Blog do Juca Kfouri

Tabelinha com Juca

Segundas-feiras, às 15h

09/02/2008

Palmeiras desencanta

A exemplo do que houve na partida contra o Guaratinguetá, o Palmeiras criou chances suficientes para sair na frente do Guarani.

Sim, o Bugre também chegou na cara de Marcos duas vezes e o goleirão salvou a pátria.

Pelo menos, desta vez, o time não tomou gol.

Mas o Verdão teve, no mínimo, meia-dúzia da oportunidades.

E foi com um penoso 0 a 0 para o intervalo, diante de uma equipe frágil como é este time campineiro.

Pouco, é óbvio, para quem fez o investimento que fez e despertou a expectativa que despertou.

Mas tinha o segundo tempo todo pela frente.

E o Palmeiras voltou com Lenny e Martinez nos lugares de David e Wendel.

Nem bem o jogo recomeçou e Martinez já levou um cartão amarelo com justiça.

Vanderlei Luxemburgo, que diz não reclamar mais de árbitros, chamou Sua Senhoria de "idiota".

Mas a mexida surtiu efeito imediato.

Em seguida, em bola cruzada da direita por Élder Granja e desviada por Lenny, Alex Mineiro abriu o placar, também com justiça, aos 4.

Aos 6, Élder Granja sofreu pênalti e Alex Mineiro marcou, com paradinha, seu quinto gol com a camisa alviverde no Campeonato Paulista.

Fatura liquidada.

Só faltava saber de quanto seria a goleada.

Se Diego Souza e Léo Lima colaborassem minimamente poderia ser ampla, daquelas de lavar a alma.

Aos 24, Francis entrou no lugar de Diego Souza.

Logo depois quase Alex Mineiro fez 3 a 0, o que só acabou acontecendo aos 33, em belíssima cabeçada do artilheiro.

Faltava um golzinho para poder chamar de goleada.

Que não veio, mas não fez mal.

Se bem que Valdívia, ainda apagado, aos 39, quase fez um golaço e, aos 44, Francis fez um pênalti bobo que o Guarani converteu.

Mas o 3 a 1 ficou de bom tamanho depois de quatro jogos sem vencer. 

Por Juca Kfouri às 22h29

O recuo de Romário

Com 1000 opiniões computadas, o balanço é desfavorável a Romário, embora quase 1/3 (30,80%) dos que opinaram reze segundo sua cartilha.

Mas 35,40% dizem que Romário caiu no conceito deles, enquanto ficou igual para 33,80%.

E a próxima questão é exatamente esta: que conceito você tinha de Romário, bom ou ruim?

Por Juca Kfouri às 13h20

Clássico centenário

*Por ROMERO CARVALHO

Belo Horizonte tinha quase 11 anos.

Um bebê recém-nascido se comparada a outras grandes cidades brasileiras, como Rio, São Paulo, Salvador e Porto Alegre.

Criada para ser a capital de um Estado muito rico e poderoso, BH ainda era um contêiner a ser aberto.

Nessa capital rural, ainda com poucos habitantes, com uma vocação moderna, mas moradores que envergavam a bandeira da "tradicional família mineira", um grupo de estudantes, no coreto do Parque Municipal, fundou uma paixão, manifestada por meio de um clube de futebol.

Batizaram-na de Clube Atlético Mineiro.

Curiosamente, pouco depois, os ingleses de uma mineradora estabelecida no pequeno município de Villa Nova de Lima, atual Nova Lima, fundaram o Villa Nova Atlético Clube.

Hoje, às 16h, os dois se enfrentam.

Cem anos depois.

Talvez seja a primeira vez na história do futebol. Rivais regionais, enfrentando-se no ano de seus centenários.

O Atlético Mineiro foi mais bem-sucedido.

Torcida imensa, espalhada pelo mundo, apaixonada.

Maior vencedor do Campeonato Mineiro com 39 conquistas, o primeiro campeão brasileiro, bi-campeão da Copa Sul-americana, quando ela se chamava Conmebol, além de ser o clube que mais chegou entre os quatro primeiros colocados nos Campeonatos Brasileiros.

Lar de craques internacionais, o Galo é, porém, azarado, já que poderia ter ganho muito mais.

Mas seu povo resiste e levanta sua bandeira como uma filosofia máxima.

Afinal, "onde houver uma camisa branca e preta pendurada num varal em meio a uma tempestade, o atleticano torce contra o vento".

E a massa gosta de tentar fazer o vento parar.

O Villa Nova teve ainda menos sorte.

Sua fama de aguerrido, de "Leão do Bonfim", quarto maior vencedor do Campeonato Mineiro, que sempre amedrontou os grandes da capital, sobretudo em seu pequeno estádio, nunca ultrapassou as fronteiras do Estado.

Por muitas vezes, aliás, esteve restrita à região metropolitana.

Exceção, é verdade, para o ano de 1971, quando o Leão venceu a primeira Segunda Divisão do Campeonato Brasileiro.

Sua fanática torcida, orgulho da cidade de Nova Lima, porém, segue fiel. Superou quedas de divisão, perda de prestígio e décadas sem títulos.

Caminhos distintos, paixões semelhantes.

Atlético vs Villa é o clássico da raça.

Para a histórica partida de amanhã, o palco, obviamente, deveria ser outro.

O acanhado estádio Castor Cifuentes, o famoso "Alçapão do Bonfim" é antigo, ultrapassado, e hoje liberado apenas para 4,5 mil torcedores.

O Mineirão era o lugar certo, que espelharia a grandeza desse confronto centenário.

Lamentável.

Mas não perco por nada!

*Romero Carvalho é jornalista.

 

Por Juca Kfouri às 12h46

08/02/2008

Era só o que faltava

Denílson, então, é o sétimo contratado pelo Palmeiras em 2008.

Para o time de futebol, bem entendido, e não para o Periquitos em Revista (www.periquitosemrevista.com.br).

Sete, como se sabe, é conta de mentiroso.

Gustavo Nery, Roger, Léo Lima, Carlos Alberto, Bóvio, Lima, Denílson.

