Blog do Juca Kfouri

Tabelinha com Juca

Segundas-feiras, às 15h

26/07/2008

Os favoritos perderam

Faltou futebol no sábado à noite, como já havia faltado à tarde.

Mas o três favoritos, Inter, Flu e Náutico, perderam.

O Inter foi a maior decepção, ao perder para o ex-lanterna Ipatinga (o Santos assume o lugar), no Ipatingão.

Sim, o jogo foi fora de casa e o time mineiro roubou pontos também do São Paulo, e no Morumbi, ao empatar com o tricolor.

Mas não importa.

A  ascensão colorada o obrigava a sair de Minas com a vitória e a derrota, gol de Beto, aos 32, em rebote de bola na trave, afeta a confiança que já se depositava no Inter que, além do mais, perdeu, por contusão, seu melhor jogador, o faz tudo Alex.

Foi nada menos que a quinta derrota do Inter fora de casa em oito jogos, sem nenhuma vitória.

Assim, não há tetra possível, menos difícil é imaginar o tri do rival Grêmio.

No Maracanã, em compensação, o Cruzeiro não decepcionou, ao contrário.

Levou o 1 a 0 do Fluminense em pênalti sofrido e convertido por Washington, mas soube virar ainda no primeiro tempo, com gols de Guilherme e Fabrício, de falta, aos 36 e 39 minutos.

No fim, aos 40, Wagner ainda fez 3 a 1 e deixou o Flu lá embaixo, perigosamente lá embaixo.

O Flu foi uma piada e se sente a falta dos Thiagos, a falta que Ramires faz ao Cruzeiro não é menor, razão pela qual o tricolor não tem do que reclamar a não ser de si mesmo.

O Cruzeiro teve o reforço da ausência de Espinoza, uma avenida em sua defesa nos últimos jogos.

No Recife, nos Aflitos, Náutico e Coritiba empatavam 1 a 1 até o finzinho.

Guaru aos 41 do primeiro tempo para os paranaenses e Piauí, aos 6 do segundo, para os pernambucanos, tinham marcado os gols em jogo que o blog não acompanhou.

Mas, aos 42, Keirrisson fez o gol da excelente vitória coxa, motivo de preocupação para o Timbu.

Por Juca Kfouri às 20h15

Corinthians: duas dentadas bastaram

Felipe era o melhor corintiano em campo, pois impedia que o fraco Paraná Clube fizesse os gols que buscou mais que o visitante.

Azar dos anfitriões.

Em duas descidas do Corinthians, no segundo tempo, Dentinho tratou de fazer dois gols e dar a vitória por 2 a 0, aos 25 e 35 minutos.

Três pontos que se somam aos que nem o Juventude nem o Avaí, seus mais diretos concorrrentes, ganharam na rodada.

Quem se deu bem, também, foi a Ponte Preta, agora vice-líder, a seis pontos do Corinthians.

O Barueri, no entanto, que jogará às 20h30 em Criciúma, se vencer, chegará aos 26 pontos, assumirá a vice-liderança e ficará a cinco pontos do Timão.

Por Juca Kfouri às 18h06

25/07/2008

Recadinho aos árbitros do Brasil

Agradeço aos mais de 2000 blogueiros que votaram, ou voltaram a votar, na nossa sondagem.

E concordo com 70% deles que consideram mais grave anular um gol legal do que validar um em situação de pequeno impedimento.

Acham que é igualmente grave 25%  dos que opinaram.

E apenas 5% preferem que se anule o gol legal.

Por Juca Kfouri às 19h28

O racha no Clube dos 13

Em jantar ontem em São Paulo, os presidentes do Flamengo, Corinthians, São Paulo, Vasco e Botafogo (pelo viva-voz) fecharam questão em torno da candidatura de Roberto Dinamite à vice-presidência do combalido Clube dos 13, na vaga deixada, enfim, por Eurico Miranda.

