

Nem gregos nem troianos, nem deus nem o diabo.

Por Juca Kfouri às 23h13

16/03/2006

Boca triste, Jundiaí deprê

Não deu.

O River Plate enfiou 4 a 1 no Paulista.

Fez sentido, diga-se desde logo.

Mas, curiosamente, o Paulista até que teve seus momentos.

Logo de cara, confuso, tomou dois gols e deu a sensação que levaria uma goleada de perder o rumo de casa.

Levou, é verdade, mas não terá problemas em encontrar Jundiaí no mapa, depois de tomar uma copa na romântica Boca.

Porque depois que sofreu os dois golpes iniciais, o Paulista tratou de pôr a bola no chão, tocá-la para lá, tocá-la para cá, até diminuir, num pênalti sofrido e convertido por Munhoz, aquele mesmo que era do Palmeiras.

E os brasileiros voltaram jogando de igual para igual com os argentinos, até, numa bobeada geral, sofrer o terceiro gol.

Daí para o quarto foi um pulo, que ninguém é de ferro e o River é o River, por nada brilhante que seja hoje em dia.

Imagine se fosse.

Na rodada Brasil x Argentina, empate, com vantagem dos hermanos, porque se Goiás e River Plate ganharam em casa, o Palmeiras só empatou.

E o Paulista foi o segundo brasileiro a perder.

O primeiro foi o Corinthians...Paulista. 

Por Juca Kfouri às 22h46

Palaia, o editor

Não satisfeito em não cumprir bem sua missão como responsável pelo futebol palmeirense, Hugo Palaia agora que editar jornais.

Protestou por causa de uma reportagem publicada no "Jornal da Tarde", de terça-feira, que mostrava que o Palmeiras estava invicto diante de clubes argentinos em São Paulo.

Palaia achou que a matéria era maldosa, pois daria combustível ao técnico Astrada, do Rosario Central, para motivar seus atletas.

Daí não surpreender que Edmundo tenha atribuído à bola e ao horário tardio da partida o mau desempenho alviverde.

Por Juca Kfouri às 16h39

Blog também é cultura.

E foi lendo os comentários dos blogueiros que soube da existência do Boca Juniors de Jundiaí.

Tem até página na internet (www.bocajuniors.com.br).

E os boquenses jundiaienses estão otimistas para o jogo desta noite, pela Libertadores, contra o River Plate, no Monumental de Nuñez.

Fiam-se nos recentes maus resultados do River diante dos brasileiros, o empate com o Cienciano, em Buenos Aires, na decisão da Copa Sul-Americana de 2003, e na eliminação da equipe na última edição do mesmo torneio diante do modesto Arsenal, de Sarandí.

Ora, imaginam, se é verdade que a derrota para brasileiros foi para o São Paulo, tanto o Cienciano quanto o Arsenal são bem menores.

E se Sarandí derrotou o River, por que Jundiaí não o derrotará?

Como dizem os boquenses, hoje Jundiaí e 60% da Argentina torcerão pelo Paulista.

 

Por Juca Kfouri às 16h21

3 milhões de visitas

Daqui a pouco este blog receberá sua visita de número 3.000.000.

Dizer o quê?

Estamos todos de parabéns!

E gracias muchas!

Por Juca Kfouri às 12h11

15/03/2006

Ora, Palmeiras

Aqui não se comentará o futebol apresentado por Palmeiras 0, Rosario Central 0, no Parque Antarctica. 

Porque não houve futebol no Parque Antarctica.

Mais que o resultado, com o perdão do chavão, o placar final foi a nota do jogo.

E quem não joga o que Palmeiras não jogou diante do pior Rosario da história, não pode sonhar com mais nada na Libertadores.

Que horror!

Por Juca Kfouri às 22h52

Vade retro, Pedro Corrêa

Pedro Corrêa, presidente do PP, autor do pedido de inconstitucionalidade do Estatuto do Torcedor, teve o fim que mereceu: foi cassado.

