Blog do Juca Kfouri

Tabelinha com Juca

Segundas-feiras, às 15h

03/06/2006

Flu desce a ladeira

Inter e Cruzeiro cumpriram com seus deveres.

A vitória gaúcha diante do Flu, 3 a 2, no Maracanã, foi excelente e tranquiliza os colorados que poderão ver a Copa em estado de graça, mesmo que o São Paulo passe pelo duro obstáculo de amanhã, em Caxias.

Idem com batatas para o Cruzeiro, que teve tarefa menos complicada diante do Fortaleza (2 a 0), mas, também, fez sua parte com louvor.

Já o Flu tem com o que se preocupar.

Os últimos resultados são preocupantes, desde a eliminação da Copa do Brasil.

Claro que a situação na tabela é ainda confortável, mesmo que não fique entre os quatro primeiros.

Mas as vitórias diante do Santos e do Flamengo não foram do tipo que dão segurança (diferentemente da goleada em Fortaleza) e as derrotas para o São Paulo (apesar do gol mal anulado) e para o Inter acendem uma luz amarela.

Por Juca Kfouri às 17h31

Alemanha, cheguei

Estou em Bad Soden, vilarejo, pertinho de Frankfurt e de onde a Seleção ficará já nesta segunda-feira.

Encontrei o Torero no mesmo vôo.

Coitado, ele tem tanto medo de avião que está careca.

Nunca soube que paúra fazia cair cabelo.

Por enquanto é isso.

Acompanharei pela Internet os jogos de hoje do Brasileirão, bem mais interessantes que o amistoso que acabei de ver, mal, Polônia 1, Croácia 0.

Estou com a turma da ESPN-Brasil, ou seja, estou em casa. 

Por Juca Kfouri às 13h37

02/06/2006

Jairo Régis - 1931/2006

Morreu o jornalista Jairo Régis, em Vitória, no Espirito Santo.

Ele foi diretor da revista "Placar" entre 1971 e 1979.

A seu convite assumi a chefia de reportagem da então semanal em 1974 e o sucedi em 1979.

Devo a ele ter seguido a carreira de jornalista, pois, até 1974, ainda tinha dúvida sobre que rumo tomar, vida universitária ou na imprensa.

Jairo Régis era jornalista e advogado.

Nasceu em Palmas, Paraná, em 1931.

Trabalhou na "Última Hora" e em outros jornais do Paraná.

Mudou-se para o Rio de Janeiro, onde trabalhou também no "Diário Carioca" e na Editora Bloch, antes de assumir a "Placar", em São Paulo.

Foi ainda redator de "A Gazeta", em Vitória.

Tudo isso depois de ter feito mais de uma centena de júris como advogado.

Político influente, teve longa história no Partido Comunista Brasileiro, pelo qual foi candidato à Prefeitura de Vitória.

Desde 1996, lutava contra as seqüelas de dois infartos e um AVC (Acidente Vascular Cerebral), dando exemplo de persistência e coragem.

Escreveu um belo livro de memórias, "Confissões de um infartado meio paralítico", pela editora Zennex.

Tinha a solidariedade como sua principal característica e era desses homens capazes de se emocionar com as mínimas coisas do cotidiano.  

Vou para a Alemanha com o coração apertado e um enorme nó na garganta.  
 
   

Por Juca Kfouri às 12h19

Aviso aos navegantes

Estou embarcando para a Alemanha.

Hora de fazer as malas para ficar quase 40 dias fora.

Não estranhe, portanto, o silêncio deste blog nas próximas horas.

Por Juca Kfouri às 09h14

Resumo da 9o. rodada

Numa rodada sem nenhum 0 a 0, apenas 20 gols em 10 jogos, apesar dos cinco na partida entre Botafogo e Figueirense, que salvou a lavoura.

Foram três resultados mínimos, mais três 1 a 1, um 3 a 0 e um 2 a 1.

O público, fraco.

Só no Olímpico, Mineirão, Castelão e Morumbi, na quarta-feira,públicos de  mais de 10 mil pagantes -- 16.581, 16.113, 12.608 e 10.186, respectivamente.

Em compensação, 1.337 no ABC, 2.489 no Maracanã ontem e apenas 3.297 no Morumbi.

Média de 7.431.

O Santa Cruz segue sem vencer e o Corinthians sem empatar.