Fluminense, Grêmio, Palmeiras, São Paulo, Corinthians.

Vai ver eles é que estão certos e o mundo errado.

Por Juca Kfouri às 17h50

Essa Fifa...

En una ceremonia celebrada hoy en la sede de la FIFA en Zúrich, el Secretario General de la FIFA Jerome Valcke hizo la entrega oficial al Director Ejecutivo del AC Milán Adriano Galliani de un distintivo que acredita la victoria del club en la Copa Mundial de Clubes de la FIFA 2007.

Este nuevo símbolo se entregará al mejor club en las próximas ediciones de la competición. El Milán lo llevará en sus camisetas durante el 2008 hasta que un nuevo campeón mundial sea coronado en diciembre de este año.

Con el distintivo de campeón mundial de clubes, la FIFA desea honrar al poseedor del título y a futuros ganadores de este prestigioso evento. "El nuevo distintivo recoge y amplía la tradición de colocar estrellas por encima del escudo del equipo, que, pese a no ser oficial, forma parte de la historia del juego", comentó el Secretario General de la FIFA Jerome Valcke.

"La FIFA también rendirá homenaje a los tres ganadores anteriores de la Copa Mundial de Clubes de la FIFA - los clubes brasileños Corinthians, Sao Paulo FC y Sport Club Internacional - con una distinción similar".

Por Juca Kfouri às 14h24

Na 'Folha de S.Paulo' de hoje

Na "Ilustrada" 

Outro Canal

Daniel Castro

CINZAS 1 A novela "Caminhos do Coração" atingiu anteontem, durante Barueri x Corinthians na Globo, média de 22 pontos, contra 20 da Globo no horário (22h21/ 23h18). Foi a primeira vez que um capítulo de novela da Record bateu a Globo. No intervalo do jogo, chegou a abrir 12 pontos de vantagem.

CINZAS 2 Na média de todo o jogo, o Corinthians foi líder no Ibope, com 21 pontos, contra 20 da Record. Já o amistoso da seleção rendeu 28 pontos.  

No "Esporte" 

Mutantes desbancam time na TV

EDUARDO OHATA
DA REPORTAGEM LOCAL

Como se não bastasse penar em campo, o Corinthians perdeu anteontem à noite seu status de sólida atração de TV. Os mutantes da novela ""Caminhos do Coração", da Rede Record, relegaram a partida com o Barueri, exibida pela Globo, para a segunda posição em audiência, segundo os números do Ibope.
Se na média a novela, que se estendeu das 22h21 às 23h18, superou a partida por 22 pontos a 20, em alguns momentos a vantagem da emissora paulista chegou a 12,3 pontos, na contagem minuto a minuto. A transmissão do jogo teve início às 21h45 e terminou às 23h45.
Só quando o capítulo com as aventuras de Marcelo (Leonardo Vieira), Maria (Bianca Rinaldi) e a trupe de mutantes genéticos envoltos em uma trama misteriosa terminou é que a audiência da Globo subiu de 17,3 para 20,1. Já os números da Record foram de 21,7 para 14,9. "Caminhos do Coração" vem crescendo, não é uma novidade. E o interesse só deve aumentar com a introdução de personagens como o dinossauro e o minotauro", comemorou o gerente nacional de comunicações da Record, Ricardo Frota.
"A quarta-feira [dia em que a Globo tradicionalmente transmite jogos] é um bom dia para a novela em termos de Ibope", completou Frota, ao insinuar que o futebol se torna um ponto vulnerável na programação da Globo.
Procurados pela reportagem, executivos da Globo não se pronunciaram sobre o revés. Marcelo Campos Pinto, executivo da Globo Esportes, alegou estar ""de férias". Já Luiz Fernando Lima, diretor de esportes da emissora carioca, não respondeu às mensagens deixadas em seu celular. Globo e Record disputam os direitos de competições esportivas. Além de ter garantido a Olimpíada-2012, a Record tentou os direitos da F-1 e do Paulista e Brasileiro de futebol, hoje com a Globo.
Segundo a Folha apurou, dirigentes corintianos classificam o episódio como isolado, causado pelo feriadão de Carnaval, quando muitas pessoas deixam de ver TV. No Parque São Jorge circulou ainda a tese de que os números do Ibope poderiam ter sido manipulados para minar o poder de negociação do Corinthians em relação a suas partidas na Série B. 

Colaborou EDUARDO ARRUDA, da Reportagem Local

Por Juca Kfouri às 13h52

Carta ao técnico Nikita

Por ROBERTO VIEIRA

Nadei pelo Náutico na década de 70. Nunca fui um grande nadador, mas gostava das piscinas, amava o clube, admirava as extraordinárias Adriana Salazar e Maria de Fátima, recordistas sul americanas e tinha orgulho de fazer parte de um grupo comandado por Nikita.

Nikita que chegou a dividir a mesma piscina com o fenomenal Mark Spitz.

O depoimento da nadadora Joana Maranhão referindo ter sido abusada sexualmente por um treinador do Clube Náutico Capibaribe aos nove anos de idade é estarrecedor. Provoca indignação e desejo de justiça. A confirmação do fato pelos seus pais e pelo seu treinador atual, Nikita, nos leva a um outro ponto: Quem foi o responsável por tal barbárie? Quantas outras crianças foram vítimas deste monstro?

Entendo perfeitamente o silêncio das vítimas. Apenas uma pequena parte dos casos de abuso infantil é denunciada. Chaga que permeia todas as camadas da sociedade, indiscriminadamente atingindo ricos e pobres, o terror se dissemina pela vergonha que o cerca. Pelo silêncio das crianças. Pela sensação de solidão e abandono.

Durante anos convivi com as crianças, vítimas de espancamentos e abusos sexuais, que davam entrada no Hospital da Restauração. Queimaduras de cigarros, fraturas orbitárias, medo e angústia. A última vítima foi uma menininha de seis meses. Surrada impiedosamente pelos pais. Quase morta. Todos eram denunciados às autoridades competentes.

Portanto, e exatamente por admirar o técnico Nikita, venho aqui solicitar um favor.

