Blog do Juca Kfouri

Tabelinha com Juca

Segundas-feiras, às 15h

03/02/2007

Kaiser Mineiro!

O Hertha-Berlim perdia em casa para o Hamburgo.

Mineiro estava no banco no estádio Olímpico de Berlim.

O técnico resolveu lançá-lo, já no fim do jogo.

Ele entrou mais adiantado, pela direita.

O treinador adversário fez entrar o argentino Sorín para marcá-lo.

Logo no primeiro lance entre ambos, o argentino deu um chapéu no brasileiro, mas acabou desarmado pelo outro brasileiro, o lateral-esquerdo Gilberto.

Gilberto, por sinal, minutos antes, havia cruzado na cabeça do zagueiro Friedrich para empatar o jogo.

Eis que no último segundo do jogo, Gilberto pegou outra bola pela esquerda, procurou Mineiro na direita e fez o passe.

Em sua estréia, o ex-são-paulino não teve dúvida: caminhou um pouco com a bola e soltou um míssil.

O petardo bateu ainda no travessão e decretou a virada, a vitória do Hertha.

Mineiro começa a fazer história também na Alemanha.

 

Originalmente, botei no título "Führer Mineiro", que significa líder, condutor.

Mas houve protesto, pela lembrança ao monstruoso Adolf.

Expliquei para alguns que protestaram nos comentários que a palavra tem uso corrente na Alemanha e seu significado, porque o ditador não se tornou dono dela.

Apesar disso, mudei, às 18h10, para "Kaiser Mineiro", que significa imperador.

Porque, como está no belo comentário, das 17h29, de Marco Caetano, de Araraquara, "basta haver um constrangido para haver o constrangimento".

E eis aí um constrangimento evitável e para ser evitado.

Por Juca Kfouri às 13h37

Meia dúzia de livros

Saiu uma coleção de quatro pequenos livros pela Panda Books de uma coleção "O dia em que me tornei..."

"O dia em que me tornei...são-paulino" é do ator Selton Mello.

O "palmeirense" fica por conta do jornalista Mauro Beting ("sou um palmeirense jornalista e não um jornalista palmeirense", ele explica); o "santista" é o também ótimo jornalista Vladir Lemos, da Rede Cultura de Televisão e o corintiano de Marcelo Duarte, o autor dos diversos "Guias dos Curiosos", ex-diretor de "Placar" e dono da Panda.

São todos muito bem feitos e com uma série de informações de cada um dos quatro grandes de São Paulo.

Custam R$ 20 e têm cerca de 100 páginas cada um, em formato pequeno e letras grandes.

Saíram, também, dois livros sobre o Náutico:

"A reação do Timbu", do jornalista Paulo Salgado Filho, 70 páginas, pela Comunigraf Editora, com memórias do autor sobre os momentos mais gloriosos do Náutico neste século.

O outro, de Gustavo Krause, 112 páginas, "Náutico, Paixão e Renascimento; Novo século, vida nova: um breve registro", não só conta as façanhas do Timbu como propõe um novo modelo de gestão, leitura para lá de interessante.

É da editora Livro Rápido e Krause, hoje apenas conselheiro do clube, foi presidente do Conselho em fins dos anos 80 e vice-presidente executivo em 2003, além de ter sido prefeito do Recife, governador de Pernambuco e ministro da Fazenda no governo Itamar Franco.

Por Juca Kfouri às 12h46

02/02/2007

Maldades

A explicação para Ronaldo usar a camisa 99 é óbvia: a 9 que o celebrizou já estava ocupada.

Mas duas maldades correm a respeito:

1. É o primeiro caso em que um atleta mostra o peso no número da camisa;

2. Ele usa a 99 porque só na 9 não caberia.

Por Juca Kfouri às 22h41

Três esclarecimentos

1. ERREI.

Publiquei dias atrás que Renato Duprat disse na Band que a Samcil havia ficado com as dividas trabalhistas de sua falida empresa, a Unicor e que a Samcil havia negado.

A Samcil negou mesmo, mas Duprat não disse o que eu escrevi que ele havia dito.

Como houve alguns comentários que chamavam a atenção para um possível erro, pedi a transcrição da fita da Band.

Recebi-a hoje e constatei que, de fato, o erro foi meu.

2. PCC

Alguns membros da oposição corintiana avaliam que generalizei para toda oposição ao dizer que grupo utilizava métodos e pessoas mais parecidas com o PCC do que com o SCCP.

E protestaram.

Não generalizei, até porque conheço algumas pessoas da melhor qualidade na oposição corintiana.

