Blog do Juca Kfouri

Tabelinha com Juca

Segundas-feiras, às 15h

23/09/2006

A surpresa do sábado

Uma sábado esportivo dentro dos conformes.

Em Belo Horizonte e em Curitiba.

Na capital das Minas Gerais, o Brasil saiu na frente da Suécia na Davis, com a suada vitória do Saretta.

E o Galo, com Mineirão impressionante, ganhou do Sport, 2 a 0, e assumiu a vice-liderança da Série B.

Série B que já tem o Paulista ocupando o lugar (o quarto) do Coritiba, que de tanto bobear, pode dançar.

Na capital paranaense, o Furacão passou por cima do Azulão, 3 a 1, e ficou tudo como devia mesmo ficar.

Surpresa só no Rio, no Maracanã.

O Fortaleza sapecou 3 a 1 no Flu.

Tão inesperado que permite até que o time cearense sonhe em escapar da queda.

E obriga o tricolor carioca a se preocupar com ela.

Seriamente, porque passou dos limites.

Por Juca Kfouri às 17h00

Folga da companhia!

Resolvi me dar um sábado de folga.

Passei a manhã com minha neta e vou almoçar com amigos.

Nem vi o que imagino tenha sido uma humilhação, a derrota por 40 pontos para os EUA no basquete feminino.

Trabalho hoje só às 20h, na ESPN-Brasil.

E, então, depois, volto aqui, para falar do que houve no sábado de futebol.

Que tem como maior atração o jogo do Mineirão, entre Galo e Leão, muita rima, qual a solução?

 

Por Juca Kfouri às 11h52

22/09/2006

Tite caiu!

O repórter Anderson Cheni, do Sistema Globo de Rádio, telefona de dentro do avião em que está o Palmeiras e avisa: Tite não é mais técnico do Palmeiras.

Ele não dirigirá o time neste domingo contra o São Paulo, em Presidente Prudente.

Por Juca Kfouri às 19h25

Chefe Pelé

A reunião que o sítio da CBF diz ter sido para que Pelé conhecesse as novas instalações da entidade (como, aliás, o próprio Pelé ressaltou), foi mesmo para engajá-lo no esforço pela Copa de 2014 no Brasil.

É o que confirma hoje, na "Folha de S.Paulo", o repórter Sérgio Rangel.

Pelé foi convidado para chefiar o Comitê Organizador da Copa, a exemplo do que já aconteceu com Platini, na Copa de 1998, na França, e com Beckenbauer, recentemente na Alemanha.

Pelé ficou de responder, mas deverá aceitar.

Pena que já tenha começado com uma mentira e dessas de pernas bem curtas.

Ou alguém imagina que Pelé iria ao Rio apenas para conhecer a sede da CBF?

Quem fez o meio de campo para o encontro com Ricardo Teixeira foi seu ex-sócio e, agora, ex-maior inimigo, Hélio Viana.

O mundo gira.

E a bola rola.

Por Juca Kfouri às 11h15

Resumo da 25o.rodada

Exatos 25 gols na 25o. rodada.

Melhor público, no Olímpico, com 32.213 gremistas.

Pior na Vila Belmiro, com 3.633 torcedores.

A média de público, até surpreendente para um meio de semana, foi de 11.430 torcedores.

Média que não inclui o público do Mundão do Arruda, até agora não fornecido, o que fere o Estatuto do Torcedor, pela truculenta, e incompetente, direção do Santa Cruz.

 

Por Juca Kfouri às 11h09

Entrevista adiada

Lamentem os que gostam, festejem os que não gostam:

foi adiada para uma segunda-feira qualquer de outubro a entrevista de Rogério Ceni no Roda Viva.

É o que informa a mais bem informada coluna de TV da imprensa nacional, "Canal 1", de Flávio Ricco.

Por Juca Kfouri às 11h07

Mengo sobe, Palmeiras e Cruzeiro caem

O Flamengo derrotou o despersonalizado Cruzeiro por 1 a 0, no Maracanã.

E só não ganhou por mais porque o goleiro Fábio estava numa grande noite, curiosamente no dia em que soube que está fora da nova convocação da Seleção Brasileira.

Verdade que Geovani perdeu, no mínimo, dois gols feitos, no primeiro e no segundo tempos.

O rubro-negro obteve sua terceira vitória seguida, subiu três posições, do 14o. para o 11o. lugar, e deu uma boa respirada.

O Cruzeiro é que, lenta e gradualmente, faz o movimento inverso, em direção à zona do rebaixamento, há mais de três meses sem vencer fora de casa.

Como o Palmeiras, que despencou.

Perdeu para o lanterna Santa Cruz, que estava há 10 jogos sem vencer, no Recife, por 3 a 2.

O tricolor pernambucano continua em último lugar, ainda dois pontos atrás do penúltimo, o Fortaleza, e a nove enormes pontos de distância do Goiás, o primeiro dos quatro últimos.

Já o Palmeiras ficou com os mesmos 30 pontos do time goiano, o que renova a preocupação com outra queda no Parque Antarctica.

Os paulistas até têm do que reclamar, porque foram vítimas de uma bola na mão que virou mão na bola e do pênalti que resultou no 2 a 1 para o Santa, no minuto seguinte ao empate alviverde.