Por Juca Kfouri às 09h10

01/06/2006

E o Corinthians chegou lá

Depois da surpreendente virada do Corinthians sobre o Vasco, em São Januário, o técnico Geninho planejou chegar entre os quatro primeiros do campeonato até a 10o. rodada, antes da interrupção para a Copa do Mundo.

Pois, depois da 9o. rodada, o time paulista está entre os quatro.

Entre os quatro últimos, em companhia de Santa Cruz (que foi derrotado pelo Paraná Clube, 3 a 0, no Pinheirão), Palmeiras e Botafogo (que foi claramente inferior ao Figueirense, no Maracanã, e perdeu por 3 a 2).

Dizer que Corinthians e Goiás fizeram um mau jogo no Morumbi seria generosidade.

O jogo foi mesmo horroroso.

Com um gol de falta de Jadílson, no entanto, o Goiás, muito mais bem organizado, ganhou de 1 a 0 sem correr riscos.

Geninho não consegue que o time o obedeça e encontrou Rosinei em má fase, Roger como se desfilasse, Rafael Moura só esforço e um bando de jogadores medíocres, como Sebá, Xavier etc.

O Goiás ainda ficou reduzido a 10 jogadores aos 17 minutos do segundo tempo, mas nem assim o Corinthians conseguiu, com Marcelinho já no gramado, ameaçá-lo.

Marcelinho não é nem sombra do passado, até nas bolas paradas, porque passes não acerta mesmo e sempre é facilmente desarmado.

Bateu duas faltas sem a menor pontaria e cobrou seis escanteios, nenhum deles com a precisão de antigamente.

Juntando o time da MSI com o do Corinthians, descontadas as ausências dos dois argentinos Mascherano e Tevez (principalmente este) e de Ricardinho (que também não vinha funcionando), o fato é que o atual campeão brasileiro não forma uma equipe, mas um bando.

Que merece estar na rabeira.

Por Juca Kfouri às 21h38

Está no sítio da revista "Caros Amigos"

31/5/06  
  Mais dólares do paraíso para a MSI  
 
A MSI Licenciamentos e Administradora Ltda, dona do departamento de futebol do Corinthians, recebeu até o final de abril deste ano US$ 3,4 milhões de dólares da Devetia Ltd, paraíso fiscal com sede nas Ilhas Virgens Britânicas. O dinheiro foi mandado em três parcelas – uma de US$ 700 mil, em janeiro – e outras duas – de US$ 2 milhões e de US$ 700 mil – chegaram no mês passado, pelo Banco Central.

A movimentação mostra que as “dificuldades financeiras” que o iraniano Kia Joorabchian estaria enfrentando com os “sócios estrangeiros” não passa de mais uma bravata do gerente da empresa que administra os negócios de futebol do clube.
 

 

Por Juca Kfouri às 13h53

São Paulo, com ajuda

Com o Inter, eu parei.

Jogou muito mal, como o São Caetano, e ficou num 1 a 1 terrível para as pretensões coloradas.

Do Cruzeiro me deu pena.

Porque embora não tenha feito uma grande partida, não merecia o castigo imposto pelo Furacão no finzinho do jogo, em outro 1 a 1, ruim para os mineiros.

Fábio fez um milagre e falhou no gol paranaense. E o Furacão teve seu primeiro empate.

Já o Santos foi inferior ao Grêmio, que sobe, que voltou a ser Grêmio, com Hugo em estado de graça.

Mas o time peixeiro teve um gol anulado por impedimento inexistente, assim como houve um pênalti não marcado para o Grêmio.

Sobrou para o São Paulo assumir a liderança, ao vencer os meninos do desfalcado Flu por pálido 1 a 0.

Pálido e quase justo tecnicamente, não fosse o gol mal anulado do tricolor carioca, outro impedimento que só existiu na cabeça dos péssimos bandeirinhas que andam por aí.

Noite esquisita.

O Juventude tinha tudo para subir e achou de perder para a Ponte Preta, a 1 a 0, em Caxias. Imperdoável, também.

E Fortaleza e Vasco se abraçaram num 1 a 1 que não pode contentar nem um nem outro.

Diferentemente do Flamengo, que virou para cima do Palmeiras, 2 a 1, com méritos, e decretou: o alviverde vai ver a Copa de lanterna na mão.

Por Juca Kfouri às 23h48

31/05/2006

Pelé vende

Nem bem lançada na Inglaterra a biografia autorizada do Rei Pelé e o livro já está em primeiro lugar no Reino Unido.