Apenas me referi aos incidentes que houve na triste noite em que Alberto Dualib, ditatorialmente, não deu posse a 100 conselheiros democraticamente eleitos,

E me referi aos métodos para manifestar indignação, de gente da oposição,  como criminosos, parecidos com os do PCC, gente identificada, pela polícia, como dos movimentos marginais dos perueiros de São Paulo.

3. ROMÁRIO

Houve quem cobrasse, com razão, uma manifestação no blog sobre a autorização da Fifa para que o Baixinho volte a jogar no Vasco.

Freud explica o meu silêncio.

Acho que a Fifa já bagunçou sua própria lei.

Acho que não será bom para o Vasco.

Mas, principalmente, acho que Romário, que tenho na conta de um dos maiores gênios que vi, está cada vez mais trabalhando contra sua própria imagem.

E não queria voltar a criticá-lo.

Por Juca Kfouri às 22h18

Bahia vira caso de polícia

O Ministério Público Federal na Bahia (MPF/BA) requisitou nesta quarta-feira, 31 de janeiro, a instauração de inquérito policial federal para apurar denúncias contra a administração do Esporte Clube Bahia.

As denúncias foram feitas no dia 26 de janeiro por membros do movimento Frente Única Tricolor (FUT) e chefes de torcidas organizadas do clube. De acordo com a representação, as últimas administrações do Bahia cometeram atividades administrativo-financeiras ilícitas.

O MPF pediu que a Polícia Federal (PF) investigue supostos crimes cometidos na venda dos direitos federativos do atleta Daniel Alves ao Sevilha, agremiação esportiva espanhola, como manutenção de valores depositados no exterior não-declarados às autoridades competentes – art. 22 da Lei n.º 7.492/86.

Investigação também acerca de operações simuladas e/ou fraudulentas para obter vantagem ilícita ou lucro para si ou para outrem, ou causar prejuízos a terceiros – art. 27-C da Lei n.º 6.385/76; fraudes e abusos na fundação ou administração de sociedade por ações – art. 177 do Código Penal; crime contra o sistema financeiro nacional – art. 1º inciso VI da Lei de Lavagem de Dinheiro (Lei n.º 9.613/98); e formação de quadrilha – art. 288 do Código Penal.

A PF deve expedir ofício ao Departamento de Combate a Ilícitos Financeiros e Supervisão de Câmbio e Capitais Internacionais (Decic), do Banco Central, para que indique o teor do dossiê correspondente à transação dos direitos federativos de Daniel Alves.

Deve ainda enviar ofício à Comissão de Valores Mobiliários para que encaminhe cópias de procedimentos administrativos ou dossiês sobre operações suspeitas e faça a devida apuração, além de pedir uma ação fiscal na Superintendência da Receita Federal na Bahia para que seja investigada suposta sonegação fiscal.

http://www.ecbahia.com.br/imprensa/plantao.asp?nid=13356
 

Por Juca Kfouri às 13h23

O futebol e o novo presidente da Câmara dos Deputados

O candidato derrotado na eleição para a presidência da Câmara dos Deputados, Aldo Rebelo (PCdoB-SP), ganhou notoriedade nacional ao presidir a CPI da CBF/Nike.

Mas ao chegar ao poder com a primeira eleição de Lula, pouco ou nada fez para melhorar a decência do futebol na país.

Já o novo presidente da Câmara, o deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP), tem um belíssimo projeto de lei para coibir a violência nos estádios brasileiros.

O projeto é antigo e pouco caminhou, como é comum acontecer com boas idéias no Congresso Nacional.

Quem sabe agora, com a posição que conquistou, Chinaglia desenterre o projeto e o faça andar até ser aprovado.

O torcedor comum que se afastou das arquibancadas por medo de violência, agradecerá.

Por Juca Kfouri às 00h41

Invencibilidade doída

Se o palmeirense teve por que chorar na quarta-feira quando seu time jogou melhor que a Ponte Preta e perdeu, ontem foi a vez do são paulino, que não viu seu time perder, é verdade, mas sofreu com o empate em 1 a 1 diante do Santo André, no Morumbi.

O tricolor foi melhor, criou um sem-número de oportunidades de gol, mas apenas conseguiu empatar, e no fim do jogo, o que, se o manteve invicto no campeonato e há 18 jogos sem perder (mais de quatro meses), o deixou, também, já a quatro pontos do líder Santos.

Rogério Ceni fez o pênalti que valeu o gol do Santo André e depois reclamou da marcação.

Faz parte.

Mas não fica bem.