Mas tem mais é que reclamar do futebol medíocre que voltou a jogar.

E, domingo que vem, tem clássico, em Presidente Prudente, campo neutro, portanto, contra o líder São Paulo.

Bobagem imperdoável da direção palmeirense e crime contra a isonomia do campeonato, coisa que a CBF deveria impedir.

Afinal, quem enfrentou o Palmeiras no Palestra Itália tem por que reclamar.

Por Juca Kfouri às 01h25

21/09/2006

A mulher mordeu a cadela

Que me perdoem os torcedores do Flamengo, do Cruzeiro, do Santa Cruz e do Palmeiras.

Mas não deu para ver o primeiro tempo dos dois jogos desta noite.

Porque jornalista vive atrás de novidade e foi impossível deixar de ver Estados Unidos e Rússia no Mundial de basquete feminino.

Ou melhor: Rússia x Estados Unidos.

Quando terminou o primeiro tempo, as russas venciam por cinco pontos (37 a 32).

Até aí, nada demais.

E me preparei para ver os jogos do Maracanã e do Arruda, porque certamente as americanas reagiriam.

Eis que começa o segundo tempo e, durante quatro minutos, enquanto as russas iam fazendo suas cestas com naturalidade, as norte-americanas simplesmente não pontuavam.

Elas só fizeram sua primeira cesta (de três pontos, por sinal) quando faltavam pouco mais de cinco minutos e perderam o terceiro quarto por nada menos que  21 a 6 -- 58 a 38 no jogo.

A pequena torcida no Ibirapuera era russa desde criancinha, graças, é claro, também, à simpatia que todos têm pelo presidente Bush.

Além da natural torcida pelo mais fraco.

Desde as semifinais do Mundial de 1994, na Austrália, vencido pelas brasileiras, que os EUA não perdiam um jogo de basquete feminino.

Perderam exatamente para o Brasil, por 110 a 107, maior contagem da história dos Mundiais femininos.

E estavam perdendo para as russas que, na primeira fase deste mundial, perderam três vezes, para a República Tcheca, derrotada pelo Brasil, inclusive.

Aliás, ver as americanas perdendo aumentava a dor pela derrota brasileira diante da Austrália, porque era a prova de que era possível ser bicampeão mundial.

Mas, vamos ao último quarto.

As americanas voltaram marcando como se fossem o cão e acertando bolas de três pontos.

As russas só marcaram seus primeiros dois pontos com dois minutos já decorridos do quarto quarto.

E tome bola roubada pelas americanas, e cesta de três pontos das americanas, e pressão total das americanas, e rebotes pegos pelas americanas.

As russas, como as brasileiras diante das australianas, pareciam com medo de serem felizes.


Faltando seis minutos, já estava 60 a 51.

Mas, aí, porque a Russia tem técnico, as russas trataram de quebrar o ritmo do jogo, de valorizar a posse de bola até mais que o chute embaixo da cesta e a vantagem voltou a ser de 15 pontos, de 13, de 16, enfim, O HOMEM ESTAVA MORDENDO O CACHORRO.

Sim, o jargão do jornalismo ensina que quando um cão morde um homem não há notícia, ao contrário do contrário.

E foi o que aconteceu agora há pouco no Ibirapuera.

A diferença chegou a cair para apenas cinco pontos no minuto final.

Mas, gloriosamente, as russas venceram as invictas americanas, por 75 a 68 ,e vão enfrentar as australianas na final.

Brasil e EUA decidem o bronze.

Vou ver o segundo tempo de Santa Cruz 1, Palmeiras 0 e de Flamengo 1, Cruzeiro 0.


 

Por Juca Kfouri às 20h37

Pena, mas não deu!

A seleção brasileira de basquete feminino fez um primeiro muito bom diante das australianas e acabou o primeiro tempo um ponto na frente.

Fez um terceiro quarto quase perfeito na marcação, no ataque, nos lances livres e acabou sete pontos na frente.

Mas parece que a perspectiva da vitória histórica que valeria a medalha de prata assustou o quinteto nacional.

E em menos de três minutos as vice-campeãs olímpicas já estavam na frente.

E o jogo acabou.

A Austrália está na final (88 a 76) e o Brasil disputará o bronze (valioso, sem dúvida), provavelmente contra a Rússia, que deve perder para os EUA logo mais à noite.

Era, aliás, a final previsível desde antes de o campeonato começar.

Como não choveu, as goteiras do ginásio do Ibirapuera, praticamente lotado, não atrapalharam o desenvolvimento do jogo nem envergonharam mais uma vez a organização brasileira do Mundial.

Por Juca Kfouri às 15h59

Os convocados por Dunga

GOLEIROS:
Gomes (PSV Eindhoven-HOL)
Hélton (Porto-POR)
LATERAIS:
Maicon (Inter-ITA)
Daniel Alves (Sevilla-ESP)
Adriano (Sevilla-ESP)
Marcelo (Fluminense)
ZAGUEIROS:
Lúcio (Bayern de Munique-ALE)
Juan (Bayer Leverkusen-ALE)
Alex (PSV Eindhoven-HOL)
Luisão (Benfica-POR)
MEIO-CAMPISTAS:
Edmílson (Barcelona-ESP)
Gilberto Silva (Arsenal-ING)
Dudu Cearense (CSKA-RUS)
Lucas (Grêmio)
Kaká (Milan-ITA)
Elano (Shakhtar-UCR)
Ronaldinho (Barcelona-ESP)
Daniel Carvalho (CSKA-RUS)
ATACANTES:
Robinho (Real Madrid-ESP)
Fred (Lyon-FRA)
Vágner Love (CSKA-RUS)
Rafael Sobis (Betis-ESP)

Acima, a nova convocação de Dunga para pegar o Kuwait (7 de outubro) e o Equador (três dias depois).

