Blog do Juca Kfouri

Tabelinha com Juca

Segundas-feiras, às 15h

20/05/2006

Responsabilidade carioca

O domingo reserva desafios aos quatro times do Rio.

A começar pelo Fluminense que, eliminado da Copa do Brasil, tem ótima chance para se recuperar em cima do único invcto e líder do Brasileirão, o Santos, no Maracanã.

É pegar ou largar.

A continuar pelo Vasco, finalista da Copa do Brasil que, como favorito, recebe o Corinthians para mostrar que nada está acontecendo por acaso.

A missão do outro finalista da Copa do Brasil, o Flamengo, é mais difícil ainda: provar, no Mineirão, ao Cruzeiro que o Flu eliminou da Copa, que além de superar o vice-campeão mineiro ele pode, também, ganhar do campeão.

Finalmente, o Botafogo, afinal, o campeão carioca, que ou ganha do Juventude, em Caxias do Sul, ou entra, definitivamente, no sufoco.

Por Juca Kfouri às 22h51

São Paulo, para o gasto

O jogo entre São Paulo e São Caetano não empolgou.

Mas o São Paulo também não passou perigo.

Fez 1 a 0 com Alex Dias ainda no primeiro tempo, teve um pênalti clamoroso de Triguinho, do Azulão, em Souza,que o árbitro não marcou -- e se reabilitou.

Ricardo Oliveira jogou durante os 90 minutos, sem brilho.

Por Juca Kfouri às 19h09

Síndrome colorada

Parece mentira, mas tem sido assim no Campeonato Brasileiro, desde o ano passado.

Quando o Inter tem tudo para assumir a liderança, não assume.

Desta vez a barreira foi o Figueirense.

Sabe-se que os catarinenses não se assustam com os gaúchos, dada a proximidade entre eles.

E o Figueira, mais uma vez ao jogar com a inteligência de seu técnico Adílson Baptista, matou o Inter no contra-ataque.

Abriu o placar, tomou o empate, o Inter martelou, martelou e martelou, mas foi o alvinegro que marcou mais duas vezes, contando com a sorte, porque em ambas oportunidades a bola desviou na zaga gaúcha e enganou Clemer e seu boné.

Schwenck, a maior concentração de consoantes do futebol nacional, marcou dois e o meia artilheiro Cícero fez o terceiro.

O Inter continuou insistindo, mas quem fez mais um foi o Figueirense, com Thiago Silvy, derrubando mais um invicto no Brasileirão (sobra só o Santos) e aumentando as críticas sobre Abel Braga.

O Inter ainda diminuiu, mas era tarde: 4 a 2, como em 2002, no mesmo Beira-Rio, onde o Inter não perdia desde agosto de 2005.

Tudo como o Santos queria, porque até o saldo de gols do Inter, que era de cinco, caiu para três, quatro a menos que o dos peixeiros.

Por Juca Kfouri às 19h01

Bem na foto

Sabe aquela famosa foto para a qual todos os times posam antes dos jogos?

Pois o Botafogo é o clube com mais jogadores que saíram nela antes dos jogos que decidiram Copas do Mundo na campanha do pentacampeonato.

O Fogão teve nove vezes seus craques nesta situação: Nilton Santos, Didi e Garrincha, em 1958 e em 1962; Amarildo e Zagallo, em 1962, e Jairzinho, em 1970.

A seguir vem o Santos, com oito: Zito, em 1958 e em 1962; Pelé, em 1958 e 1970; Gilmar e Mauro, em  1962; e Carlos Alberto e Clodoaldo, em 1970.

Tanto Botafogo como Santos têm seis jogadores nos times titulares que decidiram Copas para a Seleção Brasileira.

Mas o time carioca tem três jogadores que estiveram em duas decisões e o paulista dois.

Depois vem o Palmeiras, com cinco, e o Vasco com três (Belini, Orlando e Vavá, em 1958).

Do Palmeiras, Djalma Santos e Vavá, em 1962; Mazinho e Zinho, em 1994, e Marcos, em 2002.

Com dois entre os clubes brasileiros só Corinthians (Gilmar, em 1958, e Rivellino, em 1970), Cruzeiro (Piaza e Tostão, em 1970), Flamengo (Zagallo, em 1958, e Brito, em 1970) e Fluminense (Félix, em 1970, e Branco, em 1994).

Sinal dos tempos: do time titular de 1994, só três eram de um clube brasileiro, Mazinho e Zinho, do Verdão, e Branco, do Fluminense.