Pelo menos mais um.

Por Juca Kfouri às 22h49

E o Fogão não se cuidou

Quem avisa amigo é.

Mas não adiantou.

Tinha jogador botafoguense quem nem sequer sabia o nome do Ipatinga.

Agora sabe.

E nunca mais se esquecerá.

3 a 0 foi pouco.

Por Juca Kfouri às 22h48

Romário joga a toalha

O Cabofriense ganhou do Vasco, 2 a 0, por ironia com dois gols de Sorato.

Romário, ao fim do jogo, foi definitivo: "Já estava difícil quando dependíamos só de nós. Agora que dependemos dos outros ficou impossível".

Ficou mesmo.

O Vasco não ficou entre os quatro semifinalistas da Taça Guanabara e não ficará entre os quatro da Taça Rio.

Como, ao que tudo indica, a dupla Fla-Flu, aliás.

No Vasco, no entanto, há uma solução, num pacto entre os vascaínos e Eurico Miranda.

Eles bem que podiam combinar de eleger Eurico deputado desde que o cartola assuma o compromisso de renunciar à presidência do Vasco.

Ganhará menos, mas permitirá que o clube volte a vencer.

E, na Câmara das pizzas, um Eurico a mais ou a menos não fará diferença.

Por Juca Kfouri às 21h33

Goiás goleia

Três jogos, três vitórias, sete gols marcados, nenhum sofrido, é o Goiás.

Hoje, no Serra Dourada, o jogou começou equilibrado e os argentinos do Newell's Old Boys demonstravam querer complicar a vida brasileira.

Mas Welliton, em um minuto, desmontou qualquer pretensão.

Fez dois belos gols pela direita, o primeiro de mais habilidade, o segundo mais divertido, entre as pernas do goleiro.

Até aí, vi bem o jogo e mais um pouco, quando o Goiás tomou conta e mostrou quem manda em casa.

Então, começou o CBN EC.

Pude perceber que a nota distoante ficou por conta da fumaça de sinalizadores usados pela torcida que interromperam o jogo por quase 10 minutos, num momentos em que os argentinos ameaçavam um pouco mais.

E que Romerito fez 3 a 0, ao bater um pênalti indiscutível, que causou a expulsão do adversário que meteu a mão na bola, ao cortar um chute (de quem?) de Welliton, é claro.

O quarto gol só não saiu porque o Goiás não quis.

E o time está na próxima fase da Libertadores. ora se está.

Por Juca Kfouri às 20h26

GENTEEMMM!!!!

Acabo de voltar de uma palestra que fiz na Bienal do Livro, em São Paulo.

E li os comentários sobre o filme "Boleiros".

Fiquei impressionado como tem gente sofrendo do fígado.

Será o capeta?!

Não está na cara que eu brinquei com a "dureza" da vida de quem vai ao cinema às 10h30?

É que eu nunca tinha ido de manhã, a não ser quando muito criança.

E achei divertido, esquisito, inusitado, sei lá.

É claro que foi uma sessão especial, só para a imprensa.

E é claro que é um privilégio.

Não era uma queixa, pessoal.

Quanto recalque.

Que coisa!

Por Juca Kfouri às 17h31

Boleiros-2

Vida de jornalista é dura.

Você já foi ao cinema às 10h30?

Pois este blogueiro foi.

Acabo de ver o filme de Ugo Giorgetti, "Boleiros -2, Vencedores e Vencidos".

Nele, atores consagrados como Lima Duarte, Otávio Augusto, Flavio Migliaccio e Denise Fraga, dão seus costumeiros shows.

E há boas surpresas, também, como o narrador Silvio Luiz no papel do dono do bar onde se desenrola quase toda a trama, e o Doutor Sócrates, no papel dele mesmo.

