Blog do Juca Kfouri

Tabelinha com Juca

Segundas-feiras, às 15h

08/11/2008

Quem segura o São Paulo? Alívio para Vasco e Furacão

O goleiro da Lusa colaborou ao bater roupa e Borges abriu o placar logo aos 8 minutos.

Parecia que tudo correria às mil maravilhas para o São Paulo.

Mas o time afrouxou e Jonas fez belo gol para empatar, aos 41, daqueles gols ruins de levar.

Foi só o tricolor, no entanto, apertar de novo para a defesa lusa fraquejar outra vez e Borges fazer 2 a 1, ainda no primeiro tempo, aos 46.

No segundo tempo, a mesma coisa.

O São Paulo recuou, teve um pênalti não assinalado do goleiro luso em Rodrigo e sofreu o empate, outra vez com Jonas, agora de cabeça, livrinho da silva dentro da área.

Pronto!

Diante de 20 mil torcedores no Canindé, era o vacilo que o São Paulo não podia dar, embora o Brasil inteiro torcesse para que desse.

Pronto nada!

Aos 42, Borges, de novo, em posição legal, fez o gol que mantém o São Paulo isolado na liderança pela segunda rodada seguida.

Aos 47, a Lusa meteu uma bola simplesmente no travessão de Rogério Ceni.

Quem segura o quase hexacampeão?

Bonito, também, fez o Vasco, em São Januário.

Ganhou por 1 a 0, fruto de um pênalti inexistente bem cobrado, ufa!, por Edmundo.

Mas jogou muito mais que o Santos, que só não levou de três ou quatro porque Fábio Costa impediu.

Como foi muito bem o Furacão, ao vencer o Figueira, em Floripa, por 2 a 0.

Vasco e Furacão estão fora da ZR.

Por Juca Kfouri às 20h25

Timão campeão!

Com gols de Chicão (o décimo do zagueiro no campeonato), aos 22, e de Cristian, aos 33, depois de lindo passe de Douglas, ambos no primeiro tempo, o Corinthians passou bem pelo Criciúma, em Santa Catarina.

Talvez tenha sido, no primeiro tempo, a melhor exibição do alvinegro na Série B, de Brasil.

No segundo tempo, o time diminuiu o ritmo e Felipe apareceu com boas defesas.

Este resultado, mais o 1 a 1 entre CRB e Avaí, dá o título da Série B ao Timão com quatro rodadas de antecedência.

Algo que pode ser comemorado de um modo diferente, como, por exemplo, com este arranjo do violonista Beto Siqueira, um cuiabano apaixonado pelo Corinthians, pela MPB e por música erudita.

Curta!


Por Juca Kfouri às 18h32

07/11/2008

Aos colorados

Muitos colorados estão protestando, com razão, pela ausência de comentário sobre a vitória do Inter sobre os reservas do Boca Juniors, em plena Bombonera e com grande atuação de Alex, segundo todos que viram o jogo pela Copa Sul-Americana.

O Inter, por sinal, também com razão, está pedindo a dispensa de Alex do amistoso da Seleção Brasileira contra Portugal, dia 19 de novembro, mesma data da segunda partida semifinal contra o Chivas, em Guadalajara.

Tomara que o Inter seja bem sucedido.

Quanto ao jogo diante do Boca, nada a fazer.

Não pude ver, não posso comentar.

 

Por Juca Kfouri às 20h00

Parabéns, blogueiros!

Parabéns a todos os atentos que perceberam que escrevi Diego Silva em vez de Diogo Souza.

Por Juca Kfouri às 19h55

O goleiro Albert Camus

Por ROBERTO VIEIRA

Há 95 anos nascia Albert Camus.

E o que o futebol tem a ver com isso?

Tudo.

Nunca houve um escritor como Albert Camus.

Porque nunca houve um Nobel de literatura com um passado de goleiro.

(Embora o ex-goleiro vascaíno Valdir Appel bata um bolão com as palavras)

O menino pobre, de infância difícil nas ruas de Argel, encontrou no futebol alegria.

Até que a tuberculose encerrou seus sonhos de boleiro aos 17 anos.

Quando o mundo assistia a primeira Copa no Uruguai.

Afastado do gol do Racing de Argel, Camus refugiou-se nos livros.

Nas palavras. Na dramaturgia.

E, durante um bom tempo, na política.

O goleiro é uma criatura estranha no campo de futebol.

Único jogador que pode agarrar a bola com as mãos.

Um estrangeiro.

Pois assim era Camus na Argélia. Um francês nascido na África.

Um 'pied noir'.

Um 'homem de fronteira', na definição de Mário Vargas Llosa.

Com as mesmas contradições de um Zinedine Zidane.

Zidane que é um argelino nascido na França.

Ao visitar o Brasil no final dos anos 40, Camus admirou-se com as casas caiadas e telhados vermelhos do bairro de São José em Recife.

Observou o contraste entre a floresta continental e o concreto de São Paulo.

Mas, velho apaixonado, seu primeiro pedido foi assistir um jogo de futebol.

Fascinado pelo amor do povo pelas quatro linhas do gramado.

Amor que ainda carregava em seu coração.

Anos depois, um jornalista perguntou irônico a Camus sobre a importancia do futebol em sua vida.

Futebol considerado mera curiosidade na biografia do escritor.

