Blog do Juca Kfouri

Tabelinha com Juca

Segundas-feiras, às 15h

23/12/2006

Nova antiga camisa

O sítio oficial do Cruzeiro convocou a torcida para escolher o modelo de camisa para o clube em 2007.

Um voto por internauta.

13.068 votaram e decidiram: a camisa volta a ter estrelas soltas.

Como a desenhou, há quase 50 anos, o centromédio Amaury de Castro.

Os números:

6.039 – 53,1% - estrelas soltas e sem a coroa.
2.892 – 22,14% - escudo e coroa.
2.587 – 19,8% - estrelas soltas com coroa.
650 – 4,97% - só o escudo.

A coroa continuará, como manda o estatuto, mas em outro lugar da camisa.

Alvimar Perrella, que sempre defendeu o escudo no lugar das estrelas soltas, rendeu-se:

“Fiquei surpreso. O resultado prova que a torcida estava com saudade das estrelas soltas. Os dois símbolos são muito bonitos, mas como administramos democraticamente, a escolha é do torcedor.”

As novas camisas serão lançadas no final de fevereiro de 2007.

Por Juca Kfouri às 10h14

Sem pressão nas Laranjeiras?

Rafael Moura chegou ao Fluminense cheio de si.

Disse que escolheu o tricolor por "intuição" que se dará bem e reclamou que era muito "pressionado" no Corinthians.

Deveria ter perguntado a Romário como é a pressão nas Laranjeiras.

Até pular alambrado o Baixinho pulou para acertar contas com torcedor em passado não muito distante. 

Por Juca Kfouri às 10h09

No caminho da Segundona?

O veterano Jean não é mau goleiro.

Mas também não é melhor que Sílvio Luís, por exemplo.

E certamente não é melhor que o jovem Bruno, hoje no Flamengo, que não passou nem 48 horas no Parque São Jorge.

Ele está bem próximo do Corinthians, depois de ter sido rebaixado com o Guarani em 2004 e com a Ponte Preta em 2006.

Talvez seja o objetivo do alvinegro em 2007...

Por Juca Kfouri às 10h00

Ah, se fosse em Portugal...

Cruzeiro e Flamengo vão dividir o jogador Maicosuel, que era do Paraná Clube.

O atacante jogará no Cruzeiro no ano que vem e no Flamengo em 2008.

Maico é da Toca da Raposa, Suel é da Gávea.

Imagine, agora, como serão os jogos entre mineiros e cariocas no ano que vem.

Maico preocupado em não magoar a torcida do seu futuro time, mas, ao mesmo tempo, obrigado a mostrar serviço à torcida azul.

E o técnico rubro-negro preocupado em que nenhum de seus jogadores machuque Suel, adversário apenas temporário, comandado de amanhã.

Está tudo muito estranho no mundo do futebol.

Por Juca Kfouri às 09h56

21/12/2006

A tabela da Copa dos Sonhos

Foi realizado no fim da tarde de ontem, na sede da CBFS, o sorteio dos jogos da Copa dos Sonhos, que será disputada durante os últimos dias de dezembro e os primeiros de janeiro. 

Estavam presentes o presidente da Confederação Brasileira do Futebol dos Sonhos e sua secretária, dona Rita Nevado, que sorteou cada uma das equipes, cujos nomes estavam escritos em prosaicos pedacinhos de papel.

Curiosamente, dos seis jogos que comporão a primeira fase, apenas dois foram sorteados como queria a direção da entidade.

E ambos envolvendo equipes de São Paulo: Santos x São Paulo e Corinthians x Palmeiras, que fecham a primeira fase, no dia de Reis, 6 de janeiro de 2007.

Os quatro demais jogos serão entre Grêmio e Flamengo, Botafogo e Inter, Atlético Mineiro e Vasco e Fluminense e Cruzeiro, que abrem a Copa, no próximo dia 26. 

O Conselho de Especialistas já está devidamente montado e analisando cada um dos seis jogos.

O Conselho é composto por Alberto Helena Jr., Armando Nogueira, Fernando Calazans, José Trajano, Márcio Guedes, Paulo Vinicius Coelho, Renato Maurício Prado, Ruy Carlos Ostermann, Tostão e Ugo Giorgetti.

Veja a ordem e as datas dos jogos, cujos resultados serão publicados sempre no dia seguinte a cada jogo.

Fluminense x Cruzeiro - 26/12

Santos x São Paulo - 28/12

Atlético Mineiro x Vasco - 30/12

Botafogo x Internacional - 2/1

Grêmio x Flamengo - 4/1

Corinthians x Palmeiras - 6/1

A segunda fase começará no dia 8 de janeiro, com jogos também nos dias 10 e 12.

O triangular final está previsto para os dias 14, 16 e 18 de janeiro.

O presidente da CBFS e, coincidentemente, titular deste blog, arvora-se o direito de ficar neutro para dirimir eventuais dúvidas.

Enquanto a Copa dos Sonhos não começa, palpite à vontade.

Por Juca Kfouri às 23h24

Alegria, alegria!

Veja a comemoração do presidente do Inter, Fernando Carvalho, na Tribuna de Honra do estádio de Yokohama.