O filme é mais sombrio e menos divertido do que o primeiro "Boleiros, Era uma vez o futebol", fruto, talvez, dos oito anos que separam um do outro, nos quais, sob diversos aspectos, não só o futebol, mas o país, não mudou para melhor como todos sonhamos.

O filme entra no circuito em 7 de abril, em Porto Alegre, São Paulo, Rio, Belo Horizonte e Brasília.

Ugo Giorgetti, como se sabe, além de ótimo diretor de cinema, é colunista de futebol, aos domingos, no jornal "O Estado de S.Paulo", onde tem escrito colunas imperdíveis como são, em regra, seus filmes.

 

Por Juca Kfouri às 12h28

Messi, a missão

É  sabido que o Barcelona buscou o brilhante Lionel Messi na Argentina quando o garoto tinha ainda 13 anos.

Fato que é apresentado como prova da competência catalã.

Pois o Real Madrid fará exatamente o mesmo que fez seu grande rival, com outro menino e com apenas duas diferenças:

a promessa, também atacante, tem 14 anos.

E fala português.

 

 

Por Juca Kfouri às 08h54

Hoje tem Brasil e Argentina na Libertadores

A quarta-feira é verde.

No Serra Dourada e no Parque Antarctica.

É verde e é contra a Argentina.

No Serra Dourada, às 19h30, o Goiás, dois jogos, duas vitórias na Libertadores, recebe os argentinos do Newell's Old Boys, uma vitória, uma derrota.

O Goiás jogará completo e se mantiver a campanha 100%, dependerá apenas de um empate nos três jogos que restarão para se classificar para a próxima fase.

Que venha a terceira vitória.

No Parque Antarctica, às 21h45, o Palmeiras recebe o Rosario Central, também da Argentina.

Palmeiras que se vencer, como se espera e se exige, assumirá a liderança do grupo, agora ocupada pelo colombiano Atlético Nacional que, surpreendentemente, enfiou 5 a 1 no Cerro Portenho ontem à noite, do Paraguai, em Assunção.

Palmeiras e Rosario Central já jogaram duas vezes nesta Libertadores.

Os brasileiros estão invictos, com uma vitória e um empate.

Os argentinos estão perdidos, derrotados duas vezes.

Que venha a terceira derrota.

 

Por Juca Kfouri às 00h14

14/03/2006

Kia diz que não é verdade

A pedido deste blog, a assessoria de imprensa da MSI conseguiu falar com Kia Joorabchian que, com pressa pois disse já estar dentro do avião para Londres, não confirmou a nota publicada sobre Dualib.

Embora cinco fontes confirmem a situação constrangedora do presidente corintiano (uma delas de boas relações com Joorabchian), é obrigatório que se registre o que diz o presidente da MSI.

Pode ser apenas uma manifestação pacificadora, pode ser verdade.

Por Juca Kfouri às 16h29

O ex-Clube dos 13

Na reunião de ontem do Clube dos 13 para discutir nova divisão das cotas de TV nada se resolveu e tudo ficou como está.

Os estudos encomendados foram desmoralizados por alguns dos participantes e até a formação de um, digamos assim, "Clube dos 13 Premium" foi proposto pelo presidente do Flamengo, Márcio Braga, que queria o poder de decisão nas mãos dos treze fundadores da entidade.

Foi rejeitado por ninguém menos que Eurico Miranda, que também não aceita ver o colega rubro-negro criticar Ricardo Teixeira.

"Eu posso, você não, porque a primeira coisa que você fez ao assumir o Flamengo foi pedir empréstimo na CBF", adverte o cartola.

O fato é que o Clube dos 13 morreu e nem é capaz de encomendar um estudo sobre divisão de cotas para um empresa especializada no assunto e com experiência, como pelo menos duas que já fizeram o mesmo para diversos centros do futebol europeu.

Por Juca Kfouri às 15h42

Preso no hotel. De luxo

Está explicado por que Alberto Dualib, há um mês em Londres, não volta de lá: o presidente corintiano estava certo de que, como em sua última viagem à Inglaterra, a MSI pagaria a conta.