Albert Camus respondeu. Subitamente sério. Saudade no olhar:

"O que eu sei sobre a moral e as obrigações de um homem devo ao tempo em que joguei futebol..."

Há 95 anos nascia Albert Camus.

E o que o futebol tem a ver com isso?

Tudo.

Por Juca Kfouri às 19h52

A favor. Mas contra

Este blog é inteiramente favorável ao uso da eletrônica na arbitragem dos jogos de quaisquer esportes.

Se o árbitro do jogo não viu um determinado lance ou tem dúvidas a seu respeito, que entre em campo a tecnologia.

Mas este blog não apóia que tribunais substituam o papel do árbitro quando este interpreta um lance ao seu modo.

E, por isso, considera um erro a punição ao jogador do Palmeiras, Diego Souza.

Se o árbitro foi mal ao não punir o atleta, que o tribunal puna o árbitro, não o atleta.

Por Juca Kfouri às 17h39

Ciclismo é esporte. Mas não é apenas esporte

Por WILSON TEIXEIRA*

No Brasil, a frota nacional de bicicletas é superior a 50 milhões de veículos.

Desse total, 2/3 são utilizados por operários e trabalhadores, de segunda a sexta.

Segmento social que mora nas periferias das grandes cidades e que pedala para ir trabalhar e a casa retornar.

Por falta de recursos para utilizar o transporte público.

Correndo risco de vida.

De graves acidentes.

Porque a administração do Estado, em seus diversos níveis, intenções locutórias à parte, não investe na construção de ciclovias.

Para pressionar os governos federal, estaduais e municipais no sentido de investir em uma efetiva política de mobilidade por bicicleta, a ONG Rodas da Paz e a União de Ciclistas do Brasil realizarão em Brasília, nos dia 12, 13 e 14 de novembro, a 1a. Conferência Internacional sobre Mobilidade por Bicicleta.

O evento contará com a participação de especialistas em política cicloviária e em mobilidade por bicicleta dos Países Baixos e do ex-prefeito de Bogotá, Antannas Mockus, que transformou a realidade do trânsito da capital colombiana.

*Wilson Teixeira é ciclista. E jornalista.

www.bicicultura.org.br  

 

Por Juca Kfouri às 15h20

Vem aí a 34a. rodada do Brasileirão

Dos seis times que jogam no sábado às 18h30 pela 34a. rodada do Brasileirão, cinco correm o risco de cair e um luta para ser campeão.

Este é o São Paulo, que visita a ameaçada Portuguesa, no Canindé.

A tradição de vencer no seu antigo campo deve ser mantida pelo tricolor.

O também ameaçado Vasco recebe o ainda em risco Santos e Figueirense e Atlético Paranaense fazem um jogo de desesperados em Floripa.

Dos sete jogos no domingo, dois são mais para constar, entre Sport e Goiás e Vitória e Galo.

Outros dois só devem acrescentar tristeza ao ainda esperançoso Náutico, que visita o Coritiba, e ao moribundo Ipatinga, que visita o Inter.

Inter classificado para enfrentar o Chivas mexicano pelas semifinais da Copa Sul-Americana ao ganhar do Boca Juniors ontem à noite na Bombonera, por 2 a 1.

O Botafogo enfrenta o Flamengo no Maracanã só para tentar machucar o coração do velho rival e o Cruzeiro recebe o Fluminense, num jogo em que o empate é ótimo para o Flu e péssimo para os mineiros.

E, finalmente, o grande jogo da rodada, entre Palmeiras, sem Diego Souza suspenso ontem pelo STJD e Kléber suspenso pelos cartões amarelos, no Palestra Itália, contra o Grêmio, também repleto de reservas.

Um jogo que ficou com cara de empate, ruim para os dois.

Comentário para o Jornal da CBN desta sexta-feira, 7 de novembro de 2008.

http://cbn.globoradio.globo.com/cbn/comentarios/jucakfouri.asp

 

Por Juca Kfouri às 02h24

06/11/2008

Dé e André

Reuters/Bruno Domingos

Por ROBERTO VIEIRA

De uns tempos pra cá somos surpreendidos com as loucuras do zagueiro André Luís.

André que chutou garrafa em Recife.

André que foi expulso mais de cem vezes nos últimos dois anos.

André que é um bom zagueiro.

Pois bem. Nos anos 70, o futebol carioca tinha um atacante.

Rápido, oportunista. O nome dele era Dé.

Perambulou pelo Vasco da Gama ao lado de Dinamite.

Pelo América ao lado de Flecha e Bráulio.

Um belo jogador.

Mas Dé tinha um defeito: Era louquinho da silva.

Vira e mexe arranjava um jeito de entrar para o folclore do futebol.

Certa vez sacudiu areia nos olhos do goleiro Andrada numa cobrança de escanteio.

Noutra desviou a bola do zagueiro com uma pedra de gelo.

Porém, seu pior momento foi arrancar um cartão amarelo das mãos do juiz e... comer o cartão.

Depois, convicto da besteira que tinha feito, se retirou em silêncio. Expulso.

No jogo Botafogo x Estudiantes desta quarta no Engenhão, sessão espírita.

Baixou o santo de Dé no zagueiro André Luís do Botafogo.

E ele arrancou o cartão amarelo das mãos do árbitro da partida.

Só esqueceu de mastigar o dito cujo.

Entre Dé e André, no entanto, paira uma diferença menos gastronômica.