Os outros dois candidatos que se apresentam são os presidentes do Fluminense, Roberto Horcades, que tem o apoio de Miranda, e Alvimar Perrela, do Cruzeiro.

No grupo que apóia Dinamite há apenas uma preocupação: o presidente corintiano, Andrés Sanchez, não tem se notabilizado por cumprir com a sua palavra empenhada.

A eleição é no próximo dia 29, terca-feira que vem.

Por Juca Kfouri às 12h17

Brasileirão tem novo líder, inflação de gols e muita gente nos estádios

O Grêmio assumiu a liderança do Campeonato Brasileiro em grande estilo.

Grande estilo é modéstia.

Em enorme estilo.

O Grêmio simplesmente fez 7 a 1 no Figueirense, em Florianópolis e receberá o Palmeiras no domingo que vem.

Palmeiras que passou pelo Santos por 4 a 2 e voltou ao G-4, ao desalojar o Cruzeiro.

A 14a. rodada teve nada menos que 35 gols, 3,5 por jogo, gol para torcedor nenhum botar defeito, o tipo da inflação que só dá satisfação.

E a média de público, ainda mais para um meio de semana, foi pra lá de boa: 19 mil e 539 pagantes por jogo.

O melhor público foi o do Beira-Rio, com 41 mil torcedores e o pior foi no Engenhão, com quase 10 mil.

Quer saber?

Está bom demais!

Comentário para o Jornal da CBN desta sexta-feira, 25 de julho de 2008.

 

http://blog.uol.com.br/showposts.html

Por Juca Kfouri às 00h04

24/07/2008

Grêmio goleia e lidera; Palmeiras no G-4 e Leão passa o Furacão

O Palmeiras, todo desfalcado, liquidou o Santos em 17 minutos, dos 12, quando Leandro abriu o placar, aos 29, quando o mesmo Leandro fez 3 a 0.

Entre um e outro gols, Alex Mineiro, aos 14, fizera o segundo gol alviverde.

Foram três bolas em direção ao gol santista e três gols, sempre com a colaboração de uma zaga bisonha ou de um goleiro sofrível.

Mas o Palmeiras não liquidou o Santos em 17 minutos porque, em três, aos 33 e 36, Kléber Pereira e Apodi trataram de fazer dois gols: 3 a 2.

Era demais para um primeiro tempo.

Mas não era tudo.

Porque, aos 42, o Palmeiras, de fato, liquidou com o Santos, ao fazer 4 a 2, com Gladstone, em bola cruzada por Leandro.

Leandro que, por sinal, aos 2 minutos de jogo, já tinha feito um gol igual ao terceiro, mas anulado por suposta intervenção do mesmo Gladstone.

O segundo tempo foi apenas  para constar e para devolver o Palmeiras ao G-4, no lugar do Cruzeiro, diante de mais de 21 mil pagantes em Palestra Itália, além, é claro, de manter o Santos em penúltimo lugar.

E para tirar Valdívia, terceiro cartão amarelo, do grande jogo do domingo que vem, no Olímpico diante do líder Grêmio.

Sim, o Grêmio não só venceu o Figueirense em Floripa como venceu com os pés nas costas, numa goleada impiedosa.

Que começou com Perea fazendo 2 a 0 no primeiro tempo (aos 18 e 27 minutos) e com Marcel, Perea e Reinaldo, ainda aos 24 do segundo tempo, fazendo 5 a 1.

Não satisfeito, no fim, Reinaldo ainda fez mais um, o sexto gol, 6 a 1, e mais outro, o sétimo, 7 a 1, maior goleada do Brasileirão.

Ah sim, porque o Figueira, dominado desde o princípio do jogo, achou um gol de pênalti, aos 36, com Cleiton Xavier, quando estava 2 a 0.

Celso Roth, com fama de retranqueiro, deve estar morrendo de rir.