Mas Kia Joorabchian se mandou de Londres para Monterrey, no México, e não pagou as despesas de Dualib e seu parceiro Nesi Curi, que já voltou a São Paulo.

O débito da dupla estaria na casa dos U$ 50 mil e Dualib, agora, aguarda a volta de Joorabchian (embarca hoje à noite) à capital inglesa para que este salde o débito.

Porque Dualib tenta falar com Boris Berozvsky e o russo não o recebe. 

Ocorre que Joorabchian não tem nenhum motivo para pagar, ainda mais porque Dualib viajou exatamente para pedir sua cabeça, em vão, como se sabe.

Sem falar uma palavra em inglês (embora esteja lá com Renato Duprat -- mais despesas -- no papel de tradutor), com o serviço de frigobar provavelmente já cancelado, dá até pena do octogenário presidente corintiano...

Seria cômico, não fosse trágico.

 

Por Juca Kfouri às 11h22

Paulo Autuori já disse não ao Corinthians

Consultados pelo repórter André Kfouri, da ESPN-Brasil, Nelsinho Batista, hoje no São Caetano, e Geninho, do Goiás, garantiram que não foram procurados por ninguém do Corinthians até a noite de ontem.

Já o técnico Paulo Autuori, com a sinceridade que o caracteriza, admitiu que recebeu um telefonema da direção alvinegra, lá no Japão, onde está trabalhando.

E afastou a possibilidade de voltar ao país ao argumentar que está há pouco mais de um mês no Japão e que não seria profissional nem ético largar o trabalho no começo, por contrariar tudo que ele sempre pregou.

A única ressalva que fez foi no sentido de dizer que não pode impedir eventuais acertos entre o Corinthians e o seu atual clube, o Kashima Antlers.

Resultado: o Corinthians continua a procurar alguém para o lugar de Antonio Lopes, que se demitiu depois da derrota para o São Paulo.

Não é mesmo uma tarefa fácil e o risco que o Corinthians corre é o de ter de acabar contratando um treinador na velha base do "já que não tem tu, vai tu mesmo".

Não será a primeira nem a última vez que uma decisão de tamanha importância é tomada na base do desespero.

Dia 22, afinal, o Corinthians tem uma partida decisiva contra o Tigres do México pela Taça Libertadores da América.

 

Por Juca Kfouri às 01h21

13/03/2006

Chegou a carta de Lula

A assessoria de imprensa de Ronaldo acaba de informar que, enfim, chegou a carta de Lula.

Menos mal.

No mínimo, o serviço diplomático brasileiro (porque certas cartas não são enviadas pelo correio) foi demasiadamente lento.

Por Juca Kfouri às 17h46

Onaireves preso!

O presidente da Federação Paranaense de Futebol, Onaireves Moura, voltou a ser preso.

Nada muito novo na vida dele, que já esteve na mesma situação em outras ocasiões.

Foi preso pela Polícia Federal que cumpriu ordem da Justiça Federal de Ponta Grossa, interior do Paraná, onde Onaireves tem um bingo e deixou de pagar suas obrigações previdenciárias.

Está preso em Curitiba, na sede da PF.

Onaireves (Severiano ao contrário), é um dos principais cabos eleitorais de Ricardo Teixeira e eterno presidente da FPF.

Por Juca Kfouri às 16h54

E viva o Caixa D'Água!

Recebi do blogueiro Rafael Augusto, a seguinte mensagem:
 
Olá Juca, sempre acompanho seu trabalho e gostaria de, num exercício de suposições, imaginar uma situação que pode ocorrer no Campeonato Carioca.
 
É claro que é dificil, mas no RJ tem acontecido cada coisa, que nunca se sabe.
Você poderia até falar sobre isso no seu blog ou no Linha de Passe.
Serve para analisarmos os absurdos de certos regulamentos.
 