Vendeu, na primeira semana, 7809 cópias, quase 2000 livros a mais que o segundo colocado.

 

 

Por Juca Kfouri às 15h22

O certo por linhas tortas

Uma pena a contusão de Edmílson, jogador multiuso.

E surpreendente a convocação do bom Mineiro, porque Júlio Baptista parecia ser a opção mais coerente ao estilo de Parreira.

Mas, sem dúvida, experiente como é e na fase em que está, se preciso for, Mineiro dará conta do recado.

Por Juca Kfouri às 14h46

Noite quente no Brasileirão

Dos sete jogos desta noite, cinco prometem. E muito.

O principal deles, no Morumbi, com o São Paulo quase completo, só sem Lugano, e o Fluminense, líder, mais que desfalcado.

A garotada de Xerém terá a difícil tarefa de impedir que o tricolor paulista alcance o carioca em número de pontos, missão quase impossível para os meninos do Flu.

Bem mais possíveis são os desafios de Cruzeiro, contra o Furacão, no Mineirão, e Inter, contra o Azulão, no ABC.

Aos dois está proibido quaisquer outros resultados que não as vitórias.

Diferentemente do Santos, com a dura missão de enfrentar o Grêmio, subindo a ladeira, no Olímpico.

Será interessante ver como dois times que adoram jogar no contra-ataque vão fazer para pegar o outro de calças curtas.

E, finalmente, o desespero de dois gigantes, no Maracanã.

Flamengo e Palmeiras buscam sair da zona de rebaixamento.

E o rubro-negro está mais perto de escapar que o alviverde.

Por Juca Kfouri às 00h24

30/05/2006

O crime, às vezes, não compensa

Quem diria, Edilson Pereira de Carvalho acabou na Internet vendendo camisas que ganhou dos jogadores em jogos que, eventualmente, manipulou.

Clique no endereço abaixo e comprove você mesmo.

 http://forum.jogos.uol.com.br/viewtopic.php?t=832748&highlight=

Por Juca Kfouri às 22h02

Goleada à Brasiléia

Foi o show que se esperava.

Nas estatísticas sérias, apesar da camisa oficial e do árbitro neutro, da Fifa, é daqueles jogos que nem devem constar.

Enquanto escrevo a Seleção Brasileira vai fazendo gols (Robinho acaba de marcar o sétimo, aos 33 minutos do segundo tempo).

Uma brincadeira saudável na Basiléia, contra o combinado de Lucerna que, talvez, endurecesse um jogo com os juniores do Fluminense.

Porque foi desses jogos como se a seleção da NBA jogasse contra os melhores do basquete de Barbacena.

Valeu para alguma coisa?

Sim, pela movimentação, pela viagem e consequente mudança de ares, pela alegria dos gols.

Ah, sim, aos 40, Adriano marcou mais um, 8 a 0.

Daqui a pouco, a 14 dias (ufa!, por um dia escapamos de uma zagalice) as coisas ficarão sérias.

Porque, no dia 13 (impossível escapar...), o adversário será a Croácia, na estréia da Copa.

Por Juca Kfouri às 16h21

Mengo de azul

O Conselho Deliberativo do Flamengo aprovou, em reunião tumultuada, no último dia 12, a inclusão da cor azul nas mangas de seu uniforme.

Tudo para atender uma novo produto da Petrobras, que será lançado em breve.

Quem sabe se, como diz a música, vestindo azul mude a sorte do rubro-negro, agora mais celestial.

Seja como for, mais uma tradição, de 111 anos, vai para o espaço.

A novidade está prevista para o segundo semestre deste ano.

Por Juca Kfouri às 10h08

Seleção em campo

O amistoso da Seleção hoje, na Basiléia, Suiça, contra um combinado de Lucerna, 15h30, é importante e não tem a menor importância.

É importante para movimentar o time, para criar situações de jogo, para romper a monotonia do cotidiano desta fase pré-Copa.

O resultado, no entanto, não tem a menor importância.

Uma goleada, que é o mais provável, uma vitória apertada, que pode acontecer porque os adversários jogarão o jogo de suas vidas e a Seleção tratará de se cuidar, ou até mesmo um empate ou uma derrota, improváveis, não mudarão nada.

A Seleção se conhece, precisa de descanso, sabe do que é capaz e não arriscará as canelas em nenhuma atividade antes de a Copa começar.