Dé fazia a gente rir.

Já André...

Por Juca Kfouri às 09h43

Lembrete

Chicago, ao lado de Madri, Tóquio e do Rio são as cidades candidatas a sediar os Jogos Olímpicos de 2016.

Barack Obama fez sua vida política em Chicago, cidade que escolheu para viver.

Tóquio já manifestou sua preocupação.

O Rio, no entanto, está quieto.

Sabe que sua candidatura é café com leite.

Café com leite adoçado com ouro, é verdade.

Porque uma Medida Provisória que destina R$ 85 milhões foi editada apenas para financiar a campanha.

Nada, no entanto, pelo menos aparentemente e segundo temem, e tremem, os realistas japoneses, se comparado com o peso de um cabo eleitoral como o novo presidente dos Estados Unidos.

Por Juca Kfouri às 00h54

05/11/2008

Mais um vexame brasileiro na Copa Sul-Americana

O futebol brasileiro, até agora virgem na Copa Sul-Americana, sem nenhum título na competição, passou mais uma noite dando vexames.

O Palmeiras foi presa fácil do Argentino Juniors e perdeu em Buenos Aires como tinha perdido em São Paulo.

O Botafogo não foi muito diferente.

Só empatou no Rio de Janeiro e como tinha perdido em La Plata para o Estudiantes também foi eliminado.

O Palmeiras conseguiu o que queria, para poder se concentrar só no Brasileirão.

Já o Botafogo não conseguiu salvar seu ano.

Agora resta só Inter que, nesta quinta-feira, na Bombonera, tenta seguir adiante passando pelo Boca Juniors.

O time gaúcho, que venceu em Porto Alegre por 2 a 0, pode perder por um gol de diferença para ir às semi-finais na sétima edição da Copa Sul-Americana.

Ao não dar bola para o torneio, os clubes brasileiros deveriam abrir mão de participar dele.

Porque, queiramos ou não, é o nome do futebol brasileiro que entra em jogo.

E cada vez se respeita menos o nome do futebol brasileiro pelo mundo afora.

O Palmeiras perdeu por 2 a 0 (3 a 0 no placar agregado) e o Botafogo empatou 2 a 2 (4 a 2 para o Estudiantes no placar dos dois jogos).

Os primeiros tempos lá e cá terminaram 2 a 0 para os argentinos.

Comentário para o Jornal da CBN desta quinta-feira, 6 de novembro de 2008.

http://cbn.globoradio.globo.com/cbn/comentarios/jucakfouri.asp

Por Juca Kfouri às 23h56

Não deixe de ver

'Histórias' mostra a dor que existe por trás da glória na ginástica

Por ESPN.com.br

A ginástica brasileira se mostrou ao mundo.

Com a abnegação das atletas, conquistou o respeito e uma coleção de medalhas.

Empolgou os adversários com momentos maravilhosos nos últimos anos sob o comando do técnico ucraniano Oleg Ostapenko, que decidiu voltar para sua terra natal, acompanhado da mulher, Nadija.

Ele estava no Brasil desde 2001.

'Histórias do Esporte: Sem Limites' vai mostrar nesta quinta-feira, 0h10, na ESPN Brasil, se valeu a pena o alto preço pago pelas atletas.

 Daiane dos Santos e Laís de Souza passaram por cirurgias, enquanto Jade Barbosa luta contra uma série de lesões.

Todas enfrentaram o mesmo calvário, uma batelada de remédios sem controle apenas para driblar o tempo de recuperação - a 'Pérola Negra' faz incríveis revelações no programa.

Se não bastassem os problemas físicos, também houve abalo psicológico, que reduziu a equipe a um grupo de meninas estressadas como Bruna, Maira e Ana Paula.

Sem contar o dramático caso da potiguar Merly de Jesus, que teve uma lesão no fêmur e foi literalmente abandonada pela Confederação Brasileira de Ginástica após a recuperação em Natal.

No especial 'Sem Limites', o fã do esporte vai ver Merly, aos 20 anos, lutando para sobreviver com a técnica da tatuagem, deixando a filha aos cuidados dos avós.

Alguns limites foram ultrapassados com alto risco para a saúde física e mental de crianças tratadas como adultos por obcecados dirigentes da Confederação Brasileira de Ginástica.

‘Histórias do Esporte: Sem Limites’, um programa que vai mostrar a dor que existe por trás da glória olímpica.

Reapresentação nesta sexta-feira, 0h10.

Por Juca Kfouri às 22h55

Alívio do Flu

Impossível qualquer apreciação técnica sobre o jogo em Floripa.

Era mais pólo aquático do que futebol o esporte disputado agora há pouco entre Figueira e Flu, tamanho o dilúvio que caiu no capital catarinense.

E o Flu manteve o 1 a 0 obtido antes da interrupção do jogo, na semana passada, por falta de energia.

Antes de pegar simplesmente o Cruzeiro, no Mineirão, no domingo, o Flu sente um pequeno alívio e sai da ZR, recolocando o Atlético Paranaense nela.

Os tricolores comemoraram o resultado vivamente.

E antes de pegar o Furacão, em Floripa, no sábado, o Figueirense se complica ainda mais na antepenúltima colocação.

Por Juca Kfouri às 21h37

04/11/2008

75% acreditam no São Paulo

Com 15 mil participações, 75% dos que responderam à sondagem do blog consideram que o São Paulo pode ser o campeão brasileiro de 2008.