Por Juca Kfouri às 00h35

01/02/2007

Brilhante Paraná Clube

O Paraná Clube deu uma demonstração de maturidade em Calama.

Fez 1 a 0 com Henrique, em ótimo lançamento de Dinélson, aos 15min do primeiro tempo, e soube segurar o Cobreloa quando o fôlego começou a faltar no segundo.

Melhor que isso, ainda fez 2 a 0 no fim (Josiel, aos 44min) e praticamente se garantiu na Libertadores. Vai para o grupo do Flamengo.

Por Juca Kfouri às 20h26

O Inter, de novo, é claro!

Capa da edição da revista da Confederação Sul-Americana de Futebol (julho/agosto de 2006) depois da conquista da Libertadores, eis o Inter de volta ao mesmo lugar, neste bimestre janeiro/fevereiro de 2007.

E quem mais poderia ser?

Lembra da capa passada, aqui publicada?

Por Juca Kfouri às 17h33

Não cobre o Paraná Clube

Daqui a menos de uma hora o Paraná Clube enfrenta o Cobreloa, no Chile, pela Pré-Libertadores.

Não terá vida fácil, ao contrário do Santos.

E não porque o adversário foi duas vezes vice-campeão do torneio.

Mas porque o time paranista perdeu seu mentor, o técnico Caio Júnior, além de Pierre, Cristiano, Leonardo e Maicossuel.

E a cidade de Calama, capital do cobre chileno, a mais de 1500 quilômetros de Santiago, além de ser muito poluída e com clima seco de deserto, fica a 2250 metros de altura, obstáculos sérios para o time de Zetti, que já admitiu que o empate é bom negócio.

E será mesmo.

Por Juca Kfouri às 17h24

Agora foi Christian

Sim, eu sei, há muitas reclamações por se falar demais do Corinthians aqui.

Mas, pergunto, como ignorar o que se passa no segundo clube mais popular do país?

Christian foi embora, para o Inter, depois de passagem relâmpago, e cinco gols, pelo clube.

Você, no lugar dele, teria dúvida em trocar o Parque São Jorge pelo Beira-Rio?

O jovem lateral-direito Fágner, posição em que faltam jogadores no elenco, vai embora, porque deixaram seu contrato vencer.

Magrão está com um pé fora, porque lhe devem.

E ainda não pagaram Nilmar, que pode até nem assinar o contrato de cinco meses que havia combinado.

Há melhor retrato de decadência do que tudo isso?

E o presidente do clube, cercado por pessoas de prontuários nada recomendáveis na Justiça, não empossa os conselheiros eleitos.

E a oposição usa métodos e pessoas que mais parecem ligadas ao PCC do que ao SCCP.

E a parceria faz água, à espera de Boris Berezowski.

Como não falar?

Por Juca Kfouri às 16h59

Anticandidato?

"Já que se quebra tanto o estatuto do Corinthians, que tal se eu for candidato à presidência do clube mesmo sem ser conselheiro? Sócio eu sou."

Declaração de Sócrates, à CBN, ele que já se apresentou um dia como anticandidato na CBF.

Por Juca Kfouri às 08h54

31/01/2007

Fla tranqüilo, Bota no apito

O Flamengo passou sem maiores problemas pelo Americano, em Volta Redonda, 2 a 1, com gols de Juan no primeiro tempo e de Renato Augusto, belíssimo, no segundo.

Pelo que li, foi uma vitória justa e sem maiores dificuldades.

Já o Botafogo, em Cabo Frio, derrotou a Cabofriense, 1 a 0, gol de Dodô, que reestreou fazendo o que sabe, em sua primeira finalização, aos 22 do segundo tempo.

Mas, pelo que vi, o Glorioso teve ajuda da arbitragem que marcou falta que não aconteceu no goleiro Max, no que seria, aos 39 minutos do segundo tempo, o gol de empate dos donos da casa.

Por Juca Kfouri às 23h10

Mais que um jogo, o Corinthians perdeu a compostura

O Corinthians perdeu para o São Caetano, 1 a 0, no Pacaembu.

E teve três jogadores expulsos: Marcelo Mattos, injustamente, Roger e Betão, corretamente.

Mais que outra derrota ontem à noite em campo, no entanto, o pior foi o vexame de anteontem, no Parque São Jorge, no salão nobre do clube, que de nobre não tem mais nada.

O presidente Alberto Dualib simplesmente deixou de dar posse aos 100 conselheiros eleitos pela oposição na recente eleição corintiana.

Fechou-se numa sala e saiu às escondidas na calada da noite.