Seria muito importante para a sociedade conhecer o nome do técnico que cometeu tais atos infames com Joana Maranhão. Não para resgatar o passado, embora ele deva ser punido exemplarmente no presente. Porém, para impedir que o mal se propague no futuro.

Para evitar que a sombra da dúvida se espalhe sobre os outros treinadores do clube na época. Treinadores honestos que neste momento estão sob suspeita.

Nesse exato instante, uma outra criança pode estar enfrentando indefesa a sua própria noite de terror. É nosso dever protege-la.

Quem foi o culpado?

Por Juca Kfouri às 11h35

Empate técnico

Rigorosa divisão entre os 690 blogueiros que votaram: 50,58% concordaram com a escalação de Marcos e 49,42% discordaram.

Mais ou menos como na própria direção alviverde, onde até na Comissão Técnica houve quem discordasse e tentasse convencer Luxemburgo de que era um erro.

Por Juca Kfouri às 11h28

Romário se arrumou

Romário deu entrevista exclusiva ao repórter Clayton Conservani, da TV Globo, na qual chama, acredite, Eurico Miranda de pai, "meu pai dentro do futebol" (confira em www.globoesporte.com).

Romário perdeu a última gota de amor próprio que lhe restava e admitiu encerrar sua carreira, mais que encerrada, com a camisa vascaína, como acaba de mostrar o "Jornal da Globo".

De falso rebelde, Romário virou mico amestrado.

E pensar que o "Globo Esporte" de ontem, fora de contexto e com descabido exagero, mas, certamente, com boa intenção, quis comparar o gesto dele ao de João Saldanha, que enfrentou um ditador sanguinário chamado Garrastazu Médici ao dizer que ele escalava o time e o general o ministério.

Romário foi um jogador extraordinário, único dentro da área.

E se calado não chega a ser um poeta, deixa de ser, ao menos, um péssimo exemplo.

Mas que terá o fim que merece, embaixador da CBF na Copa de 2014, peixe de Eurico Miranda e de Ricardo Teixeira que, talvez, amanhã venha a chamar de "minha mãe dentro do futebol."

Porque quem nasce para Romário não chega nunca a ser Zico.

Só resta a este blogueiro se desculpar com Luís Felipe Scolari por tê-lo criticado tanto quando não levou a peça à Copa de 2002.

Por Juca Kfouri às 01h01

O interior dá as cartas em São Paulo

Nas duas últimas rodadas do Campeonato Paulista, o único grande que venceu foi o Santos.

Na rodada do fim de semana, o Corinthians empatou com o Mirassol, o São Paulo com a Ponte Preta, o Santos com o Paulista e o Palmeiras perdeu do Noroeste.

Na rodada deste meio de semana, o Corinthians empatou com o Barueri, o São Paulo com o São Caetano, o Palmeiras perdeu do Guaratinguetá e o Santos, enfim, ganhou do Marília.

O resultado do desempenho pífio dos grandes está estampado nas quatro primeiras colocações do campeonato que, se terminasse hoje, com sete rodadas, teria como semifinalistas o Guaratinguetá, a Ponte Preta, o Noroeste e o Ituano.

Ao contrário da Taça Guanabara que foi concebida neste ano para classificar os quatro grandes da cidade do Rio de Janeiro, em São Paulo quem predomina é o interior, sem que isso diga muita coisa, pelo menos por enquanto.

Por Juca Kfouri às 00h01

07/02/2008

Aleluia, o Santos ganhou!

O Santos acaba de ganhar do Marília, na Vila Belmiro, gol de Kléber Pereira, aos 33 do segundo tempo, depois de ganhar um presentaço de um zagueiro do MAC.

Foi um jogo maluco, com os dois times perdendo gols imperdíveis, às vezes por causa de Fábio Costa, às vezes por ruindade mesmo.

Mas o Santos foi o único grande a vencer no Campeonato Paulista em duas rodadas seguidas.

E daí?

Daí que o Santos não está mais no grupo dos rebaixados.

Não é nada, não é nada, não é nada mesmo...

Por Juca Kfouri às 22h26

"Domingo eu vou ao Maracanã"...

*Por Luiz Carlos Vailati Júnior

De férias, fui de Santa Catarina, mais precisamente Itapema, para o Rio de Janeiro. Passear.

Só eu não: minha esposa, eu, meu filho de seis meses (veja bem, seis meses) e a família de meu cunhado (ele, a esposa e dois filhos, adolescentes e estudantes, com 17 e 14 anos).

Sou vascaíno.

Meu cunhado, fluminense.

Meu filho ainda não decidiu.

Todos os outros, flamenguistas.

Como eles estavam em maioria, escolhemos o jogo Flamengo e Duque de Caxias para assistir.

No Maracanã.

Era domingo, 27-1-2008.

Chegamos às bilheterias do estádio por volta das 17h15min.

O jogo era às 18h10min.

Só alegria.

Meu sobrinho, Daniel, 14 anos, flamenguista doente, estava maravilhado (não que os outros flamenguistas não estivessem, mas, ele, em especial, chamava mais a atenção).

Fomos comprar os ingressos: em tese, seriam quatro inteiras, para os adultos, e duas meias, para os adolescentes, que são estudantes.

Fila. Muita fila. Esperamos.

Com certo estresse, é verdade, pois há sempre uns "furões" mal-educados que querem levar vantagem. Mas, até ali, tudo era festa.

Mas, pra nossa surpresa, estávamos enganados quanto ao número de ingressos a serem comprados.

Redondamente enganados.

Quando chegou a nossa vez, fiquei estupefato: tive que comprar ingresso para o meu filho de seis meses.

Isso mesmo: fui obrigado a comprar ingresso para um bebê de colo, que obviamente não iria sentar na arquibancada imunda e mal cuidada do Maracanã, para poder assistir ao jogo.

Até me deram uma alternativa: comprar o ingresso das cadeiras azuis, que custa o dobro do preço das cadeiras amarelas onde ficamos.

Nesse caso, meu filho estaria isento, mas eu teria que desembolsar mais.