A pergunta ficou no ar todo esse tempo só por uma razão: o dono do blog queria verificar a variação das opiniões à medida que as rodadas se sucediam, pois quando a sondagem entrou no blog o São Paulo nem estava no G4.

Então, mais de 52% não acreditavam que o tricolor ainda pudesse chegar ao título.

Com o passar das rodadas a maioria mudou de lado até chegar ao expressivo patamar de 75%.

Por Juca Kfouri às 23h45

Mais uma vitória da democracia

No dia 20 de maio de 2007, este blog publicou a nota abaixo:

"Senador da CBF"

"O senador Delcídio Amaral (PT-MS), acusado de ter pego R$ 24 mil da empreiteira Gautama, cujo dono está preso pela "Operação Navalha" da Polícia Federal, para alugar um jatinho particular, recebeu R$ 100 mil da CBF nas eleições passadas. Alguma surpresa?"

Ricardo Teixeira sentiu-se ofendido, embora nem tenha sido mencionado, e a CBF acionou o dono deste do blog.

Em primeira instância, o Juiz Antonio Aurélio Abi-Ramia Duarte absolveu este jornalista e sentenciou que "Graças a imprensa e a força dos homens que dedicam sua vida a ela temos um país democrático.

A maior parte dos grandes escândalos deflagrados neste país saíram da mão de valorosos jornalistas que empreenderam sangue, suor e lágrimas, colocando, por vezes suas vidas em risco, para trazer a verdade dos fatos à tona.

Portanto, todos os fatos noticiados pelo jornalista são verdadeiros e fazem parte do seu ofício, enquadrando-se no seu dever de informar.

O réu exerceu sua regular atividade, aliás, é dever de todo cidadão fiscalizar as doações efetuadas para as campanhas políticas, sendo legítimo exercício de cidadania.

Assim, NÃO HÁ CONDUTA ILÍCITA POR PARTE DO JORNALISTA QUE SOMENTE DIVULGOU A VERDADE."

Inconformado, Teixeira, recorreu ao Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro que, hoje à tarde, por unanimidade, manteve a absolvição deste jornalista.

A liberdade de imprensa agradece.

Por Juca Kfouri às 23h24

Caro amistoso

Sandro Rossel, ex-presidente da Nike no Brasil, provável candidato de oposição à presidência do Barcelona nas próximas eleições do clube catalão, e amigo íntimo de Ricardo Teixeira, foi uma das pontas da triangulação para venda do jogo entre Brasil e Portugal, no Gama, Distrito Federal.

O governo de Brasília teria pago R$ 8 milhões para receber o palpitante amistoso.

Há quem fale, no entanto, em R$ 12 milhões.

Que a CBF não esclareça exatamente o quanto foi fica na conta de dizer que se trata de uma entidade privada, embora assim não aja quando corre atrás do governo para a Copa de 2014.

Mas o governo do Distrito Federal tem a obrigação de dizer quanto pagou.

Por Juca Kfouri às 19h35

E viva a brincadeira!

Está no diário "Lance!" de hoje:

Se empolgou...

Barrichello dá baixaria em festa

Piloto brasileiro rouba a cena na festa comemorativa da Ferrari com xingamento ao ex-companheiro Michael Schumacher

Por Gabriel Rubinsteinn

A Ferrari promoveu uma grande festa na noite de domingo para comemorar oencerramento da temporada 2008 de Fórmula 1, em que ganhou o Mundial de Construtores pela oitava vez em dez anos.

O quase campeão Felipe Massa, vencedor da prova em Interlagos, apareceu para comemorar, mas quem roubou a cena foi outro brasileiro: Rubens Barrichello, piloto com maior número de GPs disputados na História da categoria (267).

Era o começo da madrugada de ontem quando Felipe Massa chegou, acompanhado da esposa Rafaella, de alguns amigos e dos familiares.

Pouco depois, foi puxado pelo empolgado Rubinho que, numa parte elevada da área VIP do evento, que aconteceu na casa noturna Disco, puxou o coro, em tom de brincadeira, mas em alto e bom som: "Schumacher, viado".

Como o LANCE! acompanhou no local, inicialmente o público na festa estranhou a brincadeira, já que Rubens Barrichello tirava sarro de um
dos maiores pilotos da História da escuderia italiana, a anfitriã da noite.

Mas não demorou muito para que todos entrassem na onda.

Em pouco tempo, toda a boate cantava com Rubinho e Massa que, apesar de visivelmente constrangido, participou do coro.

Barrichello, na Fórmula 1 desde 1993, correu pela Ferrari de 2000 a 2005, sempre com Schumacher como companheiro.

Foi vice-campeão da categoria em 2002 e 2004, mas viu o alemão vencer a competição cinco vezes consecutivas quando corriam pela mesma equipe.

Além disso, foi obrigado por diretores a entregar sua posição algumas vezes para que Schumacher vencesse ou chegasse em melhor colocação.

No domingo, Rubinho pode ter feito sua última corrida na F-1, já que seu contrato com a Honda não foi renovado e nenhuma outra escuderia
demonstrou publicamente interesse em contar com o piloto.

O evento da Ferrari, que começou por volta das 22h, continuou madrugada adentro e teve farta distribuição de bebidas alcoólicas.