E houve troca de empurrões, palavrões os mais variados, ânimos descontrolados, tudo mais ou menos como o time mostrou no gramado na noite seguinte.

Perder para o São Caetano, diga-se, não é novidade na vida alvinegra.

Basta dizer que em 19 jogos, o Azulão ganhou 11, perdeu cinco e houve três empates.

Mas a perda do mínimo de decoro por parte da direção corintiana era o que faltava para completar um dos piores períodos da vida alvinegra.

A situação é tão grave que o salvador aguardado é o bilionário russo Boris Berezowski.

 

Por Juca Kfouri às 23h05

Ponte quebra invencibilidade do Palmeiras

O Palmeiras mandou no jogo contra a Ponte Preta em Campinas e criou diversas chances de gol, ao jogar com coragem e partir para cima dos donos da casa.

Que, no entanto, saíram para o intervalo ganhando simplesmente de 2 a 0, o primeiro gol, aos 39 minutos, numa falha de Marcos em chute do meio da rua de Anderson Luiz.

Finazzi, que tinha criado a única oportunidade para a Ponte, fez o segundo gol em seguida.

Para o segundo tempo o Palmeiras voltou com Edmundo e Caio, aos 31, diminuiu.

Apesar da luta e da superioridade alviverde a invencibilidade acabou por ir para o espaço.

E o Verdão terá o Santos pela frente no domingo, no Parque Antarctica.

 

Por Juca Kfouri às 22h49

São Caetano derrota Corinthians com justiça

O Corinthians teve a bola por muito mais tempo que o São Caetano no primeiro tempo, no Pacaembu.

Mas não criou nenhuma chance real de gol.

Já o São Caetano criou três, além de ter acertado o travessão corintiano.

O torcedor alvinegro tinha, então, dois motivos para reclamar: a pouca qualidade técnica de seu time e o excesso de autoridade do árbitro que, aos 24 minutos, expulsou Marcelo Mattos de campo.

No segundo tempo, o inevitável aconteceu.

E na chance de gol que o Azulão criou, Somália marcou.

O Corinthians, que não jogava nada, passou a jogar o dobro.

E o árbitro, agora corretamente, ainda expulsou Roger e Betão no fim do jogo, o que dá a medida do equilíbrio do time de Leão. embora, em lance duvidoso, Christian tenha empatado e o gol tenha sido anulado.

O São Caetano ainda perdeu o segundo gol três vezes.

E o Corinthians perdeu a segunda seguida no Pacaembu, o Noroeste deixou de ser invicto ao perder do Ituano (1 a 0) que já tinha quebrado a virgindade corintiana e aconteceu o primeiro 0 a 0 do campeonato entre Guaratinguetá e Bragantino.

Por Juca Kfouri às 22h46

Santos só vence

O Santos não precisou jogar quase nada para derrotar o fragílimo Blooming, na Bolívia.

O gol só saiu aos 3 minutos do segundo tempo, com o lateral Pedro, e sem querer: ele quis cruzar e fez o gol.

Depois, Cléber Santana mandou um pênalti no travessão.

Riscos o Santos não correu e teve o domínio total do jogo.

Mas ficou muito aquém do que se espera dele nesta Libertadores.

Marcos Aurélio só entrou no segundo tempo e não acrescentou muito, embora seja mesmo bom jogador.

Por Juca Kfouri às 22h41

Santos tem tudo para golear

O técnico Álvaro Peña, do Blooming que enfrenta hoje à noite o Santos pela Pré-Libertadores, disse a Victor Birner, da CBN, que o time boliviano "não tem reforços à altura" de enfrentar a equipe brasileira.

Não tem jogadores à altura e nem mesmo a altitude, porque Santa Cruz de La Sierra fica ao nível do mar.

Nem por isso, no entanto, Peña diz que seu time jogará retrancado: "Só sabemos atacar", revelou.

Não será surpresa, portanto, se o Santos golear hoje na Bolívia.

Ainda mais se, de fato, o bom Marcos Aurélio, ex-Furacão, estrear.

Por Juca Kfouri às 12h49

A banalização do hino do Brasil

A Federação Paulista de Futebol resolveu desenterrar uma lei estadual que não pegou e passou a exigir que se execute o hino do Brasil antes de cada jogo do seu campeonato.

Raras vezes, alías, o verbo executar foi tão bem empregado pela ambiguidade que traduz.

O hino nacional tem sido executado no paredão da banalização e do desrespeito a cada jogo pela nenhuma reverência demonstrado pelos atletas perfilados em desordem e pelos torcedores, que preferem entoar seus cânticos enquanto o hino é executado.