Sem comentários.

Pior de tudo, ainda, foi a explicação de um funcionário da Suderj: "Aqui, saiu da barriga, já paga".

Vergonha!

Indignação é o menor dos sentimentos que tive naquele momento.

Senti-me roubado.

Não só eu, mas todos os pais das crianças que tiveram que pagar para assistir ao jogo.

Reclamei na ouvidoria do estádio. Até agora ainda não me responderam. Segundo a atendente, eu não era o primeiro que estava ali naquele dia. Vou esperar. Mas, com certeza, isso não ficará assim.

Esse é mais um dos motivos para os estádios brasileiros estarem se esvaziando. E ainda querem organizar uma Copa. Pior: querem a final da Copa. Quem sabe, até lá, mulher grávida já esteja pagando duas entradas...

*Servidor Público da Justiça Federal de Santa Catarina e freqüentador assíduo do seu Blog.

Por Juca Kfouri às 22h10

Flamengo segue 100%

Nem bem o jogo começou no Maracanã, e Juan, no primeiro minuto, fez 1 a 0 para o Flamengo, depois que Luizinho cruzou pela direita e Souza escorou de cabeça para ele arrematar.

Melhor começo, impossível.

Aos 25, outra vez Souza faz boa jogada, agora pela esquerda e dá para Tardelli fazer 2 a 0, seu primeiro gol com a camisa rubro-negra, logo na estréia.

E as coisas seguiam como o Flamengo queria até que, aos 38, o zagueiro Rodrigo caiu de mau jeito e fraturou o braço.

Para piorar, aos 44, o Voltaço descontou.

Sinal de segundo tempo mais quente do que queria o time da Gávea.

Verdade que não foi nem tão quente, mas aos 30, por pouco, o Voltaço não empatou.

E, aos 36, não fosse o goleiro Bruno e teria empatado.

Mas o que é do homem o bicho não come.

Seis vitórias em seis jogos, o Fla segue seguro e pega o Flu no domingo.

Por Juca Kfouri às 21h25

Santo empate? Santo?!

São Paulo e São Caetano fizeram um primeiro tempo quase modorrento.

O tricolor tinha a bola, mas pouco ameaçou, embora tenha chegado umas quatro vezes com algum perigo.

Já o Azulão só se defendia.

O começo do segundo tempo, no entanto, mudou o panorama.

Era lá e cá, mais para o São Caetano, que teve ótima chance com Douglas, aos 4, rente à trave e, aos 6, Canindé fez Rogério fazer ótima defesa.

E o time do ABC, com Douglas, até bola no travessão mandou, aos 9.

Aos 14, de calcanhar, Adriano viu o goleiro Luiz frustrar o que seria um belo gol.

Em seguida, Carlos Alberto entrou no lugar de Júnior.

Até que, aos 30, depois que Reasco cruzou mal uma bola que acabou indo a escanteio, Jorge Wagner bateu muito bem o escanteio e Adriano enfiou a cabeça na bola para abrir o marcador.

Três minutos depois, novamente Canindé pegou forte de fora da área, de esquerda, a bola desviou, passou pelo corpo de Rogério que precisou se desdobrar para fazer grande defesa.

No lance seguinte, Zé Luiz derrubou Luan que acabara de entrar exatamente no lugar de Canindé e o árbitro deu o pênalti.

Douglas bateu e empatou, aos 36.

O São Paulo foi à luta, porque o São Caetano é sempre um obstáculo na vida dos grandes.

Aos 41, falta perigosa, quase no bico da área, pela esquerda.

Rogério bate e não faz seu primeiro gol em 2008, porque Luiz impediu.

E os poucos mais de seis mil pagantes foram embora meio frustrados do Morumbi, maldizendo o São Caetano, que adora incomodar o São Paulo, ainda invicto, mas devendo e, agora, fora do G-4, que tem Guaratinguetá, Ponte Preta, Noroeste e Ituano.

Por Juca Kfouri às 21h24

Feltrin explica

Acabo de conversar com o jornalista Ricardo Feltrin.

A explicação dele é singela:

1. "Com os números do Ibope cada um faz a conta que mais interessa";

2. "O que é fato, consolidado, é que, enquanto a novela esteve no ar, na média, a Globo perdeu de 22 a 20."

É verdade, também, que somada a audiência da Bandeirantes, o futebol ganhou, mas o que Feltrin chamou a atenção foi para o fato de que, "pela primeira vez, desde a histórica novela "Pantanal", da extinta Manchete, uma novela bateu a Globo".

Por Juca Kfouri às 20h43

Do blog do Citadini

A informação do jornalista Ricardo Feltrin -do UOL- é furada.

Nada disso ocorreu na noite de ontem.

Vejamos os números oficiais da audiência,conforme publicado no sitio do Chico Lang:

Hora........................Globo......................Record

21,45.......................25..........................17

22............................23.........................20

22,15.......................22..........................22

22,30.......................19..........................23

22,45.......................17..........................23

23...........................18..........................21

23,15.......................20.........................16

23,30.......................19..........................14

Onde está a goleada?

O futebol ganhou da novela.

A queda ocorre no intervalo e quando ficam mostrando gols de outros times.

Por outro lado a partida do Corinthians também foi transmitida pela Bandeirantes, que deu o tempo todo 5, 6 e até 7 pontos.

Não entendi esta noticia. Estou certo que o jornalista retificará a barriga dada.


Por Juca Kfouri às 19h58

E viva o campeonato estadual!

Corinthians faz Globo levar tombo histórico no Ibope

Ricardo Feltrin
Colunista do UOL News

A transmissão do jogo Corinthians x Barueri (1 a 1) jamais será esquecida pela Rede Globo.

E a lembrança será dolorosa, segundo os dados de Ibope, antecipados nesta quinta-feira por Ooops!.

De acordo com o "minuto a minuto", o jogo teve uma das piores audiências já registradas em um jogo de futebol exibido pela Globo, em São Paulo.