Como em 2002: Marcos, do Palmeiras, Gilberto Silva, do Galo, e Kléberson, do Furacão.

Até 1970, na campanha do tri, não tinha ninguém que não jogasse no Brasil.

Não há nenhum clube que tenha um jogador seu nos times titulares das cinco conquistas.

Por Juca Kfouri às 17h33

Paraná bem, Atlético Paranaense muito mal

O Paraná Clube arrancou um ponto do Fortaleza, 1 a 1, no Castelão.

E só não tomou um gol no fim porque o deus dos estádios não quis.

Motivo para festejar é o que tem o time paranista.

Como tem o Goiás, que, pela primeira vez, ganhou do Atlético Paranaense na Arena.

O jogo foi bastante disputado e repleto de alternativas.

O Furacão saiu na frente, deu a impressão de que quebraria a incômoda séria de insucessos em seu campo, mas tomou a virada.

Ainda empatou 2 a 2 e nem pode comemorar porque, em seguida, o competente time goiano fez o 3 a 2.

O Furacão perdeu a terceira seguida em casa, coisa que nunca tinha acontecido na Arena, e está há sete jogos sem ganhar lá.

Está feia a crise.

Por Juca Kfouri às 17h06

Vencer ou vencer

Dos quatro jogos deste sábado, dois chamam a atenção.

No Beira-Rio, o Inter tem tudo para acabar a rodada como líder isolado.

Não que o Figueirense seja presa fácil, mas é claro que o time gaúcho é favorito.

A esperada vitória colorada deixará o Inter em posição privilegiada.

Principalmente porque, amanhã, o Santos terá o Fluminense pela frente, parada indigesta no Maracanã.

No Morumbi, também hoje, o São Paulo pega o São Caetano, já sem o respaldo das Casas Bahia, que está desembarcando do Azulão.

E o tricolor não pode nem pensar em outro resultado que não a vitória, sob pena de começar a viver um período de turbulência.

Os outros dois jogos deste sábado põem o Atlético Paranaense na busca de sua primeira vitória em casa neste Brasileirão e contra o organizado Goiás, agora sob o comando de Antonio Lopes, que estréia, e Fortaleza x Paraná Clube, no Castelão.

Por Juca Kfouri às 11h29

19/05/2006

Uma solução para Flamengo x Vasco

Leio no blog de Lindberg Júnior ( http://noticias.correioweb.com.br/blog.htm) uma boa idéia para termos logo a sensacional decisão da Copa do Brasil.

Leia sua proposta: 

"Vasco e Flamengo vão fazer a inédita final da Copa do Brasil apenas depois da Copa do Mundo.

Disse em comentário anterior que não havia o que fazer e a culpa não era da CBF.

Ontem, no entanto, caiu a ficha.

Se houver interesse de CBF, Vasco e Flamengo, dá para fazer a final antes da Copa.

Antecedente já existe.

Aconteceu em 2003.

Flamengo e Cruzeiro faziam a final da Copa do Brasil.

Tinham uma partida pelo Campeonato Brasileiro num domingo e se enfrentariam pela partida de ida da Copa do Brasil na quarta-feira.

A CBF inverteu a ordem das partidas, sem nenhum grande transtorno.

Dá para fazer algo similar dessa vez.

No dia 31 de maio, estão programados os confrontos Fortaleza x Vasco no Castelão e Flamengo x Palmeiras no Maracanã pela 9ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Essas duas partidas poderiam ser adiadas para o dia 19 de julho, data programada inicialmente para a primeira partida da final.

As finais da Copa do Brasil poderiam ser reprogramadas para o dia 31 de maio e 7 de junho, a quarta-feira antes do início da Copa do Mundo, data disponível no calendário.

Só depende de Vasco, Flamengo e CBF.

Assim, não se perde o embalo e não causa nenhum grande transtorno para as demais equipes.

Uma final histórica mereceria um desfecho mais adequado".

Por Juca Kfouri às 16h23

A tanga e o PCC

Os repórteres Ricardo Perrone  e Eduardo Arruda, da "Folha de S.Paulo", descobriram que até uma tanga feminina, além de dois pares de meias soquete, um pijama e dois modeladores (cintas para modelar o corpo) apareceram na contabilidade corintiana, com notas fiscais de 17 de junho de 2004.

O valor é irrisório, R$ 125,93, mas a questão, evidentemente, não é de valor.

É de princípios.