Situação - Grupo A.
 
Imaginemos que o Flamengo no máximo empate com o Vasco. Flamengo 7 pontos
 
Imaginemos que o Fluminense no máximo empate com o Volta Redonda. Jogo na cidade do aço. Fluminense 7 pontos
 
Imaginemos que a Cabofriense conquiste no máximo 2 pontos nos dois jogos que tem para fazer , contra Vasco e Madureira. Cabofriense 7 pontos
 
Imaginemos que a Portuguesa vença o Botafogo, jogo no Luso Brasileiro, sendo o Botafogo um time já eliminado na Taça Rio. PORTUGUESA 8 PONTOS
 
 
Acredito que dessas situações a mais dificil é a Cabofriense conseguir no máximo 2 pontos.
 
 
PORTUGUESA CLASSIFICADA PARA SEMIFINAL. Portanto, com chances de ser campeã carioca.
 
A Situação do Rebaixamento, hoje, que é a soma dos pontos das 2 fases está assim:
 
Portuguesa: 6 pontos
 
O time que vem depois é o:
 
Flamengo: 11 pontos
 
Ou seja se a Portuguesa já está REBAIXADA.
 
Um time pode ser campeão e rebaixado no mesmo ano?
 
Será que no regulamento existe algo que não permita isso?
 
Mas, aí, o rebaixado pode ser o Flamengo, que vem na sequência.
 

Por Juca Kfouri às 16h22

Cadê a carta?

O presidente Lula disse que escreveu uma carta em solidariedade a Ronaldo.

 

 Se a escreveu mesmo, Ronaldo não a recebeu.

Por Juca Kfouri às 13h51

À História o que é da História

É sabido que a primeira vítima nas guerras é a verdade.

E a guerra verbal entre Pelé e Ronaldo prova isso novamente.

Ronaldo disse que a sua geração pode fazer esquecer a de Pelé caso ganhe a próxima Copa do Mundo.

Mas não é verdade.

Mesmo que ganhe (e terá vencido três Copas -- 1994, 2002 e 2006), as três conquistadas pela turma de Pelé (1958, 1962 e 1970), não serão nem esquecidas nem superadas.

Porque uma façanha não exclui a outra, parece óbvio.

Quem entra para a História, fica na História.

Aliás, Ronaldo também já está na História.

E a geração de Pelé tem lugar eterno na mesma História.