Enquanto isso, na Ilha do Retiro, o Sport derrotava o Atlético Paranaense por 1 a 0, gol, belo gol, de fora da área depois de insinuante troca de passes, de Luciano Henrique, aos 7 do segundo tempo, em jogo que o blog não acompanhou.

O Leão tinha 15 pontos e o Furacão 16.

Agora o rubro-negro pernambucano tem 18, em 12o. lugar.

E o paranaense está em 15o., apenas um ponto acima do Galo, o primeiro da Z-R.

Por Juca Kfouri às 22h25

Agora tem senha

Outra vez, e infelizmente, nossa sondagem não estava exigindo senha para votar.

Razão pela qual recomeçou do zero.

Desculpe, novamente.

Por Juca Kfouri às 20h26

O Vitória pode!

Sim, o Vitória pode ser o campeão do primeiro turno para 63% dos 2.400 blogueiros que responderam à sondagem deste blog.

Por Juca Kfouri às 16h00

Quarta-feira de gols e mudanças no Brasileirão

Teve jogo de seis gols, como o belíssimo 3 a 3 entre Vasco e Fluminense.

Teve jogos de quatro gols, como o de outro empate em jogo eletrizante, como foi Portuguesa 2, Flamengo 2.

Ou como o da goleada do Botafogo sobre o Galo no Engenhão, 4 a 0.

E teve também dois 2 a 0 que mexeram com o campeonato.

O do Vitória, agora vice-líder, sobre o Náutico e o do Inter, que está chegando, sobre o São Paulo, com mais de 40 mil pagantes no Beira-Rio.

Além de um 1 a 0 surpreendente, como o do Goiás sobre o Cruzeiro, no Mineirão.

Em regra, bons jogos, com belos gols.

A nota destoante foi a de sempre: erros em cima de erros de árbitros despreparados.

Comentário para o Jornal da CBN desta quinta-feira, 24 de julho de 2008.

http://cbn.globoradio.globo.com/cbn/comentarios/jucakfouri.asp

Por Juca Kfouri às 01h06

Os favoritos da sondagem

Foram pouco mais de 15 mil indicações.

30,78% apontaram o São Paulo como campeão do primeiro turno;

26,52% ficaram com o Flamengo;

17,07% com o Grêmio, que pode assumir a liderança nesta quinta-feira se vencer o Figueirense;

16,98 apontaram o Palmeiras;

e apenas 8,66% acreditam no Cruzeiro.

Só que a sondagem deixou o Vitória de fora porque, quando foi ao ar, na sexta-feira passada, o rubro-negro baiano não estava no G-4.

O São Paulo também não estava, é verdade, mas tinha o Botafogo pela frente, no domingo, no Morumbi, três pontos previsíveis, ao passo que o Vitória tinha o Flamengo, e no Maracanã.

Bem, isto dito, a nova sondagem quer saber: você acredita que o Vitória possa ganhar o primeiro turno?

Por Juca Kfouri às 00h09

Noite de grandes jogos!

O Inter jogou melhor que o São Paulo o jogo inteiro e os dois gols de Nilmar, um em cada tempo, fizeram inteira justiça ao melhor desempenho colorado.

Aliás, Nilmar só não marcou três gols porque Rogério Ceni defendeu uma cabeçada dele na pequena área, o chamado milagre miraculoso.

Só que com toda a superioridade gaúcha, Dagoberto fez um gol legalíssimo quando ainda estava 0 a 0 e o bandeira marcou impedimento, em mais um crime contra o gol cometido pela arbitragem nacional.

É claro que o torcedor tricolor dirá que aquele gol mudaria a história do jogo...

Mudaria mesmo?

Provavelmente não, mas, quem sabe?

Quem mudou o resultado do jogo no Canindé foi o árbitro, responsável pelos quatro gols do jogo, dois da Portuguesa, dois do Flamengo.

A Portuguesa foi melhor, criou muito mais que o líder e fez Bruno trabalhar uma barbaridade, enquanto Sérgio praticamente só trabalhou no fim do jogo.

