Blog do Juca Kfouri

Tabelinha com Juca

Segundas-feiras, às 15h

13/01/2007

O triangular final

E ficaram os times dos sonhos do Flamengo, Palmeiras e Santos.

Em sorteio feito fora do país, para garantir a maior neutralidade possível, na Confederação Brasileira de Futebol dos Sonhos, sob  supervisão internacional, assim ficou a tabela do triangular, com apenas o primeiro jogo antecipadamente definido:

Nesta segunda-feira, jogam Flamengo x Palmeiras;

Na quarta-feira, Santos x o perdedor do primeiro jogo;

E na sexta, Santos x o vencedor do primeiro jogo.

Este blogueiro considera que a Copa dos Sonhos já cumpriu sua finalidade e foi muito bem sucedida, como comprovam os números de comentários aprovados (os reprovados, por sinal, são cada vez em menor número) e, sobretudo, os de visitas neste período de férias do futebol (e do blogueiro).

Protestos, alegação da bairrismo, tudo era prevísivel e inevitável.

Até quem não se conforma que o blogueiro tenha férias apareceu, conquista trabalhista que remonta os anos 40 do século passado.

Os mais respeitados colunistas dos jornais mais importantes do país deram e continuam a dar suas opiniões, com a independência (coisa cada vez mais rara em nossa imprensa esportiva) que os caracteriza.

Quero deixar claro, ainda, que nem sempre concordei com as avaliações, o que é mais que óbvio, mas, em geral, não contesto nenhum resultado.

Do mesmo modo, lembro que cada time dos sonhos foi escolhido por personalidades (não apenas jornalistas) ligadas aos 12 clubes que compuseram a edição especial de "Placar".

E que também quase nunca concordei com a escalação de cada time dos sonhos, por considerar que jogadores mais antigos acabam sendo prejudicados.

Por exemplo, em meu Santos dos sonhos estaria Ramos Delgado no lugar de Alex, assim como Rildo jogaria no lugar de Léo, embora goste, e muito, do futebol de ambos que tiraria.

Faria o meio de campo com Zito e Jair Rosa Pinto, e, com dor na alma, sacaria Clodoaldo.

Do mesmo modo, o meu Flamengo teria Dida no lugar do eficaz Nunes e o meu Palmeiras teria o argentino Artime no lugar do ótimo Evair.

Mas se meu pai fosse vivo, ficaria inconformado com as ausências de jogadores como Leônidas da Silva, De Maria, Friedenreich, Fausto, tantos.

Talvez a solução fosse determinar que alguns gênios deveriam ter lugar cativos em seus times, embora, como não existem soluções ideais para esses casos, a medida impossibilitasse que houvesse lugar para os novos, o que seria um crime igual.

No limite, o de sempre: sem discussão, o que seria do futebol?


Por Juca Kfouri às 23h06

12/01/2007

Definido o triangular da Copa dos Sonhos

José Roberto Torero

Um jogão!

Palmeiras e Vasco foi um jogão.

A sorte, ou o azar (quem sabe qual é qual?), pôs frente a frente dois times que se encaixaram muito bem.

O ataque do Vasco é sensacional.

Do meio de campo para a frente são seis jogadores espetaculares.
Mas o Palmeiras tem dois volantes de primeira e uma defesa inteligente e vigorosa.

Já o ataque do Palmeiras, leve e rápido, apoiado por Rivaldo, Ademir da Guia, e, de vez em quando, Roberto Carlos (não o de agora, mas aquele de antes da ajeitada de meia), enfrentou a defesa dura do Vasco.

No fim, entre a Academia e o Expresso, 4 a 3 para o Palmeiras, que teve uma escalação mais equilibrada.


Paulo Vinícius Coelho

Confesso que esse time do Vasco é irresistível.

Ninguém segura o quarteto formado por Ademir de Menezes, Romário, Roberto e Edmundo.

4 x 3, para lembrar a decisão da Mercosul, de 2000.

Márcio Guedes


O Vasco vence, porque é mais time que este Palmeiras.

Não queria que ficasse tudo carioca porque parece bairrismo, coisa que não faz o meu gênero.

Mas também não iria votar contra minhas convicções.

Acho que, no caso do Botafogo, nem mesmo pesou a minha velha simpatia pela Estrela Solitária.

Considero, no entanto, que nos três casos (Santos x Botafogo, Flamengo x Cruzeiro e Vasco x Palmeiras), só apostaria firme mesmo no Flamengo.

José Trajano

Dá Vasco, do Romário!

Ugo Giorgetti

O jogo mais previsível dos três.