Observação deste blog: brincalhões como são, não é por acaso que tanto o são-paulino Massa quanto o corintiano Rubinho são objetos de brincadeiras como as abaixo:

Por Juca Kfouri às 12h37

Contra Portugal, Dunga teme perder o lugar

Dunga convocou a Seleção Brasileira para enfrentar Portugal no amistoso do dia 19 de novembro, em Brasília.

Convocou também jogadores que atuam no Brasil, apesar da reta final do Campeonato Brasileiro, prejudicando times como os do São Paulo e do Fluminense, ao chamar os zagueiros Miranda e Thiago Silva.

Estranhamente, no entanto, deixou Hernanes de fora, mas convocou nulidades como Gilberto Silva, que está no futebol da Grécia.

Ronaldinho Gaúcho, mais uma vez, ficou de fora, o que talvez até faça sentido mesmo, mas chamou Adriano, como um prêmio à indisciplina que o centrovante cometeu na Itália e que valeu punição da parte da Inter de Milão.

Dunga convoca Doni e deixa Marcos e Rogério Ceni à margem.

E voltou a convocar Kléber, do Santos, no pior momento da carreira dele, o que o próprio lateral-esquerdo admite.

Dunga está brincando de técnico da Seleção Brasileira e parece temer que com uma derrota para Portugal acabe por perder o seu lugar. 

Comentário para o Jornal da CBN desta terça-feira, dia 4 de novembro de 2008.

http://cbn.globoradio.globo.com/cbn/comentarios/jucakfouri.asp

Por Juca Kfouri às 00h49

03/11/2008

Centenário para renovar a esperança

Por RENATO PENA

Esperançoso que 2008 seria um ano de vitórias, o centenário passou longe de ser como o atleticano sonhou.

No campo, péssimos resultados e um dos piores times da história do clube.

Na administração, vários erros.

O resultado disso, não poderia ser diferente.

O time foi vice-campeão mineiro, eliminado da Copa do Brasil e, no Brasileiro, pode, no máximo, conseguir uma vaga na Copa Sul-Americana.

Antes, precisa se garantir na Serie A em 2009.

Os equívocos da administração Ziza Valadares começaram ainda no ano passado com a não-renovação do contrato do técnico Leão e a
contratação do "odiado" Geninho e, se estenderam, ao longo do ano, com a montagem de um time horrível e com ações de marketing pífias.

A história pode ter começado a mudar em 30 de outubro de 2008, com a eleição do novo presidente do Galo: Alexandre Kalil.

O atleticano enxerga nele um líder que pode aliar o amor ao clube à competência administrativa.

Quando participou da administração de Ricardo Guimarães, como dirigente, o Atlético montou o melhor time da sua história recente, em 2001.

Saiu por divergências com o ex-presidente.

Ainda bem!

Filho de Elias Kalil, considerado o melhor presidente da história do clube, Alexandre é certeza de que o Galo será novamente respeitado e temido pelos adversários.

Derrotas fazem parte do futebol.

O que a torcida não admite é o clube ser goleado pelo maior rival, por 5 a 0, no ano do centenário, e nada ser feito.

Com Kalil no comando, o atleticano sabe que isso não acontecerá.

O espírito atleticano pode ser comprovado nas primeiras ações do novo presidente.

Em vez de festa formal com coquetel, Kalil anunciou que a posse será no Mineirão na partida contra o Vasco.

Os ingressos custarão R$ 5.

"Esta será a minha primeira contratação: a torcida do Atlético, que apavora os adversários".

Kalil assume com vários desafios e sem promessas mirabolantes.

Sua garantia é que vai trabalhar muito e "inundar" o Atlético de homens de bem.

Os desafios que vai enfrentar são comuns a muitos clubes brasileiros: salários atrasados, time fraco e dívidas.

Ao seu lado,tem o apoio de uma das torcidas mais presentes e fiéis do Brasil.

Por ironia, justamente no ano do centenário que a torcida, em protesto, se afastou do Mineirão.

Em sua primeira visita ao CT, o novo comandante alvinegro mostrou o seu jeito de administrar.

Ele proibiu a entrada de empresários na Cidade do Galo.

"Não adianta vir ninguém que não vai entrar. Só entra com ordem expressa da presidência. Qualquer assunto tem de ser tratado
dentro da sede".

A torcida agradece.

O atleticano está cansado de perder promessas por preços baixos.

Para completar, no primeiro jogo sob a nova gestão, o Galo quebrou um tabu de sete anos sem ganhar do Botafogo e venceu por 2 a 1.

Resta ao atleticano torcer para que o Clube Atlético Mineiro volte aos tempos em que brigava no Brasileiro pra ser campeão.

Com Kalil no comando, a esperança é que o Atlético volte a ser forte e vingador.

Por Juca Kfouri às 17h26

Olê, Telê!

Por LEANDRO IAMIN

A torcida do São Paulo é, atualmente, a mais criticada do país.

Culpa de diretores obsessivos que usam argumentos discutíveis para uma arrancada rumo ao posto de maior torcida do país.

Culpa de um estigma discutível que acusa esta massa de só aparecer nas decisões, só ir "na boa". Estigma reforçado nas épocas de média de público muito baixa.

Culpa de uma patrulha dos rivais, posto que o São Paulo não sai de cima das tabelas e isso incomoda, além de fazer surgir torcedores "de ocasião".