Assim que acabou o primeiro tempo da partida, o "placar" do ibope registrava 15 pontos para a Globo e incríveis 27 pontos para a Record --que exibia a novela dos mutantes doidos, "Caminhos do Coração", de Tiago Santiago.

A novela "Caminhos do Coração" venceu a Globo do começo ao fim, 22 a 20 (22h21 e 23h18).

Foi a primeira vez que uma novela da Record derrotou a Globo em um capítulo completo.

Ou seja, na mesma noite que a Globo viu o fundo do poço, a Record registrou o maior pico de audiência em uma novela, e talvez a maior média, desde que a rede foi adquirida pelo bispo Edir Macedo, quase 20 anos atrás.

Os dados acima, antecipados por Ooops! foram confirmados oficialmente no início da tarde desta quinta-feira.

Por Juca Kfouri às 13h09

Está na 'Folha', de hoje



Ministro leva mulher, babá e filha a hotel e paga com cartão

Orlando Silva diz que valor de hospedagem de quatro dias no Rio foi o mesmo caso tivesse ficado sozinho; pasta do Esporte faz retificação em agenda oficial

LUCAS FERRAZ
DA SUCURSAL DE BRASÍLIA

O ministro Orlando Silva (Esporte) usou o cartão corporativo do governo para pagar diárias em um hotel quatro estrelas em Copacabana, no Rio, onde esteve hospedado na companhia da mulher, da filha e de uma babá da criança.
Silva, que admitiu que o cartão em seu nome pagou a despesa, alegou que o valor seria o mesmo caso ele estivesse se hospedado sozinho. "Todos, inclusive a babá, se acomodaram no mesmo apartamento que o ministro se hospedaria", diz nota do ministério.
À Folha, uma funcionária do hotel afirmou que o ministro costuma se hospedar no local, com ou sem a família. Contou ainda que o próprio Ministério do Esporte, encarregado por fazer a reserva, comunica em um "papel timbrado" se é para instalar um berço no quarto. A reserva teria sido feita por uma servidora da pasta, hoje responsável pela agenda de Silva.
O ministro ficou hospedado com a família e a babá no Plaza Copacabana Hotel entre os dias 14 e 18 de dezembro -de sexta a terça. Sua agenda na internet informa que ele teria compromisso apenas na segunda, dia 17. A assessoria, contudo, enviou outra agenda, por e-mail, em que o ministro não teria tido compromisso oficial apenas no sábado.
"Para reduzir custos, o ministro optou por não fazer deslocamentos para não onerar mais o Tesouro", respondeu a assessoria do ministério.
O valor da hospedagem no período, segundo extrato do cartão, disponível no Portal da Transparência (www.portaltransparencia.gov.br), foi de R$ 2.791. O hotel informou à reportagem que, só de diárias, o ministro do Esporte pagou R$ 1.228,92. Mas a quantia não incluía, segundo a funcionária, a despesa com outras "janelas", como alimentação e frigobar.
A Folha não conseguiu confirmar o total, pois a gerência disse que tais dados só podem ser passados ao próprio Silva. O hotel não informou se o ministro recebeu desconto. Os valores, como diz o atendimento do próprio Plaza Copacabana, são diferentes para os quartos simples, duplo ou triplo.
Em valores atuais -o preço foi reajustado na virada de 2007 para 2008-, a diária no "standard" -quarto em que o ministro teria ficado-, incluindo as taxas (de 15%), é de R$ 291,06 para um quarto simples -já descontado o valor ao qual ele tem direito, já que o hotel possui convênio com o governo federal. Num duplo, o valor vai para R$ 332,24, enquanto em um quarto triplo o hotel afirma acrescentar 25% sobre essa quantia -portanto, R$ 415,30. No ano passado, a diária de um quarto simples era de R$ 240, enquanto do duplo era cobrado R$ 266.
O Plaza integra a Windsor, rede hoteleira na qual um de seus hotéis, na Barra, foi escolhido o oficial dos jogos Pan-Americanos, evento ligado ao ministério de Silva.
Desde maio de 2006, quando passou a usar o cartão corporativo, Silva gastou, até dezembro do ano passado, R$ 34.378,37. Desse total, quase 50% (ou R$ 16.436,91) foram gastos em hotéis da rede Windsor. No sábado, ele declarou que devolverá à União quase R$ 31 mil gastos com o cartão, mas afirmou que vai pedir o ressarcimento caso a CGU (Controladoria Geral da União, que o investiga) não encontre irregularidades.

Por Juca Kfouri às 13h07

Luxemburgo acertou ou errou com Marcos?

Nossa nova sondagem: Vanderlei Luxemburgo fez bem ou fez mal ao escalar Marcos no gol do Palmeiras ontem?

Por Juca Kfouri às 12h59

Pobre Lazaroni

A Seleção de 1990 ganhou, com ampla vantagem sobre a de 2006, o título de pior seleção brasileira de todos os tempos em Copas do Mundo.

Dos 2685 votantes, 48,42% a indicaram, contra 38,21% que ficaram com a de 2006.

O time de 1966 ficou com 10,80% e o de 1986 com apenas 2,57%, fora os protestos de quem achou um absurdo que aquele time estivesse relacionado.

Por Juca Kfouri às 12h57

Convocação da nação rubro-negra

Por Juca Kfouri às 00h57

Previsível Taça Guanabara

A rodada no Rio só chamou a atenção pelo episódio com Romário.

Com seus reservas, o Botafogo ficou no 1 a 1 com o Cabofriense e garantiu o primeiro lugar no grupo.

O Vasco, a duras penas, ganhou da Friburguense por 2 a 0.

E o Fluminense fez um treino de luxo e enfiou 6 a 1 no América.

O Fla-Flu de domingo, graças à burrice da cartolagem, virou um amistoso.

E as semifinais devem reunir Botafogo x Fluminense e Flamengo x Vasco.

Surpreendente, não?

Por Juca Kfouri às 00h02

06/02/2008

O Corinthians não encanta nem desencanta

O jogo nem bem havia começado em Barueri e Acosta, aos 4, perdeu gol feito para o Corinthians.

O alvinegro seguiu em frente, com o domínio do jogo, mas o Barueri ameaçava.