Da maneira como o Vasco está escalado seu meio campo, apesar do Príncipe, perde feio para Dudu, Cesar Sampaio, Ademir e Rivaldo.

Como o jogo ainda se ganha "en la media cancha", dá Palmeiras.

Fernando Calazans

O Palmeiras vai ganhar do Vasco.

Tostão

Vasco 1 x  2 Palmeiras.


Alberto Helena Jr.

E o Palmeiras, com um meio-campo mais consistente conseguiu passar pelo poderoso ataque vascaíno.

Ruy Ostermann

O Palmeiras tem tradição de saber lidar com decisões, ao menos as domésticas, e faz tempo.

Júlio Botelho jogava de cabeça erguida, driblava e cruzava e também chutava em gol vendo tudo se desfazer a sua frente.

Atropelava seu marcador com fúria de zagueiro.

Acertou de fora da grande área, deu nos postes e entrou, já no segundo tempo, incorrigível.

Renato Maurício Prado (cuja opinião este blogueiro se esqueceu de copiar, coisa que fez agora, às 12h41)

Palmeiras 3, Vasco 1.

Que sólido Verdão!

Ganhou de 7 a 3.

Eu juraria que perderia na opinião dos especialistas.

Mas venceu, mesmo com o "paulista" PVC votando no Vasco.

Entre os blogueiros, a maior goleada até aqui: Palmeiras 213, Vasco 117.

Por Juca Kfouri às 23h15

11/01/2007

Falta um no triangular final: Palmeiras ou Vasco?

Santos e Flamengo estão garantidos no triangular final.

Falta definir o terceiro time dos sonhos.

Dá o Palmeiras de Marcos, Djalma Santos, Luís Pereira, Waldemar Fiúme e Roberto Carlos; Dudu, César Sampaio, Rivaldo e Ademir da Guia; Julinho e Evair, sob o comando do gaúcho Felipão?

Ou dá o Vasco, comandado por Flávio Costa, com Barbosa, Augusto, Bellini, Ely e Mazinho; Juninho Pernambucano e Danilo; Edmundo, Roberto Dinamite, Ademir de Menezes e Romário?

Dá mais um carioca ou mais um paulista?

O titular deste blog não se atreve a palpitar e se preserva para um eventual voto de minerva.

Se apostasse no Vasco diriam que é por causa do seu corintianismo, anti-Palmeiras.

Se apostasse no Palmeiras diriam que é por bairrismo paulista.

Daí, ele aguarda a sua opinião e a dos especialistas (que, na verdade, ele já conhece...).

E seja o que os sonhos quiserem.

Por Juca Kfouri às 23h59

Cruzeiro x Flamengo: blogueiros e especialistas divergem

Entre os blogueiros, apesar da indiscutível maioria rubro-negra, deu Cruzeiro 237 a Flamengo 216 ( ATENÇÃO: por erro meu, havia digitado 116. Correção feita às 11h).

Entre os especialistas o resultado foi diferente.

Paulo Vinícius Coelho

O Flamengo congestiona o meio-de-campo e joga com três zagueiros.

Mas o Cruzeiro não tem dois atacantes.

Aí a diferença pesa a favor dos cruzeirenses: 2 x 1.

Márcio Guedes

No Fla x Cruzeiro sou mais o Mengo porque é mais time.

José Trajano

Flamengo, de Zico!

Ugo Giorgetti

Num jogo maravilhosamente equilibrado como esse, o negócio é apostar num nome tão notável, tão brilhante, que se alguém fosse decidir o jogo seria ele.

Escolho para isso mestre Ziza.

Dá Mengo, o grande Tostão que me perdoe.

Fernando Calazans

O Flamengo vai ganhar do Cruzeiro.

Tostão

Cruzeiro 3  x 2  Flamengo.

O gol da vitória no último minuto.

Apesar da presença do Zico, o Cruzeiro foi mais decisivo e disciplinado neste jogo.

Renato Maurício Prado

Cruzeiro 2, Flamengo 4, e ponto final!

Alberto Helena Jr.

Cruzeiro e Flamengo fizeram um jogaço.

E o rubro-negro acabou vencendo graças à sua defesa, mais firme do que a do Cruzeiro.

Ruy Ostermann

Dessa vez, o Cruzeiro se impôs quase sem limitações.

Estavam demais Tostão e Dirceu Lopes e mais frmes do que nunca os bravos do meio campo.

O primeiro gol foi de falta, da entrada da grande área, uma exigência que se impôs Piazza com uma perfeição sóbria, no ângulo, sem espalhafato.

Ficou abraçado com Zé Carlos, se bem me lembro.