É o que dá querer importar hábitos que não dizem respeito à nossa cultura e macaquear o que os norte-americanos fazem há séculos em seus eventos.

O que era para ser uma demonstração de educação cívica virou deboche, além de atrasar, invariavelmente, o começo dos jogos.

É hora de se dar conta que a experiência não deu certo, parar com a bobagem e, principalmente, respeitar, de fato, o hino do país.

Por Juca Kfouri às 01h34

30/01/2007

A volta de velha discussão

 
Às vésperas de cada Olimpíadas a discussão recomeça: é Olimpíadas de Pequim ou Olimpíada de Pequim.
 
A imprensa nacional, em geral, prefere a segunda opção.
 
E erra, como mostra o Houaiss, abaixo copiado, porque olimpíada é o período de quatro anos que separam as Olimpíadas:
 
 
olimpíada
{verbete}
Datação
1561 cf. GBarCor

Acepções
substantivo feminino
1    Rubrica: cronologia.
     cada um dos intervalos de quatro anos entre dois jogos olímpicos pelo qual o tempo era contado na Grécia antiga
2    m.q. jogos olímpicos
olimpíadas
substantivo feminino plural
3    m.q. jogos olímpicos


Etimologia
lat. olympìas,àdis 'espaço de quatro anos; olimpíada', der. do gr. olumpiás,ádos 'id.'; f.hist. 1561 olympiada

Sinônimos
olimpíade

Por Juca Kfouri às 17h27

Elegância madridista

Da página do Real Madrid, à guisa de se despedir de Ronaldo, outra lição de como se faz: 


"En la tarde de hoy el Real Madrid CF ha cerrado el traspaso de Ronaldo Luís Nazario de Lima al AC Milan.
Así mismo, el Real Madrid quiere transmitir su reconocimiento por lo que este futbolista singular ha aportado a lo largo de todo este tiempo. Momentos de gran fútbol que los madridistas no olvidaremos jamás.

104 goles marcados con la camiseta blanca y su palmarés le describen perfectamente como uno de los mejores jugadores que han lucido nuestro “9” a la espalda.

Ahora, en el momento de su adiós, el Real Madrid quiere reiterar a Ronaldo su agradecimiento, desearle los mejores éxitos deportivos y, sobre todo, la máxima felicidad personal.

GRACIAS RONALDO, Y MUCHA SUERTE."

 

Por Juca Kfouri às 17h20

Fenômeno de marketing

Entre na página do Milan (www.acmilan.com) e veja como se vende até uma compra futebolisticamente duvidosa e repleta de riscos.

Por Juca Kfouri às 15h35

29/01/2007

Ricardo Teixeira e os transportes metropolitanos em São Paulo

Ricardo Teixeira está preocupado com os transportes metropolitanos de São Paulo.

Tão preocupado que ligou duas vezes para o governador paulista José Serra e uma para o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

Tudo porque José Luís Portella, ex-secretário do ministério do Esporte no governo de FHC, foi nomeado secretário da pasta de transportes por Serra.

Portella foi responsável pelos textos do Estatuto do Torcedor e da chamada Lei da Moralização do Futebol e Teixeira, por isso, o tem na conta de adversário.

E manifestou a Serra seu desagrado pela nomeação de Portella.

Não satisfeito, o presidente da CBF manifestou a FHC sua preocupação com o que Portella poderá fazer no sentido de  não colaborar nos esforços para servir convenientemente a capital paulista com vistas à Copa do Mundo de 2014. 

Por Juca Kfouri às 23h44

Trabalhar por Esporte

Encaminho artigo inédito e exclusivo, com sugestão de publicação pela oportunidade, relevância e polêmica do tema.
 

 
Maurício Huertas
 

Trabalhar por Esporte

Já faz parte dos usos e costumes da política: quando falta espaço para algum partido aliado na formação do governo, entrega-se a pasta de Esportes. É a última migalha do bolo. José Serra entregou-a ao PPS no início da gestão como prefeito de São Paulo e ao PTB, agora, como governador.

Repetiu o procedimento que praticamente transformou o satélite petista PCdoB no primeiro partido segmentado do Esporte, desde a gestão paulistana de Marta Suplicy (2001-2004), passando por dois ministros de Lula e vários outros secretários de administrações petistas, em municípios como Guarulhos, Osasco e Diadema. 