Até que, depois de escanteio,aos 30, Ávalos fez 1 a 0 para o Barueri.

Fazia quatro jogos que o Corinthians não tomava um gol.

Cinco minutos depois, no entanto, o Corinthians que não fazia um gol havia três partidas, empatou com Dentinho, chutando cruzado.

Só que o primeiro tempo terminou com o time da casa exigindo duas grandes defesas de Felipe.

E o segundo começou com o Barueri melhor que o Corinthians.

Aos 17, Mano Menezes tirou o uruguaio Acosta e botou o argentino Herrera, além de, em seguida, botar Bóvio no lugar de Bruno Octavio.

Aos 20, de taquito, por pouco o argentino não fez um golaço.

Lulinha também teve boa chance mas não conseguiu fazer seu primeiro gol como profissional.

O 1 a 1 acabou justo.

E péssimo para o Corinthians, que não ata nem desata, embora lute, e muito. 

Em tempo: Ávalos fez uma falta criminosa em Lulinha e não foi expulso de campo, como deveria.

Por Juca Kfouri às 23h40

Guaratinguetá arrasa o Palmeiras

O Palmeiras mandava no jogo em Rio Preto, criara pelo menos quatro boas chances de gol até que, aos 26 minutos, no primeiro ataque do líder Guaratinguetá, Pierre derrubou Dinei na área e Michel abriu o placar.

O Palmeiras não se desesperou e seguiu mandando no jogo, mas, aos 37, Alê bateu falta, também cometida por Pierre.

O goleiro Marcos, que voltava depois de 11 meses ausente, parece ter prendido o pé de apoio ao tentar a defesa e sofreu o segundo gol.

Aí ficou duro, ficou duríssimo.

E bote duro nisso.

Tanto que o Palmeiras pouco conseguiu para ameaçar uma virada.

E quando conseguia, encontrava uma barreira no goleiro Fábio Santos, com 2 metros de altura, Lenmny que o diga.

Como desgraça pouca é bobagem, o Guaratinguetá ainda fez 3 a 0, aos 36, outra vez com Michel.

Resultado: o Palmeiras caminha a passos largos para seu 13o. ano de fila no Campeonato Paulista e, conforme os resultados desta quinta-feira, pode ir para a zona de rebaixamento.

E o Guaratinguetá conseguiu sua sexta vitória seguida, apenas uma derrota, na estréia, para o São Paulo.

Por Juca Kfouri às 23h38

Furacao 2

O Atlético Paranaense ganhou sua nona partida seguida no campeonato estadual.

O Paranavaí foi a vítima de vez: 4 a 0, dois de Marcelo Ramos, dois de Willian.

Faltam só duas vitórias para igualar a marca de 1949, quando o rubro-negro ganhou o apelido de Furacão.

Por Juca Kfouri às 23h34

Adeus, Cerro Porteño

Com três minutos de jogo em Assunção, o Cruzeiro, com o zagueiro Thiago Heleno, fez belo gol no Cerro Porteño e praticamente garantiu sua passagem à próxima fase da Libertadores.

Com boa atuação e sob as tradicionais e criminosas pedradas paraguaias, ao faltarem três minutos para o primeiro tempo terminar, o Cerro empatou.

Prenúncio de um segundo tempo tenso.

Menos mal que logo aos 9 minutos Marcelo Moreno bateu bem um pênalti cometido pelo goleiro em Ramirez e tranquilizou a vida brasileira.

Em seguida, aos 12, o próprio Ramirez fez 3 a 1 e o Cruzeiro repetia o placar do Mineirão, soberano.

O Cerro ainda descontou, mas só por honra da casa, porque a classificação estava muito bem definida.

E aos 24 minutos o árbitro interrompeu a partida por falta de segurança, tanta coisa era arremessada no gramado do Defensores del Chaco.

Batismo de fogo para o jovem, e competente, time mineiro.

Por Juca Kfouri às 23h27

Suspenso e desautorizado, Romário encerra a carreira

Quando alguém sugeria ao baixinho Romário que era hora de ele encerrar a carreira por cima, sua reação era sempre a mesma, com quatro pedras nas mãos.

Pois ele mesmo a encerrou hoje, porque Eurico Miranda determinou que escalasse Alan Kardec em vez de Abuda, como pretendia.

"Minha história no Vasco acabou", disse um dos melhores jogadores que o mundo já conheceu.

Acabou assim, de maneira melancólica, com ele ainda por cima cumprindo suspensão por doping.

Romário merecia mais.

Muito mais.

Mas quem sabe tenha aprendido uma lição para o resto da vida: o cartola vascaíno se julga acima de tudo, maior do que ele e do que o Vasco, que diz respeitar, mas do qual vive há mais de 20 anos.

Por Juca Kfouri às 21h54

O Brasil mereceu ganhar de mais

A Irlanda com seus onze armários estava em campo para não perder.

O Brasil, com muitos baixinhos, para se divertir, apesar do frio que não faz graça em Dublin.

E até que Diego, Robinho e Júlio Baptista, o nosso armário, brincaram bem, embora sem botar o adversário em risco.

Nas laterais, nem Leonardo Moura nem Richarlyson jogaram tão à vontade como em seus clubes e o fortão Luís Fabiano exagerou nas situações em que foi pego em impedimento.

Josué, outro baixinho, jogava bem, sem a colaboração, como tem sido habitual, de Gilberto Silva.

E Júlio César, Alex e Luisão, nossos outros três grandões, davam conta do recado.

O resultado de empate sem gols ao fim do primeiro tempo fazia sentido, embora não tenha sido daqueles que dão sono.

A esperança no segundo tempo era a de ver o maior número possível de jogadores olímpicos.

Esperança frustrada com volta do mesmo time no segundo tempo.

Que já não teve a mesma superioridade brasileira, embora Luís Fabiano, aos 16, quase tenha aberto o placar, em belo chute, na primeira jogada realmente aguda da partida.

Aos 20, em combinação do Leo Moura, quase que, outra vez, o artilheiro do Sevilla marca.