Os dois primeiros gols rubro-negros foram irregulares: o primeiro, o do 1 a 0, foi com a mão esquerda de Ronaldo Angelim, e o segundo, de Ibson, o do 2 a 1, depois que Tardelli tocou a mão na bola.

Já os dois gols lusos, de Diogo, de pênalti, um em cada tempo, nasceram de pênaltis que não ficaram claramente caracterizados.

O jogo não foi bom apenas, foi muito bom, mesmo depois que o Flamengo ficou sem Tardelli, expulso corretamente de campo.

E o Flamengo deve agradecer aos céus pelo empate, apesar do pênalti perdido por Ibson, aos 42, este claro, cometido em Juan, que fez um partidaço.

O goleiro Sérgio pegou o pênalti duas vezes, depois de se adiantar em ambas, mas só ter sido punido em uma.

No Rio, dois jogos.

No Engenhão o Galo cometeu um pênalti logo de cara e o Botafogo fez 1 a 0, com Lúcio Flávio.

Daí o Galo até empatou, mas teve um gol mal anulado por impedimento inexistente de Gideon, outra da arbitragem.

No segundo tempo, Triguinho ampliou para 2 a 0, Carlos Alberto fez 3 a 0 e Gil 4 a 0, para deixar o Galo na Z-R.

E, no Maracanã, lamentei não ver, mas Vasco e Fluminense empataram 3 a 3.

Edmundo marcou duas vezes e Leandro Amaral uma, acabando com a maldição da camisa 11, que já ganhava ares dramáticos depois que Leandro perdeu, no começo do jogo, o gol mais feito deste Brasileirão, debaixo da trave tricolor.

Tricolor que empatou com dois gols de Washington, um de pênalti, bem marcado, e outro de Tartá, em jogada de Somália.

Logo depois do empate, depois que o Vasco vencia por 2 a 0 e por 3 a 1, Morais foi expulso e, aos 47, Luizão salvou o que seria o quarto gol, de Dodô.

Por Juca Kfouri às 23h51

23/07/2008

Olha o Vitória aí, geeente!

O Vitória ganhou mais uma.

E outra vez com gols de Marquinhos, um menino de 18 anos de uma frieza acima da média.

Ele fez um gol em cada tempo e a vitória do Vitória foi daquelas incontestáveis.

O rubro-negro baiano voltou à vice-liderança, pelo menos por enquanto, para festa de quase 25 mil torcedores no Barradão.

Por Juca Kfouri às 22h54

Dois 1 a 0 opostos em Curitiba e em Belo Horizonte

Um gol de Carlinhos Paraíba, aos 30 do segundo tempo, foi tudo que o Coritiba precisou, e só o que conseguiu, diante do Ipatinga, em Curitiba: 1 a 0 para os donos da casa, como era obrigatório.

Era também para o Cruzeiro, diante do Goiás.

Era.

Porque Iarley fez 1 a 0 de falta, aos 40 do primeiro tempo, o Goiás ficou com 10 ainda no primeiro tempo, mas suportou os 50 minutos de pressão no segundo.

O Goiás fugiu da Z-R e o Cruzeiro que sonhou ir dormir líder foi para casa sob o eco de sua torcida fazendo galanteios aos Perrelas...

Por Juca Kfouri às 21h25

Os melhores jogos da 14a. rodada do Brasileirão

Dois jogos chamam mais a atenção na 14a. rodada do Brasileirão, que começa nesta quarta-feira com sete jogos e termina na quinta, com três:

Inter e São Paulo, hoje, às 21h50, no Beira-Rio e, amanhã, Figueirense e Grêmio, em Floripa.

O jogo de hoje soma 42 pontos e o de amanhã soma 44.

Verdade que, também hoje, no Barradão, em Salvador, tem um clássico nordestino riquíssimo, entre Vitória e Náutico, jogo que soma 41 pontos, às 20h30.