O presidente do clube, Alberto Dualib, admite que os modeladores podem ter sido comprados para uso dele e de seu filho "porque sentimos dores na coluna".

Tanga ele diz que não usam.

Mas, como se vê, aceita que possa ter usado dinheiro do clube para os modeladores de uso particular.

Por essas e por outras, muito mais graves, como benefícios ilícitos à alta cúpula alvinegra em contratos do Corinthians, o Conselho Fiscal corintiano pediu ao Ministério Público que investigue a contabilidade do clube e a quebra do sigilo fiscal de Dualib e de seus companheiros.

Décadas atrás, no Rio Grande do Sul, houve o "escândalo das calcinhas", quando notas fiscais das referidas peças apareceram na prestação de contas da Federação Gaúcha de Futebol, então presidida por Rubens Hoffmeister.

Agora temos o da tanga, no segundo clube mais popular do país.

O Primeiro Comando Corintiano se desmoraliza cada vez mais e do jeito que as coisas vão é até capaz de Boris Berezovski, o chefão da MSI, se incomodar em ter seu nome ligado ao dessa gente que comanda o Parque São Jorge.

Por Juca Kfouri às 11h40

A primeira decisão estadual da Copa do Brasil

Pela primeira vez, a Copa do Brasil será decidida por dois times do mesmo estado.

E a primazia cabe ao futebol do Rio de Janeiro.

Flamengo e Vasco vão decidir, o rubro-negro pela quinta vez, o Vasco pela primeira.

Mengo que já foi campeão uma vez, Vasco que busca um título inédito.

Se o Vasco chegou à decisão com folga, o Flamengo sofreu para bater o valente Ipatinga, 2 a 1 no Maracanã com carga lotada.

Os mineiros tiveram várias chances para ficar com a vaga da decisão, mas foi a camisa preta e vermelha que prevaleceu, para a alegria da maior torcida do país.

Renato, que deveria ter sido expulso depois dar cotoveladas em dois adversários, acabou por fazer o gol da vitória, um belo gol, por sinal.

Agora, só resta esperar que prevaleça o bom senso e que a a CBF antecipe as duas partidas decisivas, marcadas apenas para os distantes dias 19 e 26 de jullho.

Nada impede que a decisão seja disputada durante a interrupção do Campeonato Brasileiro e a disputa da Copa do Mundo.

Basta que não coincidam com datas de jogos da Seleção Brasileira na Alemanha.

Por Juca Kfouri às 01h33

18/05/2006

Vasco espera Fla ou Ipatinga

Pena que vá demorar tanto.

A decisão da Copa do Brasil só acontecerá nos dias 19 e 26 de julho, depois da Copa do Mundo, daqui a mais de dois meses.

Um dos finalistas é o Vasco, que ontem empatou em um gol com o Fluminense, embora merecesse vencer.

O outro sai hoje, num Maracanã pintado de vermelho e preto, com 44 mil rubro-negros para empurrar o Flamengo diante da novidade chamada Ipatinga.

O empate sem gols basta para o Mengo, que arrancou um 1 a 1 no jogo de ida, no Vale do Aço.

Seja contra o arqui-rival, seja contra os mineiros, o Vasco está forte e confiante.

E, pensando bem, bem que a CBF poderia antecipar as finais.

Afinal, nenhum dos finalistas da Copa do Brasil tem desfalques por causa da Copa do Mundo.

Bastaria disputá-las longe das datas em que a Seleção Brasileira jogará na Copa da Alemanha.

Garanto que teríamos dois jogos com estádios lotados.

Por Juca Kfouri às 23h10

17/05/2006

Vasco finalista!

O Vasco é o primeiro finalista da Copa do Brasil.

E é finalista da Copa do Brasil pela primeira vez.

Com toda justiça, diga-se.

Porque se foi vítima de um pênalti no começo do segundo tempo sem que Andrade tivesse a intenção de cometê-lo, conseguiu segurar o  Fluminense de maneira a não correr grandes riscos.

Na segunda metade o jogo não foi tão bom como na primeira, mais guerreado do que disputado tecnicamente.

E, no fim, Edílson ainda desperdiçou um pênalti, o segundo, por sinal, cometido pela defesa do tricolor, que já havia feito um aos 15 minutos, quando Roger segurou Ygor na pequena área e Paulo César de Oliveira não marcou.

No último minuto, Moraes ainda mandou uma bola na trave.

O Flu não tem do que reclamar. O empate ficou de bom tamanho.