Estes mesmos rivais gostam de lembrar que, quatro anos atrás, essa torcida xingava Rogério Ceni em um fatídico jogo em que eles, os torcedores "oficiais", foram de amarelo ao Pacaembu.

Como todo estereótipo, existem distorções e verdades. O torcedor Tricolor tem um estádio que, de enorme que é, exige uma freqüência de alto volume, pois que senão os vazios das bancadas saltam aos olhos. Mas o torcedor tricolor não é só ausência ou desapego. Muito pelo contrário.

Um parente meu, torcedor saopaulino roxo, veio do interior, ontem, e me mandou uma mensagem no celular: "Eu não me lembrava mais, mas absolutamente nada se compara a um gol no estádio".

Outra coisa: não há nada no futebol brasileiro atual que seja mais arrepiante, digno, respeitoso e emocionante do que o côro de "Olê olê olê olê, Telê, Telê" que a torcida sãopaulina faz ecoar no Morumbi.

É especial, espetacular, e destrói os estigmas negativistas a respeito da cultura e do comprometimento do torcedor do São Paulo.

www.leandroiamin.blogspot.com

Por Juca Kfouri às 16h38

O túmulo de Vicente Matheus

Por DOUGLAS NASCIMENTO

A imagem abaixo é uma foto atual do túmulo onde encontra-se sepultado o ex-presidente do S.C. Corinthians Paulista, Vicente Matheus.

Figura polêmica e divertida, Matheus foi sem dúvida um dos maiores dirigentes da história do futebol brasileiro e também de longe um dos mais lembrados pelos torcedores sejam eles corinthianos ou não.

Como podem constatar na imagem acima, seu jazigo está aparentemente abandonado no cemitério da Quarta Parada em São Paulo e por alguma razão que não me foi explicada no cemitério, o mesmo encontra-se também interditado.

Minha família possui dois mausoléus no mesmo cemitério em que se encontra o túmulo do ex-presidente do Corinthians e freqüentemente vou ao cemitério seja para visitar os membros falecidos da minha família ou para limpar os túmulos.

E como de costume, por ser no caminho, sempre passo pela sepultura de Vicente Matheus que fica apenas alguns metros de onde está sepultado o meu pai.

Sempre me chamou a atenção o magnífico disco de bronze que ficava sobre seu túmulo e que fora roubado, fruto dos marginais que agem livremente nos cemitérios de São Paulo.

E eis que pouco mais de um mês atrás, minha mãe me alertou sobre o fato de bandidos terem roubado a porta de bronze do túmulo do lado paterno da família e eu fui até lá para conferir o estrago e para também encomendar outro.

Ao passar como sempre pelo mausoléu de Vicente Matheus me deparei com esta cena da primeira foto, com o cimentado feito pela administração do cemitério.

A minha sensação ao observar o abandono do túmulo foi a pior possível, mesmo não sendo corinthiano um misto de indignação e revolta em ver abandonado o túmulo deste grande homem que ele foi.

Tristeza em saber que nem mesmo o próprio clube que por tantos anos ele comandou e que nem é tão distante dali, sequer presta uma homenagem a ele.

Seria difícil alguém do clube cuidar do jazigo?

Não sei dizer o porque do mesmo estar nesta situação mas acho que seria muito importante independentemente da razão e do culpado que o mesmo fosse recuperado.

Aqui vai meu apelo aos dirigentes do Corinthians: Se a família não pode cuidar, não custa nada ao clube tentar uma conversa com os familiares e os ajudarem a dar um jeito no local.

Acredito que divulgando o caso no clube, até mesmo torcedores iriam se voluntariar em bancar alguma manutenção no túmulo.

Embora poucos saibam, cuidar da limpeza de um túmulo é relativamente simples e barato, torna-se caro evidentemente, quando fica abandonado pois ai há muito mais o que fazer.

Os freqüentes roubos de peças de bronze tornam também a tarefa ainda mais árdua, obrigando os donos de jazigos a optarem por metais menos nobres para evitar a depredação.

Abaixo uma fotografia minha, do mesmo mausoléu, tirada exatos cinco anos atrás:

É preciso que alguém faça algo pela memória deste grande homem que hoje está esquecida. Torcedor do Corinthians saiba você dar gratidão a este homem! Você que está vibrando hoje com o time de volta a primeira divisão, que tal neste dia de finados que se aproxima, ir lá fazer uma homenagem a este que já não se encontra fisicamente entre nós, mas cuja alma será eternamente corinthiana.

Existe uma pergunta que eu gostaria muito que fosse respondida: Porque o túmulo encontra-se interditado ?

Que o dia de finados que se aproxima, sirva de lembrança a todos nós que morrer só é o fim quando nos esquecemos daqueles que já não estão mais entre nós. Esquecer de nossos entes queridos é esquecer de um pouco de nós mesmos.

 http://www.douglasnascimento.com/blog/?

Por Juca Kfouri às 00h51

Oscar Niemeyer apresenta o Estádio João Saldanha


Por Juca Kfouri às 00h46

02/11/2008

Do blog do Silvio Meira

A próxima geração do doping: programação 

Saímos das olimpíadas, estamos nos campeonatos e meetings, vem aí a Copa.

Há humanos competindo o tempo todo, em todo lugar.

De bolinhas de gude a tiro ao alvo, passando por pebolim, salto e ciclismo.