São quatro novidades: o goleiro Hélton, os laterais Daniel Alves e Adriano e o meia Lucas.

Surpreendente, só Hélton, um bom goleiro, sem dúvida, mas, talvez, sem o brilho de outros que não foram convocados.

Curiosamente, mais uma vez, o goleiro que foi convocado para a Copa da Alemanha para ganhar experiência, o ex-rubro-negro Júlio César, continua fora dos planos do treinador.

Na observação, nenhum juízo de valor, até porque ele está longe de ser o goleiro dos meus sonhos.

Mas que é estranho é e pode ocultar uma atitude muito positiva: a de não engrossar os protegidos do antiga comissão técnica.

Júlio César, por exemplo, é empresariado por um filho de Zagallo.

Os dois laterais são muito bons.

Daniel Alves é muito mais sério que Cicinho e Adriano entrou porque Gilberto se machucou.

E Lucas faz um Campeonato Brasileiro que justifica sua convocação.

Por Juca Kfouri às 14h33

São Paulo cada vez mais líder. Grêmio, cada vez mais vice-líder e o basquete feminino brasileiro

Bom dia!

Entre os quatro primeiros do Campeonato Brasileiro só mesmo o São Paulo e Grêmio se saíram bem ontem.

O São Paulo ao ganhar do São Caetano, no ABC, com um gol sem querer de Richarlyson e sem jogar bem.

Mas jogou o suficiente para manter quatro pontos de vantagem sobre o Grêmio -- quatro pontos que podem virar sete se o São Paulo ganhar o jogo que tem a menos.

Já o Grêmio sobrou.

Jogou muito bem e goleou a Ponte Preta por 4 a 0, no estádio Olímpico -- com mais de 32 mil torcedores.

Foi o único bom jogo dentre os oito da rodada e serviu para o Grêmio livrar cinco pontos de vantagem sobre o Santos e o Inter.

Diferença que pode cair para dois pontos em relação ao Inter se o rival ganhar o jogo que também lhe falta.

Mas o Inter perdeu em Florianópolis para o Figueirense por 1 a 0 e cada vez mais pensará no Japão.

Além de ter perdido o terceiro lugar para o Santos, que também decepcionou e só empatou, na Vila Belmiro, com o Fluminense, 1 a 1.

Hoje, dois jogos completam a rodada: Santa Cruz e Palmeiras e Flamengo e Cruzeiro.

Os quatro precisam vencer.

Mas o importante mesmo hoje é o jogo de basquete, entre Brasil e Austrália, pela semifinais do Campeonato Mundial feminino.

Depois da belíssima vitória de ontem sobre República Tcheca, tudo é possível, até mesmo vencer as vice-campeãs olímpicas australianas no ginásio do Ibirapuera.

 

Por Juca Kfouri às 23h47

20/09/2006

São Paulo, cumpridor

Mesmo sem jogar bem e com um gol sem querer de Richarlyson, o São Paulo cumpriu fielmente o seu papel de líder ao derrotar, com justiça, o São Caetano, no ABC, por 1 a 0.

O tricolor quase não correu riscos durante todo o jogo e manteve a confortável vantagem que tem sobre o Grêmio, seu mais sério concorrente.

Diferentemente do Inter, que acabou derrotado pelo Figueirense, em Floripa, também com justiça, por 1 a 0, e viu ficar bem mais longe o seu sonho do tetra.

O gol catarinense foi legal e contou com a colaboração de Clemer, que parou para reclamar de um impedimento que não existiu.

Não é que Fernandão tenha feito falta, apenas. Ele fez muita, mas muita falta.

Já o Santos se viu às voltas com seu problema de não ter ataque.

Tiuí mandou uma bola na trave de seu ex-time e, com um gol de pênalti cobrado por Cléber Santana, depois que Tabata tropeçou na área, saiu na frente do Fluminense que, no fim, empatou 1 a 1, na Vila Belmiro, em outro jogo fraco.

O gol carioca foi contra, de Luís Alberto, depois de cobrança de falta de Petkovic.

Mesmo assim, o Santos assumiu o terceiro lugar que era do Inter que, lembremos, tem um jogo a menos.

Paraná Clube, que derrotou o Fortaleza por 2 a 0 em sua volta ao estádio da Vila Capanema, e Botafogo que bateu o Juventude por 2 a 1, no Maracanão, fizeram o que deles se esperava, ao contrário do Goiás que, em casa, fez 2 a 0 no Atlético Paranaense e permitiu o empate do Furacão.

Finalmente, no Pacaembu, o Vasco foi melhor que o Corinthians.

Tanto que mandou uma bola na trave, obrigou Marcelo a fazer uma difícil defesa no começo do primeiro tempo e um milagre no segundo, em cabeçada de Ramon.