Em apenas dois anos da gestão Serra-Kassab, estamos no terceiro ocupante da Secretaria de Esportes, Lazer e Recreação da Cidade de São Paulo. O deputado federal reeleito Walter Feldman (PSDB) sucede os dois indicados anteriores do PPS, Marquinho Tortorello e Heraldo Corrêa. Sozinho, tem mais peso político que ambos, mas sua estatura esportiva por enquanto equivale à física (tem 1,60m de altura) – o que passa despercebido pelo tamanho do ego.

Pior é que cada administração que assume tenta reinventar a roda. A herança de Marta Suplicy para o Esporte foi brincar de descentralização. Escorada no bom conceito das Subprefeituras, subverteu a razão e o bom senso ao desvincular os 31 Supervisores de Esportes da Secretaria de Esportes, subordinando-os à Coordenadoria de Ação e Desenvolvimento Social.

Ou seja, aqueles que teoricamente executariam a política esportiva da Prefeitura na “ponta”, na periferia da cidade, simplesmente deixaram de ter qualquer vínculo hierárquico ou administrativo com a pasta formuladora das políticas públicas do Esporte. 

Marta conseguiu outra proeza: tirou da Secretaria de Esportes a responsabilidade sobre os 41 clubes municipais e outros 200 centros desportivos autônomos, transferindo-a para esses Supervisores de Esportes, indivíduos sem qualquer preparo ou estrutura.

A explicação para esse “esvaziamento” da Secretaria de Esportes? Uma só: colocar na mão dos petistas, dentro das Subprefeituras, o controle da área que estava entregue no papel aos aliados do PCdoB, para que não abocanhassem sozinhos os votos que potencialmente o Esporte pudesse proporcionar. 

Essa lógica fratricida se repetiu na atual gestão, agravando a dissociação entre a Secretaria de Esportes (entregue ao PPS), no seu papel de formuladora de políticas públicas, e a execução das ações esportivas nas Subprefeituras, sob o controle direto do PSDB, visando possíveis dividendos eleitorais.

O mais inusitado da história: quem fez o diabo para aumentar a fratura entre formuladores (pepessistas) e executores (tucanos) das políticas públicas do Esporte, enfraquecendo ainda mais aquela pasta por meio de decretos que ceifaram suas funções originais, foi o então secretário de Coordenação das Subprefeituras. Quem? Ele mesmo: Walter Feldman.

O novo titular do Esporte briga agora para reverter o que ele mesmo havia provocado, quando seu interesse era outro. O médico e o monstro se opõem. Mera coincidência Walter Feldman ser médico de profissão. Enfim, tenta refazer o óbvio: deixar sob o controle da Secretaria de Esportes os equipamentos esportivos e a política do Esporte. Parece piada, mas não é.

A menina-dos-olhos do prefeito Gilberto Kassab para o Esporte são os clubes-escolas. Aproveitar a estrutura de centros esportivos, campos, quadras, balneários e mini-balneários, localizados nas proximidades das escolas da rede pública de ensino, pelos seus próprios alunos, em período complementar ao das aulas normais. Nada mais simples e eficaz.

O secretário José Aristodemo Pinotti, do mesmo PFL de Kassab, ensaiou esta solução há um ano. Transferiu por decreto, para a Secretaria da Educação, os equipamentos esportivos que já estavam sob jurisdição errada (saíram das Subprefeituras para a Educação, mas deveriam estar no Esporte). Deu errado e não será diferente enquanto prevalecer a mentalidade da “canetada”.

O prefeito Kassab tem nas mãos um amplo diagnóstico do problema (que motivou inclusive uma CPI na Câmara Municipal, em 2005) e o remédio, um projeto sócio-educativo elaborado por nós que prevê a efetiva recuperação para o Esporte destes espaços públicos, hoje deteriorados e subutilizados. Resta desejar sorte, habilidade e destreza ao médico alopata que herdará a Secretaria após dois anos da homeopatia introduzida pelo PPS.

Maurício Rudner Huertas, 35, jornalista, é Secretário de Comunicação do PPS/SP. Foi Diretor do Departamento de Unidades Esportivas Autônomas da Secretaria de Esportes, Lazer e Recreação da Cidade de São Paulo nos dois primeiros anos da gestão Serra-Kassab (2005-2006).

 

Por Juca Kfouri às 15h10

28/01/2007

Brasil, eneacampeão!

O Brasil derrotou a Colômbia por 2 a 0 com gols de Lucas e Edgar, aos 25 e 45 minutos do primeiro tempo, e sagrou-se eneacampeão do Campeonato Sul-Americano Sub-20.