O segundo gol foi o final de uma troca de passe insistente, sem erros, Tostão com bola e tudo no fim.

José Roberto Torero

Há partidas que deveriam ter dois vencedores. Esta foi uma delas. 

Vimos um jogo de majestades. Dois meios campos que não merecem ser chamados de meios, e sim de inteiros, de duplos, de triplos. 

Houve muitas chances para as duas equipes, mas Raul segurou tudo. E para os dois lados, o que é mais curioso.  

No final das contas, a escalação de Zico como atacante, e não como meia, estragou um pouco o esquema flamenguista, que acabou embolado no meio de campo. 

Disso se aproveitou o Cruzeiro aos 40 do segundo tempo: Nelinho fez um longo lançamento para Joãozinho, que cruzou para Palhinha, que deixou para Dirceu Lopes, que marcou.

 Foi 1 x 0, mas 10 x 10 seria mais justo.

Deu Mengo, por 6 a 4, entre os especialistas.

Que jogo seria esse!

O dono deste blog fica dividido.

Aposta que daria empate, direito que os especialistas não tiveram, diga-se, porque não há empates na Copa dos Sonhos.

São dois times extraordinários.

Zizinho e Zico de um lado, Tostão e Dirceu Lopes de outro.

Queria ver tal embate.

E morreria feliz da vida em seguida.

Por Juca Kfouri às 00h05

09/01/2007

Cruzeiro x Flamengo: e bote sonho nisso!

O Santos está classificado para o triangular final da Copa dos Sonhos.

Uma lástima que o Botafogo de Garrincha esteja fora, algo que só mesmo um sorteio ingrato poderia causar.

Mas o jogo de hoje não é menos sensacional.

Confesso que é o único até agora sobre o qual tenho dúvidas sobre quem seria o vencedor.

Não só porque ambas as escalações resultaram bastante equilibradas -- embora Cláudio Coutinho tenha precisado queimar mais as pestanas que Vanderlei Luxemburgo -- mas porque, também, só tem fera nos dois times.

E alguns gênios da raça, como os rubro-negros Domingos da Guia (que não vi, mas li), Zizinho e Zico e os alvi-celestes Tostão e Dirceu Lopes.

Raul joga nas duas metas.

Lembremos: o Mengo vai de Raul, Mozer, Aldair e Domingos da Guia; Leandro, Andrade, Adílio, Zizinho e Júnior; Zico e Nunes.

O Cruzeiro de Raul, Nelinho, Procópio, Perfumo e Sorín; Piazza, Zé Carlos e Dirceu Lopes; Palhinha, Tostão e Joãozinho.

Você resolve.

Eu só queria ver este jogo.

Por Juca Kfouri às 23h40

08/01/2007

Mais um inesquecível Santos x Botafogo!

Entre os blogueiros, o placar mais apertado de todos: Santos 80, Botafogo 74.

Confira a opinião de 10 especialistas.

 

Paulo Vinícius Coelho

Aqui poderia vencer o meio-de-campo, mais consistente, do Botafogo.

Mas com Pelé, quem há de bater o Santos?

5 x 4 e está de bom tamanho.

Márcio Guedes

Fica realmente complicado, é quase no chutômetro!

Santos x Botafogo!

Eu vou de Botafogo e por algumas razões:

Pelé e Garrincha quase se equivaliam na época (com vantagem para O Rei);

os clássicos eram equilibrados, mas o Botafogo perdia mais porque a defesa e o esquema eram vulneráveis.

Com esse novo mix aí, a defesa do Botafogo subiu vários níveis e no ataque ainda acho que Jairzinho no auge conta mais que o atual Robinho.

José Trajano

Santos, de Pelé!

Ugo Giorgetti

Reprodução de um dos maiores clássicos dos anos dourados.

Acho o meio de campo do Santos mais marcador, mais estável,principalmente quando Lula coloca Mengálvio no lugar de Pepe, no segundo tempo.

Dá Santos apertado.

Fernando Calazans

O Botafogo vai ganhar do Santos.

Tostão

Santos 6 x 5 Botafogo.

Esses dois times fizeram os jogos mais bonitos que vi em
toda a minha vida.

Pena que um tenha de ser eliminado.

Renato Maurício Prado

Santos 3, Botafogo 2. Sem mais.

Alberto Helena Jr.

A vitória do Santos seguiu os padrões da tradição - o Santos de Pelé ganhou sempre vencia o Botafogo de Mané.

Ruy Ostermann

De fato trata-se de uma perversidade, mas próprias dos sorteios.