Além de ter feito lindo gol em cobrança de falta de Andrade.

Mas o time cruzmaltino precisa se benzer antes de enfrentar o Corinthians, que achou o gol de empate com Rafael Moura, depois de uma saída em falso de Cássio.

E a escrita continua, além de o Vasco ter perdido seu lugar na Libertadores para o Paraná Clube, novo quinto colocado.

 

Por Juca Kfouri às 22h54

Outra vez, Pelé?

Pelé esteve hoje na CBF com Ricardo Teixeira.

O encontro foi intermediado por seu ex-sócio, e com quem trava uma luta por milhões de reais nos tribunais, Hélio Viana.

Sentindo que aumenta a concorrência pela Copa de 2014 (a Colômbia já é candidata e a Argentina se insinua como tal), Teixeira, hoje íntimo de Viana, pediu que este tentasse atrair Pelé para a empreitada.

Como os advogados de ambos os lados lutam por um acordo na Justiça, os dois avaliaram que seria uma boa oportunidade para a reaproximação.

E lá foram os dois conversar na CBF, como se nada tivesse acontecido.

Dá para entender?

Sim, pergunto por mera formalidade.

É elementar, meu caro Watson...

Por Juca Kfouri às 18h17

Grêmio arrasador

O Grêmio não deixou a Ponte Preta nem respirar.

Tomou conta do jogo desde sempre e valendo-se, também, de belíssima atuação de Hugo, matou a pau.

O primeiro gol até que demorou a sair e só aconteceu numa roubada de bola de Léo Lima na saída da área campineira com Tuto.

Ele mesmo fez o cruzamento que desviou na zaga da Ponte e sobrou, aos 20, para Hugo fulminar: 1 a 0.

Em seguida o Grêmio teve mais duas chances na cara do gol, tamanho o volume de jogo que impunha no Olímpico em festa neste feriado Farroupilha.

Até que Hugo deu um passe precioso para o talentoso Lucas que deixou um zagueiro da Ponte orfão de pai e mãe para bater cruzado sem chances para Jean, que já tinha feito dois milagres: 2 a 0, aos 44.

O time de Mano Menezes, que Luís Felipe Scolari considera a maior revelação como técnico nos últimos tempos no país, voltou no segundo tempo com menos volúpia, algo natural.

Mesmo assim, aos 27, Hugo, sempre ele, botou a bola na cabeça do argentino Herrera, que acabara de entrar, para fazer o terceiro gol.

E, aos 44, o mesmo Herrera, recebendo de Lucas, fez 4 a 0.

Será Herrera o mosqueteiro tricolor como Renteria é o saci do rival?

O Grêmio está a um ponto do tricolor paulista, chegou à sua 13o. vitória, igualando-se ao São Paulo e ao seu 45o. gol, seis a mais que o líder que, sempre é bom lembrar, neste momento, tem dois jogos a menos.

Por Juca Kfouri às 16h51

Rogério Ceni no "Roda Viva"

Na segunda-feira que vem, Rogério Ceni será o entrevistado do "Roda Viva" da Rede Cultura de Televisão, o mais antigo, e de igual prestígio, programa de entrevistas da TV brasileira.

Por Juca Kfouri às 16h45

Mais uma do promotor

Acolhendo representação da Procuradoria Regional Eleitoral em São Paulo, o juiz auxiliar do TRE-SP, Percival Nogueira, julgou irregular propaganda por outdoors do candidato a deputado estadual Fernando Capez (PSDB), aplicando, porém, a multa no valor mínimo de 5 mil UFIR.

A Procuradoria Regional Eleitoral já interpôs recurso para aumentar o valor da multa. Em face das circunstâncias do caso, do grande número de outdoors e do longo período em que ficaram expostos, a PRE-SP está pedindo que a multa seja elevada ao valor máximo legal, que é de 15.000 UFIR. O recurso será julgado pelo Plenário do TRE.

A representação da PRE-SP se deveu ao fato de o candidato ter promovido a sua candidatura, de forma velada, por meio de 21 outdoors espalhados pela cidade, meio proibido na legislação em vigor.

Os outdoors, com a fotografia do candidato Fernando Capez, a mesma utilizada para fins eleitorais e seu nome em destaque, foram expostos sob a alegação de divulgar um evento jurídico realizado e concebido por ele.

No entanto, ante a desproporção entre evento, um júri Simulado direcionado a um público específico e com vagas limitadas, eseu modo de divulgação, bem como o destaque dado à figura de Fernando Capez e a constatação de que os outdoors ficaram expostos até uma data posterior ao evento, em pleno período de campanha eleitoral, ficou caracterizada a irregularidade que motivou a representação do Ministério Público Eleitoral.

 

Por Juca Kfouri às 16h20

Covardia no Ibirapuera

A seleção brasileira de basquete feminino simplesmente arrasou a seleção da República Tcheca.

Ganhou de mais de 20 pontos de diferença, contagem construída num segundo quarto sensacional, histórico mesmo.

As campeãs sul-americanas ganharam das campeãs européias de 75 a 51.

Mas jogou com seis.

Isso mesmo.

A torcida tomou conta do ginásio do Ibirapuera e foi à loucura com a exibição de gala do time nacional.

Que agora espera para saber contra quem jogará a semifinal, se contra a fortíssima Austrália ou se contra a França.