Do jogo em Porto Alegre há que se dizer que o Inter tem de abrir os olhos, porque o São Paulo tem feito questão de ganhar jogos desse tipo não é de hoje, maior razão de seu bicampeonato brasileiro.

O Inter terá as voltas de Ricardo Lopes, Edinho e Alex, mas perdeu Magrão e Marcão, além do goleiro Renan.

Felizmente, para o Inter, Gustavo Nery ainda não jogará.

Já o São Paulo fará seu primeiro jogo sem Alex Silva, seu zagueiro das bolas altas, e Hernanes, seu volante que também é meia.

Muricy Ramalho faz mistério, mas, o blog aposta, jogará com os baixinhos Dagoberto e Éder Luís na frente, sem um centroavante de referência.

Tecnicamente deve ser o melhor de todos os jogos.

Por Juca Kfouri às 00h00

Blogueiros impiedosos

Confesso minha perplexidade.

Desde que noticiamos a pesquisa da "Time" sobre quem são os melhores e os piores cartolas do mundo, nosso único representante, o presidente da CBF Ricardo Teixeira, caiu de 45 pontos, em 100 possíveis, para apenas 15.

E da 22a. colocação caiu para a última, para a 35a. posição!

Maldade.

Maldade sua, mau brasileiro que visita este blog.

http://www.time.com/time/specials/packages/article/0,28804,1820667_1821301,00.html

Por Juca Kfouri às 23h43

22/07/2008

Corinthians se safa no fim

Dentinho fez 1 a 0 no Castelão lotado (51 mil presentes, 47 mil pagantes) e deu a impressão de que o Corinthians, que jogava, diga-se, com coragem, para acuar o Ceará, venceria.

Só impressão.

Porque o artilheiro Luís Carlos (revelado pelo CFZ de Zico e ex-Bangu, Coritiba, Paysandu e Vasco) não demorou muito para empatar e até para virar, ainda no primeiro tempo, de pênalti, cometido por Elias em noite abaixo da crítica, assim como os laterais Denis e André Santos.

A exemplo do que aconteceu na derrota anterior para o Bahia, o Corinthians cansou de perder gols.

Até que a defesa cearense falhou e Dentinho, aos 36 do segundo tempo, conseguiu empatar.

O Ceará manteve sua invencibilidade em Fortaleza, cinco vitórias e, agora, dois empates.

E o Corinthians vai a Curitiba no próximo sábado, enfrentar o Paraná Clube, que ganhou do Barueri e obteve sua segunda vitória seguida.

A rodada acabou sendo boa para o Corinthians, que se safou de mais uma derrota, viu o Barueri (4o. colocado) perder e o Avaí (3o.) só empatar.

O vice-líder Juventude, agora a quatro pontos do líder, perdeu para o então penúltimo colocado Gama, no DF, por 2 a 0.

Já a Ponte, em quinto lugar, venceu o Vila Nova, em Campinas, e ficou a apenas seis pontos do Timão.

Por Juca Kfouri às 22h00

Noite de Castelão lotado

Com mais de 35 mil ingressos já vendidos, a expectativa é a de que o Castelão receba hoje por volta de 50 mil torcedores.

Tudo para ver o invicto, em casa, Ceará, com cinco vitórias e um empate, diante do Corinthians, cuja invencibilidade o Bahia quebrou no sábado.

O jogo começa às 20h30, os dois times são alvinegros, o paulista lidera a Série B e o cearense está apenas em sétimo lugar.

De um lado Lula Pereira, do outro Mano Menezes.

Para o Ceará, o jogo do ano.

Para o Corinthians, mais um jogo de sua via crucis.

Por Juca Kfouri às 00h48

21/07/2008

"Em Pequim, espero mais da seleção das meninas"

Por Juca Kfouri às 17h10

20/07/2008

E o torcedor do Galo não entrou no Mineirão

A média de público do Galo, no Mineirão, neste Brasileirão, até o jogo de hoje, o do protesto, era de cerca de 18 mil pagantes por jogo.