Santos x Botafogo, não importa onde seja nem a hora, seria jogo de pênaltis se Mané Garrincha não estivesse maravilhosamente enlouquecido e fizesse um gol não mais do que um (o outro que também foi dele, mas em impedimento embora extravagantemente comemorado).

Mas foi isso.

Por mais que se esforçasse, o Santos não conseguiu inverter esse delicado destino do grande jogo.

O jogo que tinha tudo para decidir a Copa dos Sonhos acabou por ser travado na fase semifinal, imposição de um sorteio cruel.

José Roberto Torero

Foi um jogo sensacional!

Garrincha passava fácil por Léo e cruzava.

A sorte do Santos é que sua zaga, com Mauro Ramos e Alex, ganhava fácil de Túlio e Jairzinho, que não foi tão bem pela esquerda.

O meio campo do Botafogo trocou passes sensacionais.

E não se podia esperar outra coisa de Gérson, Didi e Paulo César.

O problema é que ninguém marcava.

Já o Santos, com Clodoaldo e Zito, tinha uma boa pegada.

E, quando retomava a bola, o contra-ataque com Robinho, Coutinho, Pelé e Pepe causava terremotos.

No fim das contas, quem esteve presente ao estádio viu uma partida espetacular, sonho de qualquer torcedor.

Coisa para fazer o suicida mais decidido mudar de idéia e sair pulando pela rua.

Até os 44 do segundo tempo tivemos um 3 a 3 inesquecível.

Marcaram Coutinho, Garrincha (quando decidiu não mais cruzar para Túlio), Pelé (numa tabelinha com Robinho), Didi (de folha-seca, claro) e Carlos Alberto (uma vez para cada equipe).

Mas aí, no último minuto, uma bomba de Pepe, o canhão da Vila, decidiu tudo.

E deu Santos, por 7 a 3, entre os especialistas, agora com a participação de José Roberto Torero, a pedidos.

Márcio Guedes tem razão ao dizer que a defesa deste Botafogo dos sonhos é melhor que a que costumava enfrentar o Santos do Rei.

Mas a defesa santista também é melhor nos sonhos do que a daqueles tempos.

E Robinho é ainda melhor que Dorval...

 

 

Por Juca Kfouri às 23h55

07/01/2007

Final antecipada?

Dos tempos dos grandes embates entre Santos e Botafogo, na verdade, sobraram poucos entre os alvinegros cariocas: Manga, Nílton Santos, Didi e Mané Garrincha.

Entre os alvinegros paulistas há mais, além do técnico Lula: Gilmar, Mauro Ramos de Oliveira, Zito, Coutinho, Pelé e Pepe.

Os botafoguenses, com razão, dirão que esta defesa do time dos sonhos é melhor que a daqueles tempos, algo que não é menos verdadeiro, diga-se, em relação à defesa santista.

O Maracanã sempre foi o grande palco deste jogaço, muitas vezes terminado em goleadas memoráveis (invariavelmente a favor do Santos).

Hoje, no campo dos sonhos, o que dará?

Lembremos.

João Saldanha e Zagallo comandam o Glorioso com Manga, Carlos Alberto Torres (nos dois times!), Leônidas, Mauro Galvão e Nílton Santos; Gérson, Didi e Paulo César Caju; Mané Garrincha, Túlio e Jairzinho.

O Santos vai de Gilmar, Carlos Alberto, Mauro, Alex e Léo; Zito e Clodoaldo; Robinho, Coutinho, Pelé e Pepe.

E Márcio Rezende de Freitas está proibido de passar perto do estádio!

Para não estragar o jogo que não poucos elegeram como a final antecipada da nossa Copa dos Sonhos.

Por Juca Kfouri às 23h23

Sobre o autor

Formado em Ciências Sociais pela USP. Diretor das revistas Placar (de 1979 a 1995) e da Playboy (1991 a 1994). Comentarista esportivo do SBT (de 1984 a 1987) e da Rede Globo (de 1988 a 1994). Participou do programa Cartão Verde, da Rede Cultura, entre 1995 e 2000 e apresentou o Bola na Rede, na RedeTV, entre 2000 e 2002. Voltou ao Cartão Verde em 2003, onde ficou até 2005. Apresentou o programa de entrevistas na rede CNT, Juca Kfouri ao vivo, entre 1996 e 1999. Atualmente está também na ESPN-Brasil. Colunista de futebol de "O Globo" entre 1989 e 1991 e apresentador, desde 2000, do programa CBN EC, na rede CBN de rádio. Foi colunista da Folha de S.Paulo entre 1995 e 1999, quando foi para o diário Lance!, onde ficou até voltar, em 2005, para a Folha.

Histórico