Mas, no mínimo, lutará pelo bronze.

Jogando como jogou hoje e com a participação da torcida, tudo é possível.

Por Juca Kfouri às 15h50

A Bigger vem aí

No próximo dia 26 será anunciada a crição de um nova empresa de marketing no futebol: a Bigger.

Junta dois pesos pesados.

Um no empresariamento de atletas, Juan Figger.

Outro na área de eventos, José Victor Oliva, dono do Banco de Eventos.

A idéia é a de melhorar a imagem do futebol, com o apoio de empresas ou dos clubes.

Juan Figger tem os contatos no mundo do futebol e Oliva a experiência e o conhecimento na área de planejamento e execução.

Para Oliva, "o futebol não deve ser visto apenas como um esporte de massa, mas, também, como agente de transformação. Nossa aposta aponta nesta direção".

 

Por Juca Kfouri às 15h13

Quatro líderes e um desafio: vencer

Que ninguém espere moleza na rodada de hoje do Brasileirão, que terá os quatro líderes em ação.

Mas o desafio do Inter, sem Fernandão, é o mais pesado, diante do Figueirense e sua trinca de artilheiros, em Floripa, às 19h30.

Porque São Paulo, Santos e Grêmio têm simplesmente a obrigação de vencer.

O tricolor paulista jogará com a torcida a seu favor contra o desespero do São Caetano, no ABC, às 22h.

O Santos recebe o Fluminense, que ameaça reagir e até tem como, mas o alvinegro não pode permitir se ainda quiser sonhar com o título, também às 22h.

E o Grêmio recepciona a Ponte Preta, no Olímpico certamente cheio, e confiante, no feriado Farroupilha, às 16h.

Dos outros quatro jogos, um chama mais a atenção, também às 22h, no Pacaembu, entre Corinthians e Vasco.

E, por quê?

Porque não só o Corinthians dá mostras de querer muito mais neste campeonato, a Libertadores, por exemplo, como enfrentará o Vasco pela terceira quarta-feira seguida, com duas vitórias nas anteriores, pela Copa Sul-Americana.

Ora, o Vasco é exatamente o time que ocupa a última vaga da Libertadores neste momento.

E ficará apenas três pontos adiante do alvinegro se perder de novo, coisa na qual não pode nem cogitar. 

Por Juca Kfouri às 23h04

19/09/2006

A luta continua na Série B

 O Sport fez a lição de casa com louvor e é o novo líder da Série B (com 43 pontos), depois que venceu, na Ilha do Retiro, o pretendente a uma vaga na Série A, o América de Natal, por 2 a 0.

O Galo fez mais que a lição de casa, pois conseguiu sua segunda vitória fora de casa, em Itu, ao bater o Ituano por 2 a 1.

E subiu para o terceiro posto, a apenas um ponto do Náutico (42 pontos), que ficou no 1 a 1 com o Ceará, no Castelão.

Bobeada deu o Coritiba, ao não passar do 0 a 0 com o fraco São Raimundo, em Curitiba, e cair para o quarto posto, com 40 pontos.

Por Juca Kfouri às 22h53

Projeções para cair

Quem cai?

Se a luta pelo título parece restrita a quatro times, para fugir da queda tem muito mais.

Ao mesmo tempo, se ninguém ainda pode cantar de campeão, tudo indica que dois times já estão irremediavelmente condenados:

o Santa Cruz e o Fortaleza.

Sobram, portanto, duas vagas indesejadas.

Quem as ocupará?

O São Caetano leva jeito, assim como o Botafogo e a Ponte Preta, mais frágeis que o Goiás.

Mas o Glorioso e a Macaca têm os mesmos 30 pontos de Palmeiras, Flamengo, Corinthians e Atlético Paranaense.

Ou seja, cinco campeões brasileiros correm risco de cair, clubes que somam 15 títulos -- considerados o penta do Flamengo, os tetras de Palmeiras e Corinthians e cada titulo do Furacão e do Botafogo.

Mas, francamente, nestas alturas do campeonato, dá para imaginar o Corinthians entre os rebaixados?

Acho que não, embora me pareça um otimismo demasiado vê-lo na Libertadores, algo possível sim, mas ainda prematuro como projeção.

Como acho muito improvável que caiam Palmeiras, Atlético Paranaense e Flamengo, nesta ordem de segurança.

O diabo é que está tudo tão equilibrado que não dá para pôr a mão no fogo por ninguém.

Nem mesmo por Figueirense, Fluminense, Cruzeiro, Paraná Clube, Juventude e...Vasco, que hoje está na Libertadores.

Porque apenas sete pontos separam o Vasco do Goiás, o primeiro dos últimos.

Ora, se o São Paulo pode livrar sete pontos sobre o Grêmio e nem assim o campeonato estará terminado, porque é proibido cogitar do inverso, no pé da tábua de classificação?

Em resumo: temos quatro candidatos ao título e 16 à degola.

Cruz credo!

Por Juca Kfouri às 13h57

Quarta-feira é dia de cesta

Estão definidas as quartas de final do Campeonato Mundial de basquete feminino que acontece em São Paulo.

E acontece, diga-se, de maneira a nos envergonhar, tantas têm sido as críticas da Federação Internacional de Basquete.