Hoje foram pouco mais de 6500 torcedores.

É bom não duvidar do que a massa é capaz de fazer.

 

Por Juca Kfouri às 21h33

Haja equilíbrio no Brasileirão

Entre o primeiro e o quinto colocados, Flamengo e São Paulo, apenas três pontos.

E do décimo colocado, o Coritiba, para baixo, no máximo outros três pontos separam da zona do rebaixamento.

É o equilíbrio do Campeonato Brasileiro, depois de ultrapassado seu primeiro terço, 13 rodadas de 38 já disputadas.

A 13o. rodada teve 28 gols e média de público de 17.400 mil pagantes por jogo.

Só para variar, o Flamengo foi quem levou mais gente ao estádio, nada menos do que quase 42 mil pagantes.

E o Ipatingão não recebeu nem três mil torcedores para ver Ipatinga e Portuguesa.

No meio de semana tem mais.

Por Juca Kfouri às 20h42

Tem festa na Bahia

"Devagar também é pressa", diz o blogueiro baiano Humberto Miranda do Nascimento.

E diz com orgulho.

E diz com razão.

Bahia e Vitória derrotaram os líderes dos Brasileirões.

E calaram as duas maiores torcidas do país.

Devagar.

Com a cabeça.

E, é sabido, baiano burro nasce morto.

Por Juca Kfouri às 20h35

A virada do Galo

No Mineirão, o Coritiba fez 2 a 0 com Keirrison e César Prates, contra, e cedeu o 2 a 2 ainda no primeiro tempo, gols mineiros de Gedeon, aos 30, e Petkovic, de pênalti, aos 45.

No segundo tempo, Coritiba com 10 jogadores, aos 27, Eduardo consagrou a virada do Galo e o tirou da Z-R.

Tinha pouca gente no Mineirão, mas a camisa do Galo jogou sozinha, como era preciso.

Por Juca Kfouri às 20h10

Vitória no G-4, São Paulo na cola

O São Paulo começou fulminante no Morumbi, Renato Silva teve que salvar bola na linha fatal, Zé Luiz mandou no travessão do Botafogo mas...

Mas, depois, o Botafogo não só equilibrou como jogou melhor e foi mais perigoso.

Até que o goleiro Castillo fez um pênalti no menino Alex Cazumba, depois de ótimo lançamento de Jorge Wagner.

Rogério Ceni fez 1 a 0, aos 34.

O Botafogo continuou melhor no segundo tempo e obrigou Alex Silva a imitar Renato Silva, aos 5, em bola por cobertura de Lúcio Flávio.

Aos 32, Carlos Alberto, que entrara no segundo tempo, empatou, ao chutar de fora da área, num gol parecido ao que tinha feito pelo São Paulo contra o Santos, quando enfrentou Emerson Leão pela primeira vez depois de ter brigado com ele no Parque São Jorge.

A bola desviou em Hugo e em Alex Silva e entrou, para fazer justiça ao que era a partida.

Em seguida, Jorge Henrique desperdiçou a chance da virada, ao chutar na rede pelo lado de fora quando tinha Wellington Paulista na cara do gol.

E mesmo sem jogar bem, o São Paulo fez com Dagoberto, aos 42, seu gol da vitória, em bola passada, outra vez, por Jorge Wagner.

E enquanto o São Paulo ganhava do Botafogo que fazia sua melhor partida neste campeonato, o Flamengo perdia para o Vitória, no Maracanã.

Depois de um primeiro tempo em que o time baiano foi bem melhor que o carioca, logo de cara Tardelli fez gol para o Flamengo, mal anulado pelo bandeirinha.

E Dinei, aos 9, em contra-ataque, fez o gol do Vitória, de volta ao G-4 no lugar do Palmeiras que foi superado, também, pelo São Paulo.