Vasco x Fla ou Vasco x Ipatinga?

Fla e Ipatinga que decidam.

Por Juca Kfouri às 22h43

Flu empata

Aos 28 segundos do segundo tempo, Marcão chuta, a bola bate no braço de Andrade e o árbitro marca pênalti.

Eu não marcaria.

Mas o árbitro, e Petkovic, marcaram.

1 a 1.

Por Juca Kfouri às 22h01

Homem certo

Se a torcida do Palmeiras tiver paciência (e sei que é difícil pedir paciência aos palmeirenses),Tite pode ser uma solução para, ao menos, salvar o Palmeiras de voltar à Segunda Divisão.

Tite sabe que a primeira coisa que terá de arrumar é a defesa do Palmeiras, como fez quando pegou o Corinthians em situação parecida.

E como gosta de jogar com três zagueiros, provavelmente recuperará Paulo Baier para o futebol, como ala, posição em que brilhou tanto no Criciúma quanto no Goiás.

Hoje o Palmeiras trocou, até o fim do ano, o ala Lúcio pelo centroavante Roger, ex-Ponte Preta, com o São Paulo.

Fez bom negócio.

Por Juca Kfouri às 21h45

Vasco espetacular

O Vasco acaba de fazer um primeiro tempo primoroso no Maracanã.

Com plena consciência da vantagem de jogar pelo empate, os cruz-maltinos esperaram o Fluminense em seu campo.

Raramente correu riscos, mas, frequentemente, nos contra-ataques, impôs riscos ao Flu.

Tantos que, no quinto contra-ataque, um calcanhar precioso de Edílson, permitiu uma jogada perfeita que terminou nos pés de Valdiram para abrir o marcador.

Se o Flu tinha mais a bola nos pés, o Vasco tinha o jogo todo na cabeça.

E fez por merecer até mais que a vantagem obtida no primeiro tempo.

Para o segundo tempo o Flu já não terá Arouca, que voltou prematuramente, substituído por Cláudio Pitbull.

O Vasco está muito perto de sua primeira decisão de Copa do Brasil.

E o Flu cada vez mais longe de sua terceira.

Por Juca Kfouri às 21h35

B de Barcelona, de bi, de Belletti!

O Arsenal, mesmo com 10 jogadores desde os 18 minutos de jogo, foi melhor que o Barcelona.

Achou um gol aos 37 ainda do primeiro tempo e tomou conta do segundo, ao criar pelo menos três chances de gol para matar o jogo.

Em vez de Ronaldinho, quem brilhava eram o isolado Thierry Henry, o ótimo Gilberto Silva e, principalmente, o motor Ljungberg.

Paris tinha cara de Londres, com chuva forte, para esfriar a Catalunha, que via morrer o sonho do bi, para alegria de Madrid.

E o Arsenal confiou tanto que podia, que tentou liquidar o jogo. Foi seu pecado.

Porque aos 76, tudo mudou.

Em jogada do sueco Larsson com o camaronês Eto'o, o africano empatou.

Não era justo com os ingleses, que estavam a cinco minutos de completar 1000 sem tomar gol.

Futebol é assim.

O bom ganhava do melhor, mas o melhor jogava menos que o bom.

Até que Belletti entrou no jogo e, aos 80, recebeu de Larsson para fazer um belíssimo gol, o gol do bi.

Barcelona tem muito para comemorar e o Arsenal tem ainda mais para chorar.

Por Juca Kfouri às 16h27

Arsenal sai na frente

O jogo em Paris começou em ritmo alucinante.

De cara, Thierry Henry ficou cara a cara com o goleiro Valdés, do Barça, e perdeu o gol.

Em seguida, o francês quase marcou de fora da área.

Aí, Ronaldinho enfiou como só ele sabe para Eto'o, que foi derrubado pelo goleiro Lehman na entrada da área, a bola sobrou para Giuly (me pareceu impedido) que tocou para o gol.

Mas o árbitro norueguês, talvez pelo impedimento, deu a falta e expulsou o goleiro alemão.

(SE FOI POR ISSO, ACRESCENTO AGORA DEPOIS DE REVER O LANCE, ERROU, PORQUE GIULY ESTAVA MESMO ATRÁS DA BOLA).

Com 11 contra 10, virou gato contra rato.

Só que foi o rato (no bom sentido) que abriu o placar.

Fruto de uma falta inexistente, o cruzamento veio da direita, feito com maestria por Henry, e Campbell fez 1 a 0 de cabeça.