Quebra todos os protocolos e é um grande barato.

http://www.youtube.com/watch?v=-RxeruFXbYc

 

Por Juca Kfouri às 22h15

Bomba natalina!

A Câmara dos Vereadores de São Paulo aprovou em segunda votação, definitiva, portanto, na noite de ontem, uma lei proposta pelo vereador Tião Farias (PSDB) que proibe a realização de jogos de futebol que comecem após as 21 horas na capital paulista.

O texto, agora, irá para aprovação do prefeito Gilberto Kassab.

Certamente a TV Globo tentará impedir que o alcaide sancione a lei.

 

Por Juca Kfouri às 12h20

Copa dos Sonhos

Tudo lido, medido e ponderado, a Confederação Brasileira de Futebol dos Sonhos informa:

1. Está acatada a idéia de mudar de "campeonato" para "copa", já que a competição será disputada em sistema de mata-mata;

2. Está acatada a idéia do sorteio para definir a primeira fase de seis jogos entre os 12 times (havia sugerido os confrontos estaduais por imaginar que atenderia mais à curiosidade que envolvesse a rivalidade local. Corremos, portanto, o risco de não ter um Gre-Nal, um Fla-Flu, um Galo x Cruzeiro ou Corinthians x Palmeiras. Mas estamos de acordo que o sorteio é mais justo).

3. Em vez de pedir a cada especialista que descreva o jogo imaginário, submeterei a todos eles cada jogo e cada um opinará sobre qual seria o time vencedor. O resultado do jogo será dado pela quantidade de opiniões e o PVC será incluído, como sugerido, embora ele tenha mais lido do que visto a maior parte dos jogadores eleitos. Mas o PVC merece mesmo;

4. Os seis classificados na primeira fase serão sorteados para os três jogos da segunda fase;

5. Os três classificados da segunda fase farão, então, o triangular final, sempre sob o mesmo critério de chegar aos resultados dos jogos com as opiniões do especialistas;

Esclarecimento da CBFS: A Copa dos Sonhos limita-se a 12 clubes não por opção deste blog ou por este blog ter uma visão que exclua quaisquer regiões do país. O motivo é bem mais simples: foram os 12 clubes pesquisados pela revista "Placar".

Amanhã será divulgada a tabela da primeira fase, com o resultado do sorteio.

Por Juca Kfouri às 11h49

Campeonato dos sonhos

Estou pensando em montar um "Campeonato Brasileiro dos Times dos Sonhos" eleitos pela revista "Placar", no sistema de mata-mata.

Não, não entenda como uma capitulação.

O modelo ideal, todos contra todos em turno e returno é impraticável, aqui.

Em primeiro lugar porque levaria muito tempo e seria impossível pedir para tantos especialistas que fizessem suas análises para tantos jogos.

Em segundo lugar porque não faria sentido imaginar um jogo lá outro cá, já que o campo dos sonhos é neutro.

Que diferença, por exemplo, teria um Fla-Flu no primeiro e no segundo turnos?

Por isso, penso em tiros rápidos.

Regra básica: não tem empate.

Pediria, por exemplo, que um Ruy Carlos Ostermann apreciasse o Gre-Nal.

Que Alberto Helena Jr. avaliasse o Cruzeiro x Galo.

Que Tostão escrevesse sobre Corinthians e Palmeiras e Ugo Giorgetti sobre Santos e São Paulo.

No Rio pediria a Márcio Guedes uma análise do Fla-Flu e a Fernando Calazans sobre Botafogo e Vasco.

Ficaríamos com um time gaúcho, um mineiro e dois de São Paulo e do Rio.

Cruzaria o mineiro com o gaúcho, para avaliação de Renato Maurício Prado.

Os dois jogos entre paulistas e cariocas seriam analisados por Rubens Minelli e Abel Braga.

Note que só estou escolhendo gente com mais de 50 anos, gente que viu quase todos os escolhidos para cada time dos sonhos jogar.

E, afinal, os mais antigos têm que ter alguma vantagem...

Sobrariam três times e, aí, faríamos um triangular.

Os analistas seriam José Trajano, Armando Nogueira e o titular deste blog, que não abre mão de levar as pancadas finais por escolher o campeão.

Embora, aparentemente, seja a tarefa mais fácil...

É um bom caminho?

A CBFS (Confederação Brasileiras de Futebol dos Sonhos) ouve a torcida.


Por Juca Kfouri às 02h05

Aos navegantes

Ao chegar de madrugada fui ver os comentários, eram 94, e em vez de aprová-los, por engano, apaguei-os.

Só me resta pedir desculpas.

E que sejam reenviados, se não for pedir demais.

Por Juca Kfouri às 01h56

20/12/2006

Graaaaande Grêmio!

O presidente do Grêmio, Paulo Odone, mandou publicar no jornal "Correio do Povo", hoje, em Porto Alegre, um anúncio com os seguintes dizeres:

Força? Os gaúchos têm de sobra.

Garra? Os gaúchos têm de sobra.

Título mundial? Também.

A todos os colorados a homenagem do Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense.

Melhor exemplo de esportividade, civilidade, impossível.

O adversário tratado como tal, não como inimigo.

Água na fervura da violência.

O Grêmio também está de parabéns.