E aí é que está: mal ou bem, o São Paulo passou pelo Botafogo, como ganhou de Flamengo e de Vitória na casa deles, enquanto o líder Flamengo perdeu de novo, agora para o Vitória e no Maracanã. 

Por Juca Kfouri às 20h02

Ah, as arbitragens...

Quatro jogos às 4 da tarde e, no mínimo, quatro erros que mexeram com os resultados dos jogos.

O Náutico empatou com o Inter, nos Aflitos, com um gol de Radamés, aos 15 do segundo tempo, fruto de um pênalti inexistente.

O Inter só empatou no fim com Nilmar, pegando o rebote de uma bola na trave, em clara posição de impedimento.

O Santos venceu o Sport, na Vila Belmiro, gol de Kléber Pereira, aos 43 do primeiro tempo, fruto de um pênalti em Molina, que existiu.

Mas, minutos antes, o Sport havia aberto o placar, com um gol legal de Roger, aos 26, anulado por impedimento inexistente, desses erros imperdoáveis do auxiliar.

Foi a primeira vitória de Cuca, que tirou a lanterna do Santos e a devolveu ao Ipatinga.

E no belo embate esmeraldino no Serra Dourada, o Palmeiras, que perdia por 2 a 0, diminuiu com Alex Mineiro em impedimento, embora daqueles que o auxiliar tem o direito de errar.

E para sorte da arbitragem, neste caso, o Goiás acabou vencendo por 3 a 2.

Graças, aliás, às falhas da defesa palmeirense, seja de seu miolo de zaga com Jeci e Gladstone, seja de Diego Souza que quis sair jogando e proporcionou o terceiro gol goiano, de Alex Terra (aos 15 do segundo tempo), ele que já havia feito o primeiro, de cabeça, aos 11 minutos de jogo.

Também de cabeça, Paulo Henrique fez 2 a 0 aos 21, e o Palmeiras empatou com Jeci, ao fim da etapa inicial.

Kléber jogava muito bem, era o melhor do Palmeiras, até aprontar mais uma das dele e ser expulso mais uma vez, para complicar de vez a vida de seu time.

Em compensação, mesmo sem Paulo Baier, o Goiás encontrou em Romerito o seu novo homem-esquadra, tanto que ele jogou.

Irritado com a cera do Goiás que usou até seus gandulas para retardar o jogo (parece mentira que ainda fazem isso no Brasil), Denílson, após o jogo terminado, falou qualquer coisa para o árbitro e também foi expulso.

E o Atlético Paranaense ganhou do Vasco por 3 a 1.

Vencia por 2 a 0, o Vasco diminui com Alan Kardec e viu Leandro Amaral perder pênalti, defendido por Galatto.

Aí, o Furacão matou o jogo com Anderson Aquino.

Por Juca Kfouri às 18h00

Movimento "Fica, Grego!" – bom começo, o mau presságio e o sofisma

Por JOSÉ MANSSUR *

O bom começo.

Lançado há dois dias, o movimento "Fica, Grego!" tem algo para comemorar.

Grego deu uma coletiva ontem. Diretamente da Grécia. Portanto, pela última informação recebida, Grego vai ficando pela Grécia...

Sendo assim, pela última notícia, o movimento "Fica, Grego!" vai prosperando...

O mau presságio.

Na mesma coletiva, Grego anunciou, sem corar, que será "candidato" nas próximas "eleições" da CBB marcadas para 2009.

Coloquei os termos "candidato" e "eleições" entre aspas (não está assim no original) porque, tendo em vista as notícias trazidas pela imprensa sobre como Grego foi eleito e re-eleito, é de se supor ser um exagero chamar aquilo de "eleição" no sentido democrático do termo.

Para ter candidato tem que ter disputa eleitoral. Mesmo a candidatura única enseja participação numa disputa eleitoral. Da forma como tem sido as eleições da CBB, não há que se falar em disputa eleitoral. Se não há disputa, não há candidato.