Além do nono título, de uma vaga para o Mundial no Canadá, em junho, e a vaga olímpica em Pequim, a Seleção Brasileira foi a única que saiu invicta do Paraguai, com seis vitórias e três empates nas duas fases do torneio, 20 gols a favor e nove contra.

O futebol apresentado no Sul-Americano, por todas as seleções, deixou muito a desejar e é possível que poucos dos meninos que garantiram a vaga nacional em Pequim estejam nas Olimpíadas.

Mas, seja como for,  eles fizeram a parte que lhes cabia e merecem os parabéns.

Por Juca Kfouri às 23h48

Lógica chinesa

A Argentina também se garantiu em Pequim, onde defenderá a medalha de ouro que ganhou em Atenas.

Empatava sem gols com o Uruguai até os 47 minutos do segundo tempo, placar que daria a vaga aos uruguaios.

Mas o menino Acosta, de cabeça, fez o gol que valeu o passaporte argentino para a China em 2008.

Deu tudo certo para brasileiros e argentinos, como se esperava.

Quando a Confederação Sul-Americana, surpreendentemente, decidiu que não haveria Pré-Olímpico para economizar e que o Campeonato Sul-Americano Sub-20 faria tal papel, Argentina e Brasil se apressaram em aprovar.

Contavam com seu poderio histórico.

Basta dizer que das 22 edições do Sul-Americano, Brasil e Argentina foram campeões 12 vezes (oito vezes, o Brasil).

Mas, mais: em seis edições, um foi campeão e o outro vice.

Mais ainda: de 1991 para cá, ou seja, nas últimas oito edições, brasileiros e argentinos foram campeões e vice, ou vice-versa, cinco vezes -- agora seis em nove, com o torneio deste ano.

Por Juca Kfouri às 22h09

Brasil em Pequim!

O Paraguai acaba de derrotar o Chile por 3 a 2 no Campeonato Sul-Americano sub-20 e, assim, classificar o Brasil para as Olimpíadas de Pequim, mesmo que a Seleção perca para a Colômbia.

Ironias do futebol: os meninos comandados por Alexandre Pato e Lucas conseguiram o que um grupo que tinha Gomes, Maicon, Edu Dracena, Alex, Maxwell, Fábio Rochemback, Dudu Cearense, Dagoberto, Daniel Carvalho e, principalmente, Robinho, Elano, Nilmar e Diego não foi capaz. 

Conforme for o resultado entre Uruguai e Argentina que começa em seguida, o Brasil poderá até perder da Colômbia e, mesmo assim, ser eneacampeão sul-americano.

Mas, repita-se, a vaga olímpica já está garantida.

Por Juca Kfouri às 19h28

Só o Santos é 100%

Até os 14 minutos do segundo tempo, Santos e Guaratinguetá faziam um jogo tecnicamente bom, mas morno.

O Santos era superior, merecia estar na frente, mas não estava.

E o Guaratinguetá, vez por outra, até ameaçava o gol de Fábio Costa.

Aí, Vanderlei Luxemburgo fez entrar Cléber Santana e Zé Roberto, corretamente poupados ao lado do veterano Antonio Carlos.

Em 16 minutos eles mudaram o panorama do jogo, o Santos assumiu inteiramente o comando da partida e, aos 30, Zé Roberto, de cabeça, abriu o placar e manteve o Santos como único time 100% no Campeonato Paulista.

Pedrinho estreou discretamente, ele que pode ser uma boa aposta agora que o Santos tem um centro de recuperação de atletas de primeiro nível e um mago da fisioterapia como Nilton Petrone, o Filé, que garante botá-lo como o time, 100%.

O Noroeste ficou no 1 a 1 com o Marília, só o Santos venceu como anfitrião na rodada e até agora não aconteceu nenhum 0 a 0 no campeonato, como bem lembrou o Sportv.


Por Juca Kfouri às 19h07

Vasco, com folga

Em mais uma boa apresentação do argentino Dario Conca, o Vasco passou pelo Friburguense por 4 a 1 e isolou-se na liderança de seu grupo na Taça Guanabara.

Do pouco que vi, o Vasco parece ser o time que mais segurança passa ao torcedor dos grandes cariocas, até por dar a sensação de ser, também, o que está mais pronto.

De todo modo, é cedo para avaliações definitivas.

Por Juca Kfouri às 19h06

Ferro no Flu

E o Fluminense com suas estrelas já perdeu.

Saiu atrás do Volta Redonda, virou em dois minutos no recomeço do jogo com gols de Soares e Carlos Alberto, mas tomou a virada e levou ferro no Vale do Aço.