Por Juca Kfouri às 19h52

Deu no Lancenet

 

Divino Fonseca tem dos melhores textos da imprensa brasileira.

Durante muitos anos trabalhou na revista "Placar" com brilho intenso.

E é desses companheiros inesquecíveis.

Em seu blog, no Lancenet, ele respondeu a Cruyff:

Chorem catalães e holandeses

 por Divino Fonseca

A explicação de Johan Cruyff para a derrota do Barcelona, na coluna que escreve para o espanhol “La Vanguardia”, não tem o nível de seu futebol, que foi de gênio. Soa a choro de torcedor. O Barça teria perdido, basicamente, porque teve menos tempo de se adaptar ao fuso do que aquele time cujo nome a altivez eurocentrista mal se digna a citar. E, afinal, esses latino-americanos dão muito mais valor à competição, etc, etc.

Quer dizer que a falta de adaptação ao fuso não existiu na espetacular atuação contra o América, do México, três dias depois do desembarque no Japão. E foi se manifestar na derrota para o Inter, quando já haviam se passado seis dias. Aliás, Cruyff poderia lembrar que o time de Abel Braga deu as caras em Tóquio apenas três dias antes da equipe de Rijkaard – e depois de uma viagem muito mais desgastante, 42 horas, contra as 12 dos catalães.

O que se viu em Yokohama foi o time de futebol mais bonito cair diante do time obstinadamente marcador, frio e, por que não reconhecer, astuto para matar o jogo no momento certo – aquele em que o adversário se enervou, apressou jogadas e se abriu. Bem como muitas vezes se viu europeu fazer com brasileiro – e ser decantado, tanto lá quanto aqui.

Também acho que numa série de partidas o Barça superaria o Colorado na maioria delas. Mas, pelo jogo de domingo, a diferença não seria tão ampla como estimam Cruyff e sua turma. Tirando Ronaldinho e Deco, que estão de fato entre os melhores do mundo, vi um monte de jogadores comuns, alguns com mais estilo do que bola, apenas tirando proveito do entrosamento de anos. Uma mecânica que, bem estudada e combatida com aplicação, pode se revelar medíocre – como se viu no segundo tempo, quando Vargas substituiu o fora de forma Alex e o Inter se aprumou.

Enfim, chorem, holandeses e catalães. E esperem outra chance de imitar o Real Madrid. Que também dizia não ligar para esse tal de Mundial, mas quando derrotou o Olimpia, em sua última conquista, desfilou no carro de bombeiros.

Voltando ao Inter. Não foi a maravilha que boa parte da imprensa de Porto Alegre disse que foi. Mas no ano passado o São Paulo ganhou o Mundial levando um sufoco danado – o São Paulo que ainda hoje é menos time do que o Colorado – e não me lembro de ver tão repetida a tese de que perderia a maioria de uma série de jogos com o Liverpool. Enfim, futebol não é fascinante apenas porque o mais fraco pode derrotar o mais forte, mas também porque está cercado de emoções.

Por Juca Kfouri às 19h40

Deu na coluna do Ancelmo

E pensar que votei nele e colaborei com sua campanha quatro anos atrás...

Está na coluna do Ancelmo Góis, no "Globo" e no "Diário de S.Paulo" de hoje.

Por Juca Kfouri às 12h18

Deu no Correio Braziliense

No cafezinho - Foice 


Luiz Azedo com Luciene Soares 
 

O PCdoB já descarta a volta do deputado Agnelo Queiroz ao Ministério do Esporte.

A cúpula da legenda defende o nome de Aldo Rebelo (SP) para a Esplanada, caso não conquiste a presidência da Câmara. 

Por Juca Kfouri às 12h13

Balanço esportivo nacional em 2006

Qual foi o fato esportivo brasileiro mais importante deste ano?

O fracasso na Copa do Mundo na Alemanha?

As novas conquistas do vôlei masculino e feminino?

Ou as conquistas do Inter, na Libertadores e Mundial de clubes?

Terá sido a vitória de Felipe Massa no GP Brasil de Fórmula-1?

Mas, automobilismo é mesmo esporte?

Ou as vitórias da ginástica brasileira?

Do que este blog estará esquecido?

Seja como for, a escolha do blog, sem diminuir nenhum outro, fica com os triunfos do Inter.

De acordo?

Por Juca Kfouri às 11h24

19/12/2006

O Botafogo dos sonhos

A revista "Placar" está com uma edição especial nas bancas com o "Time dos Sonhos" dos 12 grandes clubes do eixo RS-SP-RJ-MG.

Trata-se de eleger o "time de todos os tempos" de cada clube, tradição da revista desde 1982, quando se fez a primeira edição, repetida em 1994 e agora.

Vinte personalidades ligadas a cada clube escalam o seu "time dos sonhos" e os mais votados compõem a seleção de todos os tempos.

O Botafogo dos sonhos é mesmo dos sonhos, embora com o pecado de outros, pouco equilibrado no meio de campo: Manga, Carlos Alberto Torres, Leônidas, Mauro Galvão e Nílton Santos; Didi, Gérson e Paulo César Caju; Garrincha, Túlio e Jairzinho.

Dois técnicos empataram, com seis votos cada, João Saldanha e Zagallo.