Este tem sido, há anos, o modelo adotado pelas mais diferentes comissões técnicas da Seleção.

E tem dado mais certo do que errado.

Duro é ver, como os mexicanos estão vendo, o mundo desmoronar porque perderam da França.

E o pior, ou o melhor, é que eles podem ter escondido o jogo, ou, mais aceitável, jogado também com toda cautela para evitar acidentes.

Como o programa do Velho Guerreiro Chacrinha, que só acabava quando terminava, a Copa do Mundo só começa quando principia. 

Por Juca Kfouri às 00h00

29/05/2006

Médias da 8o. rodada

Foram poucos gols, só 21 -- 2,1 por partida.

O público ficou na casa dos 10.909 pagantes por jogo, aí considerado o do jogo da Ponte Preta, com promoção.

Melhores públicos: Beira-Rio, 25.622 pagantes e Fla-Flu, no Maracanã, com apenas 16.563.

Piores: Serra Dourada, com 2.182, e São Januário, com 3.301.

O São Paulo empatou pela primeira vez.

Atlético Paranaense, Corinthians e São Caetano ainda não empataram.

Ganharam três vezes e perderam cinco.

Já o Santa Cruz segue sem nenhuma vitória. 

Por Juca Kfouri às 10h48

28/05/2006

O povo reclama

As duas maiores torcidas do país reclamam.

A do Flamengo por causa do gol de Renato, que o banderinha anulou ao alegar que a bola saiu na cobrança do escanteio.

Tive a mesma impressão, que a bola sai assim que é batido o escanteio.

Mas não juro.

Só sei que se a arbitragem quisesse prejudicar o Flamengo não teria expulsado o Tuta.

A torcida do Corinthians reclama ainda mais.

Reclama de um braço na bola, dentro da área, de Cléber Santana, em cobrança de falta de Marcelinho.

De fato, houve.

Reclama, ainda, do pênalti marcado em Rodrigo Tiuí.

De fato, não houve. E a marcação foi ridícula.

Mas Sílvio Luís defendeu.

E reclama, também, da expulsão de Rubens Júnior.

Talvez tenha sido mesmo exagerada, mas é caso típico de interpretação.

O que importa é que o Santos jogou muito melhor e ganharia o jogo de qualquer jeito.

Ou não?

 

 

Por Juca Kfouri às 21h45

Que cada um cumpra com o seu dever

Há duas ordens no Campeonato Brasileiro nas duas últimas rodadas antes da interrupção para a Copa do Mundo .

Uma, para cinco times que lutam pela liderança.

E é clara, cristalina: terminar a décima rodada no topo.

Ordem para o Fluminense, novo líder isolado, Cruzeiro, Santos e Inter, a dois pontos do líder, e São Paulo, a três.

E o curioso é que exatamente o Flu é que deve ter mais dificuldades para cumpri-la, porque terá o São Paulo, no Morumbi, e o Inter, no Maracanã, pela frente.

Já o Cruzeiro terá vida mais fácil, ao receber o Atlético Paranaense e pegar o Fortaleza, fora.

O Inter, além da parada dura diante do Flu, terá o São Caetano, no ABC.

O Santos pegará Grêmio, no Olímpico, e o Botafogo, na Vila Belmiro.

E o São Paulo, além do Flu, vai a Caxias do Sul enfrentar o Juventude.

A outra ordem é para 10 clubes que correm o risco de ir fazer companhia para Palmeiras e Santa Cruz entre os quatro últimos.

Ordem óbvia: fujam da rabeira, fujam de ver a Copa do Mundo de lanterna na mão.

Ordem para Figueirense, Grêmio, Atlético Paranaense, Corinthians, São Caetano, Paraná Clube, Botafogo, Fortaleza, Vasco, Flamengo e Ponte Preta.

Sim, porque Palmeiras e Santa Cruz, no máximo, podem, se ganharem os seis pontos que disputarão, tornar menos incômoda suas situações, mas é quase impossível que saiam da zona do rebaixamento.

 

Por Juca Kfouri às 21h20

Ninguém na frente do Flu. Nem ao lado

O Fluminense alcançou a liderança isolada do Brasileirão, dois pontos adiante de Cruzeiro, Santos e Inter.

Graças a Tuta, autor do gol da vitória sobre o Flamengo.

Vitória que o próprio Tuta quase prejudicou, ao ser expulso de campo logo no cmeço do segundo tempo.