A FIBA está inconformada com o pouco público e, pior, com as goteiras do Ginásio do Ibirapuera, responsáveis, por exemplo, pela contusão de uma atleta da Lituânia, além de inúmeras paralisações das partidas para enxugar a quadra.

Para os dirigentes da FIBA, o Brasil parou no tempo.

O Brasil que quer sediar as Olimpíadas.

Mas o Mundial está de folga hoje e amanhã vamos ter os quatro jogos: Espanha x Rússia; Austrália x França; Estados Unidos x Lituânia e Brasil x República Tcheca.

As seleções da Austrália e dos Estados Unidos não devem encontrar o menor problema para derrotar França e Lituânia, respectivamente.

E devem, por sinal, fazer a final do Mundial.

Os outros jogos são mais complicados.

A República Tcheca, atual campeã européia, é favorita diante do Brasil.

A chance brasileira está na força de sua eventual torcida, no jogo que será às 15h15 desta quarta-feira, no Ginásio do Ibirapuera.

Entre Rússia, vice-campeã européia, e Espanha, a parada é dura, e as russas são apenas ligeiramente favoritas.

Por Juca Kfouri às 23h50

18/09/2006

Leilão de craques

Na segunda-feira que vem, em São Paulo, acontecerá um leilão de fotos só de craques da fotografia brasileira.

 

E com um objetivo nobre: arrecadar fundos para o tratamento de saúde do fotógrafo Flávio Cannalonga, um pernambucano arretado que, entre outros veículos, brilhou na velha e boa revista "Placar".

 

Reproduzo, abaixo, o texto do convite com apenas alguns dos profissionais que cederam suas fotos, porque não cabem todos neste espaço: 

 

Leilão de Fotografias

data 25/09/06

a partir das 19hs

local Bar Maddá o Rua Mourato Coelho, 1286 o Vila Madalena

fotógrafos

Antônio Gaudério, Antônio Milena, Avani Stein, Bob Wolfenson, Carlos Goldgrub, Cláudio Edinger, Cristiano Mascaro, Daniel Augusto Jr., Ed Viggiani, Flávio Cannalonga, Klaus Mitteldorf, Lalo de Almeida, João Wainer, Jorge Araújo, JR Duran, Marlene Bérgamo, Maurício Lima, Maurren Bisiliat, Pedro Martinelli, Pisco Del Gaiso, Rosa Gauditano, Samuel Iavelberg, Sebastião Salgado, Walter Firmo, Zé Pinto.

leiloeiros

Os leiloeiros oficiais serão Marco Bianchi e Paulo Bonfá, do programa Rock Gol da MTV e participações especiais da atriz Eva Wilma, das apresentadoras da TV Record, Maria Cândida, Adriana de Castro e Marina Person da MTV.

Por Juca Kfouri às 13h34

Projeções para curtir. E só

Dois times gaúchos e dois times paulistas lutarão pelo título de 2006.

Um time paulista, o São Paulo, é o mais cotado, mas os dois gaúchos, Inter e Grêmio, levam mais jeito que o segundo paulista, o Santos.

O São Paulo está com tudo.

Dos 15 jogos que lhe faltam, jogará nove em São Paulo, mesmo que sem ser mandante em três (São Caetano, no ABC, Palmeiras, em Presidente Prudente e Santos, em Santos).

São três jogos para ganhar, no mínimo, seis pontos.

Dos que fará fora, pedreira mesmo, só um, contra o Grêmio, rival direto, no Olímpico.

Os demais não são fáceis, mas também não são do mesmo porte : Atlético Paranaense (aqui pode pesar a rivalidade recente), Fluminense, Figueirense, Goiás e Paraná Clube.

Em casa, onde tem tido excelente desempenho, com 10 vitórias, dois empates e apenas uma derrota, o tricolor receberá o Vasco, o Juventude, a Ponte Preta, o Botafogo, o Atlético Paranaense de novo e o Cruzeiro.  É favorito disparado em todos.

Já o Grêmio, hoje vice-líder embora apenas dois pontos na frente do Inter que tem um jogo a menos, está diante da vantagem de enfrentar dois adversários diretos, São Paulo e Inter, no Olímpico.

Seu maior desafio é o Santos, na Vila Belmiro.

O tricolor gaúcho jogará sete vezes em casa e sete fora.

Em casa tem desempenho semelhante ao do São Paulo, com nove vitórias, dois empates e só uma derrota.

E jogará contra a Ponte Preta, o Palmeiras, o São Paulo, o Figueirense, o Inter, o Santa Cruz e o Flamengo.

Fora de casa jogará contra o Goiás, Santos, São Caetano, Fluminense, Juventude (perigo!), Atlético Paranaense e Fortaleza.

O Inter terá pela frente sete jogos fora e oito em casa, onde venceu cinco vezes, empatou quatro e perdeu duas.

Recebe no Beira-Rio o Corinthians (no momento, um perigo), o Paraná Clube, o São Caetano, o Fluminense, o Juventude (sempre um clássico), o Santos (jogo de seis pontos), o Fortaleza e o Goiás.

E jogará fora, onde tem se dado melhor, com seis vitórias, três empates e três derrotas, contra Figueirense, Cruzeiro, Ponte Preta, Botafogo, Grêmio, Paraná Clube e Palmeiras.