Por incrível que pareça ninguém teve unanimidade e Nílton Santos e Mané Garrincha tiveram 18 votos porque sempre há os que só votam no que viram - critério absolutamente aceitável.

Basso, Heleno de Freitas e Amarildo perderam seus lugares para Mauro Galvão, Túlio e Paulo César no time de 1994.

Os demais são os mesmos desde 1982.

E Carlos Alberto foi escolhido para três times: Botafogo, Fluminense e Santos.

A partir da semana que vem este blog pretende, com o auxílio de jornalistas e técnicos mais veteranos, organizar um torneio entre os 12 times dos sonhos. 

Vamos ver se dá certo.


Por Juca Kfouri às 23h07

O ônibus colorado foi ao Japão

Você se lembra da frase do então vice-presidente de futebol do Corinthians, e hoje candidato de "oposição" à presidência do clube, o tal Andrés Sanchez, antes do jogo contra o Inter, no ano passado:

"A verdade é que enquanto uma pessoa tem duas Mercedes Benz para andar, outras precisam pegar ônibus".

Foi o jeito que ele achou de responder a alguém do Inter que fez referência à diferença de investimentos feitos num e noutro clube, por causa da MSI.

Além de ser das coisas mais odiosamente preconceituosas e anti tudo que um time de massa significa, hoje, é o caso de perguntar:

O ônibus colorado foi ao Japão. E as Mercedes corintianas foram aonde?

Por Juca Kfouri às 23h05

Fraude na FIFA?

O Kibe Loco vive roubando as sondagens do gol mais bonito no "Linha de Passe" da ESPN-Brasil.

Ontem roubou mais uma, o que deu a Materazzi o título de gol mais bonito da semana, em vez do gol de Adriano no Japão.

Por isso, como ladrão que rouba ladrão tem 100 anos de perdão, este blog resolveu roubar o que está no blog dele.

Porque é realmente mais uma ótima sacada deste maluco perverso.

Por Juca Kfouri às 11h26

Promoção especial para políticos

100% de acréscimo nos nossos preços!


Você dobrou o seu próprio salário.

Nada mais justo que nós dobremos o preço dos nossos produtos -  exclusivamente para você.

Ao contrário dos milhões de eleitores que vivem contando centavos para pagar suas contas, você tem o privilégio de fixar o seu próprio salário.

E você resolveu que agora vai ganhar o dobro e pronto.

Ora, quem pode, pode.

Agora você vai pagar o dobro dos nossos preços.

Você merece!


Para pagar o dobro, basta você se identificar como deputado, senador ou vereador.

Criado pelo publicitário Carlos Knapp e veiculado graciosamente neste blog.

Por Juca Kfouri às 10h59

Marta, a número 1

A premiação da Fifa consagrou o zagueiro italiano Canavaro como o melhor jogador do mundo em 2006.

Ele, de fato, fez bela Copa do Mundo.

Daí a ser o melhor jogador do mundo vai enorme distância.

Canavaro não chega nem perto de jogadores de defesa como Beckenbauer, Figueroa, Baresi, Nílton Santos, tantos.

Zidane ficou em segundo lugar e Ronaldinho Gaúcho em terceiro.

Não vou discutir mais sobre Ronaldinho, outra vez chamado de pipoqueiro.

Vi Gérson ser chamado de covarde porque não foi bem na Copa do Mundo de 1966 e matar a pau na Copa de 70.

Vi Zico ser chamado de jogador de Maracanã e depois arrasar por todos os gramados em que pisou.

A compensação para o futebol brasileiro veio com a escolha da meio-campista Marta, de apenas 20 anos, como a melhor jogadora do mundo.

Foi a terceira ocasião em que ela ficou entre as três finalistas e, agora, em vez de protestar, Marta só agradeceu a Deus, aos seus parentes e às companheiras da Seleção Brasileira e de seu time, na Suécia.

No ano passado, Marta cobrou a promessa do presidente da CBF que havia garantido mais apoio ao futebol feminino, no Brasil, depois que o time nacional ganhou a medalha de prata nas Olimpíadas de Atenas.

Desta vez ela pareceu já conformada com o que foi apenas mais uma promessa da boca para fora.

Por Juca Kfouri às 00h51

O Galo dos sonhos

A revista "Placar" está com uma edição especial nas bancas com o "Time dos Sonhos" dos 12 grandes clubes do eixo RS-SP-RJ-MG.

Trata-se de eleger o "time de todos os tempos" de cada clube, tradição da revista desde 1982, quando se fez a primeira edição, repetida em 1994 e agora.

Vinte personalidades ligadas a cada clube escalam o seu "time dos sonhos" e os mais votados compõem a seleção de todos os tempos.

O Atlético Mineiro ficou assim: João Leite, Nelinho, Luizinho, Vantuir e Cincunegui; Toninho Cerezo, Oldair e Paulo Isidoro; Reinaldo, Dario e Éder.

O técnico escolhido foi Telê Santana.

Reinaldo e Cerezo tiveram os vinte votos.

Por Juca Kfouri às 00h45

18/12/2006

Cruyff llora por el Barça

Coluna do fabuloso Johan Cruyff, admirável jogador holandês e técnico até hoje amado no Barcelona, no jornal "La Vanguardia", o mais lido da Catalunha.