PC Gusmão, certamente, terá uma ótima explicação para a derrota.

O Vasco joga neste momento para ser líder isolado, contra o Friburguense, em Nova Friburgo.

 

Por Juca Kfouri às 17h20

São Paulo sem sofrer, Palmeiras com dor

O São Paulo não teve maiores problemas para vencer o Rio Claro, fora de casa.

Fez dois belos gols com Aloísio e Alex Silva (que partiu com a bola dominada antes do meio de campo e soube se aproveitar da movimentação de seus companheiros que abriram o caminho para seu gol) e viu Rogério Ceni se sair bem nas vezes em que foi preciso.

Já o Palmeiras, em casa, levou um gol logo de cara do Barueri, conseguiu o empate ainda no primeiro tempo, lutou, tentou, quase fez um gol de placa com o chileno Valdívia que chutou na trave, mas cansou e acabou por deixar de ser 100%.

Parece meio claro que o técnico Caio Jr. terá de arrumar um outro lugar para Edmundo jogar, mais recuado, como armador e não mais como ponta-de-lança.

Neste momento o Noroeste, outro que estava 100%, perde do Marília e daqui a pouco o Santos joga na Vila Belmiro.

Mesmo que perca para o Guaratinguetá (o que é improvável, pois deverá vencer)viajará para a Bolívia como líder isolado do campeonato, dois pontos adiante do segundo colocado, desde que, é claro, o Noroeste não vire em Marília.

Se vencer o jogo na Vila, livrará, com um jogo a mais, cinco pontos de distância.

Por Juca Kfouri às 17h13

Precisão em tênis

Não que tenha sido inútil acordar pontualmente às 6h30 da madrugada no domingo, porque qualquer sacríficio vale a pena para ver Roger Federer.

Mas a motivação não era exatamente o suíço, mas, sim, o chileno Fernando González, medalha de ouro em duplas e bronze em simples nas Olimpíadas de Atenas.

Ele vinha disputando um Aberto da Austrália surpreendente e exemplar.

E manteve o nível no primeiro set da decisão.

Chegou a quebrar o serviço do genial número 1 do mundo e teve duas oportunidades para fechar o set quando sacou com 5 a 4.

Mas, Federer é Federer.

O set foi para o desempate e com um 7 a 2 o suiço fez 1 a 0.

O segundo set não foi a moleza que Serena Williams encontrou para vencer Maria Sharapova na final feminina, 2 a 0 com 6-1 e 6-2, em 63 minutos.

Mas o 6 a 4 veio serenamente e o 2 a 0 se consumou.

Federer não é apenas fantástico.

Ele aniquila mentalmente o adversário e até quando chama a arbitragem eletrônica para dirimir dúvidas, acerta.

Fez isso três vezes na finalíssima em Melbourne e nas três tinha razão.

González também chamou três vezes e em duas estava errado.

O tricampeonato ( ele vem de vencer no Aberto dos Estados Unidos e em Wimbledon) do suíço na Austrália chegou naturalmente no terceiro set, 6-4.

No décimo confronto entre ambos, foi a décima vitória do europeu.

Ele disputou 21 sets na Austrália e simplesmente ganhou todos, com apenas três desempates.

E está apenas quatro títulos atrás (já foi 10 vezes campeão em onze decisões de que participou) em torneios do Grand Slam do norte-americano Pete Sampras, o maior vencedor da história.

A Roger Federer só falta vencer um desafio: ganhar no saibro um torneio do Grand Slam, em Roland Garros.

Alguém tem dúvida de que ganhará? 

Por Juca Kfouri às 08h06

Sobre o autor

Formado em Ciências Sociais pela USP. Diretor das revistas Placar (de 1979 a 1995) e da Playboy (1991 a 1994). Comentarista esportivo do SBT (de 1984 a 1987) e da Rede Globo (de 1988 a 1994). Participou do programa Cartão Verde, da Rede Cultura, entre 1995 e 2000 e apresentou o Bola na Rede, na RedeTV, entre 2000 e 2002. Voltou ao Cartão Verde em 2003, onde ficou até 2005. Apresentou o programa de entrevistas na rede CNT, Juca Kfouri ao vivo, entre 1996 e 1999. Atualmente está também na ESPN-Brasil. Colunista de futebol de "O Globo" entre 1989 e 1991 e apresentador, desde 2000, do programa CBN EC, na rede CBN de rádio. Foi colunista da Folha de S.Paulo entre 1995 e 1999, quando foi para o diário Lance!, onde ficou até voltar, em 2005, para a Folha.

Histórico