Sem dúvida é quem tem mais barreiras pela frente.

Finalmente, o Santos.

Fará oito jogos em casa e seis fora.

Na Vila receberá  o Fluminense, o Flamengo, o Grêmio, o Figueirense, o São Caetano, o São Paulo, o Paraná Clube e o Santa Cruz.

Favorito em seis jogos e com  dois adversários diretos em seu alçapão.

E sairá para jogar contra o Corinthians, o Botafogo, o Juventude, o Inter, o Cruzeiro e o Vasco -- favorito em quatro jogos.

 

Por Juca Kfouri às 12h23

17/09/2006

Bora Bahêeea!

Torcedores do Bahia exigem um registro neste blog sobre a presença de público hoje, na Fonte Nova, com quase 50 mil pessoas para ver a vitória do tricolor sobre o Ananindeua, 1 a 0, pela Série C.

Que a torcida do Bahia é capaz de qualquer proeza o país inteiro está careca de saber.

Que o povo baiano é de uma simpatia insuperável, também.

Mas o que a torcida do Bahia precisa saber é que é impossível acompanhar as três divisões nacionais.

E que fazer um mero registro seria pura demagogia, sem acrescentar nada.

O que todos queremos é ver o Bahia de novo na Primeira Divisão.

E, para tanto, será essencial que a torcida do Bahia resgate o clube das mãos em que o Bahia está.

Mais: as torcidas do Fluminense, do Grêmio, do Palmeiras, enfim, as torcidas dos grandes clubes brasileiros que um dia caíram de divisão, também deram incríveis demonstrações de amor aos seus times.

 

Por Juca Kfouri às 21h59

Uma rodada tricolor

O Campeonato Brasileiro tem dois tricolores na liderança.

O São Paulo e o Grêmio.

São Paulo que retomou as rédeas de sua própria carruagem ao derrotar o forte Inter no Morumbi, por 2 a 0, manteve a liderança com 46 pontos e livrou seis pontos de vantagem sobre o rival que o derrotou na Libertadores.

Grêmio que esmagou o Botafogo, no Olímpico, 4 a 0, com o melhor público da rodada, 27.146 pagantes e assumiu a vice-liderança, a quatro pontos do São Paulo que, no entanto, tem um jogo a menos e pode aumentar essa diferença para sete.

De quebra, o Grêmio deixou o eterno adversário Inter para trás, em terceiro lugar, embora o Colorado também tenha um jogo a menos e esteja apenas dois pontos atrás.

Foram 22 gols na rodada e média de público de 12.673 torcedores por jogo.

O pior público foi o do Maracanã que viu o Fluminense ganhar do Figueirense por 2 a 0,  com show de Petkovic e de Marcelo, depois de nove jogos sem vitória de outro tricolor que está feliz.

Só um 0 a 0 na rodada, no sábado, em São Januário, entre Vasco e Goiás.

Goiás que já é o primeiro dos quatro últimos, com 29 pontos.

Só um visitante venceu, o Flamengo, que sapecou 4 a 3 no Fortaleza, no Castelão.

Fortaleza que, ao lado do Santa Cruz, parece irremediavelmente condenado a voltar para a Segunda Divisão.

Para se ter uma noção do equilíbrio do campeonato, seis times têm 30 pontos (o Atlético Paranaense, o Corinthians, Flamengo, o Palmeiras, a Ponte Preta e o Botafogo) e estão, portanto, apenas um ponto na frente do Goiás, que hoje seria rebaixado.

Mas, ao mesmo tempo, estão a apenas seis pontos de distância do Vasco, que hoje estaria na Libertadores.

Por Juca Kfouri às 20h13

Até a pé nos iremos

O Grêmio segue firme em sua trajetória para garantir uma vaga na Libertadores e, se bobearem, conquistar, assim como quer o Santos, o tricampeonato brasileiro.

De avião, de trem, de navio, de ônibus, de automóvel, até a pé, se preciso for. 

Por que hoje  o Grêmio atropelou o Botafogo sem dó nem piedade: 4 a 0.

E não se diga que foi porque o alvinegro ficou reduzido a nove jogadores, porque já estava 2 a 0 no ensolarado Olímpico quando Júnior César e Alê foram expulsos por jogo violento.

O fato é que o Grêmio já tem o ataque mais positivo do campeonato, com 41 gols, o que por si só desmente o chavão que vê retranca em todo time gremista.

E hoje, diga-se, o tricolor gaúcho não contou com seu melhor jogador, o meia Tcheco, que foi vetado horas antes da partida.

Nem por isso deixou de agredir o Botafogo desde o começo do jogo e Rômulo virou o nome da partida ao fazer três gols (o outro foi de Herrera) e chegar aos oito na briga pela artilharia.

De negativo apenas a briga de Léo Lima com a torcida no intervalo do jogo, pelo que ele pediu desculpas no fim.

O Santos também foi agressivo e tratou de partir para cima da Ponte Preta, em Campinas, com o estreante Zé Roberto quase abrindo o placar logo no primeiro lance do jogo.

Jogo que teve uma bola no travessão de Fábio Costa em chute de Luiz Mário e um pênalti claro não marcado para o time da Vila, ainda no primeiro tempo, aos 37, sobre Rodrigo Tiuí.