Nesta última modalidade, aliás, o aumento de performance humana através de meios ilícitos é endêmico.

doping tem a mesma idade das competições. e a luta contra o doping é tão velha quanto.

E não há sinais de que a refrega termine ou mesmo diminua.

Isso levou a revista "Wired" a fazer um artigo interessante sobre a próxima geração de doping, que passa por aumentar a performance do sangue, aumentar a potência e resistência da musculatura [geneticamente] e, talvez ao mesmo tempo, criar mais músculos e diminuir a sensação de dor [como resultado de esforço físico extremo] e por aí vai.

A idéia geral por trás das novas formas de doping é criar oportunidades de melhoria da perfomance humana que pareçam tão naturais quanto possível, ou seja, que tornem o processo [e seu resultado] quase impossível de ser qualificado como doping.

E isso é parte da discussão muito mais ampla de modificação -ou reengenharia- do corpo humano, baseada em engenharia e tratamentos genéticos, coisa que não é recente, e ainda vai dar muito o que falar.

Mas o fato é que os seres vivos são "construídos" por um "programa", escrito na forma de seu DNA, e os atletas são parte integral desta história.

E a tentação de aumentar a performance física, "reprogramando" corpos e, por outro lado, de "criar" atletas de maior performance, partindo da concepção, será tão maior quanto mais entendermos as tecnologias envolvidas.

E nosso entendimento [e uso] da engenharia genética está aumentando muito rapidamente…. o que vai levar -possivelmente- à tentação de "programar" humanos, atletas ou não, em escala muito maior.

Afinal de contas, se podemos ter uma performance melhor em matemática [podemos?…] porque não deveríamos ter?…

http://smeira.blog.terra.com.br/2008/10/22/a-proxima-geracao-do-doping

Por Juca Kfouri às 23h49

O que falta para o vice-líder e para o líder do Brasileirão

09/11 Palmeiras x Grêmio Parque Antarctica

16/11 Flamengo x Palmeiras Maracanã

23/11 Palmeiras x Ipatinga Parque Antarctica

30/11 Vitória x Palmeiras Barradão

07/12 Palmeiras x Botafogo Parque Antarctica

 

08/11 Portuguesa x São Paulo Canindé

16/11 São Paulo x Figueirense Morumbi

23/11 Vasco x São Paulo São Januário

30/11 São Paulo x Fluminense Morumbi

07/12 Goiás x São Paulo Serra Dourada

Por Juca Kfouri às 23h19

O São Paulo chegou com ar de quem vai ficar

Mesmo com um público pagante ridículo de 588 testemunhas em Ipatinga, a 33a. rodada do Brasileirão teve uma média de público de 22.786 pagantes por jogo.

Graças, também, à volta do torcedor são-paulino ao Morumbi, melhor público da rodada, mais de 54 mil torcedores.

Quase 23 mil torcedores por partida, portanto, e apenas 23 gols na rodada, porque não tem mais jogo fácil na reta final.

Reta final com duas enormes decepções no Maracanã, no sábado, e no Olímpico, no domingo.

Diante de mais de 41 mil torcedores, o Flamengo só empatou com a Portuguesa e praticamente se despediu do título.

E só não perdeu por pouco.

Já o Grêmio, diante de 35 mil torcedores em casa, também só empatou com o Figueirense.

E só não perdeu por pouco.

É claro que pior fez o Cruzeiro, que perdeu. Mas perdeu fora, em Goiânia, e sem Ramires, que fez muita falta.

Enfim, azar deles e sorte de São Paulo e Palmeiras.

O Palmeiras fez a proeza de ganhar um clássico estadual na Vila Belmiro e no último minuto, assumindo a vice-liderança.

E o São Paulo ganhou bem em casa do misto do Inter.

Ao assumir pela primeira vez a liderança do Brasileirão, o São Paulo avisa os concorrentes que assumiu para ficar e para comemorar não só o hexacampeonato brasileiro como seu primeiro tricampeonato seguido, façanha até hoje não atingida nem mesmo em campeonatos estaduais.

E, registre-se, o primeiro tricampeonato seguido na história do Campeonato Brasileiro.

Este blogueiro reafirma que acredita piamente que isso vá acontecer.

Comentário para o Jornal da CBN desta segunda-feira, dia 3 de novembro de 2008.

http://cbn.globoradio.globo.com/cbn/comentarios/jucakfouri.asp

Por Juca Kfouri às 21h50

Só um Tricolor se deu bem. O paulista

O São Paulo não teve vida fácil no Morumbi, enfim com muita gente, mais de 54 mil pagantes, diante do misto do Inter.

Ao contrário.

Com Guiñazú, Marcão e Alex, o Colorado criou as primeiras chances de gol.

Mas o São Paulo reagiu, mandou bola na trave com Borges e com ele, em posição duvidosa, fez 1 a 0, ainda no primeiro tempo.

Depois, no segundo tempo, Dagoberto roubou uma bola no meio do campo, deu o drible da vaca no zagueiro Bolivar e fez um golaço.

E matou o jogo com Hugo, depois de chutar no travessão e pegar o rebote de cabeça: 3 a 0.

Hernanes, para variar, jogou muito, assim como Hugo, que não enfrentará a Lusa no sábado, por ter levado o terceiro cartão.

Rogério Ceni foi outro que apareceu muito bem.

O São Paulo surge como líder pela primeira vez, com jeito de ir assim até o fim.