Por Juca Kfouri às 11h14

Coluna desta segunda-feira, na FOLHA

O quase massacre do Morumbi
JUCA KFOURI
COLUNISTA DA FOLHA

O placar nem refletiu. Mas o São Paulo quase massacrou o Corinthians no Morumbi.
No primeiro tempo, então, o alvinegro não conseguiu dar um chute no gol de Rogério Ceni.
E o tricolor chegou na área adversária como e quantas vezes quis. Uma festa.
Reflexo de um time e de um plantel muito mais equilibrados.
Basta dizer que o banco corintiano é um deserto e o são paulino tem Aloísio e Lima.
Sim, o Corinthians não tinha Carlitos Tevez, seu principal jogador, machucado.
Mas o São Paulo não tinha nem Lugano nem Fabão nem Júnior.
E jogou como se os tivesse.
Porque, também, enquanto Muricy acerta em quase todas as decisões que toma, a começar pela entrada de Thiago como titular -embora talvez fosse melhor ao lado de Aloísio-, Antonio Lopes (o Lopes barato, segundo Renato Maurício Prado, de "O Globo", em oposição a Lopes Caro, do Real Madrid, também a perigo) fez tudo errado.
Aliás, Muricy só errou ao achar que o Corinthians voltaria mudado no segundo tempo.
Porque o time voltou o mesmo, com Roger no banco. Quando este entrou, já com 2 a 0 para o tricolor, saiu Ricardinho e o problema ficou o mesmo: era fácil neutralizar a tentativa de criar do time corintiano, restrita a um e apenas um jogador.
Para piorar, enquanto o São Paulo tem Rogério Ceni, que pegou pênalti (se adiantou, é verdade) e até o rebote do pênalti, Lopes preferiu Johnny Herrera, um goleiro sem passado, a Marcelo, que, ao menos, parece ter futuro.
Se Muricy tem autoridade para bronquear com o ídolo Lugano por causa de uma expulsão infantil como aquela em Sorocaba no domingo retrasado, Lopes não teve poder para convencer o jovem Rosinei a jogar na lateral-direita em Monterrey, pela Libertadores, na última quinta-feira.
A sorte do bando corintiano foi a presença de Nilmar, que liquidou a desconfiança de ser pouco presente em jogos complicados, porque não só sofreu o pênalti, desperdiçado por Rafael Moura, como fez um golaço, além de outro em impedimento.
E foi, ainda, a justa expulsão de Mineiro que permitiu ao Corinthians complicar um clássico que estava fácil para o São Paulo.
Porque este é o clássico mais equilibrado da história do Campeonato Paulista, com 55 vitórias corintianas, 53 empates e, agora 54 triunfos tricolores.
Sorte que virou azar com a contusão de Rosinei, que se machucou nos últimos oito minutos do jogo, o que diminuiu o ímpeto de quem buscava a reação que seria heróica - e injusta.
A verdade é que o 2 a 1 saiu barato, pelo que se viu em mais um bom clássico no Morumbi, que apenas não foi de um time só porque, na base do esforço individual, os corintianos transformaram o que seria uma goleada num resultado apertado.
Muricy Ramalho dará uma bronca nos seus hoje.
Antonio Lopes, ao se demitir, enfim, acertou. Mas saiu caro...

Nó tático?l
Nem por maldade se dirá que Toninho Cerezo, ex-palhaço de circo, ex-fantástico meio campista, ex-técnico muito bem sucedido no Japão, estreante treinador do Guarani, deu um nó tático em Vanderlei Luxemburgo, ex-vendedor de carros usados, ex-lateral-esquerdo medíocre, ex-técnico mal sucedido da seleção brasileira e do Real Madrid, recordista em títulos no Campeonato Brasileiro. Não deu mesmo. Até sofrer o 2 a 0 ainda no primeiro tempo da partida em Campinas, fruto de um pênalti desnecessário e até sem querer, mesmo sem jogar bem, o Santos criou mais oportunidades. Mas o inesperado e injusto 2 a 1 manteve o Campeonato Paulista vivíssimo e devolveu ao São Paulo a chance do bicampeonato -e o favoritismo na luta pelo título.

 

--------------------------------------------------------------------------------
@ - blogdojuca@uol.com.br

 

Por Juca Kfouri às 10h17

12/03/2006

Decisões estaduais

Em Minas, mais uma vez o clássico entre Cruzeiro e Galo definirá, nas semifinais, um dos finalistas.

A outra será entre o Ipatinga, atual campeão mineiros, e América.

Ipatinga e Cruzeiro são os favoritos, mas nem tanto.

No Rio Grande do Sul, o Inter, em ótimo momento, já se garantiu na final, com duas rodadas de antecedência.

O Grêmio poderia ter feito o mesmo, mas bobeou.

De qualquer modo, deve se garantir para que tenhamos, sete anos depois, a dupla Gre-Nal na decisão.

E no Rio, com o Botafogo já finalista e sem chance de chegar às finais da Taça Rio, quase todos podem ganhá-la, embora seja cada vez maior o risco de não termos o trio Fla-Flu-Vasco na decisão.

Ainda mais depois dos inaceitáveis empates do Flamengo, no Maracanã, com o Volta Redonda, e do Vasco, em São Januário, depois de estar vencendo o Americano por 2 a 0.

Ou seriam resultados normais?

Também o Flu só empatou com o Botafogo, e olhe lá, pois fez o 2 a 2 no finzinho.