E, aos 21, Robinho fez justiça com os próprios pés e abriu o placar, depois de receber de Diego no contra-ataque, gol simples, singelo, entre as pernas de um defensor irlandês, no cantinho do gol.

Primeira vitória brasileira em Dublin em seu terceiro jogo na capital da República da Irlanda que, como se sabe, fica longe da capital da China.

Até porque quando o olímpico Anderson entrou em campo, aos 30, foi no lugar do único olímpico que atuava, o meia Diego.

Lucas e Rafael Sóbis também entraram nos lugares de Josué e Luís Fabiano, mas faltando menos de 10 minutos para o fim do jogo. 

Notas

Júlio César, Alex e Luisão, foram bem, sem sustos: 7

Leonardo Moura sentiu a estréia, não marcou bem e não apoiou como sabe: 5,5

Richarlyson também sentiu, mas se saiu melhor que o rubro-negro: 6

Gilberto Silva continua devendo: 5,5

Júlio Baptista divide opiniões, mas agrada ao blogueiro: 7

Josué se movimentou e passou bem: 7,5

Diego e Robinho se divertiram e divertiram a torcida: 8

Luís Fabiano esteve distraído, severamente vigiado, com duas boas conclusões a gol: 6,5

Anderson, Lucas e Sóbis jogaram muito pouco tempo para serem avaliados.

Dunga podia ter pensado menos em ganhar o jogo e mais nos Jogos Olímpicos de Pequim: 6

Por Juca Kfouri às 19h41

Mais um recorde de Djan Madruga

O ex-nadador Djan Madruga ficou célebre nos anos 70/80 por conseguir marcas que a natação brasileira havia muito tempo não conseguia.

Desde maio do ano passado ele é Secretário Nacional de Esportes e responde diretamente ao ministro do Esporte, Orlando Silva.

Em setembro de 2006, por sinal, Madruga filiou-se ao PCdoB, o partido do ministro.

E acaba de bater mais um recorde: gastou, só em 2007, R$ 39.785,86 em diárias pagas pelo erário.

Apenas a título de comparação, o ministro Orlando Silva recebeu em 2007, por conta de diárias pagas, pouco mais de 8 mil reais (R$ 8.055,25).

Ou seja, Madruga conseguiu a proeza de receber cinco vezes mais que o próprio ministro em diárias pagas.

Talvez seja porque tenha de se dividir entre sua escola de natação, no Rio, e o trabalho no ministério, em Brasília.

Por Juca Kfouri às 15h08

Papel de ahmak

Por ROBERTO VIEIRA

 

- Quem?

- O próximo da lista,quem é?

- Bobô.

- Esse já parou de jogar, cara!

- Não, aquele que era do Corinthians.

Silêncio.

- Bobô, do Besiktas!

Mais silêncio.

- Acho que fomos longe demais!

- Deixa disso, ninguém se importa mais com quem a gente chama. E hoje é dia de carnaval.

- Não é bem assim. O pessoal investiga, critica...

- O empresário jurou de pés juntos que o Bobô é fera. E se o goleiro se machucar ele pega no gol. Aliás, ele é melhor goleiro que artilheiro. Um Rogério Ceni melhorado.

- A gente vai fazer papel de idiota.

- Qualquer coisa a gente marca um amistoso com a Argentina.

O nome foi anotado na convocação. O empresário agradeceu emocionado. Todo mundo ficou feliz na Irlanda.

E a gente segue fazendo papel de ahmak.

Por Juca Kfouri às 00h57

Acabou-se o nosso Carnaval. Vamos falar de quê?

 

A LÍNGUA E O FATO

Por CARLOS DRUMMOND DE  ANDRADE

Precisamos dar um nome português a este desporto.

De resto, o nome genérico nem tem cara de vernáculo.

Lincoln, de latim provido, hesita entre bulopédio e globipédio.

Afinal define-se por ludopédio no jornal oficial.

Aprovado o lançamento por força de lei mineira não assinada mas válida, eis que súbito estraleja barulho estranho lá fora.

A redação se interroga.

Que foi?

Que não foi?

Acode o servente noticioso e conta que espatifou-se a vidraça da fachada por bola de futebol.

Por Juca Kfouri às 00h31

05/02/2008

Quem não tem Pato ataca de Bobô

Dunga perdeu Pato para o amistoso de amanhã contra a Irlanda, em Dublin, e convocou o ex-corintiano Bobô.

Bobô teve um começo de carreira promissor e foi um dos responsáveis pela conquista da Taça São Paulo, pelo Corinthians, em 2004.

No time principal, no entanto, ficou famoso pelos gols que perdia e acabou indo embora do Brasil.

Hoje é ídolo do Besiktas, onde foi vice-campeão turco no ano passado.

Até no gol já jogou na equipe turca, numa partida em que entrou no segundo tempo, fez o gol da vitória e a defendeu com as mãos nos últimos 10 minutos, por causa da expulsão do goleiro.

Consta que tenha feito, pelo menos, três defesas difíceis.

Pelo Besiktas, Bobô jogou 89 vezes e marcou 44 gols, quase meio gol por jogo.

Ele tem idade para jogar em Pequim nos Jogos Olímpicos e vai ter de provar que não é um novo Afonso, outra das apostas de Dunga que ninguém avalizou.

O ex-atleticano, ao menos, trocou o futebol holandês pelo inglês e se é verdade que não tem mais bobo no futebol, a Seleção de Dunga tem Bobô, disposto a não pagar o pato ou não virar mais um mico.

Será uma surpresa se conseguir.

Por Juca Kfouri às 01h17

04/02/2008

Carnaval é cultura

Não deixe de ver o filme francês "A culpa é de Fidel", dirigido por Julie Gavras, filha do grande diretor grego Costa-Gavras.

Mas, principalmente,  não perca o alemão "A vida dos outros".

"O gângster", produzido nos Estados Unidos, e dirigido pelo brilhante inglês Ridley Scott, também é muito bom.

Mas passe longe do romeno  "Quatro meses, três semanas e dois dias".

Não é que o filme seja ruim, ao contrário.