 La sorpresa hubiera sido ganar la final

Johan Cruyff


Sorprendido porque el Mundial de Clubs se lo haya llevado el Internacional de Porto Alegre?

Para mí, la sorpresa hubiera sido que lo hubiese ganado el Barça.

Esta competición está hecha para que la ganen los sudamericanos.

Más allá del valor que le dan unos y otros - en Sudamérica es el supertítulo a escala de club-, esta competición sólo estaría igualada si se jugara a la vieja usanza, a ida y vuelta en casa de cada uno.

Llevarla a Japón es marcarle un 1-0 al equipo europeo.

El viaje y la aclimatación al cambio de horario son un lastre tremendo.

¿Que no se notó ante el América de México?

 No, porque, aunque costó entrar, allí se marcó en los momentos oportunos y el partido pasó a ser tranquilo, con independencia del nivel del rival.

Ese 4-0 disparó la euforia, pero la final era otra historia.

De entrada, a vueltas con la aclimatación.

No sé cuándo llegaron los brasileños a Japón, pero por su calendario, por el interés que tienen en ganar el título, siempre llegan antes.

Aunque tú quieras hacerlo igual, no puedes porque te meten el torneo - sea en el formato que sea- con calzador.

Además, vértelas con argentinos o brasileños siempre es muy difícil, y más si les dan ciertas ventajas.

Contra ellos sabes que te espera una batalla.

Y muy dura.

A pesar de todo, el Barça no fue inferior.

Es más, teniendo en cuenta todas las circunstancias, los azulgrana chutaron más, dominaron relativamente más, pero les faltó ese pequeño detalle que, cuando les sale, les hace mejores que el rival: la velocidad que le imprimen al balón.

Sin ello, pierdes ese centímetro en ese control, en ese remate, en esa pelota recuperada, ese centímetro que muchas veces decide un partido.

Insisto en lo apuntado, irte a Japón y jugar dos partidos en cuatro días no es fácil.

Y menos si tu contrincante es brasileño.

Y menos si éste ha tenido más tiempo que tú para adaptar su cuerpo a otro continente.

Una pena que el trofeo no haya viajado a Barcelona, pero me quedo con dos lecturas.

Una positiva, la ilusión que he detectado en unos y otros por ganar este título y los otros que están en juego.

Y una negativa, la constatación de una realidad.

¿Cuántos partidos lleva jugados el Barça en lo que va de año y de temporada?

 El Mundial, la incorporación de muchos internacionales en Estados Unidos, dos partidos extra de Supercopa de España por ser el campeón de Liga, otro partido extra de Supercopa de Europa por haber ganado la Champions y otros dos partidos extra en el Mundial de Clubs.

Eso ya son cinco partidos más que casi todos.

Lo tienes que acusar, más pronto o más tarde, seguro.

Y si miro el calendario que le espera al Barça en enero tiene tela.

Más allá de contra quién juegue, está el número de partidos.

Entre el 7 y el 31 de enero, dos partidos por semana.

Ocho partidos en 24 días.

Cinco de Liga con el aplazado contra el Betis y tres de Copa. Maldita Copa a doble partido y maldita Liga con 20 equipos.

La gente quiere ver a los buenos futbolistas en su plenitud, y eso es imposible.

Les están matando.

¿Y en febrero?

Sólo hay una fecha libre entre semana.

El resto, selecciones, Champions y Copa.

No hay cuerpo que lo aguante.

O no lo ven o no lo quieren ver.

Nadie quiere ni siquiera escuchar.

 

Por Juca Kfouri às 13h30

17/12/2006

Brasil invicto no Mundial de clubes

Desde que a Fifa resolveu assumir a organização do Mundial de clubes, os times brasileiros não sofreram sequer uma derrota nos três torneios.

Em 2000, Corinthians e Vasco decidiram no Maracanã invictos e empataram o jogo decidido só nos pênaltis.

O Corinthians havia vencido dois jogos e empatado um, com o Real Madrid, e o Vasco derrotado seus três adversários, o Manchester United, inclusive.

Já em 2005 o São Paulo jogou duas vezes e ganhou as duas, assim como o Inter neste ano.

São, portanto, 11 jogos disputados por times brasileiros, 9 vitórias e dois empates.

Não é pouca coisa, principalmente se avaliarmos que a CBF pouco se importa com os clubes, preocupada apenas com a Seleção Brasileira.

A conquista do Inter, selando a terceira conquista seguida dos clubes brasileiros, deve-se, exclusivamente aos seus próprios esforços, a exemplo do que já habia acontecido com o São Paulo no ano passado e com o Corinthians, em 2000.

Imagine se nossos clubes fossem mais bem tratados.

Porque sendo como são ainda superam potências como o Manchester United, Real Madrid, Liverpool e o Barcelona.

E a vitória por 1 a 0 do Inter mostrou mais uma vez que não há esporte como o futebol, capaz de permitir que o mais fraco vença e torne sua conquista maior que o calor do Sol, que ontem se pôs vermelho no Japão e amanhece hoje ainda mais vermelho no Brasil.