Mas os três primeiros gols do jogo foram três pinturas, principalmente o de Marcão, do Flu, numa lindíssima bicicleta.

Está como o Botafogo sonhou.

 

Por Juca Kfouri às 19h21

Queda inesperada

O limitado Santos não jogou bem diante do Guarani, em Campinas.

Mas não mereceu perder como perdeu, por 2 a 1.

Mesmo no primeiro tempo, quando jogou pior que no segundo, tomou dois gols inesperados, principalmente o primeiro, fruto de um pênalti desnecessário e involuntário.

No segundo tempo, quase só deu Santos, que diminuiu com Reinaldo, mas não conseguiu chegar ao empate.

Verdade que empatar ou perder faria pouca diferença, porque com qualquer dos dois resultados permaneceria ao alcance do São Paulo, se não a dois pontos como ficou, mas a três.

E é aí que mora o perigo.

O favorito ao título mudou de novo.

Por Juca Kfouri às 19h09

Lopes se demite

Antonio Lopes não se limitou a apresentar as desculpas de sempre, repletas de "ses". Acaba de pedir demissão.
Era o que tinha mesmo a fazer.

Por Juca Kfouri às 17h54

Placar mentiroso

Muricy Ramalho dará uma bronca em seus jogadores amanhã.

Antonio Lopes está dizendo que se não fosse o pênalti perdido por Rafael Moura, se não fosse o impedimento de Nilmar, se não fosse a contusão de Rosinei, o resultado teria sido outro.

Muricy tem razão.

O São Paulo permitiu que o que deveria ter sido uma goleada se transformasse num apertado 2 a 1.

Porque o São Paulo simplesmente matou o Corinthians no primeiro tempo, a ponto de Rogério Ceni não ter feito nenhuma defesa.

E o panorama no segundo tempo só mudou porque alguns poucos jogadores corintianos -- Nilmar, principalmente, para liquidar as dúvidas sobre sua capacidade em jogos complicados -- se encheram de vergonha na cara.

E o São Paulo, com 2 a 0 (Danilo em bela virada, no primeiro tempo, e André Dias, que subiu mais com a cabeça que Herrera com as mãos, no começo do segundo), deu uma tirada de pé, ao considerar o clássico resolvido.

Não estava como se viu, porque Rafael Moura bateu mal um pênalti em Nilmar, Rogério se adiantou e defendeu a cobrança, além de ter defendido, também, brilhantemente, o rebote e, ainda por cima, Nilmar marcou um gol bem anulado e outro, belíssimo.

Com a correta expulsão de Mineiro, o Corinthians parecia até poder conseguir o que seria uma injustiça mas, aí, deu azar: Rosinei torceu o joelho e passou a fazer número em campo.

O São Paulo tem um time e um elenco equilibrados.

O Corinthians tem um bando e um plantel desequilibrados.

E Antonio Lopes com suas desculpas.

A escrita tinha mesmo que continuar.