Menos claro, é verdade, que o cometido por André Luís (que acabou substituído) e convertido por Tuto, aos 27 do segundo tempo, para aliviar um pouco a vida da Ponte Preta, que deixou de ser o primeiro dos quatro últimos, posição agora do Goiás.

E para deixar o Santos em quarto lugar, agora a sete pontos do líder, ou a 10, se o São Paulo ganhar o jogo que tem a menos.

Se a briga pelos quatro primeiros lugares parece cada vez mais restrita aos paulistas São Paulo e Santos e aos gaúchos Inter e Grêmio, a luta para não cair parece já inglória para Fortaleza e Santa Cruz.

O Fortaleza acabou derrotado pelo Flamengo no Ceará (4 a 3), em noite de Obina, veja só, com direito a três gols, além de um, tão belo como inútil, de Rinaldo.

Inútil porque, quando o Fortaleza buscava o empate no 3 a 2, a defesa cearense vacilou na cobrança de um lateral de Gláuber para o goleiro Albérico que Obina interceptou para fazer o quarto gol.

Houve dois pênaltis, um para cada lado, não marcados pelo árbitro.

O São Caetano, que perdeu em Caxias do Sul para o Juventude (1 a 0), é outro que tem tudo para cair e, diferentemente dos dois times nordestinos, não fará a menor falta.

Mas ainda não está condenado.

Porque a briga para fugir do rebaixamento será cruel, com duas vagas para muita gente.

O Fluminense e Antonio Lopes, enfim, venceram.

2 a 0 no Figueirense, no Maracanã, com direito a belo gol de Pet e ao 10.o de Tuta, que empatou no topo da artilharia com Schwenck, Soares e Souza.

Como o Cruzeiro, que sofreu, mas derrotou o Palmeiras, outra vez pertinho do buraco, com gol de pênalti cobrado por Geovanni, em tarde dos goleiros Fábio e Diego, pelo pouco que consegui ver do jogo, mais preocupado que estava com os jogos do Morumbi e do Olímpico.


 

Por Juca Kfouri às 18h57

O Morumbi merecia mais gente

São Paulo e Inter só não fizeram um jogo melhor porque faltou torcedor no Morumbi.

Só 13.438.

Mas o jogo agradou.

Durante os primeiros minutos o São Paulo foi superior, mais organizado e com mais vontade.

Razão pela qual saiu na frente, aos 8 minutos, depois de boa jogada de Danilo e ótimo cruzamento de Thiago na cabeça de Lenílson.

Clemer nada pôde fazer.

Aos 20, o Inter acordou e começou a jogar.

Fernandão, o jogador mais inteligente do futebol brasileiro, deu ótimo passe para Iarley que só não empatou porque Rogério Ceni saiu bem em seus pés para fazer difícil defesa.

Aos 31 foi a vez de Adriano ficar na cara do gol tricolor, mas chutou fraco e Rogério pegou com facilidade.

E, aos 44, Mineiro chegou meia fração de segundo antes de Michel para evitar o empate dentro da pequena área.

Como seria natural, o Inter voltou mais agressivo no segundo tempo.

E Alex Silva, aos 9 minutos, repetiu a bobagem de Josué na decisão da Libertadores, infantilmente expulso de campo.

O Inter, que já tinha Perdigão no lugar de Michel, cresceu ainda mais e botou Renteria no lugar de Iarley.

No São Paulo, o desinteressado Alex Dias dava lugar ao volante Ramalho e o tricolor ficava sem nenhum atacante de ofício, porque EdCarlos já estava em campo no lugar de Thiago, por causa da expulsão de Alex Silva.

Para quem tinha empatado com 11 contra 9 com o Corinthians, o líder do Brasileirão tinha que fazer das tripas coração para segurar a vantagem mínima diante de um vice-líder disposto a tudo.

E, aos 25, Júnior apareceu para complementar bela jogada de Ilsinho e fazer 2 a 0.

Depois, foi só administrar.

E o são paulino que ficou em casa tinha motivo para se arrepender. 

Porque dos três jogos da semana, contra Corinthians, Boca Juniors e Inter, o mais importante, acabou com vitória.

O campeonato não está decidido, ninguém pode cantar de campeão.

Mas o São Paulo recuperou o favoritismo. Com vontade.

Por Juca Kfouri às 16h58

Sobre o autor

Formado em Ciências Sociais pela USP. Diretor das revistas Placar (de 1979 a 1995) e da Playboy (1991 a 1994). Comentarista esportivo do SBT (de 1984 a 1987) e da Rede Globo (de 1988 a 1994). Participou do programa Cartão Verde, da Rede Cultura, entre 1995 e 2000 e apresentou o Bola na Rede, na RedeTV, entre 2000 e 2002. Voltou ao Cartão Verde em 2003, onde ficou até 2005. Apresentou o programa de entrevistas na rede CNT, Juca Kfouri ao vivo, entre 1996 e 1999. Atualmente está também na ESPN-Brasil. Colunista de futebol de "O Globo" entre 1989 e 1991 e apresentador, desde 2000, do programa CBN EC, na rede CBN de rádio. Foi colunista da Folha de S.Paulo entre 1995 e 1999, quando foi para o diário Lance!, onde ficou até voltar, em 2005, para a Folha.

Histórico