O primeiro tempo acaba de terminar, aos 49 minutos, quatro depois de Eto'o ter mandado uma bola na trave do Arsenal.

Os ingleses estão há 10 jogos e meio sem sofrer um gol na Liga dos Campeões.

 

Por Juca Kfouri às 15h35

O mundo do futebol olha para Paris antes da Copa-2006

O mundo do futebol olha para Paris antes da Copa-2006


Quando faltarem 15 minutos para às 4 da tarde em Brasília, em Paris não faltará mais nada.

Porque estará começando o jogo do ano, pelo menos até o dia 9 de julho -- data em que se decidirá a Copa do Mundo na Alemanha.

Arsenal e Barcelona, em ordem alfabética, A x B, decidirão a Copa dos Campeões da Europa.

Ronaldinho Gaúcho e Thierry Henry, em ordem alfabética e de grandeza, R x T ou G x H, o melhor do mundo contra o segundo melhor do mundo.

O brasileiro dos espanhóis contra o francês dos ingleses.

Para quem torcerão os parisienses no estádio de Saint Denis?

Para o time catalão do brasileiro que jogou no Paris Saint Germain?

Ou para o time britânico do francês ídolo da seleção bleu-blanc-rouge?

O Arsenal faz da defesa sua melhor arma e passa meses sem levar um gol.

Desde outubro do ano passado, ou há 10 jogos na Copa dos Campeões, que os ingleses não sofrem um único tento.

A campanha do Arsenal é idêntica à do Barcelona: 12 jogos, oito vitórias, quatro empates.

Com 14 gols marcados e apenas dois sofridos, o Arsenal atropelou o Real Madrid e Juventus em sua caminhada,

Já o  Barcelona faz gols como se se chupa um picolé, com a bola de pé em pé.

Marcou 22, sofreu quatro e passou por cima dos novos ricos do Chelsea e pelo Milan.

Não sei quem vai ganhar, embora aposte no Barça.

Mas sei por quem vou torcer.

Como sei que este é um jogo que ninguém pode perder.

Por Juca Kfouri às 23h06

Vasco ou Flu?

Hoje sai do Maracanã um finalista da Copa do Brasil.

O Vasco joga pelo empate.

Vitória por um gol do Flu, decisão nos pênaltis.

O Flu tem o melhor time e o futebol mais vistoso.

Mas o Vasco parece mais seguro e sólido, além de entrar em campo classificado.

Quem passar pegará Flamengo ou Ipatinga.

Um Fla-Flu na decisão da Copa do Brasil será o jogo dos sonhos dos irmãos Mário Filho e Nelson Rodrigues.

Um Fla x Vasco será a decisão mais nacional, entre os dois cariocas de mais torcida pelo país afora.

Mas falta combinar com o Ipatinga, que mais parece aquele personagem do Ziraldo --Mineirinho, o comequieto...

Por Juca Kfouri às 23h02

16/05/2006

O mapa do Brasil na Copa

Oito estados brasileiros terão representantes entre os 23 jogadores da Seleção Brasileira que irão à Copa do Mundo.

São Paulo colabora com nove (Cafu, Cicinho, Cris, Luisão, Roberto Carlos, Zé Roberto, Edmílson, Robinho e Ricardinho).

O Rio de Janeiro com cinco (Júlio César, Juan, Gilberto, Ronaldo e Adriano).

São dois os nascidos em Brasília (Lúcio e Kaká), em Minas Gerais (Gilberto Silva e Fred) e no Rio Grande do Sul (Emerson e Ronaldinho).

Bahia (Dida), Pernambuco (Juninho) e Paraná (Rogério Ceni) têm um jogador na Seleção.

Por Juca Kfouri às 17h14

Geninho, outra vez

Geninho começou hoje nova fase no Corinthians.

Na anterior, não foi bem.

Ganhou um Campeonato Paulista que pouco acrescenta à história alvinegra, caiu diante do River Plate na Libertadores mais ou menos pelos mesmos problemas (falta de coragem e suas decorrências) que derrubaram o Goiás diante do Estudiantes, e deixou o clube depois de uma goleada de seis gols imposta pelo Juventude, no Campeonato Brasileiro.

Geninho, sem dúvida, fez belo trabalho no Goiás, mas não a ponto de já poder ser considerado um técnico de ponta.

Técnico de ponta que até agora o "moderno" Kia Joorabchian não foi capaz de trazer para o Parque São Jorge, e não foram poucos, ao contrário, os que passaram por lá desde o advento da famigerada MSI.