 

Por Juca Kfouri às 23h46

O Flu dos sonhos

A revista "Placar" está com uma edição especial nas bancas com o "Time dos Sonhos" dos 12 grandes clubes do eixo RS-SP-RJ-MG.

Trata-se de eleger o "time de todos os tempos" de cada clube, tradição da revista desde 1982, quando se fez a primeira edição, repetida em 1994 e agora.

Vinte personalidades ligadas a cada clube escalam o seu "time dos sonhos" e os mais votados compõem a seleção de todos os tempos.

O Fluminense dos sonhos é coisa séria, seríssima, mas parece de brincadeira, porque, a exemplo de outros times dos sonhos, tem meio de campo em que ninguém marca ninguém. Mas é um desfile de astros: Castilho, Carlos Alberto Torres, Ricardo Gomes, Edinho e Branco; Didi, Paulo César Caju, Rivellino e Gérson;Telê Santana e Assis.

O técnico escolhido foi Carlos Alberto Parreira e só Carlos Alberto Torres teve a unanimidade, seguido por Rivellino que teve 19 votos.


Por Juca Kfouri às 23h38

O desafio do Canal da Mancha

Não conheço Paulo Maia, mas recebi dele este projeto, esta história e um pedido de ajuda: divulgar seu desafio, atrás de patrocinadores que está.

"No ano que vem farei 50 anos.

Tracei um desafio: cruzar o Canal da Mancha a nado.

Imagine: água gelada, em torno de 12 a 17 graus.

As condições de vento comumente chegam ao nível seis -- o que gera ondas que excedem os quatro metros.

Existe uma grande possibilidade de cruzar com nada amigas, águas vivas, algas que irritam a pele, manchas de óleo, pedaços de madeira e lixo, além do percurso ser uma das principais rotas de navios cargueiros do mundo, com petroleiros e cerca de 400 embarcações disputando diariamente o concorrido estreito de Dover, mais conhecido como Canal da Mancha, que liga a Inglaterra a França.

Estes obstáculos, somados ao percurso de 32km, somente de ida,  fazem do Canal da Mancha uma das mais difíceis e mais cobiçadas travessias do mundo.

4.200 pessoas de 42 países já desafiaram o Canal e, segundo estatísticas, apenas 10% conseguiram terminar a travessia.
 
Ando treinando bastante.

Acordo às 5h30 da  manhã, às 6h caio nas águas da GustavoBorges, paro às 8h, tomo café e vou trabalhar.

Ao meio-dia volto às águas até às 14hs, o que dá uns 10 km /dia/60 km semanal e 240km/mês.

Qual é meu objetivo?

Puro prazer, adrenalizado por um enfarte que tive logo depois que abri a minha pizzaria, com aquele ultimato médico: ou parava de fumar ou desceria  a rua do Cemitério da Consolação a pé e voltaria deitado, pois os dignóstico estava sombrio e o nosso querido pulmão um caco.

Daí parei com tudo.

Bebidas,cigarros e pelas mãos da natação redescobri a vida,o esporte o prazer.

Nadei sete anos maratonas aquáticas, provas de 1 e 3km.

Em novembro passado fiz a famosa "14 bis" --percurso de 25km --,completada em 7h40min, prova considerada preparatória ao Canal da Mancha.

Mais tarde, descobri que serei o primeiro aos 50 a tentar tal feito.
 
Paulo Maia
 
Em tempo: até o momento, apenas 10 brasileiros conseguiram a façanha de cruzar o Canal da Mancha:

Em ordem cronológica:

ABÍLIO COUTO (In memoriam): 1958 (ida e volta) e 1959:  12h45m/12h49m/11h33m
KAY FRANCE: 1979 - 11h36m
ROGÉRIO LOBO: 1989 - 13h47m
DAILZA DAMAS RIBEIRO: 1992 e 1995 - 19h16m/10h48m
ANA MESQUITA: 1993 - 9h40m
JOSÉ RODINI: 1994 - 12h14m
IGOR DE SOUZA: 1996 e 1997 (ida e volta) - 11h06m/18h33m  e 9h31m/9h02m
CHRISTIANE FANZERES:2001 - 10h14m
PERCIVAL ORLANDO MILANI: 2003 - 10h45m
MARCELO AUGUSTO LOPES: 2004 - 11h21m

Por Juca Kfouri às 23h37

Bagunça na ginástica

Caro Juca:

Hoje (domingo) fui ao Ginásio do Ibirapuera, assistir a Copa do Mundo de Ginástica.

A desorganização e o desrespeito a quem pagou R$30 por um bom lugar no Ginásio do Ibirapuera foi colossal, como passo a explicar:

1. A Caixa Econômica Federal, patrocinadora do evento, contratou uma empresa de fundo de quintal para distribuir brindes.

Durante as apresentações, varios "promotores e promotoras", subiam nas cadeiras e arquibancadas, para praticamente forçar as pessoas a aceitarem, bonés e camisas com o logotipo da Caixa.

Resultado: quem queria ver o evento era toda hora interrompido, importunado e ficava sem visão do tablado, pelos "promotores e promotoras" que distribuiam tais "brindes".

Como o Ginásio estava lotado de crianças e adolescentes, você não imagina a bagunça que virou.