Foi, aliás, premiadíssimo, com a Palma de Ouro, em Cannes, inclusive.

Mas é tanto sofrimento e é tão pesado ver um aborto filmado em seus mínimos detalhes que, cá entre nós, pulei fora do cinema, coisa raríssima.

No mínimo, não tem nada a ver com o clima de Carnaval.

Se bem que, pra falar bem a verdade, os três filmes sugeridos também não têm...

Por Juca Kfouri às 21h01

Qual foi a pior Seleção Brasileira?

Dos 938 blogueiros que responderam, 86,89% acham que Dunga deve escalar o time olímpico contra a Irlanda, nesta quarta-feira, em Dublin.

E o nosso José Roberto Torero, cumprindo o que ameaçou, está lançando a Copa dos Pesadelos II, entre as piores Seleções Brasileiras que disputaram Copas do Mundo (http://blogdotorero.blog.uol.com.br/).

Tarefa ingrata esta, a de escolher as piores, porque dentre as que não venceram, quem viu e está vivo para opinar os times de 1930, 1934, 1950 e 1954?

Sem se dizer que temos aí, segundo lemos, grandes equipes.

Seja como for, e para acender ainda mais a discussão proposta pelo Torero, vamos lá: que Seleção Brasileira foi pior em Copas do Mundo?

A de 1966, 1986, 1990, 0u 2006? 

Por Juca Kfouri às 20h49

Domingo de cinzas para Dunga

Desta vez a sorte foi madrasta com Dunga.

Se ele pretendia testar o time olímpico do Brasil no amistoso desta quarta-feira contra a Irlanda, em Dublin, duas contusões atrapalharam seus planos.

Kaká e Pato se machucaram na vitória do Milan sobre a Fiorentina, ontem, em Florença, e estão fora do amistoso.

Segundo a coluna "Panorama Esportivo", do jornal "O Globo", os três jogadores com mais de 23 anos que Dunga quer levar para Pequim são Juan, Kaká e Robinho.

Kaká é o nome mais importante dos mais velhos e Pato o nome mais importante dos que têm idade olímpica.

Sem os dois, o teste perde muito.

De fato, uma pena. 

Por Juca Kfouri às 01h42

03/02/2008

Sem guereguerê

Melhor não falar nada de mais um tropeço do Santos, desta vez em Jundiaí, diante do frágil Paulista: 1 a 1.

Melhor registrar que o líder do Campeonato Paulista é o Guaratinguetá, que derrotou o Guarani por 3 a 1, no clássico Guara-Guará.

O Guaratinguetá tem 15 pontos, a Ponte Preta tem 13, o São Paulo 12 e o Noroeste 10, os quatro primeiros em seis rodadas.

Os quatro últimos são o Guarani com 6 pontos, o Santos com 5, o Paulista com 4 e o Rio Preto com 1.

Por Juca Kfouri às 20h05

O que há com Kaká?

Deve ser coincidência, mas o fato é que desde que a revista "CartaCapital" publicou que a Justiça paulista quer ouvir Kaká sobre suas relações com o casal Estevam e Sônia Hernandes, nunca mais ele jogou como vinha jogando.

Hoje, outra vez, limitou-se a dar um belo passe para Pato, que acabara de entrar no segundo tempo, fazer o gol da vitória do Milan contra a Fiorentina, em Florença.

Pato que, por sinal, aparentemente, machucou seu tornozelo esquerdo com gravidade e não terminou o jogo.

Já o casal Hernandes, como se sabe, está preso nos Estados Unidos e é investigado no Brasil por evasão de divisas, sonegação fiscal etc e tal.

Há quem acuse o Ministério Público de São Paulo de estar querendo aparecer, muito embora não haja nenhuma declaração do Promotor de Justiça que cuida do caso.

Curiosamente, a acusação parte dos mesmos setores da nossa imprensa que misturam cerveja com fé e convivem promiscuamente com empresários de atletas, que também patrocinam seus programas.

Os mesmos que foram fartamente responsáveis, aí sim, pelo espaço dado a Fernando Capez, quando no MP, em seu malogrado embate com a violência nos estádios.

Se não for obrigação do MP investigar como se dão as relações de uma figura pública como Kaká com casal de antecedentes tão deploráveis, quem as investigará?

O Papa?

Não, o Papa não, até por ser concorrente no dízimo.

Por Juca Kfouri às 19h29

E não se fala mais nisso, OK?

Este blogueiro mesmo andou anos convencido de que o São Paulo havia sido rebaixado no Campeonato Paulista de 1990.

Baseava-me numa entrevista do então, e de triste memória, presidente da FPF, Eduardo Farah, na qual ele garantia que o tricolor disputaria a segundona em 1991.

Mas o insistente ombudsman deste blog, Conrado Giacomini, achou a prova incontestável de que o regulamento de 1990 não previa mesmo nenhum rebaixamento.

Contra fatos não há argumentos.

http://www.saopaulofc.com.br/images/colunas/regulamento1990.jpg
 
Outra contribuição, agora do blogueiro Alexandre Amaral:
 
 

Por Juca Kfouri às 14h15

Sobre o autor

Formado em Ciências Sociais pela USP. Diretor das revistas Placar (de 1979 a 1995) e da Playboy (1991 a 1994). Comentarista esportivo do SBT (de 1984 a 1987) e da Rede Globo (de 1988 a 1994). Participou do programa Cartão Verde, da Rede Cultura, entre 1995 e 2000 e apresentou o Bola na Rede, na RedeTV, entre 2000 e 2002. Voltou ao Cartão Verde em 2003, onde ficou até 2005. Apresentou o programa de entrevistas na rede CNT, Juca Kfouri ao vivo, entre 1996 e 1999. Atualmente está também na ESPN-Brasil. Colunista de futebol de "O Globo" entre 1989 e 1991 e apresentador, desde 2000, do programa CBN EC, na rede CBN de rádio. Foi colunista da Folha de S.Paulo entre 1995 e 1999, quando foi para o diário Lance!, onde ficou até voltar, em 2005, para a Folha.

Histórico