Por Juca Kfouri às 12h05

Parreira agradou a gregos e troianos, menos os Alex

Feitas todas as contas, observadas as reações da torcida, ouvidos os especialistas, parece fora de dúvida que foi bem recebida a convocação da Seleção Brasileira para a Copa da Alemanha.

A convocação de Rogério Ceni aplacou muitas iras e a não convocação de Gustavo Nery deixou mais gente ainda mais feliz.

Críticas mesmo, até exageradas, só pela convocação de Ricardinho, porque a maioria preferia o meia Alex, hoje no Fenerbache, da Turquia.

Como este que vos fala, que além dele gostaria de ver o zagueiro Alex, do PSV, da Holanda, na defesa da Seleção.

Mas é como se diz: dura lex sed lex, a lei é dura, mas é a lei.

E a Seleção não tem Alex.

Tem os Ronaldos, tem Kaká, tem Adriano, Robinho, Juninho Pernambucano, mas não tem os Alex.

Críticas cabem sim, mas, além delas, também cabem aplausos.

Como cabe a torcida de que com os Ronaldos e sem os Alex, o hexa venha nos pés de nossos moleques.


Por Juca Kfouri às 23h05

15/05/2006

E Roque Júnior sambou

Eu também não convocaria Roque Júnior.

Mas ele estava na lista até a última sexta-feira à noite, quando Parreira se reuniu com a Comissão Técnica.

Zagallo e Rodrigo Paiva, assessor de imprensa da CBF, convenceram o treinador a deixar o zagueiro de fora.

A informação de que ele está ainda em recuperação não procede.

E Roque Júnior foi procurado pela funcionária da CBF, Cláudia, que cuida das coisas dos convocados.

Roque Júnior foi tratado nas últimas semanas por um dos preparadores físicos do São Paulo, Alê, da equipe de Luís Rosan, também da Seleção.

Roque conseguiu que a direção do São Paulo o liberasse e pagou do bolso a passagem para o preparador ficar com ele na Alemanha.

E jogou três vezes nas últimas semanas, um amistoso e dois jogos pelo Campeonato Alemão, mostrando estar recuperado.

Como Parreira, aliás, soube ao perguntar ao próprio Rosan.

Parreira, como Felipão, tinha Roque Júnior na conta de um sub-capitão, tamanha é a sua liderança.

De fato, personalidade nunca lhe faltou.

A ponto de ter interpelado, publicamente, o narrador Galvão Bueno que o havia criticado, dois dias antes da decisão da última Copa das Confederações.

Por Juca Kfouri às 18h48

Crônica de uma guerra anunciada

Eu era criança na década de 50 e sempre que ia ao Rio de Janeiro, ainda de poucas e romantizadas favelas, já ouvia dos mais velhos que um dia as favelas desceriam.

Desceram, e não é de hoje.

Todos os sinais da guerra civil foram dados neste Brasil que pouco se importa em incluir os excluídos, a não ser para blindar automóveis e contratar seguranças particulares.

O eixo Rio-São Paulo virou eixo do crime e faz quatro dias que a maior cidade da América do Sul vive em pânico.

Quem paga é a população.

Que paga seus impostos para ter, no mínimo, alimentação, educação, saúde e segurança.

E pagam, também, os soldados da PM e os agentes da Polícia Civil, gente do povo, mal aparelhada, mal remunerada, e, ainda por cima, mal vista.

Policiais que estão sendo mortos como se matam animais.

Enquanto a classe política só dá exemplos de corrupção que acabam em pizza, as autoridades que pagamos para dar segurança revelam apenas incompetência e arrogância.

Como se a questão fosse exclusivamente criminal, e não, essencialmente, social.

A violência convive com a impunidade como se vê até nos estádios de futebol.

Que fim levou o episódio no Pacaembu, na noite de Corinthians e River Plate?

Quem foi punido?

O Corinthians?

O Pacaembu?

Os que tentaram invadir?

Rigorosamente, ninguém.

E ainda temos que ouvir que está tudo sob controle.

Está sim.

Sob o controle do pânico.

Já vimos este filme.

Os mocinhos perdem e os bandidos ganham no fim.

Mas nos restam duas atitudes:

A primeira atitude é não esquecer dos terríveis dias que estamos vivendo em São Paulo quando formos votar.

E segunda atitude está na música de Ivan Lins: Desesperar, jamais!