Procurei o responsável pela empresa, e (como estamos no Brasil) ouvi do cidadão o seguinte: "estamos sendo pagos para distribuir esses brindes, procure seus direitos."

Ponderei que nada tinha contra a distribuição, desde que nos intervalos dos exercícios, pois eu não estava conseguindo vê-los, em face da bagunça gerada nas cadeiras, pela distribuição do material.

Recebi como resposta: "não podemos fazer nada"...

Tive que mudar de lugar, para tentar ver melhor os ginastas.

Um absurdo.

Procurei os organizadores, riram....

Enfim um desrespeito total.

2. A entrada do Ginásio infestada de cambistas.

3. Dentro do Ginásio, no inicio da competição (o calor estava bravo) um refrigerante de latinha custava R$5.

Já para o final da competição baixaram o preço para R$3.

Tentei reclamar.

Bem, você  ja sabe no que deu....


Meu caro: o espetáculo da Daiane dos Santos foi sensacional, mas o desrespeito e a desorganização do evento, principalmente por parte do patrocinandor, leia-se Caixa Econômica Federal, foram, como dizia o saudoso Paulo Francis "coisa de taba".

Ao final na saida do Ginásio, encontrei um integrante da delegação russa e perguntei a ele o que tinha achado do evento.

Em inglês, ele me disse "muito barulho, desconcentra o atleta".

O barulho, entenda-se: uma banda de musica que a Caixa colocou lá dentro para infernizar o publico, comandada por um "animador" mal educado, que ficava provocando a torcida, berrando e o que é pior, um serviço de som dos piores.

Se perturbava o publico imagine os atletas.

Juca, nem sei se lembra de mim, mas quando você editava a Playboy, andei escrevendo umas mal traçadas por lá.

Abraço,

Leon Azulay

Por Juca Kfouri às 19h02

O Grêmio dos sonhos

A revista "Placar" está com uma edição especial nas bancas com o "Time dos Sonhos" dos 12 grandes clubes do eixo RS-SP-RJ-MG.

Trata-se de eleger o "time de todos os tempos" de cada clube, tradição da revista desde 1982, quando se fez a primeira edição, repetida em 1994 e agora.

Vinte personalidades ligadas a cada clube escalam o seu "time dos sonhos" e os mais votados compõem a seleção de todos os tempos.

Para consolar e distrair os gremistas neste domingo, eis que o Grêmio dos sonhos ficou assim: Lara, Arce, Aírton, Calvet e Everaldo; Dinho, Gessi e Ronaldinho Gaúcho; Renato Gaúcho, Alcindo e Éder.

O técnico é Luiz Felipe Scolari e o mais votado foi Renato Gaúcho, com 19 indicações.

Amanhã, o Fluminense. Depois o Atlético Mineiro e para fechar com chave de ouro, o Botafogo.

Por Juca Kfouri às 13h35

América do Sul aumenta vantagem

Os times sul-americanos já comemoraram (e o Inter comemora agora e ainda comemorará por muito tempo) 25 vezes o título de melhor do mundo.

Os europeus festejaram 21 vezes.

Em dois anos não houve a decisão entre os campeões da Libertadores e da Copa dos Campeões da Europa.

Em 1975 a decisão seria entre Bayern Munique e Independiente e em 1978 entre Liverpool e Boca Juniors.

Em 2000 houve dois campeões, ambos sul-americanos, Boca Juniors e Corinthians.

Brasileiros e argentinos são os maiores vencedores, com nove títulos cada.

Por Juca Kfouri às 13h27

Só dá Brasil!

Da página da Fifa, em inglês e em espanhol, agora há pouco:

 

(FIFA.com) 17 Dec 2006

Internacional are the new FIFA Club World Cup champions after an 82nd-minute goal from substitute Adriano secured the South American champions a 1-0 over UEFA Champions League holders Barcelona in Yokohama. The victory keeps the trophy - won by Corinthians in 2000 and Sao Paulo twelve months ago - in Brazilian possession.


(FIFA.com) 17 dic 2006

Otra vez, la alegría fue sólo brasileña… El SC Internacional de Porto Alegre, de Brasil, derrotó al FC Barcelona de España por 1-0 y se consagró campeón de la Copa Mundial de Clubes de la FIFFA Japón 2006. De esta manera, se transformó en el tercer equipo brasileño en obtener esta competición: Corinthians lo había hecho en 2000 y Sao Paulo FC en 2005.

Por Juca Kfouri às 09h50

O mundo é vermelho!!!!

Nos dois primeiros minutos, parecia que o Barcelona só iria se divertir.

Os espanhóis ficavam com a bola e o Inter errava passes.

Nos 10 primeiros minutos, a coisa mudou.

Os brasileiros passaram a ter domínio da bola e a ameaçar o gol catalão.

Fernandão e Alexandre Pato combinavam bem e Ceará obrigava Ronaldinho Gaúcho a jogar pelo meio.

O Barça era mais consistente e mágico.

O Colorado era mais sério e competitivo.

Aos 18 minutos, Clemer teve de se virara para defender um chute de Van Bronckhorst e o rebote de Ronaldinho.