Aí, num jogo que estava a feitio do tricolor carioca, as coisas se complicaram e o Flamengo até deu um certo sufoco.

Mas não será nada fácil para o Flu manter a liderança nas duas rodadas que restam antes da interrupção do campeonato.

Seus dois próximos adversários estão em seu encalço: o São Paulo, no Morumbi, e o Inter, no Maracanã.

São Paulo que só empatou 1 a 1 com o Vasco, em São Januário, depois de sair na frente com um gol de Alex Dias, acostumado a fazer gols no gramado cruzmaltino.

São Paulo que até mereceu fazer mais um gol e que saiu do Rio com um certo sabor amargo.

Não tanto, é claro, como o gosto de cabo de guarda-chuva na boca dos palmeirenses, derrotados pelo Grêmio, 1 a 0, no Palestra Itália.

E os Grêmio jogou com 10 desde o primeiro tempo...

Por Juca Kfouri às 19h11

Santos, sem dúvida

O Santos ganhou do Corinthians por 2 a 0 e não ganhou de mais porque Sílvio Luís não deixou, até ao pegar um pênalti inexistente.

O Corinthians ameaçou pouco e teve em Marcelinho Carioca quase um jogador decisivo.

Quase porque quase tudo que ele faz quase dá certo.

O Santos criou muito mais e apenas sente falta de um finalizador, já que os seus estão machucados.

Mas fez o resultado de que precisava e segue firme na briga pela ponta.

Por Juca Kfouri às 17h11

Melhor para o Cruzeiro

O Inter jogou melhor que o Cruzeiro, mas ficou no 1 a 1.

Fábio, que falhou no gol colorado, acabou por ser o nome do jogo ao fazer um milagre em bola de Fernandão, ainda no primeiro tempo, e ao pegar outra cara a cara de Léo, no fim do jogo.

Além disso, ainda viu o travessão salvá-lo, também no primeiro tempo.

O Cruzeiro surpreendeu o Inter ao começar agressivamente a partida, mas, depois, contentou-se com o empate, de fato, um bom resultado no Beira-Rio com 30 mil torcedores.

O Inter segue sua sina de desperdiçar chances de assumir a liderança, embora tenta tentado.

 

Por Juca Kfouri às 17h07

Amarelinha neles!

Não altera o preço do dólar, mas a pergunta cabe: por que a Seleção Brasileira titular, mesmo nos treinamentos, não usa a camisa amarela?

Não precisa ser a oficial, que tem todo um simbolismo.

Mas quem já jogou futebol sabe que automatizar procedimentos é sempre útil.

Como a Seleção, invariavelmente, usa a camisa amarela (já se sabe, por exemplo, que a camisa canarinha será a dos três primeiros jogos), nada justifica treinar de verde ou de vermelho ou de qualquer outra cor.

Até quando se joga uma pelada, um time de camisa, outro sem, se você muda de lado sofre nos primeiros minutos.

Pode parecer bobagem, pode ser uma questão de mero detalhe, mas não deixa de ter fundamento.

E quem me chamou a atenção para a coisa foi o atento jornalista Wilson Moherdaui, diretor da Plano Editorial, que edita o jornal "Telecom", especializado na área de comunicações.

E comunicação visual também existe. E como.

Neste momento a Seleção treina com o time de juniores do Fluminense.

O Flu é que está de amarelo e a Seleção, de azul.

 

Por Juca Kfouri às 11h11

Sobre o autor

Formado em Ciências Sociais pela USP. Diretor das revistas Placar (de 1979 a 1995) e da Playboy (1991 a 1994). Comentarista esportivo do SBT (de 1984 a 1987) e da Rede Globo (de 1988 a 1994). Participou do programa Cartão Verde, da Rede Cultura, entre 1995 e 2000 e apresentou o Bola na Rede, na RedeTV, entre 2000 e 2002. Voltou ao Cartão Verde em 2003, onde ficou até 2005. Apresentou o programa de entrevistas na rede CNT, Juca Kfouri ao vivo, entre 1996 e 1999. Atualmente está também na ESPN-Brasil. Colunista de futebol de "O Globo" entre 1989 e 1991 e apresentador, desde 2000, do programa CBN EC, na rede CBN de rádio. Foi colunista da Folha de S.Paulo entre 1995 e 1999, quando foi para o diário Lance!, onde ficou até voltar, em 2005, para a Folha.

Histórico