Por Juca Kfouri às 17h11

Pânico! - 3, outro lançamento adiado

Caros amigos,
 
infelizmente, por motivos alheios ao desejo da Editora e dos autores, comunicamos o cancelamento do lançamento do livro 11 histórias de futebol.
O Bar São Cristovão decidiu que por conta dos atentados ocorridos na cidade de São Paulo neste fim-de-semana não poderá mantar suas portas abertas no dia de hoje.
Sendo assim, só nos resta lamentar o fato ocorrido e pedirmos desculpas pelo cancelamento tão em cima da hora.
Qualquer estamos à disposição
Janaina Gomes
Edit. Nova Alexandria Ltda
Ass. de imprensa e ass. editorial
11-5571-5637

Por Juca Kfouri às 16h35

Pânico!- 2, lançamento adiado

Prezado Juca,
Devido a onda de violência na cidade de São Paulo, o lançamento do livro "Brasileiros Futebol Clube", de Ed Viggiani, foi adiado para a próxima quarta-feira, dia 24 de maio.
Estamos tentando comunicar esta mudança para o maior número possível de pessoas.
Gostariamos de pedir a sua ajuda e saber se você pode divulgar no seu blog está alteração de data.
O lançamento será:
Quarta-feira, dia 24 de maio, às 18h30, na Livraria da Vila
Rua Fradique Coutinho,915 – Vila Madalena - Telefone: 3814-5811

 

 

Por Juca Kfouri às 16h11

Pânico!

Por medida de segurança, para dispensar seus funcionários à luz do dia, a ESPN-Brasil acaba de informar que hoje não haverá o programa "Linha de Passe".

São Paulo está pior que a Faixa de Gaza.

Por Juca Kfouri às 15h24

A lista é ótima

Blogo do ar, na ESPN-Brasil.

A lista é ótima.

Eu levaria os Alex, mas eu sou eu, Parreira é Parreira.

Com dor no coração, Marcos está fora.

Não tinha mesmo outro jeito.

E Gustavo Nery também, o que é um alívio.

E fica mais uma vez provado que Parreira não é dado a antipatias, porque chamou Rogério Ceni.

Está de bom tamanho.

Por Juca Kfouri às 10h49

O resumo da 5o. rodada

O que era para ser o melhor da quinta rodada do Brasileirão, o jogo do Beira-Rio, foi mesmo.

Os gols não foram muitos nem poucos: 25, média de 2,5 por jogo.

Já a presença do torcedor foi menor do que se esperava, apenas 10.487 pessoas em média por jogo.

O maior público ficou por conta do jogo do Beira-Rio, com 28.474 torcedores.

O pior, como sempre, aconteceu em São Caetano, com 693 pagantes.

E fica a pergunta: porque o São Caetano insiste em ter um time profissional?

Quem ganha com isso?

Porque alguém ganha, é claro.

Finalmente, com as derrotas de Fluminense e Vasco, restaram dois invictos.

Exatamente os dois líderes, Santos e Inter, com campanhas quase iguais: quatro vitórias e um empate para cada um.

A diferença está nos gols marcados e sofridos: o Santos fez um a mais (9 a 8) e tomou um a menos (2 a 3).

Por Juca Kfouri às 23h12

14/05/2006

E o Vasco cai também

Numa clara demonstração de que o futebol carioca vê na Copa do Brasil a sua chance de chegar à Libertadores, também o Vasco não jogou com força máxima em Goiânia e perdeu sua invencibilidade -- 0 a 2.

Se já seria difícil ganhar com os titulares, com um time misto, então, tinha de dar no que deu.

O Flamengo, em compensação, até que tentou, mas esbarrou no Fortaleza ao não passar de um pobre 0 a 0 no Maracanã.

O rubro-negro buscou o gol o tempo todo, mas o Fortaleza se defendeu bem também o tempo todo.

Assim, a rodada foi madrasta para os times do Rio, duas derrotas fora, dois empates em casa, verdadeiras mães para seus adversários.

E o Corinthians seguiu em sua toada.

Fez um bom primeiro tempo, saiu na frente com um golaço de Rafael Moura de fora da área e mandou duas bolas no travessão com Rosinei, que voltou bem.

Só que, novamente, o Corinthians caiu no segundo tempo, quando cedeu o empate ao Paraná Clube, num pênalti que a TV não mostrou com clareza, mas que pareceu ter existido, tão tímidas foram as reclamações corintianas.