Aos 19, Ronaldinho não cai na área ao ser atingido por Fernandão, mas cai ao não ser por Índio. O árbitro guatemalteco manda o jogo seguir.

Nos primeiros 20 minutos o jogo tinha voltado a ser todo azul e grená.

De cabeça, Gudjohnsen, livre,  perde um gol que Eto'o não perderia.

A coisa começava a ficar feia para o Inter, que voltava a errar passes e a mostrar nervosismo, principalmente com Edinho, que repetia a má atuação da estréia.

Ronaldinho bate falta, aos 28, e Clemer defende.

O Gaúcho não parava.

Mais que um Gre-Nal, parecia que ele via onze Dungas vestidos de branco em sua frente.

Deco regia a companhia com a competência de sempre, ao lado do ótimo Iniesta.

Ao chegar aos 30 minutos, o Inter só resistia. Nada desesperador, diga-se.

Fosse boxe, o Barcelona estaria vencendo por larga margem de pontos, embora sem nenhum risco de nocaute.

Mas era futebol. E estava empatado.

Por pouco, aos 34, Ronaldinho não desempatou, ao chutar rente à trave.

O Inter fazia aquilo que o América fez e Abel Braga prometeu que não faria: via o Barça jogar.

América que acabara de perder a disputa pelo terceiro lugar para o Al Ahly, por 2 a 1.

De repente o Inter dava uma pontada, dava uma esperança.

O primeiro tempo terminou sem gols, sem emoções muito fortes e sem motivos para que o Inter não voltasse com mais coragem do intervalo.

O bicho era feio sim, mas nada que não pudesse ser batido.

Claro, não se discute a superioridade do Barcelona.

Qual jogador colorado seria titular na equipe catalã?

Qual catalão não seria titular no Inter, até mesmo entre seus reservas?

O que, por sinal, aumentava a saudade de Bolivar, de Jorge Wagner e, principalmente, de Tinga e Rafael Sóbis.

Mas a primeira metade já tinha ido.

Não era mais vencer um jogo em 90 minutos.

Era vencer em 45.

O colombiano Vargas voltou no lugar de Alex no time nacional e o brasileiro Belletti voltou na vaga do italiano Zambrotta na internacional equipe espanhola.

Os 10 primeiros minutos do segundo tempo foram absolutamente equilibrados, sem lances agudos e com o Inter mais seguro, com mais personalidade, sem complexo.

Aos 13, Xavi entrou em substituição a Thiago Motta.

Aos 15, saiu Alexandre Pato, entrou Luís Adriano.

Aos 20, o Inter tinha mais a bola e era superior ao Barça.

Sim, era superior sim senhor.

O Barça, àquela altura, era muito mais Deco que Ronaldinho.

Aos 26, machucado, Fernandão deixaria o campo para entrar Adriano.

Mas Índio se machucou e teve de ser atendido fora do gramado.

Por quatro minutos, o Inter, com 10 jogadores em campo, levou sufoco.

Aos 31, Fernandão, enfim, sai.

Aos 36, a explosão!

Bela jogada de Iarley, que pisou na bola no contra-ataque e deixou Puyol desnorteado.

Luís Adriano abriu pela direita e Adriano pela esquerda.

Iarley preferiu o mais experiente e Adriano não frustou a nação colorada e fez o gol.

Futebol é assim.

Que ironia!

Adriano!!

Que entrou no lugar de Fernandão!!!

Aos 37, Clemer defende sensacionalmente um chute de Deco.

Aos 40, falta perigosa para Ronaldinho bater.

Tensão em Yokohama.

A bola coça a trave.

Mas só vale se entra.

Faltam pouco mais de cinco minutos, com os acréscimos.

Iarley cozinha o jogo.

O Inter não corre riscos.

Segura a bola na frente.

Faltam dois minutos.

Clemer tira o empate dos pés de Iniesta.

Abel Braga tinha razão ao mantê-lo.


Iuri Gagarin, o astronauta russo, primeiro homem a entrar em órbita, disse que a Terra era azul.

Adriano provou que é vermelha.

O Inter é campeão mundial.

O Brasil inteiro, menos metade do Rio Grande do Sul, festeja.

Madrid também saúda o Colorado, grande, enorme, valente campeão mundial de clubes em 2006.

 

Por Juca Kfouri às 09h12

Sobre o autor

Formado em Ciências Sociais pela USP. Diretor das revistas Placar (de 1979 a 1995) e da Playboy (1991 a 1994). Comentarista esportivo do SBT (de 1984 a 1987) e da Rede Globo (de 1988 a 1994). Participou do programa Cartão Verde, da Rede Cultura, entre 1995 e 2000 e apresentou o Bola na Rede, na RedeTV, entre 2000 e 2002. Voltou ao Cartão Verde em 2003, onde ficou até 2005. Apresentou o programa de entrevistas na rede CNT, Juca Kfouri ao vivo, entre 1996 e 1999. Atualmente está também na ESPN-Brasil. Colunista de futebol de "O Globo" entre 1989 e 1991 e apresentador, desde 2000, do programa CBN EC, na rede CBN de rádio. Foi colunista da Folha de S.Paulo entre 1995 e 1999, quando foi para o diário Lance!, onde ficou até voltar, em 2005, para a Folha.

Histórico