Enquanto o tricolor paulista ganhava bem, o Grêmio sofria um gol do Figueirense aos 8 minutos do primeiro tempo e só empatava no fim do primeiro tempo, graças à invenção do árbitro que viu o goleiro catarinense ficar mais de 6 segundos com a bola, coisa que ninguém marca, mas, pior, coisa que não aconteceu.

No segundo tempo o Grêmio foi só pressão, mas sem organização e, por pouco, em dois contra-ataques, não levou mais um gol, embora tenha perdido uns cinco.

Enquanto o tricolor gaúcho caía para terceiro lugar ao perder dois pontos imperdíveis em casa, o Fluminense permanecia na ZR, ao perder para o Vasco, gol de Wagner Diniz, no segundo tempo, no Maracanã, 1 a 0.

O Vasco respira e o tricolor carioca perdeu seu primeiro jogo com Renê Simões.

O Campeonato Brasileiro está entre o São Paulo e o Palmeiras, com vantagem para o primeiro.

Por Juca Kfouri às 20h59

Só um Palestra se deu bem. O paulista

Enquanto o alviverde goiano atropelava o Cruzeiro no Serra Dourada, com gols de Paulo Baier aos 2 e aos 8 (com a colaboração de Espinoza), e de Henrique aos 16 (com o auxílio do goleiro Fábio) e fazia 3 a 0, o alviverde paulista assustava o Santos logo no primeiro minuto, na Vila Belmiro, ao fazer 1 a 0 com Kléber.

Só que enquanto o Cruzeiro morria em Goiânia diante do Goiás, o Santos foi para cima em Santos contra o Palestra.

E exigiu que o goleiro Bruno mostrasse porque ninguém se preocupou no Palestra Itália quando Diego Cavalieri foi vendido, ao fazer três ótimas defesas, uma dela cara a cara com Kléber Pereira.

O Palmeiras resistiu bem e foi para o intervalo com uma vitória que nem merecia e que Kléber poderia ter ampliado se não fosse marcada uma falta inexistente sua num contra-ataque e se Alex Mineiro não tivesse perdido uma cabeçada livre na área santista.

Como futebol é futebol, no primeiro minuto do segundo tempo, Bruno deu um soco na bola para dentro do próprio gol ao tentar evitar que Kléber Pereira cabeceasse depois de um escanteio pela direita.

Vanderlei Luxemburgo entrou em campo e foi expulso, além de ter mandado o santista Cuevas tomar naquele lugar e jogar bola. Exemplar, como sempre.

Aí o jogo que já era bom mesmo com muita chuva, pegou fogo.

E Cuevas não pode mais jogar, substituído por Lima.

O Palmeiras que já tinha voltado com Sandro Silva no lugar de Evandro, botou Denílson e Léo Lima nos lugares de Jumar e Diego Souza, porque precisava vencer.

Aos 30, Robson entrou no Santos no lugar de Molina.

O jogo era tenso e equilibrado.

Martinez, de zagueiro, não perdia uma e Pierre fazia mais uma partidaça pelo alviverde enquanto Adaílton dava show na defesa santista.

Mas o empate era ruim para quem corre atrás do pentacampeonato e não era o resultado que o Santos queria em casa.

Só que, diferentemente do primeiro tempo, o Palmeiras jogava melhor no segundo, embora a melhor chance de gol tenha sido de Kléber Pereira, aos 36, depois de se livrar de Bruno, ficar sem ângulo e chutar na rede pelo lado de fora.

Aos 46, no entanto, Léo Lima apareceu de surpresa na pequena área santista e fez 2 a 1, um gol fundamental para as esperanças do Palmeiras.

Os dois esmeraldinos, o paulista e o goiano, se deram muito bem, mas só um Palestra, o paulista, se deu bem, porque o mineiro deu-se muito mal.

Sem Kléber, com terceiro cartão amarelo, o Palmeiras receberá o Grêmio na próxima rodada.

O Galo ganhou do Botafogo, no Mineirão, por 2 a 1 com dois gols de Leandro Almeida, o primeiro de pênalti, no primeiro tempo, e o segundo de cabeça, no segundo, para aumentar a festa atleticana pela derrota do Cruzeiro em Goiás.

E o Atlético Paranaense saiu do sufoco na Arena da Baixada ao bater o Sport por 1 a 0, gol de Rafael Moura, nos acréscimos. 

Por Juca Kfouri às 18h59

Sobre o autor

Formado em Ciências Sociais pela USP. Diretor das revistas Placar (de 1979 a 1995) e da Playboy (1991 a 1994). Comentarista esportivo do SBT (de 1984 a 1987) e da Rede Globo (de 1988 a 1994). Participou do programa Cartão Verde, da Rede Cultura, entre 1995 e 2000 e apresentou o Bola na Rede, na RedeTV, entre 2000 e 2002. Voltou ao Cartão Verde em 2003, onde ficou até 2005. Apresentou o programa de entrevistas na rede CNT, Juca Kfouri ao vivo, entre 1996 e 1999. Atualmente está também na ESPN-Brasil. Colunista de futebol de "O Globo" entre 1989 e 1991 e apresentador, desde 2000, do programa CBN EC, na rede CBN de rádio. Foi colunista da Folha de S.Paulo entre 1995 e 1999, quando foi para o diário Lance!, onde ficou até voltar, em 2005, para a Folha.

Histórico