Por Juca Kfouri às 17h24

Coluna deste domingo, na FOLHA

Eu acredito em Ronaldos
JUCA KFOURI
COLUNISTA DA FOLHA

N ão acredito em duendes. Nem na sinceridade da preocupação de Lula com Ronaldo, o Fenômeno.
Acho que o presidente da República está mais preocupado em faturar o possível sucesso do jogador na campanha pelo hexa, com vistas à sua campanha de reeleição. Não é o primeiro nem será o último político a fazer o mesmo, igualzinho aos outros como seu governo revela.
O Lula torcedor de futebol tem sido uma lástima, basta ver as alianças que fez com a CBF.
Mas acredito em Ronaldo. E até me assusto com o tom das críticas que tem recebido.
Que está jogando mal, fora de forma, com dificuldade até para uma simples matada de bola, é óbvio, e ele é o primeiro a saber.
Mas daí a duvidar de sua capacidade de recuperação vai enorme, incomensurável distância.
Porque a carreira de Ronaldo tem sido uma permanente volta por cima, como nenhum outro jogador de futebol de seu nível experimentou na história.
Ocioso enumerar por quê.
Mesmo assim, até hoje há quem diga que ele amarelou na final da Copa de 1998. Um absurdo.
Ele jogou, e muito bem, a Copa da França toda na base do sacrifício e pode ser acusado de tudo naquela desastrosa final, menos de ter amarelado.
Fosse pipoqueiro e não teria insistido tanto para disputá-la, talvez seu maior erro.
Já na Copa de 2002, fez o que fez, fenomenal.
Dois gols na final diante da Alemanha, oito em toda a Copa, artilheiro da competição, depois de ser apontado até por médicos como caso liquidado.
Acredito muito mais na possibilidade de que, mesmo inconscientemente, Ronaldo esteja se guardando para quando a Copa da Alemanha chegar.
Que os torcedores do Real Madrid reclamem é uma coisa, absolutamente compreensível.
Que os torcedores brasileiros peçam sua cabeça é demais.
Ronaldo irá para a Copa não como a estrela mais reluzente da companhia, posto que seu xará no diminutivo ganhou com todos os méritos e muito brilho.
E é também por isso que acredito ainda mais em Ronaldo.
Porque não será dele a responsabilidade maior, como em 1998 e em 2002, mas deste genial Ronaldinho Gaúcho.
E algo me diz que Ronaldo brilhará intensamente à sua sombra.
Pode até ser mais um desejo do que uma avaliação fria, mas pergunto: a trajetória de Ronaldo não permite acreditar em nova volta por cima?
Por que duvidar de quem já fez tanto e é ainda tão moço?
Que fique claro que não acho injustas as críticas e que as vejo com bons olhos, pelo que podem significar de estímulo para motivá-lo a calá-las.
Só estranho, repito, o tom, como se houvesse prazer em destruir um mito, algo assim como se faz com Guga, sem comparar os casos.
Acredito, enfim, que Ronaldo será fundamental para tentar ganhar uma Copa que se apresenta como quase impossível.

Jogar ou parar?

E discordo de Parreira, que pede ao Real Madrid que ponha Ronaldo para jogar. Porque ele não está em condições de ser titular e porque seu problema não é de falta de jogo, mas de falta de condicionamento físico. Precisa afinar (nutricionista nele!), treinar e refrescar a cabeça. Uma boa parada há de lhe fazer bem -e à seleção brasileira.

Cuidado!

O proprietário da Construtora WTorre Engenharia, com razão, afirmou ao diário esportivo "Lance!" que não quer o nome de sua empresa misturado ao da MSI no mais uma vez anunciado estádio do Corinthians. Mal sabe ele, no entanto, que o intermediário do clube alvinegro com quem negocia tem extensa ficha na Justiça. Basta consultá-la, pela internet.

E-mail: blogdojuca@uol.com.br

 

Por Juca Kfouri às 12h42

Sobre o autor

Formado em Ciências Sociais pela USP. Diretor das revistas Placar (de 1979 a 1995) e da Playboy (1991 a 1994). Comentarista esportivo do SBT (de 1984 a 1987) e da Rede Globo (de 1988 a 1994). Participou do programa Cartão Verde, da Rede Cultura, entre 1995 e 2000 e apresentou o Bola na Rede, na RedeTV, entre 2000 e 2002. Voltou ao Cartão Verde em 2003, onde ficou até 2005. Apresentou o programa de entrevistas na rede CNT, Juca Kfouri ao vivo, entre 1996 e 1999. Atualmente está também na ESPN-Brasil. Colunista de futebol de "O Globo" entre 1989 e 1991 e apresentador, desde 2000, do programa CBN EC, na rede CBN de rádio. Foi colunista da Folha de S.Paulo entre 1995 e 1999, quando foi para o diário Lance!, onde ficou até voltar, em 2005, para a Folha.

Histórico