Grego disse que pretende ser recolocado no cargo pelos presidentes das federações. Isso sim.

Ou o "Fica, Grego!" consegue seu intento e o cidadão resolve permanecer na Grécia, ou os nossos bravos presidentes das federações estaduais vão reconduzir Grego para uma gestão.

Se é que isso é possível, a tendência é aumentar o desastre.

Como lembrou bem o dono do blog, nos resta torcer para as Olimpíadas de 2016 serem no Rio de Janeiro, para termos a garantia da nossa participação, mesmo que seja para brigarmos pelo último lugar. São mais oito anos, dá tempo suficiente para a CBB ultimar a tragédia.

O sofisma

Conforme o relato da entrevista publicado no "Estado de S.Paulo", Grego disse: "O feminino tem ido bem, com boas participações nos Mundiais, e ninguém fala nada".

Grego assumiu em 1997, quando a Seleção Brasileira Feminina de Basquete era a atual Campeã Mundial 1994 e medalha de prata nas Olimpíadas de Atlanta 1996.

Depois de 11 anos da sua gestão, a Seleção Feminina ficou com a última das vagas disponíveis para a Olimpíada de Pequim.

Classificou-se no último minuto da última chance, ao vencer Cuba.

Ótimo. Felizes pelo esforço das jogadoras e pelo bom trabalho do Paulo Bassul, na ponta do lápis, é fácil constatar que o estrago que o Grego fez no feminino, em termos de posicionamento do Brasil, no comparativo "onde estava e onde está", é proporcional ao desastre do Masculino.

Logo, não estamos indo nada bem.

E dizer que ninguém fala nada é uma injustiça. Muita gente tem falado. E bastante.

As atletas, por exemplo, cansaram de falar, depois do Mundial realizado no Brasil, que a CBB não pagara os seguros indispensáveis à sua participação naquela competição.

Quem gosta de basquete tem falado, ainda, que o campeonato nacional feminino tem entre seis e oito clubes, o que é insuficiente para formar uma base de atletas para uma seleção forte.

Falamos também da vergonha que sentimos ao realizarmos um Campeonato Mundial no Brasil num ginásio com goteiras.

Temos falado bastante. Falado mal da péssima gestão da CBB, também no basquete feminino.

O fato é que, já no seu primeiro ato da aguardada permanência na Grécia, o Grego sofismou. Digamos que não é lá um bom começo. Não na Grécia.

Gente que conhece os gregos, e não é de hoje, nos contou que eles não têm boa impressão de quem usa esse tipo de "tática" de argumentação.

De todo modo, não é problema nosso. Nosso problema é o "Fica, Grego!". É manter o cidadão longe do nosso basquete.

Como eles vão fazer para ficar com ele por lá é problema deles. Eles saberão utilizar os séculos de experiência para lidar bem com esse tipo de situação.

Não devemos nos preocupar.

Segue forte o nosso movimento.

*José Manssur é advogado e basqueteiro.

Por Juca Kfouri às 14h58

Sobre o autor

Formado em Ciências Sociais pela USP. Diretor das revistas Placar (de 1979 a 1995) e da Playboy (1991 a 1994). Comentarista esportivo do SBT (de 1984 a 1987) e da Rede Globo (de 1988 a 1994). Participou do programa Cartão Verde, da Rede Cultura, entre 1995 e 2000 e apresentou o Bola na Rede, na RedeTV, entre 2000 e 2002. Voltou ao Cartão Verde em 2003, onde ficou até 2005. Apresentou o programa de entrevistas na rede CNT, Juca Kfouri ao vivo, entre 1996 e 1999. Atualmente está também na ESPN-Brasil. Colunista de futebol de "O Globo" entre 1989 e 1991 e apresentador, desde 2000, do programa CBN EC, na rede CBN de rádio. Foi colunista da Folha de S.Paulo entre 1995 e 1999, quando foi para o diário Lance!, onde ficou até voltar, em 2005, para a Folha.

Histórico