Para sorte alvinegra, Roger entrou no final, estava com apetite, mudou o jogo, quase desempatou ao mandar mais uma bola no travessão e, no último segundo, Nilmar cruzou para Rafael Moura fazer mais um gol e decretar a vitória.

 

Por Juca Kfouri às 18h39

Cai mais um invicto

O Figueirense ganhou do Fluminense -- 1 a 0 -- e derrubou um dos quatro invictos que restavam no Brasileirão.

O Flu, num erro estratégico, jogou com os reservas, algo que não se justifica antes de uma partida pela Copa do Brasil.

Se ainda fosse pela Libertadores...

Agora, só Santos e Inter, além do Vasco que está enfrentando neste momento o Goiás, no Serra Dourada, permanecem sem perder.

Já o Palmeiras ganhou seu primeiro ponto, num empate insatisfatório tanto para ele quanto para o Cruzeiro -- 1 a 1 no Palestra Itália.

Ruim para os paulistas porque um ponto apenas em cinco jogos é muito pouco e ruim para os mineiros porque não souberam se aproveitar do mau momento do alviverde.

Ruim, também, é a situação do Santa Cruz, que continua sem vencer e, ainda pior, depois de empatar duas vezes em casa, agora foi derrotado pelo Atlético Paranaense -- 1 a 2 -- no Mundão do Arruda.

Deste jeito, a queda é certa.

Por Juca Kfouri às 17h42

O belo jogo do Beira-Rio

Inter e São Paulo não decepcionaram.

Mesmo numa partida em que a marcação prevaleceu, não faltaram nem técnica nem emoção.

A vitória gaúcha foi justa, embora com o benefício de um terceiro gol em que o árbitro errou ao não confiar em seu auxiliar, que marcara impedimento de Rafael Sobis corretamente.

Antes do gol que matou o jogo, no entanto, o Inter fez por merecer o 2 a 1, com dois gols de Índio de cabeça, fruto de dois brilhantes cruzamentos de Jorge Wagner que, definitivamente, tem de ser titular do time colorado.

Ricardo Oliveira entrou no segundo tempo e mostrou que está recuperado, talvez tarde demais para ainda ser convocado por Parreira.

Mas foi mesmo um belo jogo, numa tarde fria, porém ensolarada, no Beira-Rio tingido de vermelho.

Por Juca Kfouri às 17h33

Juve, campeã suja

A Juventus foi mais uma vez campeã da Itália.

Em meio a um escândalo que já derrubou o presidente da Federação Italiana, Franco Carraro, os principais dirigentes do clube e o árbitro italiano indicado para atuar na Copa do Mundo.

Lá como cá muita sujeira há.

Com uma diferença não desprezível: ao se descobrir, punições acontecem.

Aqui, para falar só de um passado recente, houve o escândalo que envolveu Ivens Mendes, a dupla Armando Marques/Alfredo Loebeling e Edílson Pereira de Carvalho.

Nenhum cartola renunciou, caiu ou foi punido.

E Edílson Pereira de Carvalho, lembremos, atuava com diploma falso, coisa do conhecimento da CBF, da FPF e da FIFA, pois Ricardo Teixeira é vice-presidente da Comissão de Arbitragem da FIFA.

Na Itália, não está descartada séria punição aos clubes envolvidos, até com rebaixamento da própria Juve, do Milan etc.

Enfim, corruptos existem em todas as partes.

Mas o espetáculo da impunidade parece exclusividade nossa.

Por Juca Kfouri às 12h04

Sobre o autor

Formado em Ciências Sociais pela USP. Diretor das revistas Placar (de 1979 a 1995) e da Playboy (1991 a 1994). Comentarista esportivo do SBT (de 1984 a 1987) e da Rede Globo (de 1988 a 1994). Participou do programa Cartão Verde, da Rede Cultura, entre 1995 e 2000 e apresentou o Bola na Rede, na RedeTV, entre 2000 e 2002. Voltou ao Cartão Verde em 2003, onde ficou até 2005. Apresentou o programa de entrevistas na rede CNT, Juca Kfouri ao vivo, entre 1996 e 1999. Atualmente está também na ESPN-Brasil. Colunista de futebol de "O Globo" entre 1989 e 1991 e apresentador, desde 2000, do programa CBN EC, na rede CBN de rádio. Foi colunista da Folha de S.Paulo entre 1995 e 1999, quando foi para o diário Lance!, onde ficou até voltar, em 2005, para a Folha.

Histórico